A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Creatinina sérica em recém- nascidos de muito baixo peso durante os primeiros dias de vida Larissa Rocha Reis Lia Nogueira Lima Coordenação: Paulo R. Margotto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Creatinina sérica em recém- nascidos de muito baixo peso durante os primeiros dias de vida Larissa Rocha Reis Lia Nogueira Lima Coordenação: Paulo R. Margotto."— Transcrição da apresentação:

1 Creatinina sérica em recém- nascidos de muito baixo peso durante os primeiros dias de vida Larissa Rocha Reis Lia Nogueira Lima Coordenação: Paulo R. Margotto Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS)SES/DF

2 Serum creatinine in very low birth weight infants during their first days of life A Auron and MJ Mhanna Department of Pediatrics, MetroHealth Medical Center, Case Western Reserve University, Cleveland, OH, USA J Perinatol 2006;26:

3 Introdução A função renal é imatura nos primeiros dias de vida nos recém-nascidos de muito baixo peso (RNMBP) e prematuros; A função renal é imatura nos primeiros dias de vida nos recém-nascidos de muito baixo peso (RNMBP) e prematuros; Nos RN, a creatinina sérica é elevada na primeira semana de vida; Nos RN, a creatinina sérica é elevada na primeira semana de vida; O clearance de creatinina e a creatinina sérica aumentam com a idade pós-natal nos prematuros; O clearance de creatinina e a creatinina sérica aumentam com a idade pós-natal nos prematuros; Pouco se sabe a respeito da relação entre IG, peso ao nascimento e creatinina sérica nos RNMBP. Pouco se sabe a respeito da relação entre IG, peso ao nascimento e creatinina sérica nos RNMBP.

4 Objetivos Determinar as alterações na creatinina sérica pós-natal nos RNMBP; Determinar as alterações na creatinina sérica pós-natal nos RNMBP; Determinar a existência de correlação entre IG ou peso ao nascimento e creatinina sérica nos RNMBP durante os primeiros dias de vida. Determinar a existência de correlação entre IG ou peso ao nascimento e creatinina sérica nos RNMBP durante os primeiros dias de vida.

5 Pacientes e Métodos Pacientes Pacientes Os registros de todos os RNMBP (< 1500g ao nascimento), admitidos nesta unidade intensiva de cuidados neonatais (UICN) entre 1º de maio de 1998 e 1º de maio de 2001, foram identificados por meio de pesquisa na base eletrônica de dados; Os registros de todos os RNMBP (< 1500g ao nascimento), admitidos nesta unidade intensiva de cuidados neonatais (UICN) entre 1º de maio de 1998 e 1º de maio de 2001, foram identificados por meio de pesquisa na base eletrônica de dados; Foram considerados: escore de APGAR no 5º e 10º min, ventilação mecânica, CPAP, ingestão diária de líquidos, débito urinário, ingestão protéica, uréia nitrogenada sangüínea e creatinina sérica durante os seis primeiros dias de vida; Foram considerados: escore de APGAR no 5º e 10º min, ventilação mecânica, CPAP, ingestão diária de líquidos, débito urinário, ingestão protéica, uréia nitrogenada sangüínea e creatinina sérica durante os seis primeiros dias de vida;

6 Pacientes que estavam em ventilação de alta freqüência e que receberam dopamina, dobutatamina, indometacina, gentamicina, xantinas ( aminofilina, cafeína) e diuréticos também foram identificados; Pacientes que estavam em ventilação de alta freqüência e que receberam dopamina, dobutatamina, indometacina, gentamicina, xantinas ( aminofilina, cafeína) e diuréticos também foram identificados; Valores laboratoriais foram analisados e as amostras hemolizadas foram excluídas; Valores laboratoriais foram analisados e as amostras hemolizadas foram excluídas; Valores laboratoriais foram coletados durante a primeira semana de vida entre os dias 2 e 6. ( o 2º dia de vida foi considerado a primeira manhã depois das primeiras 24h de vida); Valores laboratoriais foram coletados durante a primeira semana de vida entre os dias 2 e 6. ( o 2º dia de vida foi considerado a primeira manhã depois das primeiras 24h de vida);

