A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MENU GRUPO – GEMEA Grupo de Estudo para a Maximização das Eficiências Agroindustriais Setor Sucroalcooleiro IMPACTO DA INSPEÇÃO NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MENU GRUPO – GEMEA Grupo de Estudo para a Maximização das Eficiências Agroindustriais Setor Sucroalcooleiro IMPACTO DA INSPEÇÃO NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO."— Transcrição da apresentação:

1 MENU GRUPO – GEMEA Grupo de Estudo para a Maximização das Eficiências Agroindustriais Setor Sucroalcooleiro IMPACTO DA INSPEÇÃO NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CALDEIRAS DE ALTA.

2 MENU INSPEÇÕES IMPACTOS NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO CALDEIRAS DE ALTA

3 MENU Geradores de vapor Introdução Atualmente as caldeiras tem maior potência (pressão/ capacidade produtiva) instalada em razão da economia para transformação no processo sucroalcooleiro e também para comercialização do excedente de energia. Em muitas plantas estes equipamentos são tratados como centrais térmicas de energia sendo seu funcionamento independente do período de safra onde a caldeira pode chegar a operar 11 meses dependendo do contrato. Devido o alto grau de solicitação dos equipamentos deve ser fomentada a evolução na execução de inspeções e especialização dos profissionais envolvidos com estas atividades.

4 MENU TÓPICOS Caldeiras Projetos no Setor Definição do Nível de Inspeção Ocorrências Vs. Produtividade Considerações Finais

5 MENU Caldeiras Projetos Tipos do Setor Bi- Drum Caldeiras de 02 tubulões pressões até 67 Kgf/cm²

6 MENU Caldeiras Projetos Tipos do Setor Single- Drum Caldeira de 01 tubulão pressões de 112 Kgf/cm²

7 MENU Caldeiras Projetos Tipos do Setor Tipos de CaldeiraTipos de PlantaPressãoTemperaturaProdução de Vapor (Dados de Fabricantes)Kgf/cm²° CToneladas, hora Once Through Super. Crítica> 258> 570> 4500 Crítica210> Single Drum Sub Crítico 165> Bi- Drum Comum , Baixa5,99Saturado10

8 MENU Definição do Nível de Inspeção

9 MENU Definição do Nível de Inspeção

10 MENU Definição do Nível de Inspeção Extensão da DegradaçãoGrau de Degradação Probabilidade de ocorrência Tipos de Inspeção Métodos de Inspeção Geral Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Aleatória) Localizada (Aleatória) BAIXO A, B, C, D, E, F, Q, R. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, R. A, B, C, D, E, F. A, B, C, D, E, F, R. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F.

11 MENU Definição do Nível de Inspeção Extensão da DegradaçãoGrau de Degradação Probabilidade de ocorrência Tipos de Inspeção Métodos de Inspeção Geral Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Aleatória) Localizada (Aleatória) MÉDIO A, B, C, D, E, F, L, M, N, O, P, Q, R. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, R. A, B, C, D, E, F, O. A, B, C, D, E, F, G, H, I, J. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, G, J. A, B, C, D, E, F. A, B, C, D, E, F, L, M. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, H. A, B, C, D, E, F.

12 MENU Definição do Nível de Inspeção Extensão da DegradaçãoGrau de Degradação Probabilidade de ocorrência Tipos de Inspeção Métodos de Inspeção Geral Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Claramente Identificável) Localizada (Aleatória) Localizada (Aleatória) ALTO A, B, C, D, E, F, L, M, N, O, P, Q, R. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, K, O, R. A, B, C, D, E, F, O, R. A, B, C, D, E, F, G, H, I, J, R. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, G, H, I, J. A, B, C, D, E, F. A, B, C, D, E, F, L, M, N. ALTA MÉDIA BAIXA Nível III Nível II Nível I A, B, C, D, E, F, G, H. A, B, C, D, E, F.

