A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Prof. Ana Rita Rainho. Cocos. Streptococcus sobrinus a crescer na superfície de um dente Bacilos. Escherichia coli. Vibriões. Vibrio cholerae.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Prof. Ana Rita Rainho. Cocos. Streptococcus sobrinus a crescer na superfície de um dente Bacilos. Escherichia coli. Vibriões. Vibrio cholerae."— Transcrição da apresentação:

1 Prof. Ana Rita Rainho

2

3

4

5

6 Cocos. Streptococcus sobrinus a crescer na superfície de um dente Bacilos. Escherichia coli. Vibriões. Vibrio cholerae Espirilos. Campylobacter jejuni

7 Forma de reprodução mais comum. Permite um rápido crescimento da colónia quando o meio é estável.

8 Forma de reprodução que envolve recombinação genética. Permite adquirir características novas em meios stressantes. DadorReceptor Tubo de conjugação

9 Algumas formas de actuar das bactérias sobre as células do organismo.

10 Plasma 46 a 63% Plasma 46 a 63% + + Elementos celulares 37 a 54% Elementos celulares 37 a 54% Glóbulos vermelhos Glóbulos brancos Plaquetas Água Substâncias dissolvidas ou em suspensão - O 2 e CO 2, - hormonas, - nutrientes, - minerais,

11 Glóbulos brancos Asseguram a defesa do organismo Plaquetas Coagulação do sangue Glóbulos vermelhos Transporte de gases: O2 e algum CO2

12 Neutrófilos (Fagocitose) Eosinófilos (Defesa contra vírus – elevado teor de RNAses, produção de citocinas) Basófilos (Evoluem para mastócitos. Produção de histamina) Linfócitos (Defesa específica) Monócitos (Evoluem para macrófagos. Fagocitose.) Granulócitos Agranulócitos

13 Monócitos. Vão originar macrófagos Neutrófilo. Linfócito Eosinófilo. Basófilo.

14 MastócitosMacrófagos

15 Acção geral de defesa contra corpos estranhos, independentemente do tipo de corpo, e exprimem-se sempre do mesmo modo.

16 Emissão de pseudópodes para englobar o agente infeccioso Digestão intracelular Realizada por macrófagos (principalmente) e neutrófilos

17

18 Macrófago a fagocitar uma bactéria

19 Macrófago a eliminar bactérias estranhas ao organismo

20 Substâncias libertadas provocam a dilatação dos vasos sanguíneos, permitindo a passagem de sangue e plasma, bem como de neutrófilos e monócitos e leucócitos atraídos por quimiotaxia. Os monócitos convertem-se em macrófagos. Agentes patogénicos provocam a libertação de substâncias químicas, como histamina e prostaglandinas, por parte de células como os mastócitos. Nos tecidos infectados, dá-se a fagocitose do agente invasor e das células mortas. Dá-se a cicatrização do tecido, que volta ao normal. Quimiotaxia - vídeo

21

22 Ocorre quando a infecção é muito extensa. Toxinas + Substâncias Pirogénicas Toxinas + Substâncias Pirogénicas Hipotálamo Aumento da temperatura corporal: -Facilita a fagocitose -Inibe a multiplicação de micróbios -Acelera a cicatrização

23 Mecanismo genérico de defesa contra vírus

24 Conjunto de proteímas que circulam na forma inactiva Activadas por agentes patogénicos ou ligação anticorpo- antigénio Desencadeia uma cascata de reacções com vários efeitos

25 Implicam a intervenção de células com uma acção específica sobre determinados agentes invasores

26 Órgãos linfóides primários - Locais onde há formação e maturação de linfócitos Órgãos linfóides secundários - Locais de acumulação de células e desenvolvimento de resposta imunitária

27

28

29

30 Cada antigénio pode ter mais do que um tipo de determinante.

31

32 Os linfócitos T apenas reconhecem os antigénios apresentados por células do próprio organismo.

33

34 Mais material disponível em:


Carregar ppt "Prof. Ana Rita Rainho. Cocos. Streptococcus sobrinus a crescer na superfície de um dente Bacilos. Escherichia coli. Vibriões. Vibrio cholerae."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google