7 Critério de inclusão: Todos os RNMBP admitidos na UICN durante o período de estudo; Critério de inclusão: Todos os RNMBP admitidos na UICN durante o período de estudo; Critérios de exclusão: Todos os pacientes com oligúria/anúria (débito urinário em 24h < 1ml/kg/hora), em uso de indometacina, anfotericina e diuréticos, hemodinamicamente instáveis, com anomalias congênitas maiores e com APGAR no 5º min < 5; Critérios de exclusão: Todos os pacientes com oligúria/anúria (débito urinário em 24h < 1ml/kg/hora), em uso de indometacina, anfotericina e diuréticos, hemodinamicamente instáveis, com anomalias congênitas maiores e com APGAR no 5º min < 5; A creatinina sérica foi determinada pelo método Jaffe, usando A creatinina sérica foi determinada pelo método Jaffe, usando o sistema SYNCHRON LX 20; O estudo foi aprovado pelo Institutional Review Board na MetroHealth Medical Center. O estudo foi aprovado pelo Institutional Review Board na MetroHealth Medical Center.

8 Análise Estatística: Análise Estatística: A medida repetida da análise de variância (ANOVA) foi usada para avaliar a diferença de creatinina sérica, uréia, infusão de líquidos IV e débito urinário de todos os RNMBP; A medida repetida da análise de variância (ANOVA) foi usada para avaliar a diferença de creatinina sérica, uréia, infusão de líquidos IV e débito urinário de todos os RNMBP; Um teste t pareado (com a correção de Bonferroni) foi usado para comparação entre os dias 2,3,4 e 5 e o dia 6; Um teste t pareado (com a correção de Bonferroni) foi usado para comparação entre os dias 2,3,4 e 5 e o dia 6; O teste de Pearson também foi usado para a correlação entre a creatinina sérica e o peso ao nascimento; O teste de Pearson também foi usado para a correlação entre a creatinina sérica e o peso ao nascimento; P<0,05 foi considerado estatisticamente significativo; P<0,05 foi considerado estatisticamente significativo; Para dados nominais foi utilizado o teste quiquadrado. Para dados nominais foi utilizado o teste quiquadrado.

9 Resultados 1977 RN foram admitidos na UICN; 1977 RN foram admitidos na UICN; 28% com IG 32semanas; 28% com IG 32semanas; Somente 138 RN entraram no critério de inclusão; Somente 138 RN entraram no critério de inclusão;

10 Houve decréscimo na creatinina sérica do RNMBP durante os primeiros dias de vida (p=0,004, n=138). Houve estatisticamente significativa entre os dias 2 e 6 (p<0,001) e 3 e 6 (p=0,001). Não houve entre os dias 4 e 6 (p=0,063) e 5 e 6 (p=0,65).

11 Houve aumento na uréia sérica em RNMBP durante os 1ºs dias de vida (p=0,004) e houve estatisticamente significativa entre os dias 2 e 6 (p=0,004).

12 Durante os 1ºs dias de vida, houve aumento na infusão de líquidos IV (p<0,001) e no débito urinário entre o dia 2 e 6 (p=0,004).

13 Na análise dos subgrupos, não houve decréscimo significativo na creatinina sérica dos RN com IG < 29 sem (p=0,076). Já nos RN com IG entre 29 e 32 sem, houve um decréscimo significativo(p<0,016)

14 Não houve decréscimo significativo na creatinina sérica em RN<1000g (p=0,298). Já nos RN entre 1000 e 1500g, houve decréscimo significativo (p=0,004)

15 No 5º dia de vida, foi observado decréscimo na creatinina sérica com o aumento da IG (coef. de Pearson: 0,206; p=0,05) e do peso ao nascimento (coef. de Pearson: 0,236; p=0,05).

