A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Agropecuária Sustentável Abordagem jurídico-econômica I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio 18 a 20 de agosto de 2011 Antonio Fonseca Subprocurador-Geral.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Agropecuária Sustentável Abordagem jurídico-econômica I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio 18 a 20 de agosto de 2011 Antonio Fonseca Subprocurador-Geral."— Transcrição da apresentação:

1 Agropecuária Sustentável Abordagem jurídico-econômica I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio 18 a 20 de agosto de 2011 Antonio Fonseca Subprocurador-Geral da República Coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio 18 a 20 de agosto de 2011 Antonio Fonseca Subprocurador-Geral da República Coordenador da 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do MPF

2 Roteiro Parte I Conceitos básicos Escopo Regime econômico-constitucional Conceito jurídico – fauna e flora Boas técnicas Parte II Dimensão econômica Sustentabilidade socioeconômica 2

3 Roteiro Conceitos Agropecuária Agricultura Pecuária Escopo Dignidade humana Regime econômico-constitucional Política agrícola Função social da propriedade 3

4 Roteiro Controle jurídico – fauna e flora – Meio ambiente – Direitos e obrigações – Controle específico – Impacto da exploração dos recursos naturais Boas Técnicas – Conceito – Sistema Orgânico – Sustentabilidade 4

5 Roteiro Dimensão Econômica – Aspectos adversos da agricultura brasileira – Três dimensões do agronegócio – Estratégia do desenvolvimento – Altos preços agrícolas – Qualidade alimentar Sustentabilidade socioeconômica – Desenvolvimento sustentável – Iniciativas governamentais 5

6 Agropecuária Atividade econômica vinculada à agricultura e à pecuária, constituída de atividades produtivas integrantes do setor primário da economia, caracterizado pela produção de bens alimentícios e matérias-primas decorrentes do cultivo de planta, como também da criação de animais. Grupo de atividades que usa a terra como fator de produção, seja para o plantio de culturas, seja para a criação de animais. Agropecuária Atividade econômica vinculada à agricultura e à pecuária, constituída de atividades produtivas integrantes do setor primário da economia, caracterizado pela produção de bens alimentícios e matérias-primas decorrentes do cultivo de planta, como também da criação de animais. Grupo de atividades que usa a terra como fator de produção, seja para o plantio de culturas, seja para a criação de animais. Conceitos básicos 6

7 Agropecuária Área do setor primário responsável pela produção de bens de consumo, mediante o cultivo de plantas e da criação de animais. Uso econômico do solo para o cultivo da terra associado com a criação de animais. Agropecuária Área do setor primário responsável pela produção de bens de consumo, mediante o cultivo de plantas e da criação de animais. Uso econômico do solo para o cultivo da terra associado com a criação de animais. 7

8 Conceitos básicos Agricultura Cultura do solo visando à produção de vegetais. Forma de artificialização do meio natural, desde a preparação do solo e sementeira até a colheita e armazenamento; conservação e irrigação das culturas, combate a pragas e a diversos outros tipos de condicionalismos naturais; melhoria das espécies vegetais e animais. Forma mais tradicional (predomínio do trabalho manual e do auxílio da força animal); forma mais moderna (elevado grau de mecanização, tecnologias avançadas). Agricultura Cultura do solo visando à produção de vegetais. Forma de artificialização do meio natural, desde a preparação do solo e sementeira até a colheita e armazenamento; conservação e irrigação das culturas, combate a pragas e a diversos outros tipos de condicionalismos naturais; melhoria das espécies vegetais e animais. Forma mais tradicional (predomínio do trabalho manual e do auxílio da força animal); forma mais moderna (elevado grau de mecanização, tecnologias avançadas). 8

