A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CÂMARA BRASIL-ALEMANHA NO RIO GRANDE DO SUL CENÁRIOS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 29 de abril de.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CÂMARA BRASIL-ALEMANHA NO RIO GRANDE DO SUL CENÁRIOS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 29 de abril de."— Transcrição da apresentação:

1 CÂMARA BRASIL-ALEMANHA NO RIO GRANDE DO SUL CENÁRIOS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 29 de abril de 2014 PALESTRA

2 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

3 3 – EXPORTAÇÕES POR FATOR AGREGADO, EM TONELADAS Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB Em milhões de tons PRODUTOS BÁSICOS SEMIMANUF MANUFATUR OPER. ESPEC TOTAL

4 4 - VIAS DE TRANSPORTE NA EXPORTAÇÃO, VALOR E PESO, EM 2013 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB VIAS DE TRANSPORTE VALORPESO US$ BILHÕESPART. %1.000 TONSPART. % MARÍTIMA 195,77480, ,53 AÉREA 11,4774,749920,18 TERRESTRE 17,2447, ,07 - RODOVIÁRIA 16,9026, ,00 - FERROVIÁRIA 0,3420,144070,07 FLUVIAL 1,5570, ,79 MEIOS PRÓPRIOS 6,5972, ,34 LINHA TRANSMISSÃO 9,5263,935250,09 TUBO CONDUTO 0,0000,000 POSTAL 0,0020,01-- TOTAL 242,178100, ,00

5 5 - PREÇOS MÉDIOS DE EXPORTAÇÃO DE COMMODITIES Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB Produtos Café cru Soja em grão Farelo soja Óleo de soja Açúcar bruto Açúcar refinado Carne frango Carne bovina Carne suína Celulose Petróleo Alumínio Minério de ferro US$ / ton

6 6 - QUANTUM DE EXPORTAÇÃO DE COMMODITIES Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB * Milhões de tons Produtos Café cru Soja em grão Farelo soja Óleo de soja Açúcar bruto Açúcar refinado Carne frango Carne bovina Carne suína Celulose Petróleo Alumínio Minério de ferro* Em tons

7 7 - RECEITAS DE EXPORTAÇÃO DE COMMODITIES Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB Produtos Café cru1,2072,5164,1318,0005,7214,582 Soja em grão2,7255,34510,95216,32717,45522,812 Farelo soja2,0652,8654,3635,6986,5956,787 Óleo de soja0,4151,0221,9841,8571,8531,215 Açúcar bruto1,4012,3823,64911,54910,0309,163 Açúcar refinado0,8781,5371,8333,3912,8142,678 Carne frango1,2923,3245,8227,0636,7327,003 Carne bovina0,7392,4194,0064,1694,4945,358 Carne suína0,3461,1231,3641,2861,3471,227 Celulose1,2452,0333,9014,9644,7005,179 Petróleo0,7214,16413,55621,60320,30512,956 Alumínio0,6751,0201,4171,1660,9800,789 Minério de ferro2,9317,29716,53841,81730,98932,491 US$ Bilhões

8 8 - COMPOSIÇÃO DAS RECEITAS TOTAIS DE EXPORTACÃO Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB ANOSBÁSICOSSEMIMANUFATMANUFATUR.OPERAÇ. ESP ,2211,2240,151, ,1611,6744,841, ,8415,9655,991, ,6120,5755,491, ,7915,4259,072, ,3314,1456,542, ,0614,8354,712, ,9414,9554,321, ,5113,8954,961, ,3013,4755,142, ,2314,1754,442, ,1213,5752,252, ,8913,6846,822, ,5013,4044,022, ,5813,9739,402, ,8314,0736,052, ,7713,6237,392, ,6712,6038,442,29

9 9 – BALANÇA COMERCIAL POR FATOR AGREGADO - BÁSICOS Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB ANOSEXPORTAÇÃOIMPORTAÇÃOSALDO ,4739,0255, ,5617,2905, ,3426,7938, ,9516,83410, ,1788,13013, ,51711,71216, ,72112,81321, ,28517,16323, ,59521,78229, ,02731,63141, ,95718,72943, ,00423,89166, ,45732,08290, ,45629,28184, ,02333,32279,701 US$ bilhões