16

17 Entre os pacientes, 89% receberam gentamicina, 48% xantinas (aminofilina e/ou cafeína) e 21% foram submetidos à ventilação mecânica (intubação) ou ao CPAP durante o período do estudo; Entre os pacientes, 89% receberam gentamicina, 48% xantinas (aminofilina e/ou cafeína) e 21% foram submetidos à ventilação mecânica (intubação) ou ao CPAP durante o período do estudo; Considerando o uso de gentamicina, xantinas e ventilação mecânica/CPAP como possíveis fatores de confundimento que pudessem alterar os níveis de creatinina sérica, foi usada análise de regressão logística; Considerando o uso de gentamicina, xantinas e ventilação mecânica/CPAP como possíveis fatores de confundimento que pudessem alterar os níveis de creatinina sérica, foi usada análise de regressão logística; Decréscimo 10% na creatinina sérica (entre o dia 2 e 6) foi escolhido como variável dependente e o uso de gentamicina, xantinas e ventilação mecânica/CPAP como variáveis independentes; Decréscimo 10% na creatinina sérica (entre o dia 2 e 6) foi escolhido como variável dependente e o uso de gentamicina, xantinas e ventilação mecânica/CPAP como variáveis independentes;

18 Não houve efeito estastísticamente significativo da gentamicina, xantinas ou ventilação mecânica/CPAP na variação da creatinina sérica entre o dia 2 e 6. O decréscimo de creatinina sérica 10% foi escolhido pela queda de 0.75 no 2º dia para 0.65 no 6º dia.

19 Para determinar se ventilação mecânica/CPAP em RN com IG < 29 semanas contribui para um aumento dos níveis séricos de creatinina no 6° dia de vida, uma análise de subgrupo foi realizada; Para determinar se ventilação mecânica/CPAP em RN com IG < 29 semanas contribui para um aumento dos níveis séricos de creatinina no 6° dia de vida, uma análise de subgrupo foi realizada; Não houve significativa entre o % de RN ventilados ou tratados com CPAP com IG< 29 semanas e IG 29 semanas durante o período do estudo. Não houve significativa entre o % de RN ventilados ou tratados com CPAP com IG< 29 semanas e IG 29 semanas durante o período do estudo.

20 Discussão Observou-se em uma grande coorte de RNMBP (459 a 1493g) que a creatinina sérica está elevada no 2° dia de vida e decresce no período pós-natal para alcançar um platô entre o 4° e o 6° dia de vida; Observou-se em uma grande coorte de RNMBP (459 a 1493g) que a creatinina sérica está elevada no 2° dia de vida e decresce no período pós-natal para alcançar um platô entre o 4° e o 6° dia de vida; No entanto, em uma análise de subgrupo, foi observado que a creatinina sérica não decresce significativamente durante os 6 primeiros dias de vida em RN com IG< 29 semanas e peso ao nascer< 1000g; No entanto, em uma análise de subgrupo, foi observado que a creatinina sérica não decresce significativamente durante os 6 primeiros dias de vida em RN com IG< 29 semanas e peso ao nascer< 1000g;

21 A alta morbidade dos RNMBP durante os dois primeiros dias de vida e a exposição a múltiplos agentes que podem prejudicar a função renal tornam difícil estabelecer valores de referência normais para a creatinina nos primeiros dias de vida; A alta morbidade dos RNMBP durante os dois primeiros dias de vida e a exposição a múltiplos agentes que podem prejudicar a função renal tornam difícil estabelecer valores de referência normais para a creatinina nos primeiros dias de vida; Durante os dois primeiros dias de vida, os altos níveis de creatinina dos RN podem ser atribuídos a combinação de: níveis maternos de creatinina, imaturidade da filtração glomerular e aumento da reabsorção tubular de creatinina; Durante os dois primeiros dias de vida, os altos níveis de creatinina dos RN podem ser atribuídos a combinação de: níveis maternos de creatinina, imaturidade da filtração glomerular e aumento da reabsorção tubular de creatinina;