9 Conceitos básicos Pecuária Atividade de criação de gado. Arte ou conjunto de processos técnicos usados na domesticação e produção de animais com objetivos econômicos. Parte específica da agricultura. Criação de gado: bois, porcos, aves, cavalos, ovelhas, coelhos, búfalos, etc. Produção de alimentos e materiais: carne, leite, couro, lã, etc. Pecuária Atividade de criação de gado. Arte ou conjunto de processos técnicos usados na domesticação e produção de animais com objetivos econômicos. Parte específica da agricultura. Criação de gado: bois, porcos, aves, cavalos, ovelhas, coelhos, búfalos, etc. Produção de alimentos e materiais: carne, leite, couro, lã, etc. 9

10 Agropecuária Escopo Atividade em benefício da: dignidade humana (CF/88, art. 1º, III). promoção do bem de todos (art. 3º, IV), do combate à pobreza, à marginalização e às desigualdade sociais e regionais (art. 3º, III), em ambiente de adequação da estrutura agrária. erradicação da fome (CF/88, art. 3º c/c art. 187) - A experiência mundial indica que, sem estrutura agrária adequada, não é possível atingir esse objetivo. Atividade em benefício da: dignidade humana (CF/88, art. 1º, III). promoção do bem de todos (art. 3º, IV), do combate à pobreza, à marginalização e às desigualdade sociais e regionais (art. 3º, III), em ambiente de adequação da estrutura agrária. erradicação da fome (CF/88, art. 3º c/c art. 187) - A experiência mundial indica que, sem estrutura agrária adequada, não é possível atingir esse objetivo. 10

11 Agropecuária Escopo Reforma agrária: os investimentos em agricultura familiar são formas de reduzir desigualdades econômicas e sociais no campo (IPEA). Censo da Agricultura Familiar - indica que a agricultura familiar ocupa apenas 24% da área do país e responde pela maior parte da produção de alimentos; Agronegócio - ocupa 2/3 das terras brasileiras e contribui menos para a alimentação do trabalhador. Reforma agrária: os investimentos em agricultura familiar são formas de reduzir desigualdades econômicas e sociais no campo (IPEA). Censo da Agricultura Familiar - indica que a agricultura familiar ocupa apenas 24% da área do país e responde pela maior parte da produção de alimentos; Agronegócio - ocupa 2/3 das terras brasileiras e contribui menos para a alimentação do trabalhador. 11

12 Agropecuária Escopo Atender: fundamentos e objetivos da CF/88; valorização do trabalho e da livre iniciativa. Atender: fundamentos e objetivos da CF/88; valorização do trabalho e da livre iniciativa. 12

13 Regime Econômico da Agropecuária Política Agrícola (CF, art. 187) Planejamento das providências para o melhor proveito econômico do solo rural, no interesse da agricultura, da pecuária, e da agroindústria. Execução como objeto de lei. Integrada à reforma agrária (esforço para tornar o latifúndio mais produtivo). Política Agrícola (CF, art. 187) Planejamento das providências para o melhor proveito econômico do solo rural, no interesse da agricultura, da pecuária, e da agroindústria. Execução como objeto de lei. Integrada à reforma agrária (esforço para tornar o latifúndio mais produtivo). 13

14 Regime Econômico da Agropecuária Política Agrícola (CF, art. 187) Objetivos: produtividade e abastecimento interno: ênfase no abastecimento alimentar; proteção ao meio ambiente: uso racional e recuperação dos recursos naturais; participação dos segmentos atuantes no setor rural na definição dos rumos da agricultura brasileira; apoio prioritário ao pequeno produtor rural e sua família; estímulo à agroindústria em suas respectivas áreas de produção. Política Agrícola (CF, art. 187) Objetivos: produtividade e abastecimento interno: ênfase no abastecimento alimentar; proteção ao meio ambiente: uso racional e recuperação dos recursos naturais; participação dos segmentos atuantes no setor rural na definição dos rumos da agricultura brasileira; apoio prioritário ao pequeno produtor rural e sua família; estímulo à agroindústria em suas respectivas áreas de produção. 14