10 10 – BALANÇA COMERCIAL POR FATOR AGREGADO - SEMIMANUFAT. Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB ANOSEXPORTAÇÃOIMPORTAÇÃOSALDO 19978,4781,7916, ,4982,1006, ,2431,8966, ,9641,6837, ,9431,9269, ,4312,81810, ,9603,16512, ,5224,30515, ,7995,66216, ,0738,86018, ,4995,10015, ,2077,10321, ,0269,38126, ,0429,02324, ,5258,18722,338 US$ bilhões

11 11 – BALANÇA COMERCIAL POR FATOR AGREGADO - MANUFATURADOS Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB ANOSEXPORTAÇÃOIMPORTAÇÃOSALDO ,18950, , ,55846, , ,95746, , ,06838,654- 5, ,76338,2041, ,13748,2724, ,36056,7568, ,02269,8755, ,94293,184- 9, ,682132, , ,349103, , ,562150, , ,290184, , ,707184, , ,090198, ,021 US$ bilhões

12 ANO EXPORTAÇÃOIMPORTAÇÃOSALDOCORR.COM. US$ BIVAR. %US$ BIVAR. %US$ BI ,11914,8055,85113,28- 0,732110, ,2865,7555,601-0,452,685113, ,4383,6947,242-15,0313,196107, ,20321,1248,3252,2924,878121, ,67732,0762,83530,0333,842159, ,52922,6073,60017,1344,929192, ,80716,2691,35124,1246,456229, ,64916,58120,61732,0440,032281, ,94223,21172,98543,4224,957370, ,994-22,71127,722-26,1725,272280, ,91531,98181,64942,2220,266383, ,04126,81226,25124,5529,790482, ,579-5,26223,149-1,3719,430465, ,178-0,16239,6217,362,557481, BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

13 13 - QUANTIDADE DE EMPRESAS EXPORTADORAS E IMPORTADORAS ANOS EMPRESAS EXPORTADORASEMPRESAS IMPORTADORAS QUANTIDADEVARIAÇÃOQUANTIDADEVARIAÇÃO Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

14 14 – DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS, US$ BILHÕES Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB ANOS TOTAL GERAL MercosulAladi ( Ex Mercosul) EUAÁSIAU.E.África GERALARGGERALMéxicoChile ,5597,7525,7224,7471,5051,1289,5441,5836,1620, ,9576,7404,4925,3371,6891,10611,0011,5525,2931, ,0683,6172,0045,9862,1261,17911,6102,2955,5901, ,7635,6324,0636,5282,5011,44312,9092,9066,7881, ,1379,4396,7489,4723,4871,94214,7233,2529,9892, ,36012,7979,13912,0463,5922,86716,0504,40210,8653, ,02215,94610,77914,6673,9072,64716,6553,96712,9494, ,94220,03313,40915,8043,7182,73115,8294,15016,3735, ,68223,57016,15916,7653,5943,12216,1095,33017,6986, ,34917,28212,11711,2582,3852,0219,3285,35413,7285, ,56222,58316,83614,3653,2522,9199,9735,74415,4294, ,29027,56620,41115,7443,3122,85411,6857,70217,1835, ,70723,84816,38516,8823,3152,94313,4408,09017,5224, ,09024,92118,02220,0693,6592,74613,0646,25717,5784,575

