A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Autores: Ana Cláudia de Medeiros, Talita Aparecida Calegário, Erlon Ferreira Martin. Orientador: Prof. Dr. Luiz Alberto Kanis.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Autores: Ana Cláudia de Medeiros, Talita Aparecida Calegário, Erlon Ferreira Martin. Orientador: Prof. Dr. Luiz Alberto Kanis."— Transcrição da apresentação:

1 Autores: Ana Cláudia de Medeiros, Talita Aparecida Calegário, Erlon Ferreira Martin. Orientador: Prof. Dr. Luiz Alberto Kanis.

2 O interesse em produtos naturais vem aumentando; as plantas são grande fonte ativos; as doenças inflamatórias são responsáveis por grande desconforto; a planta foco deste estudo é a Wilbrandia ebracteata;

3 Pertencente a família Cucurbitaceae; Encontrada com maior freqüencia do sul e sudeste do Brasil; conhecida popularmente como Taiuiá; usada na medicina popular no tratamento de prisão de ventre, dermatoses, contraceptivo ou abortivo, anti-helmíntico, amenorréia, úlcera gástrica aguda e doenças reumáticas; Figura 1 – Raiz de WE. Fonte: KREPSKY, 2001.

4 Uma das maiores problemáticas sobre o uso de produtos naturais e fitoterápicos é a falta de estudos que garantam a eficácia e segurança das formulações; existe a necessidade da padronização dos extratos utilizados, garantindo assim, a concentração necessária para a atividade farmacológica e abaixo do nível tóxico.

5 Desenvolver um processo extrativo para obtenção de extrato a partir de Wilbrandia ebracteata, caracterizar em função de seus flavonóides e cucurbitacinas e obter o teor de flavonóides totais expressos como isovitexina.

6 Obtenção da matéria-prima vegetal; Desenvolvimento do processo extrativo; Caracterização química do extrato seco etanólico de Wilbrandia ebracteata: Obtenção do Extrato Seco Etanólico (ESEWE); Identificação de flavonóides; Identificação de cucurbitacinas. Determinação do teor de flavonóides totais expresso como isovitexina.

7 As raízes de Wilbrandia ebracteata foram coletadas na cidade de Grão Pará – SC no período de janeiro de 2008; foram lavadas e secas no ambiente durante 5 dias, após isso foram embaladas e guardadas ao abrigo da luz; a raiz da planta foi submetida a moagem em liquidificador industrial; após isso foi realizada a separação granulométrica, os grânulos com tamanho de 106 e 250 µm foram selecionados para o estudo.

8

9 Obtenção do Extrato Seco Etanólico (ESEWE): foi obtido por maceração; RMWE na granulometria de 106 µm com etanol (na proporção de 1:8); durante 72 horas. em seguida o extrato foi filtrado; o solvente foi evaporado em evaporador rotatório, restando o extrato seco etanólico de Wilbrandia ebracteata (ESEWE).

10 Identificação de flavonóides; a análise foi realizada por CCD em placa de HPTLC; a amostra de ESEWE e dos padrões foram aplicadas por HPTLC (isovitexina, orientina, passiflorina e rutina); o eluente utilizado foi acetato de etila:ácido acético:água (8:1:1, v/v/v); a análise em HPTLC deu origem aos cromatogramas.

11 Identificação de cucurbitacinas: o ESEWE foi lavado com diclorometano (EE); a análise foi realizada por CCD em placa de HPTLC; a aplicação das amostras e das cucurbitacinas isoladas foi realizada por HPTLC, o eluente utilizado foi éter de petróleo: acetato de etila:isopropanol (20:10:1, v/v/v). As cucurbitacinas pesquisadas foram cucurbitacina B (CB) e dihidrocucurbitacina B (DHCB) isoladas; a análise em HPTLC deu origem aos cromatogramas.

12 Foi construída uma curva de calibração com as concentrações de 0,005; 0,007; 0,010; 0,015; 0,02 mg/mL de isovitexina foi feita uma solução do ESEWE em etanol na concentração de 1 mg/mL, então, foi realizada a reação para determinação do teor de flavonóides totais expresso como isovitexina utilizando a metodologia de cloreto de alumínio; depois de 30 minutos foi realizada a leitura em espectrofotômetro em 390 nm.