15 Regime Econômico da Agropecuária Função social da propriedade rural (CF, art. 186) Respeito aos aspectos: econômic0-produtivo (aproveitamento racional e adequado) ambiental (utilização adequada dos recursos naturais e preservação do meio ambiente) trabalhista (observância dos dispositivos que regulam relações de trabalho) social (bem-estar do proprietário e dos trabalhadores) Função social da propriedade rural (CF, art. 186) Respeito aos aspectos: econômic0-produtivo (aproveitamento racional e adequado) ambiental (utilização adequada dos recursos naturais e preservação do meio ambiente) trabalhista (observância dos dispositivos que regulam relações de trabalho) social (bem-estar do proprietário e dos trabalhadores) 15

16 Regime Econômico da Agropecuária Função social da propriedade rural (L. 8626/93) Propriedade produtiva: explorada econômica e racionalmente (graus de utilização da terra e de eficiência na exploração) (art. 6º) Conceito objetivo de produtividade: ajustes periódicos (progresso científico e tecnológico da agricultura) (art. 11) Função social da propriedade rural (L. 8626/93) Propriedade produtiva: explorada econômica e racionalmente (graus de utilização da terra e de eficiência na exploração) (art. 6º) Conceito objetivo de produtividade: ajustes periódicos (progresso científico e tecnológico da agricultura) (art. 11) 16

17 Função social da propriedade rural: – Está no bem, e não no direito do titular (a terra cumpre sua função ainda que sobre ela não recaia direito real). – Destino do solo: cumprimento independentemente do título de propriedade. – Propriedade da terra rural: não é direito absoluto (incidência de hipoteca social) Função social da propriedade rural: – Está no bem, e não no direito do titular (a terra cumpre sua função ainda que sobre ela não recaia direito real). – Destino do solo: cumprimento independentemente do título de propriedade. – Propriedade da terra rural: não é direito absoluto (incidência de hipoteca social) Regime Econômico da Agropecuária 17

18 Função social da propriedade rural: A terra elevada à categoria de bem ambiental. A disciplina da agricultura e da pecuária: não somente em virtude do direito privado de propriedade, mas também em consonância com a função social do solo e do subsolo, produção de bens escassos, essenciais à vida. Função social da propriedade rural: A terra elevada à categoria de bem ambiental. A disciplina da agricultura e da pecuária: não somente em virtude do direito privado de propriedade, mas também em consonância com a função social do solo e do subsolo, produção de bens escassos, essenciais à vida. Regime Econômico da Agropecuária 18

19 Controle jurídico - defesa da flora e da fauna Meio ambiente: – inclusão na CF/88, art – diversas manifestações do conceito normativo (meio ambiente artificial, meio ambiente do trabalho, meio ambiente cultural, patrimônio genético). Meio ambiente: – inclusão na CF/88, art – diversas manifestações do conceito normativo (meio ambiente artificial, meio ambiente do trabalho, meio ambiente cultural, patrimônio genético). 19

20 Controle jurídico - defesa da flora e da fauna Complexo de direitos e obrigações (CF, art. 225): Destinatários: Estado e sociedade – garantia de meio ambiente ecologicamente equilibrado; preservação para gerações presentes e futuras. Complexo de direitos e obrigações (CF, art. 225): Destinatários: Estado e sociedade – garantia de meio ambiente ecologicamente equilibrado; preservação para gerações presentes e futuras. 20

21 Controle jurídico - defesa da flora e da fauna Controle jurídico específico da agropecuária: Estudo prévio de impacto ambiental (possibilidade de degradação significativa do meio ambiente) (CF, art. 225, §1º, IV). Vedação de práticas que coloquem as espécies em risco ou as submetam à crueldade (CF, art. 225, §1º, VII). Exercício da propriedade conforme suas finalidades econômicas e sociais (CC/2002, art. 1228, §1º e Lei Especial) Controle jurídico específico da agropecuária: Estudo prévio de impacto ambiental (possibilidade de degradação significativa do meio ambiente) (CF, art. 225, §1º, IV). Vedação de práticas que coloquem as espécies em risco ou as submetam à crueldade (CF, art. 225, §1º, VII). Exercício da propriedade conforme suas finalidades econômicas e sociais (CC/2002, art. 1228, §1º e Lei Especial) 21