15 15 – DESTINO DAS EXPORTAÇÕES DE MANUFATURADOS, EM % Anos MercosulAladi (Ex Merc) EUA AsiaU. E. Afr. Ori Md Eur Or Aelc Out. Tot.ArgTot.MexChiTotChiTotHol ,817,614,64,63,529,34,90,618,92,52,81,10,31,13, ,413,616,25,13,433,44,71,416,12,24,01,80,31,02, ,96,118,16,43,635,16,91,616,92,64,92,40,40,93, ,210,216,46,33,632,57,32,917,12,84,82,10,60,74, ,812,717,86,63,627,76,11,818,84,44,92,20,60,53, ,614,018,45,54,424,66,71,716,61,85,82,50,80,64, ,214,419,65,23,522,25,31,217,32,46,33,20,70,83, ,916,018,84,43,318,84,91,019,53,57,02,70,80,92, ,416,418,13,93,417,45,81,219,14,17,12,41,0 2, ,718,016,73,53,013,87,92,120,45,27,43,00,51,13, ,421,218,14,13,712,57,21,719,44,95,53,20,51,43, ,922,117,13,63,112,78,32,218,65,15,52,70,71,33, ,318,118,63,63,214,88,92,619,37,55,22,60,81,32, ,819,421,63,92,914,06,71,718,98,64,92,20,82,21,9 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB

16 16 - PARTICIPAÇÃO DO COMÉRCIO MUNDIAL, POR BLOCOS, EM 2013 BLOCOS DE PAÍSES EXPORTAÇÃO BRASILIMPORTAÇÃO BRASILSALDO US$ BilhõesPart. %US$ BilhõesPart. %US$ Bilhões NAFTA 31,813,145,118,8-13,3 ASIA 77,732,173,230,64,5 UNIÃO EUROPÉIA 51,221,154,722,8- 3,5 AMÉRICA SUL/ CARIBE 49,620,535,014,6 AFRICA 11,14,617,47,3- 6,3 ORIENTE MÉDIO 10,94,57,43,13,5 EUROPA ORI/ OCIDENTAL 5,82,46,12,5- 0,3 PROVISÃO NAVIOS/Ñ DEC 4,11,70,70,33,4 TOTAL 242,2100,0239,6100,02,6 BLOCOS DE PAÍSES EXPORTAÇÃO MUNDIALIMPORTAÇÃO MUNDIALSALDO US$ TrilhõesPart. %US$ TrilhõesPart. %US$ Trilhões NAFTA 2,41713,23,19817,4- 0,781 ASIA 5,76931,65,85531,8- 0,086 UNIÃO EUROPÉIA 6,63636,36,59535,9 0,041 AMÉRICA SUL/ CARIBE 0,7374,00,7734,2- 0,036 AFRICA 0,5993,30,6283,4- 0,029 ORIENTE MÉDIO 1,3347,30,7714,20,563 EUROPA ORIENTAL 0,7784,30,5753,10,203 TOTAL 18,270100,018,395100,0- 0,125 Fonte: OMC e MDIC/SECEX Elaboração: AEB

17 17 – ÍNDICES DE PARTICIPAÇÃO NAS EXPORTAÇÕES MUNDIAIS, EM % Fonte: OMC Elaboração: AEB PAÍSES China 0,881,803,865,026,438,8810,3510,4311,1812,10 EUA 11,0611,4012,1110,678,847,998,398,138,448,64 Alemanha 9,4912,218,559,499,878,978,338,097,687,95 Japão 6,398,327,426,426,144,855,054,524,363,91 Holanda 3,643,833,613,763,873,963,753,623,583,63 França 5,706,295,085,114,903,823,413,053,103,17 Coréia Sul 0,881,892,662,502,762,623,063,052,993,06 Itália 3,844,933,723,913,843,372,942,872,732,83 Rússia 3,742,381,641,651,992,932,632,502,892,86 Reino Un. 5,415,374,424,313,762,852,662,602,552,96 Canadá 3,343,714,293,883,442,832,552,48 2,51 México 0,881,192,572,482,041,811,961,922,022,08 Índia 0,440,520,650,760,831,211,441,631,601,71 Brasil 0,990,900,850,921,041,231,331,411,331,32 Africa Sul 1,230,670,46 0,50 0,540,530,470,52 Argentina 0,390,350,40 0,380,430,450,44 0,45