13 Desenvolvimento do processo extrativo: Figura 3 – Teor extrativo obtido com a raiz de WE na granulometria de 106 µm, em diferentes tempos de maceração e proporção planta:solvente (g/mL). Fonte: Elaboração dos autores Figura 3 – Teor extrativo obtido com a raiz de WE na granulometria de 250 µm, em diferentes tempos de maceração e proporção planta:solvente (g/mL). Fonte: Elaboração dos autores

14 Identificação de flavonóides: Figura 4 Fonte: Elaboração dos autores

15 Identificação de cucurbitacinas: Figura 4 Fonte: Elaboração dos autores Figura 5

16 Determinação do teor de flavonóides totais expresso como isovitexina. Figura 6 – Curva analítica (R= 0,99985) para a determinação do teor de flavonóides totais expressos como isovitexina. Fonte: Elaboração dos autores

17 Determinação do teor de flavonóides totais expresso como isovitexina. Constatou que 36,5% dos constituintes do extrato seco etanólico são flavonóides. Figura 7 – Molécula química da isovitexina. Fonte: Elaboração dos autores

18 Foi constatado que o tempo, tamanho de grânulo e proporção planta:solvente influencia no teor extrativo das raízes de WE Na caracterização química do extrato seco etanólico da raiz da planta foram identificados flavonóide (isovitexina) e cucurbitacina (dihidricucurbitacina B). Pela determinação do teor total de flavonóides expresso com isovitexina foi contatado 36,5% de flavonóides no extrato seco etanólico de das raízes de WE.

19 JUNIOR, Jarbas Mota Siqueira. Atividade antitumoral da dihidrocucurbitacina B, um composto isolado de Wilbrandia ebracteata Cogn: estudos in vitro e in vivo. Tese apresentada ao curso de Pós-Graduação em Farmacologia, Universidade Federal de Santa Catarina VALE, Nilton Bezerra do. A farmacobotânica, ainda tem lugar na moderna anestesiologia?. Rev. Bras. Anestesiol.. Vol. 52, nº 3, p Mai-Jun KWOK, B H; KOH, B; NDUBUISI, M I; ELOFSSON, M; CREWS, C M. The anti-inflammatory natural product parthenolide from the medicinal herb Feverfew directly binds to and inhibits IUB kinase, Chem.-Biol Aug; 8(8). SIMÕES, Cláudia Maria Oliveira; SCHENKEL, Eloir Paulo; GOSMANN, Grace (Org.) Farmacognosia: da planta ao medicamento. 2. ed. Florianópolis: Ed. Da UFSC, NUNES, Ednéa dos Reis; NASCIMENTO, Jorge Willian Leandro; ANTONIALLI, Michele Melo Silva; MENEZES, Fabiana Gatti. Estudo do uso de medicamentos antiinflamatórios em drogaria da região central de Guarulhos (SP). ConScientiae Saúde, São Paulo, v. 5, p , LUZ, Tatiana Chama Borges et al. Fatores associados ao uso de antiinflamatórios não esteróides em população de funcionários de uma universidade no Rio de Janeiro: Estudo Pró-Saúde. Rev. bras. epidemiol., São Paulo, v. 9, n. 4, Dec KREPSKY, Patricia Baier; CERVELIN, Mariana de Oliveira; PORATH, Débora; PETERS Rodrigo Rebelo; RIBEIRO-DO- VALLE, Rosa Maria; FARIAS, Mareni Rocha. High performance liquid chromatography determination of cucurbitacins in the roots of Wilbrandia ebracteata Cogn. Rev. Bras. Farmacog. Vo. 19, nº (3), p Jul.-Set GAZOLA, Andressa Córneo. Estudo químico das raízes e folhas de Wilbrandia ebracteata Cogn. Dissertação apresentada ao programa de Pós-Graduação em Farmácia, Universidade Federal de Santa Catarina KREPSKY, Patrícia Baier. Contribuição para o desenvolvimento de método para análise quantitativa de cucurbitacinas em Wilbrandia ebracteata cogn. E luffa operculata (l.) Cogn., empregando CLAE e espectrofotometria no uv. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Farmácia. Universidade Federal de Santa Catarina PETERS, R. R.; FARIAS, M. R.; RIBEIRO-DO-VALLE, M. R.. Anti- inflammatory and analgesic effects of cucurbitacins from Wilbrandia ebracteata Cogn. Planta Medica, v. 63, p , 1997.


Carregar ppt "Autores: Ana Cláudia de Medeiros, Talita Aparecida Calegário, Erlon Ferreira Martin. Orientador: Prof. Dr. Luiz Alberto Kanis."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google