22 Os achados deste estudo são consistentes com outros: Bueva et al mostrou um decréscimo da creatinina sérica entre o dia 1 e 2 e 8 e 9 em 11 pacientes ( 1001 a 1500g); Os achados deste estudo são consistentes com outros: Bueva et al mostrou um decréscimo da creatinina sérica entre o dia 1 e 2 e 8 e 9 em 11 pacientes ( 1001 a 1500g); Em um pequeno n° de pacientes, divididos em dois grupos de IG< 30 semanas e entre 31 e 34 semanas, Vanpee et al mostrou que o desenvolvimento da função renal pós-natal é mais lenta em RN prematuros que a termo. Estes autores mostraram que da 1ª a 5ª semana pós-natal, o clearance de creatinina (em ml/min/1,73m 2 ) aumentou de 10 para 20 com IG< 30 semanas e de 15 para 30 com IG entre 31 e 34 semanas. Estes achados são consistentes com os do presente estudo; Em um pequeno n° de pacientes, divididos em dois grupos de IG< 30 semanas e entre 31 e 34 semanas, Vanpee et al mostrou que o desenvolvimento da função renal pós-natal é mais lenta em RN prematuros que a termo. Estes autores mostraram que da 1ª a 5ª semana pós-natal, o clearance de creatinina (em ml/min/1,73m 2 ) aumentou de 10 para 20 com IG< 30 semanas e de 15 para 30 com IG entre 31 e 34 semanas. Estes achados são consistentes com os do presente estudo;

23 Neste estudo não foi medida a taxa de filtração glomerular, mas se observou que em RN com IG < 29 semanas e peso < 1000g, a creatinina sérica se manteve elevada durante os primeiros dias de vida, provavelmente secundária a um baixo clearance de creatinina nesses RN extremamente prematuros; Neste estudo não foi medida a taxa de filtração glomerular, mas se observou que em RN com IG < 29 semanas e peso < 1000g, a creatinina sérica se manteve elevada durante os primeiros dias de vida, provavelmente secundária a um baixo clearance de creatinina nesses RN extremamente prematuros; A uréia sérica também aumentou nos primeiros dias de vida, provavelmente secundária a um aumento na ingesta protéica entre o 2° e o 6° dia de vida; A uréia sérica também aumentou nos primeiros dias de vida, provavelmente secundária a um aumento na ingesta protéica entre o 2° e o 6° dia de vida;

24 A infusão de líquidos IV e o débito urinário aumentaram durante os primeiros dias de vida, A infusão de líquidos IV e o débito urinário aumentaram durante os primeiros dias de vida, Houve decréscimo nos níveis séricos de creatinina com o aumento da IG. Estes achados são consistentes com achados prévios de Bueva et al, que mostrou que a concentração plasmática de creatinina é significativamente maior em RN pré-termos quando comparados aos de termo entre o 1° e o 2º dias de vida e que o clearance de creatinina correlaciona-se com a IG; Houve decréscimo nos níveis séricos de creatinina com o aumento da IG. Estes achados são consistentes com achados prévios de Bueva et al, que mostrou que a concentração plasmática de creatinina é significativamente maior em RN pré-termos quando comparados aos de termo entre o 1° e o 2º dias de vida e que o clearance de creatinina correlaciona-se com a IG;