22 Boas técnicas na agricultura e na pecuária conjunto de princípios, normas e recomendações técnicas; aplicadas para a produção, processamento e transporte de alimentos; orientadas a cuidar da saúde humana, proteger o meio ambiente e melhorar as condições do trabalhador e de sua família. conjunto de princípios, normas e recomendações técnicas; aplicadas para a produção, processamento e transporte de alimentos; orientadas a cuidar da saúde humana, proteger o meio ambiente e melhorar as condições do trabalhador e de sua família. 22

23 Boas técnicas na agricultura e na pecuária Sistema Orgânico de Produção Agropecuária (exemplo) Lei nº , de 23/12/2003 Fixa normas para a utilização de métodos culturais, biológicos e mecânicos; Desestimula o uso de materiais sintéticos, de organismos geneticamente modificados e de radiações ionizantes na produção de bens de consumo. Sistema Orgânico de Produção Agropecuária (exemplo) Lei nº , de 23/12/2003 Fixa normas para a utilização de métodos culturais, biológicos e mecânicos; Desestimula o uso de materiais sintéticos, de organismos geneticamente modificados e de radiações ionizantes na produção de bens de consumo. 23

24 Sustentabilidade Desenvolvimento da agropecuária com a exploração harmoniosa do ambiente de forma a: garantir a perenidade dos recursos naturais renováveis e dos processos ecológicos; utilizar a biodiversidade de forma socialmente justa e economicamente viável. Desenvolvimento da agropecuária com a exploração harmoniosa do ambiente de forma a: garantir a perenidade dos recursos naturais renováveis e dos processos ecológicos; utilizar a biodiversidade de forma socialmente justa e economicamente viável. 24

25 Sustentabilidade Estudos do IBGE (2004) sobre desenvolvimento sustentável no Brasil: A expansão da agricultura brasileira tem deixado reflexos negativos no meio ambiente. Ampliação de queimadas e incêndios florestais, como método de transformar mata nativa em área agropastoril. Uso de recursos não renováveis como prática costumeira do setor agropecuário Estudos do IBGE (2004) sobre desenvolvimento sustentável no Brasil: A expansão da agricultura brasileira tem deixado reflexos negativos no meio ambiente. Ampliação de queimadas e incêndios florestais, como método de transformar mata nativa em área agropastoril. Uso de recursos não renováveis como prática costumeira do setor agropecuário 25

26 Aspectos Adversos da Agricultura Brasileira Afetam negativamente a produção agrícola no Brasil Baixa taxa de ocupação das áreas de lavouras Baixa produtividade agrícola Alta concentração fundiária 26

27 Fonte: Livro Agronegócio: uma abordagem econômica 27

28 AS TRÊS DIMENSÕES DO AGRONEGÓCIO ANTES DA PORTEIRA Insumos e bens de produção agropecuários. Ex: sementes, rações, máquinas, fertilizantes, etc... DENTRO DA PORTEIRA Produção Agropecuária Agrícola, pecuária, florestal e outras... DEPOIS DA PORTEIRA Processamento, transporte e distribuição De um lado estão as empresas que processam os produtos agropecuários. De outro, as que manufaturam os alimentos. Este é o verdadeiro filé mingnon dos negócios agropecuários. 28