18 18 - RANKING MUNDIAL DE EXPORTAÇÃO, EM 2013 Fonte: OMC Elaboração: AEB NÚM. ORDEM PAÍSES EXPORTADORES VALOR US$ Bi PART. % NUM. ORDEM PAÍSES EXPORTADORES VALOR US$ BI PART. % 1CHINA ,1016ARÁBIA SAUDITA3762,06 2ESTADOS UNIDOS1.5798,6417EMIR. ÁRABES3652,00 3ALEMANHA1.4537,9518ESPANHA3161,73 4JAPÃO7153,9119ÍNDIA3121,71 5HOLANDA6643,6320TAIWAN3051,67 6FRANÇA5803,1721AUSTRÁLIA2531,38 7CORÉIA DO SUL5603,0622BRASIL2421,32 8REINO UNIDO5412,9623SUIÇA2291,25 9HONG KONG5362,9324TAILÂNDIA2291,25 10RÚSSIA5232,8625MALÁSIA2281,25 11ITÁLIA5182,8326POLÔNIA2021,10 12BÉLGICA4692,5727INDONÉSIA1841,00 13CANADÁ4582,5128ÁUSTRIA1740,95 14SINGAPURA4102,2429SUÉCIA1670,91 15MÉXICO3802,0830REPÚBL.CHECA1610,88 TOTAL MUNDIAL US$ BILHÕES %

19 19 - RANKING MUNDIAL PIB X EXPORTAÇÃO, EM 2013 Fonte: OMC/FMI Elaboração: AEB PAÍSPIBEXPORTAÇÃO Estados Unidos12 China21 Japão34 Alemanha43 França56 Brasil622 Reino Unido78 Itália810 Índia919 Rússia109

20 20 – E O FUTURO ? QUAIS OS CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PARA 2014 ? QUAIS OS CENÁRIOS E PERSPECTIVAS PARA 2014 ?

21 21 – CONDIÇÕES INTERNAS PARA EXPORTAR  SISTEMA TRIBUTÁRIO COMPLEXO anti-industrialização, imobiliza capital, onera custo produção e gera exportação indireta de tributos  LEGISLAÇÃO TRABALHISTA ULTRAPASSADA eleva custo de pessoal e desestimula criação novos postos de trabalho  INFRAESTRUTURA insuficiente, deficiente e onerosa, gerando alto custo logística, com redução / perda competitividade mercados interno e externo  CARGA TRIBUTÁRIA ELEVADA composta por tributos, contribuições, taxas, etc, provoca elevação custo direto mercado interno e indireto exportação  CUSTO FINANCEIRO tem elevadas taxas praticadas, onerando custos em toda cadeia de produção, inclusive para exportação  BUROCRACIA de 17 órgãos públicos com atuação comércio exterior gera custos ociosos que oneram e afetam competitividade na exportação  POLÍTICA COMÉRCIO EXTERIOR isolada de ministérios # Integrada Governo  POLÍTICA COMERCIAL influência política (África) e ideológica (EUA – Mercosul)  VISÃO governo curto prazo e empresas / mercados a médio / longo prazo

22 22 – CUSTO BRASIL BUROCRACIA CUSTOS DE LOGÍSTICA REFORMA TRIBUTÁRIA INSERÇÃO INTERNAC. REFORMA PREVIDÊNCIA CUSTOS FINANCEIROS CARGA TRIBUTÁRIA INFRA- ESTRUTURA CUSTOBRASIL= CUSTOS OCIOSOS CUSTOS OCIOSOS

23 23 – SITUAÇÃO E REFLEXOS DE ACORDOS COMERCIAIS  MERCOSUL: BLOCO VOLTADO PARA DENTRO, UNIÃO ADUANEIRA, PERFIL IDEOLÓGICO E RISCO DE ISOLAMENTO COMERCIAL DE SEUS MEMBROS. MERCOSUL TEM APENAS 3 ACORDOS: PALESTINA, ISRAEL E EGITO  MERCOSUL X UNIÃO EUROPÉIA: FASE ENTREGAS DAS LISTAS PRODUTOS E CONCESSÕES. MAIO PREVISÃO DE INÍCIO NEGOCIAÇÃO  ALIANÇA PARA PACÍFICO: BLOCO VOLTADO PARA FORA, ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO, ABERTURA MERCADOS EQUALIZARÁ VANTAGENS TARIFÁRIAS E AUMENTARÁ CONCORRÊNCIA PARA BRASIL E MERCOSUL  EUA X UE (PARCERIA TRANSATLÂNTICA): CRIA LIVRE MERCADO GIGANTE, FORTALECE EUA E UE EXPORTAÇÃO, RESTRINGE, LIMITA E/OU FECHA MERCADOS COMMODITIES E MANUFATURADOS. EUA CONCORRENTE DO BRASIL EM COMMODITIES  TPP (TRANS-PACÍFICO PARCERIA): 12 países - EUA, Canadá, México, Chile, Peru, Austrália, Nova Zelândia, Malásia, Vietnam, Japão, Singapura e Brunei