25 Em outro estudo, Gallini et al mostraram uma correlação entre creatinina sérica e idade pós-natal em 83 RN com IG< 32 semanas. Não houve diferença na creatinina sérica entre RN de diferentes IG ao nascimento, mas estes autores encontraram uma correlação inversa entre creatinina sérica e IG do 3° dia de vida a 5ª semana; Em outro estudo, Gallini et al mostraram uma correlação entre creatinina sérica e idade pós-natal em 83 RN com IG< 32 semanas. Não houve diferença na creatinina sérica entre RN de diferentes IG ao nascimento, mas estes autores encontraram uma correlação inversa entre creatinina sérica e IG do 3° dia de vida a 5ª semana; Durante a 1ª semana de vida, o valor máximo de creatinina sérica foi significativamente maior no grupo de RN com IG < 32 semanas do que naquele entre 27 e 32 semanas. Estes dados são consistentes com os deste estudo; Durante a 1ª semana de vida, o valor máximo de creatinina sérica foi significativamente maior no grupo de RN com IG < 32 semanas do que naquele entre 27 e 32 semanas. Estes dados são consistentes com os deste estudo;

26 Este estudo mostrou que a creatinina sérica em RN com IG< 29 semanas e peso < 1000g não decresceu significativamente durante a 1ª semana de vida em comparação aos RN com IG entre 29 e 32 semanas e peso ao nascer de 1000 a 1500g; Este estudo mostrou que a creatinina sérica em RN com IG< 29 semanas e peso < 1000g não decresceu significativamente durante a 1ª semana de vida em comparação aos RN com IG entre 29 e 32 semanas e peso ao nascer de 1000 a 1500g;

27 Este estudo apresentou limitações: Este estudo apresentou limitações: Revisão retrospectiva dos dados; Revisão retrospectiva dos dados; Não houva medição do clearance de creatinina; Não houva medição do clearance de creatinina; Não houve dados médicos pré-natais para serem revisados; Não houve dados médicos pré-natais para serem revisados; Alguma exposição pré-natal a medicações nefrotóxicas, como os inibidores de prostaglandinas poderia ter alterado os resultados do estudo; Alguma exposição pré-natal a medicações nefrotóxicas, como os inibidores de prostaglandinas poderia ter alterado os resultados do estudo; A possibilidade da presença de um PDA silencioso que possa ter afetado a função e a perfusão renal ( foram excluídos pacientes com PDA sintomáticos e com ecocardiograma para confirmar este diagnóstico); A possibilidade da presença de um PDA silencioso que possa ter afetado a função e a perfusão renal ( foram excluídos pacientes com PDA sintomáticos e com ecocardiograma para confirmar este diagnóstico); Apesar de haver a possibilidade de dano renal em virtude da ventilação mecânica ou CPAP, durante a análise de regressão logística não foram observados efeitos estatisticamente significativos entre estes e a creatinina sérica durante o período do estudo. Apesar de haver a possibilidade de dano renal em virtude da ventilação mecânica ou CPAP, durante a análise de regressão logística não foram observados efeitos estatisticamente significativos entre estes e a creatinina sérica durante o período do estudo.

28 Estudos prospectivos são necessários para explorar a maturação da função renal em RN prematuros e para determinar a existência de um retardo na maturação e função renal que se estende do período neonatal para infância, adolescência e ou idade adulta. Estudos prospectivos são necessários para explorar a maturação da função renal em RN prematuros e para determinar a existência de um retardo na maturação e função renal que se estende do período neonatal para infância, adolescência e ou idade adulta.

29 Conclusão Em RNMBP, os níveis de creatinina sérica decrescem nos primeiros dias de vida para alcançar um platô entre o 4º e o 6º dia de vida, provavelmente refletindo mais a própria creatinina do que a da mãe; Em RNMBP, os níveis de creatinina sérica decrescem nos primeiros dias de vida para alcançar um platô entre o 4º e o 6º dia de vida, provavelmente refletindo mais a própria creatinina do que a da mãe; Em RN com IG< 29 semanas ou peso < 1000g ao nascimento, existe um retardo no decréscimo da creatinina sérica, que se estende até por volta do 6° dia de vida; Em RN com IG< 29 semanas ou peso < 1000g ao nascimento, existe um retardo no decréscimo da creatinina sérica, que se estende até por volta do 6° dia de vida; Durante os primeiros dias de vida (no 5°) e nos RNMBP, a creatinina sérica decresce com o avançar da IG e o peso ao nascimento. Durante os primeiros dias de vida (no 5°) e nos RNMBP, a creatinina sérica decresce com o avançar da IG e o peso ao nascimento.