29 VALORES DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Setores1980%1990%2005%*2025% Antes da Porteira 250 US$ bi12330 US$ bi US$ bi US$ bi9 Dentro da Porteira 480 US$ bi24630 US$ bi US$ bi US$ bi10 Depois da Porteira US$ bi US$ bi US$ bi US$ bi81 TOTAL US$ bi US$ bi US$ bi US$ bi100 FONTE: Harvard Agribusiness Seminar e wdi (2006) – Wordl Banck (*) Estimativa de Judas Tadeu Grassi Mendes e João Batista Padilha Junior no livro Agronegócio: uma abordagem econômica ed. Pearson No Brasil, a participação do segmento Depois da Porteira é similar ao padrão mundial, com 65,3% no ano de

30 ESTRATÉGIA DO DESENVOLVIMENTO Segurança alimentar Matriz energética Sustentabilidade ambiental 30

31 A SUSTENTABILIDADE NA AGRICULTURA PRESSUPÕE Preservação das áreas de florestas Intensificação do uso das áreas já ocupadas Limite da expansão da fronteira agrícola Conservação do solo e água Aumento da produção via ganho de produtividade Fortalecimento da agricultura familiar Redução do uso de agrotóxicos 31

32 Fonte: Censo Agropecuário 2006 A Lei nº /2006 define, entre outros, os seguintes requisitos para ser agricultor familiar e empreendedor familiar rural: a) não deter, a qualquer título, área rural maior do que 4 (quatro) módulos fiscais; b) utilização predominantemente de mão de obra da família nas atividades econômicas de seu estabelecimento ou empreendimento. A Lei nº /2006 define, entre outros, os seguintes requisitos para ser agricultor familiar e empreendedor familiar rural: a) não deter, a qualquer título, área rural maior do que 4 (quatro) módulos fiscais; b) utilização predominantemente de mão de obra da família nas atividades econômicas de seu estabelecimento ou empreendimento. 32

33 RECURSOS DESTINADOS AO AGRONEGÓCIO E À AGRICULTURA FAMILIAR Fonte: Revista Desafio do Desenvolvimento /IPEA nº 66 A partir de dados dos bancos públicos. Na avaliação da pesquisadora e diretora da Coordenação de Desenvolvimento Rural do IPEA, Brancolina Ferreira, a supervalorização do agronegócio pelas políticas públicas não impacta apenas a estrutura fundiária, mas também os sistemas produtivos e o conjunto dos recursos naturais com desmatamentos, contaminações por agrotóxicos, etc. 33

34 Comparação da participação dos modelos de agricultura familiar e não familiar na produção de alimentos básicos CULTURAAGRICULTURA FAMILIAR AGR. NÃO FAMILIAR Mandioca87%13% Feijão70%30% Milho46%54% Café38%62% Arroz34%66% Trigo21%79% Soja16%84% Leite58%42% Aves50% Suínos59%41% Bovinos30%70% Fonte: Grossi e Marques a partir das informações do Censo Agropecuário 2006 Com altas taxas de produtividade, a agricultura familiar responde por mais da metade do volume de alimentos colocados na mesa do brasileiro. No entanto, dificuldade de acesso a crédito e concentração fundiária impedem pleno desenvolvimento do setor. 34

35 Estudo Projeções do Agronegócio 2009/10 a 2019/20 – MAPA Edição de Junho/2011. PERSPECTIVAS DE ELEVAÇÃO PARA OS PREÇOS AGRÍCOLAS VÁRIAS INSTITUIÇÕES REVELAM PREOCUPAÇÃO COM A ELEVAÇÃO DOS PREÇOS DOS ALIMENTOS, ENTRE ELAS ESTÃO: A ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO (FAO); O DEPARTAMENTO DE AGRICULTURA DOS ESTADOS UNIDOS; INTERNATIONAL FOOD POLICY RESEARCH INSTITUTE (IFPRI); ESTUDO DA FORESIGHT The Future of Food and Farming (2011) - OCDE. FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A ELEVAÇÃO DOS PREÇOS AGRÍCOLAS 1.MUDANÇAS CLIMÁTICAS SEVERAS EM ALGUNS PAÍSES; 2.BAIXOS ESTOQUES MUNDIAIS DE ARROZ, MILHO, TRIGO E SOJA; 3.ELEVAÇÃO DA RENDA E DA POPULAÇÃO; 4.PRESSÃO DOS BIOCOMBUSTÍVEIS. 35