13 MENU ME B-Scan – Medição de Espessura B-Scan: O ensaio tem o objetivo de medir a espessura de forma pontual por ultrassom com registro gráfico do perfil da peça, curva de efetividade da medição de espessura pontual a PoD Probabilidade de Detecção em relação a inspeção com campo remoto RFT e IRIS é menor para detecção de perda de massa global. EVR: Ensaio Visual Remoto: Vídeoscopio eletrônico com sonda óptica para visual remoto avaliação de incrustação, presença de pitting puntiforme, corrosão etc... Nível I - Exemplos de Ensaios

14 MENU I.R.I.S = Internal Rotary Internal System O ensaio tem objetivo de medir a espessura remanescente de 0,5 mm do tubo do feixe em toda sua extensão, podendo medir Pitting inclusive de 1,6mm. O ensaio IRIS é uma técnica ultrassônica para inspeção de tubos de trocadores de calor e caldeiras. É empregado o princípio convencional de pulso-eco para medição de espessuras, porém são utilizados novos métodos para apresentação dos resultados das medições. RFT (Remote Field Testing) – Campo Remoto O ensaio objetivo de detectar perda de massa na extensão dos tubos, emite um campo magnético que é atenuado pelo volume de material existente entre o emissor e o receptor. Nota : Não detecta pitting perfurante causado pela corrosão, mecanismo que sempre estamos encontrando em feixe. Nível II - Exemplos de Ensaios

15 MENU Nível III - Exemplos de Ensaios ME Óxido – Medição de Camada de Óxido. Medição da camada utilizado técnica de ultrassônica para definição da espessura da camada. O crescimento da camada de óxido (magnetita, cromita, hematita etc.) em tubulações de vapor que operam em alta temperatura, está associado a danos, seja limitando a vida útil dos tubos em função do aumento da temperatura de operação, ou ocasionando paradas emergenciais em função de ruptura por superaquecimento localizado.

16 MENU 1- Exemplo de degradação Perda de Espessura Erosão Areia fluído (Gases) Erosão Aumento setorial na velocidade dos gases. Fluência Abrasão entre partes metálicas.

17 MENU 2- Exemplo de degradação Aparecimento e Crescimento de Trincas FadigaFluência CST- Corrosão Sob Tensão Corrosão Fadiga Hidrogênio

18 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Vazamentos no feixe. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 36 Horas Paradas: 168

19 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Vazamentos no feixe. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 200 Geradores (MWh): 22 Horas Paradas: 150

20 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Desgastes nos tubos. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 94 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 28 Horas Paradas: 75

21 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Desgastes nos tubos. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 94 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 28 Horas Paradas: 75

22 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Fadiga fluência. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 94 Produção de Vapor (Tv/h) : 350 Geradores (MWh): 28 Horas Paradas: 38

23 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Fadiga fluência. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 30 Horas Paradas: 45

24 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Fadiga fluência. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 30 Horas Paradas: 45 Válvula de vapor condensado Difusor inox

25 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Superaquecimento - Fluência. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 98 Produção de Vapor (Tv/h) : 300 Geradores (MWh): 42 Horas Paradas: 78

26 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Trincas - Fadiga Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 18 Horas Paradas: 145

27 MENU Ocorrências Vs. Produtividade Arraste de não queimados. Designação: Cogeração Pressão Kgf/cm²) : 67 Produção de Vapor (Tv/h) : 250 Geradores (MWh): 18 Horas Paradas: 87 Obs: Voltou a operação sem o pré ar.

28 MENU Considerações finais Tendências : Garantia de Integridade e atendimento aos requisitos legais. Redução de prazos de manutenção e de intervenções desnecessárias. Impacto direto em custos de manutenção e paradas não programadas. Necessidade de investimentos em monitoração e novas ferramentas de inspeção.

29 MENU Considerações finais Histórico de falha (Arquivos) Conseqüência da falha Probabilidade da falha Grau do Risco Plano de Inspeção "MITIGAÇÃO" Diminuição do risco (Qualquer um) Reavaliação Processo de avaliação de riscos

30 MENU FIM. PROWR – Equipamentos Industriais LTDA. Rua José Furtado 355, Jardim Athenas, Sertãozinho SP, CEP CREA SP Tel: +55(016) Site: Contato: Anderson Wander Pupin – – 16


Carregar ppt "MENU GRUPO – GEMEA Grupo de Estudo para a Maximização das Eficiências Agroindustriais Setor Sucroalcooleiro IMPACTO DA INSPEÇÃO NA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google