30 Abstract Abstract Objectives: Objectives: Little is known about the relationship between gestational age (GA) or birth weight (BW) and serum creatinine (SCr) in very low birth weight (VLBW) infants. We sought to study postnatal SCr changes and determine if there is a correlation between GA or BW and SCr in VLBW infants, during their first days of life. Little is known about the relationship between gestational age (GA) or birth weight (BW) and serum creatinine (SCr) in very low birth weight (VLBW) infants. We sought to study postnatal SCr changes and determine if there is a correlation between GA or BW and SCr in VLBW infants, during their first days of life. Study Design: Study Design: Medical records of all VLBW infants, who were admitted to our neonatal intensive care unit (NICU) between 1 May 1998 and 1 May 2001, were reviewed. Medical records were reviewed for: BW, GA, gender, race, APGAR scores, mechanical ventilation, use of medications, fluid intake, urinary output, protein intake, blood urea nitrogen (BUN) and SCr during the first days of life. Patients with anuria/oliguria, major congenital anomalies, low APGAR scores at 5 min, on high ventilator settings (on the oscillator), hemodynamically unstable (on pressors, inotropes) and on indomethacin and diuretics were excluded. Medical records of all VLBW infants, who were admitted to our neonatal intensive care unit (NICU) between 1 May 1998 and 1 May 2001, were reviewed. Medical records were reviewed for: BW, GA, gender, race, APGAR scores, mechanical ventilation, use of medications, fluid intake, urinary output, protein intake, blood urea nitrogen (BUN) and SCr during the first days of life. Patients with anuria/oliguria, major congenital anomalies, low APGAR scores at 5 min, on high ventilator settings (on the oscillator), hemodynamically unstable (on pressors, inotropes) and on indomethacin and diuretics were excluded. Results: Results: In total, 138 infants met our inclusion criteria. SCr was found to decrease postnatally, reaching a plateau on day 5 of life in all VLBW infants (repeated measure analysis of variance; P=0.004); however, there was a delay in the decrease of SCr in the subgroup of infants <29 weeks GA, and <1000 g BW. SCr (on day 5 of life) was also found to decrease with increasing GA and BW (Pearson correlation coefficient: (P=0.05) and (P=0.05) respectively). In total, 138 infants met our inclusion criteria. SCr was found to decrease postnatally, reaching a plateau on day 5 of life in all VLBW infants (repeated measure analysis of variance; P=0.004); however, there was a delay in the decrease of SCr in the subgroup of infants <29 weeks GA, and <1000 g BW. SCr (on day 5 of life) was also found to decrease with increasing GA and BW (Pearson correlation coefficient: (P=0.05) and (P=0.05) respectively). Conclusion: Conclusion: In VLBW infants SCr decreases significantly during the first days of life; however, in infants younger than 29 weeks GA or smaller than 1000 g BW there is a delay in the decrease of their SCr that extends beyond the first days of life. We also conclude that during the first days of life, and in VLBW infants SCr decreases with advancing GA and BW. In VLBW infants SCr decreases significantly during the first days of life; however, in infants younger than 29 weeks GA or smaller than 1000 g BW there is a delay in the decrease of their SCr that extends beyond the first days of life. We also conclude that during the first days of life, and in VLBW infants SCr decreases with advancing GA and BW. Keywords: Keywords: gestational age, very low birth weight, serum creatinine, postnatal age, infants, neonatal intensive care unit gestational age, very low birth weight, serum creatinine, postnatal age, infants, neonatal intensive care unit