36 DOCUMENTÁRIO O VENENO ESTÁ NA MESA DO CINEASTA SILVIO TENDLER DESDE 2008,O BRASIL É CAMPEÃO MUNDIAL NO USO DE AGROTÓXICOS. O RECENTE DOCUMENTÁRIO APRESENTA OS PROBLEMAS RELATIVOS DO USO ABUSIVO DE AGROTÓXICOS NA AGRICULTURA BRASILEIRA, PRINCIPALMENTE, NOS PRODUTOS DA DIETA ALIMENTAR. VITIMANDO TRABALHADORES DO CAMPO, O MEIO AMBIENTE E OS CONSUMIDORES SEGUNDO A ANVISA, EM 2009, DAS 3130 AMOSTRAS DE ALIMENTOS, COLETADOS EM 26 ESTADOS, 29% APRESENTARAM RESULTADOS INSATISFATÓRIOS. ESTAVAM ACIMA DO LIMITE TOLERÁVEL NAS SEGUINTES PROPORÇÕES: Beterraba 32%; Tomate 33%; Alface 38%; Mamão 39%; Abacaxi 44%; Couve 44%; Morango 51%; Pepino 55%; Uva 56%; Pimentão 80%. A COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVOU, NO ÚLTIMO MÊS DE MARÇO, A CRIAÇÃO DA SUBCOMISSÃO ESPECIAL SOBRE O USO DO AGROTÓXICOS. 36

37 A sustentabilidade envolve desenvolvimento econômico, social e respeito ao equilíbrio e às limitações dos recursos naturais. De acordo com o relatório da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pela ONU em 1983, o desenvolvimento sustentável visa "ao atendimento das necessidades do presente, sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às próprias necessidades". DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 37

38 DECRETO nº 6.961/ Aprova o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar; 2.Determina ao * Conselho Monetário Nacional o estabelecimento de normas para as operações de financiamento ao setor sucroalcooleiro, nos termos do zoneamento. OBJETIVO GERAL Fornecer subsídios técnicos para formulação de políticas públicas visando ordenamento da expansão e a produção sustentável de cana-de-açúcar no território brasileiro. * CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL Em cumprimento à determinação do Decreto, editou, em 2009, nova norma para concessão de crédito agroindustrial e rural aos produtores de cana-de-açúcar e suas cooperativas, na qual: 1.Veda o financiamento da expansão do plantio nos biomas amazônia e pantanal e Bacia do Alto Paraguai; 2.Condiciona o crédito às áreas incluídas no zoneamento agroecológico da cana- de-açúcar. ZONEAMENTO AGROECOLÓGICO DA CANA-DE-AÇÚCAR (ZAEcana) 38

39 PENDÊNCIA Projeto de Lei nº 6077, em trâmite no CN desde 2009, dispõe sobre o cultivo sustentável da cana-de-açúcar destinada à produção de açúcar, etanol e demais biocombustíveis derivados da cana-de-açúcar, estabelece diretrizes para o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar. Estudo Projeções do Agronegócio 2009/10 a 2019/20 – MAPA Edição de Junho/2011. Mato Grosso deve liderar nos próximos anos o crescimento da produção e da área de milho e soja. Tanto a produção como a área têm previsão de crescimento nesse estado. O milho deve sofrer nos próximos anos redução de área em Minas Gerais e Paraná. Esse produto deve ceder área especialmente para a soja e possivelmente para a cana–de-açúcar. ZONEAMENTO AGROECOLÓGICO DA CANA-DE-AÇÚCAR (ZAEcana) 39

