A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Artigo: Integrated monitoring of fetal growth restriction by computadorized cardiotocography and Doppler flow vecilometry Emanuele Soncini, Elena Ronzoni,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Artigo: Integrated monitoring of fetal growth restriction by computadorized cardiotocography and Doppler flow vecilometry Emanuele Soncini, Elena Ronzoni,"— Transcrição da apresentação:

1 Artigo: Integrated monitoring of fetal growth restriction by computadorized cardiotocography and Doppler flow vecilometry Emanuele Soncini, Elena Ronzoni, Doina Macovei, Alessandro Grignaffini Departament of Gynaecology, Obstetrics and Neonatology, University of Parma, Parma, Italy EJOG, Janeiro de 2006 Ivan Sereno Montenegro Residente

2 Introdução CTG em fetos com CIUR. – CTG x Gasometria. Doppler em fetos com CIUR. – Insuficiência placentária – A umb. – Redistribuição do fluxo sanguíneo – BCF, ACM.

3 Introdução Centralização. Débito cardíaco e insuficiência cardíaca - DV. cCTG x Doppler.

4 Materiais e métodos Revisão de literatura entre 1996 e Diagnóstico de CIUR. Exclusão: – Infecções; – Mal formação e; – Anomalias genéticas.

5 Materiais e métodos cCTG: HP1351A conectado a PC com sistema operacional Windows e software HP2CTG. Parâmetros avaliados: – Baseline FHR - BCF basal; – Number of smal acelerations - nº de pequenas acelerações - e Number of large acelerations - nº de grandes acelerações; – Number of decelerations - nº de desacelerações; – STV - Variabilidade de curto prazo; – LTI - Irregularidade em longo prazo e; – Delta FHR - Delta BCF. – Critérios de inclusão.

6 Materiais e métodos Doppler. – A umb; – ACM e; – DV. Epidemiologia da gestante.

7 Materiais e métodos Metodologia. – Comparação entre parametros de cCTG e Doppler; – Corticoide; – PE; – Correlação entre cCTG e IG. – Estatisticamente significativo caso p <0.05.

8 Resultados Epidemiologia da gestante. – 50 gestantes dentro dos critérios. CIUR severo (< 2,5p) = 38. CIUR moderado (2,5 – 10p) = 12. – Média de idade – 30 anos (19 – 40). – Origem: 78% da Itália. – Paridade: 80% nulíparas. – 52% com PE. – Média de IG no início do estudo: 30 sem. – 74% com menos de 34 sem. – Todas (menos uma) receberam pelo menos uma dose de corticóide.

9 Resultados

10

11 Parto: – 48 cesarianas. – 1 parto normal. – 1 parto normal induzido após morte fetal.

12 Resultados Total = 186 traçados de cCTG.

13 Resultados

14

15

16

17 Corticóide – analisados 165 traçados em pacientes com menos de 34 semanas. Todas, exceto uma, receberam pelo menos uma dose de corticóide. Nos fetos com diástole reversa houve diminuição significativa da Variabilidade de Curto Prazo (STV) nos traçados dentro de 72h da última administração de corticóide. (p = 0.04). Nos demais parâmetros de cCTG não houveram diferenças significativas.

18 Resultados No caso do Doppler em pacientes com insuficiência placentária moderada, também não houveram alterações significativas com relação ao uso do corticóide. Em pacientes com PE, e com o mesmo diagnóstico dopplerfluxométrico, não houveram alterações significativas na cCTG, quando comparadas com pacientes sem PE.

19 Resultados

20 Discussão Importância do estudo. Alterações da cCTG. – Reatividade e DIPs. – Variação do BCF. Doppler x cCTG.

21 Discussão Monitoramento em fetos com CIUR – variabilidade de BCF. Hecher e col. – Doppler do DV e STV. Bilardo e Hecker.

22 Discussão Maturação fetal. – Em fetos com alteração moderada da A umb. – Em fetos com alteração severa da A umb. cCTG em fetos com CIUR. – Reatividade.

23 Discussão Fatores limitantes. – Corticóide. – PE. – Razões metodológicas

24 Discussão Concluindo, o Doppler da A umb pode ser usado para definir CIUR por insuficiência placentária. O Doppler da ACM alerta os médicos sobre a necessidade fetal de compensação da hipóxia (centralização). Mas é o Doppler venoso que ajuda a detectar fetos com alto risco de desfecho neonatal desfavorável cerca de uma semana antes do nascimento, independente da A umb e da ACM.

25 Discussão Em particular, a progressiva deterioração do fluxo venoso ao Doppler representa o melhor preditor correlacionado com óbito fetal. As anormalidades do fluxo venoso são encontradas concomitantemente com alterações severas do Doppler na Aumb em fetos com CIUR por insuficiência placentária (diástole reversa). É neste subgrupo de alto risco que o acompanhamento rigoroso com Doppler venoso e cCTG é mais benéfico

26

27

28 OBRIGADO!


Carregar ppt "Artigo: Integrated monitoring of fetal growth restriction by computadorized cardiotocography and Doppler flow vecilometry Emanuele Soncini, Elena Ronzoni,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google