A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E OS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO Luciana R. Antunes Coordenação técnica Programa Cooperativo em Certificação Florestal.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E OS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO Luciana R. Antunes Coordenação técnica Programa Cooperativo em Certificação Florestal."— Transcrição da apresentação:

1 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E OS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO Luciana R. Antunes Coordenação técnica Programa Cooperativo em Certificação Florestal

2 CERTIFICAÇÃO  É um mecanismo que tem por objetivo garantir a conformidade de um processo de produção ou de um produto a uma determinada especificação.

3 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL Deve garantir que a madeira utilizada em determinado produto é oriunda de um processo produtivo manejado de forma ambientalmente adequada, socialmente justa e economicamente viável, e no cumprimento de todas as leis vigentes. Mecanismo não governamental e voluntário de controle da sociedade sobre a origem de produtos florestais - avaliação independente dos aspectos sociais, econômicos e ambientais. FLORESTAS PLANTADAS FLORESTAS NATIVAS PRODUTOS NÃO- MADEIREIROS

4 TIPOS DE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL  CERTIFICAÇÃO DO MANEJO FLORESTAL  CERTIFICAÇÃO DE CADEIA DE CUSTÓDIA - PRODUTO

5  Identificação das comunidades do entorno – dentro da UMF e afetadas pela UMF. PRINCIPAIS EXIGÊNCIAS  Reconhecer e defender os direitos tradicionais e legais das comunidades locais.  Proporcionar oportunidades razoáveis para trabalho, formação e serviços para as comunidades locais.  Implementar atividades adicionais por meio de engajamento das comunidades locais – contribuição para desenvolvimento social e econômico local.  Identificar, evitar e mitigar os impactos negativos sociais, ambientais e econômicos da atividade de manejo.  Resolver reivindicações e proporcionar compensação justa p/ as comunidades locais. CERTIFICAÇÃO DE MANEJO FLORESTAL

6 TIPOS DE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL  CERTIFICAÇÃO DE CADEIA DE CUSTÓDIA - PRODUTO AMBIENTALAMBIENTAL SOCIALSOCIAL ECONÔMICOECONÔMICO RASTREABILIDADE COC (Cadeia de Custódia )

7 TIPOS DE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL  CERTIFICAÇÃO DE CADEIA DE CUSTÓDIA - PRODUTO Verificação da origem da matéria-prima: Acompanhamento desde recebimento de madeira certificada, até finalização da produção. Auditoria atesta que a matéria-prima vem de florestas certificadas Resultado – Produto Certificado

8 SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL

9  CERFLOR – Programa Brasileiro de Certificação Florestal Criado em  Está inserido no Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade – Inmetro. COMO SE ELABORA UMA NORMA? A sociedade manifesta a necessidade Comissão de Estudo elabora o Projeto de Norma Projeto de Norma é submetido a Consulta Pública Norma é aprovada e colocada à disposição de sociedade ABNT faz a gestão deste processo

10 COMO FUNCIONA A CERTIFICAÇÃO DO MANEJO FLORESTAL NO CERFLOR Empresa florestal atende à legislação nacional e acordos internacionais, trabalha com práticas economicamente viáveis, ambientalmente corretas e socialmente justas. Florestas Certificadas NBR (nativas) ou NBR (plantadas)

11 PRINCÍPIOS DO CERFLOR  1. Cumprimento da Legislação.  2. Racionalidade no uso dos recursos florestais a curto, médio e longo prazo, em busca de sua sustentabilidade.  3. Zelo pela diversidade biológica.  4. Respeito às águas, ao solo e ao ar.  5. Desenvolvimento ambiental, econômico e social das regiões em que se insere a atividade florestal.  1. Cumprimento da Legislação.  2. Racionalidade no uso dos recursos florestais a curto, médio e longo prazo, em busca de sua sustentabilidade.  3. Zelo pela diversidade biológica.  4. Respeito às águas, ao solo e ao ar.  5. Desenvolvimento ambiental, econômico e social das regiões em que se insere a atividade florestal.

12 PEFC = PROGRAMA PARA O RECONHECIMENTO DOS ESQUEMAS DE CERTIFICAÇÃO FLORESTAL  É um mecanismo voluntário, e tem seus critérios baseados nas resoluções da Conferência de Helsinki e Lisboa, em 1993 e 1998, sobre a Proteção das Florestas na Europa.  Objetivo Principal: reconhecer os sistemas de certificação de países. O CERFLOR é reconhecido internacionalmente pelo PEFC desde 2005.