40 Uma das mais importantes expressões do enfoque intersetorial da Política de Segurança Alimentar e Nutricional, orientado pelos princípios do direito humano à alimentação adequada e da soberania alimentar, está na articulação entre as ações que promovem o acesso aos alimentos e aquelas voltadas para o fortalecimento da agricultura familiar. A iniciativa do governo federal com o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA), instituído em 2003, e o novo formato do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), adotado em 2009, confere estímulo especial para a agricultura familiar de base agroecológica. OUTRAS INICIATIVAS GOVERNAMENTAIS 40

41 Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA) Objetivos a) apoiar a comercialização agropecuária dos agricultores familiares, estimulando a produção de alimentos; b) a operacionalização do PAA é simples, pois a compra é feita diretamente pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), com isenção de licitação, até o limite atual de R$ 4,5 mil ao ano por agricultor familiar, respeitando as peculiaridades e hábitos alimentares regionais e a situação do mercado local; c) Os produtos adquiridos dos agricultores familiares são destinados à formação de estoques de segurança e canalizados prioritariamente para populações em situação de risco alimentar - geralmente residentes na própria região onde os alimentos foram produzidos, a exemplo dos acampados da reforma agrária, quilombolas, indígenas, atingidos por barragens e outros segmentos. São também distribuídos para programas sociais públicos, abastecendo creches, escolas, cozinhas comunitárias, restaurantes populares e entidades assistenciais e/ou beneficentes. 41

42 Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) A partir de 2009, o PNAE adquiriu um novo formato ao oferecer um mercado institucional para os agricultores familiares, criando um vínculo direto entre a alimentação oferecida nas escolas e a produção da agricultura familiar local. Do total dos recursos financeiros repassados pelo governo federal, no mínimo 30% deverão ser utilizados na aquisição de gêneros alimentícios diretamente da agricultura familiar. Protocolo de Cooperação Técnica firmado entre o MPF e o Ministério da Agricultura da Pecuária e Abastecimento (MAPA) OBJETIVO: MODERNIZAÇÃO DA AGROPECUÁRIA COM INCLUSÃO DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS As ações conjuntas visam prioritariamente ao desenvolvimento sustentável e integrado de pequenos produtores e/ou estabelecimentos rurais. Projeto piloto a partir do Marajó Inicialmente o projeto prevê a legalização da produção de queijo na ilha de Marajó Protocolo de Cooperação Técnica firmado entre o MPF e o Ministério da Agricultura da Pecuária e Abastecimento (MAPA) OBJETIVO: MODERNIZAÇÃO DA AGROPECUÁRIA COM INCLUSÃO DOS PEQUENOS PRODUTORES RURAIS As ações conjuntas visam prioritariamente ao desenvolvimento sustentável e integrado de pequenos produtores e/ou estabelecimentos rurais. Projeto piloto a partir do Marajó Inicialmente o projeto prevê a legalização da produção de queijo na ilha de Marajó 42

43 43 VISÃO ESTRATÉGICA COMPETITIVIDADE FERTILIZANTE LOGÍSTICATRIBUTAÇÃO SEGURANÇA JURÍDICA

44 44 TERRA CLIMA ÁGUA ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO TECNOLOGIA EMPREENDEDO- RISMO (FOCO NAS PESSOAS) VISÃO ESTRATÉGICA

45 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Mendes, Judas Tadeu Grassi e Júnior, João Batista Padilha, Agronegócio: uma abordagem econômica; Fiorillo, Celso Antonio Pacheco, Curso de Direito Ambiental Brasileiro, Ed. Saraiva, 2011; Revista Desafios do Desenvolvimento – IPEA – Ano 8 – nº 66; Documentário O Veneno está na mesa do cineasta SILVIO TENDLER; Estudo Projeções do Agronegócio 2009/10 a 2019/20 – MAPA – Ed. Junho/


Carregar ppt "Agropecuária Sustentável Abordagem jurídico-econômica I Congresso Jurídico Internacional do Agronegócio 18 a 20 de agosto de 2011 Antonio Fonseca Subprocurador-Geral."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google