31 Referências do artigo: Chevalier RL. Developmental renal physiology of the low birth weight pre-term newborn. J Urol 1996; 156: 714– 719. | Article | PubMed | ISI | ChemPort | Chevalier RL. Developmental renal physiology of the low birth weight pre-term newborn. J Urol 1996; 156: 714– 719. | Article | PubMed | ISI | ChemPort |ArticlePubMedISIChemPortArticlePubMedISIChemPort Guignard JP, Drukker A. Why do newborn infants have a high plasma creatinine? Pediatrics 1999; 103(4): e49. | Article | PubMed | ChemPort | Guignard JP, Drukker A. Why do newborn infants have a high plasma creatinine? Pediatrics 1999; 103(4): e49. | Article | PubMed | ChemPort |ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort Miall LS, Henderson MJ, Turner AJ, Brownlee KG, Brocklebanck JT, Newell SJ et al. Plasma creatinine rises dramatically in the first 48 h of life in preterm infants. Pediatrics 1999; 104(6): 1–4. | Article | PubMed | Miall LS, Henderson MJ, Turner AJ, Brownlee KG, Brocklebanck JT, Newell SJ et al. Plasma creatinine rises dramatically in the first 48 h of life in preterm infants. Pediatrics 1999; 104(6): 1–4. | Article | PubMed |ArticlePubMedArticlePubMed Lao TT, Loong EP, Chin RK, Lam YM. Renal function in the newborn. Newborn creatinine related to birth weight, maturity and maternal creatinine. Gynecol Obstet Invest 1989; 28(2): 70– 72. | PubMed | ChemPort | Lao TT, Loong EP, Chin RK, Lam YM. Renal function in the newborn. Newborn creatinine related to birth weight, maturity and maternal creatinine. Gynecol Obstet Invest 1989; 28(2): 70– 72. | PubMed | ChemPort |PubMedChemPortPubMedChemPort Sonntag J, Prankel B, Waltz S. Serum creatinine concentration, urinary creatinine excretion and creatinine clearance during the first 9 weeks in preterm infants with a birth weight below 1500 g. Eur J Pediatr 1996; 155(9): 815–819. | PubMed | ChemPort Sonntag J, Prankel B, Waltz S. Serum creatinine concentration, urinary creatinine excretion and creatinine clearance during the first 9 weeks in preterm infants with a birth weight below 1500 g. Eur J Pediatr 1996; 155(9): 815–819. | PubMed | ChemPort PubMedChemPortPubMedChemPort