13

14 TOTAL ÁREA NO MUNDO: ≈ 244 milhões hectares

15 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL NO MUNDO PEFC

16 ha ha Área Plantada: ,95 ha Floresta Plantada: 14 empresas Área Nativa: ,37 ha Floresta Nativa: 02 empresas Área Total: ,32 ha ha ha ha Área por Estado Março ,37 ha ha *Fonte: Home Page do Inmetro ha ha 7.420ha * * Grupo de Pequenos Produtores

17 O FSC  Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal. Surgiu em 1993 – resposta às preocupações sobre o desmatamento global e o destino das florestas mundiais.  Organização Internacional, presente em 81 países e em todos os continentes.  Possui padrões aceitos mundialmente.  Foi criado e é mantido por um fórum de representantes dos setores ambiental, econômico e social.  Forest Stewardship Council ou Conselho de Manejo Florestal. Surgiu em 1993 – resposta às preocupações sobre o desmatamento global e o destino das florestas mundiais.  Organização Internacional, presente em 81 países e em todos os continentes.  Possui padrões aceitos mundialmente.  Foi criado e é mantido por um fórum de representantes dos setores ambiental, econômico e social.

18 CERTIFICAÇÃO FLORESTAL NO MUNDO BR: 7,2 milhões ha certificados em manejo florestal 5º no ranking total do FSC

19 MANEJOAREA (hectares) Florestas Nativas≈ 3 milhões Florestas Plantadas≈ 4 milhões Total Brasil operações de manejo » nativas e plantações certificados de manejo e cadeia de custódia. Brasil » 5º no ranking do FSC em total de áreas certificadas no sistema. Fonte: FSC Brasil e FSC Internacional, Maio CERTIFICAÇÃO FLORESTAL NO BRASIL

20 FUNCIONAMENTO DO SISTEMA FSC  Composição:  Membros do FSC: empresas, ONGs, movimentos indígenas, associações de classe e indivíduos de vários países. Atualmente são cerca de 800 membros.  Participação: Os membros são divididos em 3 câmaras. Ambiental, social e econômicas, divididas em norte e sul = 6 sub-câmaras.  Assembleia Geral: Instância máxima de decisão no FSC que reúne todos os membros e é realizada a cada três anos.  Conselho Diretor: Composto por 9 membros, 3 de cada câmara, eleitos a cada 3 anos.  Diretor Executivo: conta com o apoio de uma equipe multidisciplinar do FSC para as ações técnicas e do dia-a-dia.  Composição:  Membros do FSC: empresas, ONGs, movimentos indígenas, associações de classe e indivíduos de vários países. Atualmente são cerca de 800 membros.  Participação: Os membros são divididos em 3 câmaras. Ambiental, social e econômicas, divididas em norte e sul = 6 sub-câmaras.  Assembleia Geral: Instância máxima de decisão no FSC que reúne todos os membros e é realizada a cada três anos.  Conselho Diretor: Composto por 9 membros, 3 de cada câmara, eleitos a cada 3 anos.  Diretor Executivo: conta com o apoio de uma equipe multidisciplinar do FSC para as ações técnicas e do dia-a-dia.

21 ESTRUTURA DO FSC INTERNACIONAL Assembleia Geral Conselho Diretor Câmara Ambiental Câmara Econômica Câmara Social Câmara Ambiental Câmara Econômica Câmara Social N N N S S S  Composição:

22 ESTRUTURA DO FSC BRASIL Assembleia Geral Conselho Diretor Câmara Ambiental Câmara Econômica Câmara Social Secretaria Executiva Comunicação Cood. Técnica

23 FUNCIONAMENTO DO SISTEMA CREDENCIADOR CERTIFICADORA  Credencia  Monitora  Avalia  Credencia  Monitora  Avalia PADRÕES  Elabora PRODUTOR Avalia CONSUMIDOR  Atesta  Vende produtos com características atestadas

24 PADRÕES  As normas compreendem princípios, critérios e indicadores que definem parâmetros mínimos e limites, ou seja, definem como o manejo florestal deve ser implantado. A diferenciação entre princípios, critérios e indicadores é apresentada a seguir: Princípio: uma regra ou elemento essencial do manejo florestal. Critério: um meio de julgar, se um Princípio (de Manejo Florestal) foi ou não satisfeito. Indicador: um indicativo de como um critério pode ser aceito ou refutado.

25 PRINCÍPIOS DO FSC  1. Obediência às Leis e aos Princípios do FSC  2. Responsabilidades e Direitos de Posse e Uso da Terra  3. Direitos dos Povos Indígenas  4. Relações Comunitárias e Direitos dos Trabalhadores  5. Benefícios da Floresta  6. Impacto Ambiental  7. Plano de Manejo  8. Monitoramento e Avaliação  9. Manutenção de Florestas de Alto Valor de Conservação  10. Plantações  1. Obediência às Leis e aos Princípios do FSC  2. Responsabilidades e Direitos de Posse e Uso da Terra  3. Direitos dos Povos Indígenas  4. Relações Comunitárias e Direitos dos Trabalhadores  5. Benefícios da Floresta  6. Impacto Ambiental  7. Plano de Manejo  8. Monitoramento e Avaliação  9. Manutenção de Florestas de Alto Valor de Conservação  10. Plantações

26 OBRIGADA EQUIPE PCCF


Carregar ppt "CERTIFICAÇÃO FLORESTAL E OS SISTEMAS DE CERTIFICAÇÃO Luciana R. Antunes Coordenação técnica Programa Cooperativo em Certificação Florestal."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google