A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS – SUS. EMPRESA ESTADO MUNICÍPIO ATENDIMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS UNIÃO Sistema Único de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS – SUS. EMPRESA ESTADO MUNICÍPIO ATENDIMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS UNIÃO Sistema Único de."— Transcrição da apresentação:

1 PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS – SUS

2 EMPRESA ESTADO MUNICÍPIO ATENDIMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS UNIÃO Sistema Único de Saúde – SUS

3 Constituição Federal “Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.” 3

4 Art. 30. Compete aos Municípios:... VII - prestar, com a cooperação técnica e financeira da União e do Estado, serviços de atendimento à saúde da população.... 4

5 Art CF... § 10. A lei definirá os critérios de transferência de recursos para o sistema único de saúde e ações de assistência social da União para os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, e dos Estados para os Municípios, observada a respectiva contrapartida de recursos.” 5

6 “Art A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.” 6

7 “Art São de relevância pública as ações e serviços de saúde, cabendo ao Poder Público dispor, nos termos da lei, sobre sua regulamentação, fiscalização e controle, devendo sua execução ser feita diretamente ou através de terceiros e, também, por pessoa física ou jurídica de direito privado.” 7

8 Art As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um sistema único, organizado de acordo com as seguintes diretrizes: 8

9 I - descentralização, com direção única em cada esfera de governo; II - atendimento integral, com prioridade para as atividades preventivas, sem prejuízo dos serviços assistenciais; III - participação da comunidade. 9

10 Art A assistência à saúde é livre à iniciativa privada. § 1º - As instituições privadas poderão participar de forma complementar do sistema único de saúde, segundo diretrizes deste, mediante contrato de direito público ou convênio, tendo preferência as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos. 10

11 § 2º - É vedada a destinação de recursos públicos para auxílios ou subvenções às instituições privadas com fins lucrativos. § 3º - É vedada a participação direta ou indireta de empresas ou capitais estrangeiros na assistência à saúde no País, salvo nos casos previstos em lei. 11

12 Lei 8.080/1990 Art. 4º.... § 2º A iniciativa privada poderá participar do Sistema Único de Saúde (SUS), em caráter complementar. 12

13 CAPÍTULO II Da Participação Complementar Art. 24. Quando as suas disponibilidades forem insuficientes para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o Sistema Único de Saúde (SUS) poderá recorrer aos serviços ofertados pela iniciativa privada. 13

14 Parágrafo único. A participação complementar dos serviços privados será formalizada mediante contrato ou convênio, observadas, a respeito, as normas de direito público. 14

15 Art. 25. Na hipótese do artigo anterior, as entidades filantrópicas e as sem fins lucrativos terão preferência para participar do Sistema Único de Saúde (SUS). 15

16 Art. 26. Os critérios e valores para a remuneração de serviços e os parâmetros de cobertura assistencial serão estabelecidos pela direção nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), aprovados no Conselho Nacional de Saúde. 16

17 § 1° Na fixação dos critérios, valores, formas de reajuste e de pagamento da remuneração aludida neste artigo, a direção nacional do Sistema Único de Saúde (SUS) deverá fundamentar seu ato em demonstrativo econômico-financeiro que garanta a efetiva qualidade de execução dos serviços contratados. 17

18 § 2° Os serviços contratados submeter-se- ão às normas técnicas e administrativas e aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), mantido o equilíbrio econômico e financeiro do contrato. § 3° (Vetado). 18

19 § 4° Aos proprietários, administradores e dirigentes de entidades ou serviços contratados é vedado exercer cargo de chefia ou função de confiança no Sistema Único de Saúde (SUS). 19

20 Portaria 3.277/2006/MS Dispõe sobre a participação complementar dos serviços privados de assistência à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. 20

21 Art. 2º Quando utilizada toda a capacidade instalada dos serviços públicos de saúde, e comprovada e justificada a necessidade de complementar sua rede e, ainda, se houver impossibilidade de ampliação dos serviços públicos, o gestor poderá complementar a oferta com serviços privados de assistência à saúde. 21

22 § 1º A complementação de serviços deverá observar os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde, em especial, a regionalização, a pactuação, a programação, os parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. 22

23 § 2º Para fins de organização de rede e justificativa de necessidade de complementaridade, deverá ser elaborado um Plano Operativo para as instituições públicas. § 3º A necessidade de complementação de serviços deverá ser aprovada pelo Conselho de Saúde e constar do Plano de Saúde. 23

24 Art. 3º A participação complementar dos serviços privados de assistência à saúde no SUS será formalizada mediante contrato ou convênio celebrado entre o poder público e a entidade privada, observadas as normas de direito público e o disposto nesta Portaria. 24

25 Parágrafo único. Para a complementaridade de serviços com instituições privadas serão utilizados os seguintes instrumentos: I - convênio, quando houver interesse comum em firmar parceria em prol da prestação de serviços/promoção da saúde à população; e II - contrato administrativo, quando o objeto do contrato for a mera compra de serviços. 25

26 Art. 4º O estado ou o município, uma vez esgotada sua capacidade de oferta de serviços públicos de saúde, deverá, ao recorrer ao setor privado, dar preferência às entidades filantrópicas e às sem fins lucrativos. 26

27 Art. 8º São cláusulas necessárias nos contratos e convênios firmados entre a administração pública e o setor privado, lucrativo, sem fins lucrativos e filantrópicos, as que exijam das entidades contratadas ou conveniadas a observância das seguintes condições: 27

28 I - manter registro atualizado no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES; II - submeter-se a avaliações sistemáticas de acordo com o Programa Nacional de Avaliação de Serviços de Saúde - PNASS; III - submeter-se à regulação instituída pelo gestor; 28

29 IV - obrigar-se a entregar ao usuário ou ao seu responsável, no ato da saída do estabelecimento, documento de histórico do atendimento prestado ou resumo de alta, onde conste, também, a inscrição “Esta conta foi paga com recursos públicos provenientes de seus impostos e contribuições sociais”; 29

30 V - obrigar-se a apresentar, sempre que solicitado, relatórios de atividades que demonstrem, quantitativa e qualitativamente, o atendimento do objeto; VI - manter contrato de trabalho que assegure direitos trabalhistas, sociais e previdenciários aos seus trabalhadores e prestadores de serviços; 30

31 VII - garantir o acesso dos conselhos de saúde aos serviços contratados no exercício de seu poder de fiscalização; e VIII - cumprir as diretrizes da Política Nacional de Humanização - PNH. 31

32 Art.9º Os contratos e convênios deverão atender aos seguintes requisitos: I - ficam os serviços contratados e conveniados submetidos às normas do Ministério da Saúde e das Secretarias de Saúde respectivas 32

33 II - para efeito de remuneração, os serviços contratados deverão ter como referência a Tabela de Procedimentos SUS; III - os estabelecimentos deverão ser identificados no contrato pelo código do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde e de acordo com os dados cadastrais constantes do CNES. 33

34 34 •REPASSES FUNDO A FUNDO •CONTRATUALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PARA O SUS •CONTRATO DE RATEIO DE CONSÓRCIO •CONTRATO DE PROGRAMA

35 EMPRESA ESTADO MUNICÍPIO ATENDIMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS UNIÃO


Carregar ppt "PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS TERCEIRIZADOS – SUS. EMPRESA ESTADO MUNICÍPIO ATENDIMENTO SERVIÇOS DE SAÚDE ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS UNIÃO Sistema Único de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google