32 Gallini F, Maggio L, Romagnoli C, Marrocco G, Tortorolo G. Progression of renal function in pretern neonates with gestational age 32 weeks. Pediatr Nephrol 2000; 15: 119–124. | Article | PubMed | ChemPort | Gallini F, Maggio L, Romagnoli C, Marrocco G, Tortorolo G. Progression of renal function in pretern neonates with gestational age 32 weeks. Pediatr Nephrol 2000; 15: 119–124. | Article | PubMed | ChemPort |ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort van der Heijden AJ, Grose WF, Ambagtsheer JJ, Provoost AP, Wolff ED, Sauer PJ. Glomerular filtration rate in the preterm infant: the relation to gestational and postnatal age. Eur J Pediatr 1988; 148(1): 24–28. | Article | PubMed | ChemPort | van der Heijden AJ, Grose WF, Ambagtsheer JJ, Provoost AP, Wolff ED, Sauer PJ. Glomerular filtration rate in the preterm infant: the relation to gestational and postnatal age. Eur J Pediatr 1988; 148(1): 24–28. | Article | PubMed | ChemPort |ArticlePubMedChemPortArticlePubMedChemPort Vampee M, Herin R, Zetterstrom R, Aperia A. Postnatal development of renal function in very low birthweight infants. Acta Paediatr Scand 1988; 77: 191– 197. | PubMed | Vampee M, Herin R, Zetterstrom R, Aperia A. Postnatal development of renal function in very low birthweight infants. Acta Paediatr Scand 1988; 77: 191– 197. | PubMed |PubMed Schwartz GJ, Brion LP, Spitzer A. The use of plasma creatinine concentration for estimating glomerular filtration rate in infants, children, and adolescents. Pediatr Clin North Am 1987; 34(3): 571–590. | PubMed | ISI | ChemPort | Schwartz GJ, Brion LP, Spitzer A. The use of plasma creatinine concentration for estimating glomerular filtration rate in infants, children, and adolescents. Pediatr Clin North Am 1987; 34(3): 571–590. | PubMed | ISI | ChemPort |PubMedISIChemPortPubMedISIChemPort Zacchello G, Bondio M, Saia OS, Largaiolli G, Vedaldi R, Rubaltelli FF. Simple estimate of creatinine clearance from plasma creatinine in neonates. Arch Dis Child 1982; 57(4): 297–300. | PubMed | ChemPort | Zacchello G, Bondio M, Saia OS, Largaiolli G, Vedaldi R, Rubaltelli FF. Simple estimate of creatinine clearance from plasma creatinine in neonates. Arch Dis Child 1982; 57(4): 297–300. | PubMed | ChemPort |PubMedChemPortPubMedChemPort Brion LP, Fleischman AR, McCarton C, Schwartz GJ. A simple estimate of glomerular filtration rate in low birth weight infants during the first year of life: noninvasive assessment of body composition and growth. J Pediatr 1986; 109(4): 698– 707. | Article | PubMed | ISI | ChemPort | Brion LP, Fleischman AR, McCarton C, Schwartz GJ. A simple estimate of glomerular filtration rate in low birth weight infants during the first year of life: noninvasive assessment of body composition and growth. J Pediatr 1986; 109(4): 698– 707. | Article | PubMed | ISI | ChemPort |ArticlePubMedISIChemPortArticlePubMedISIChemPort

33 Cicero FM, Okay Y, Araujo RJL. Relationship between plasma creatinine concentration and glomerular filtration in preterm newborn infants. Rev Hosp Clin Fac Med Sao Paulo 1999; 54(4): 121–126. | PubMed | Cicero FM, Okay Y, Araujo RJL. Relationship between plasma creatinine concentration and glomerular filtration in preterm newborn infants. Rev Hosp Clin Fac Med Sao Paulo 1999; 54(4): 121–126. | PubMed |PubMed Bueva A, Guignard JP. Renal function in preterm neonates. Pediatr Res 1994; 36(5): 572– 577. | PubMed | ISI | ChemPort | Bueva A, Guignard JP. Renal function in preterm neonates. Pediatr Res 1994; 36(5): 572– 577. | PubMed | ISI | ChemPort |PubMedISIChemPortPubMedISIChemPort Vampee M, Ergander U, Herin P, Aperia A. Renal function in sick, very low-birth-weight infants. Acta Paediatr 1993; 82: 714–718. | PubMed | Vampee M, Ergander U, Herin P, Aperia A. Renal function in sick, very low-birth-weight infants. Acta Paediatr 1993; 82: 714–718. | PubMed |PubMed Mais artigo: Serum creatinine in very low birth weight infants during their first days of life Mais artigo: Serum creatinine in very low birth weight infants during their first days of life Serum creatinine in very low birth weight infants during their first days of life Serum creatinine in very low birth weight infants during their first days of life Journal of Perinatology Original Article Journal of Perinatology Original Article

34 Obrigada! Dda Lia Dda Larrisa


Carregar ppt "Creatinina sérica em recém- nascidos de muito baixo peso durante os primeiros dias de vida Larissa Rocha Reis Lia Nogueira Lima Coordenação: Paulo R. Margotto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google