24 24 – MERCADOS DE EXPORTAÇÃO COMMODITY 65%: Mercado instável (Preço e quantidade são definidos pelo importador) MANUFATURADO 35%: Mercado Estável (Preço e quantidade são definidos pelo exportador)

25 25 – AVALIAÇÃO DOS MERCADOS EXTERNOS EM 2014  EUA: Recuperação econômica não significa aumento exportação. Concorrem Brasil commodities e gás xisto reduz custo produção. Aumento importação  EUROPA: Pulmão comércio mundial, leve recuperação econômica, mantém elevado desemprego e consumo ainda reduzido restringe alta commodities  CHINA: Recuperação EUA e UE ajudam. Reformas internas, menor liquidez e desvalorização yuan geram expectativa menor crescimento abaixo 7,5%. Continuará sendo maior destino exportações Brasil, 90% em commodities.  ARGENTINA: Barreiras Djai, liberação divisas, custo desvalorização e reservas cambiais. Em 2013 export 83, import 74 e saldo 9. Em 2014 export 79, import 69 e superávit 10. Desvio comércio para China. Redução exportação Brasil. Exportações da Argentina 2013 foram 58% agronegócio e 28% industriais.  VENEZUELA: Crise política, reservas cambiais, liberação de divisas, atrasos pagamentos, taxas múltiplas taxas de câmbio, forte desvalorização cambial. Exportação Brasil concentrada alimentos, com redução das exportações  AMERICA SUL: Queda cotações commodities gera queda importações.

26 26 – TENDÊNCIAS DOS PRINCIPAIS PRODUTOS EM 2014  MINÉRIO DE FERRO: Aumento oferta. Leve crescimento demanda. Redução crescimento econômico China. Queda cotação de US$98 para US$83  SOJA: Elevada cotação estimulou aumento área plantada. Safras recordes. Queda de preços de US$533 para US$500.  FARELO SOJA: Aumento produção e redução demanda geram queda de preço de US$509 para US$500. Gripe aviária na China.  ÓLEO SOJA: Aumento produção e queda cotação de US$985 para US$850  CAFÉ: Queda produção e recuperação preço de US$2.700 para US$3.000  AÇUCAR BRUTO: Grande oferta gera queda cotação de US$426 para US$375  MILHO: Queda preço US$235 para US$190 e quantum de 26 para 15 mi/tons  CARNES FRANGO, BOVINA E SUÍNA: Manutenção de preços e quantidades  PETRÓLEO EXPORTAÇÃO: Expectativa aumento produção e elevação 50% quantidade exportada, de 19 para 30 milhões tons. Até março alta 10%  PLATAFORMAS EXPORTAÇÃO: Redução 7 para 2 unid Menos US$5 bi  DERIVADOS PETRÓLEO IMPORTAÇÃO: Gasolina +25 e óleos combust +20%

27 27 – PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR PARA 2014  OMC estima crescimento do comércio mundial de 4,7%  Crescimento China definirá perspectivas comércio exterior Brasil em 2014  Cotações commodities minerais e metálicas terão queda mais acelerada  Cotações commodities agronegócio terão queda de cotações mais suave  Projeta-se estabilidade nas quantidades exportadas de commodities  Queda cotações commodities vai gerar menor crescimento dos emergentes  Menor crescimento emergentes pode “estimular” protecionismo, podendo ter reflexos negativos nas exportações de manufaturados  Elevação taxa câmbio terá impactos pontuais exportações manufaturados  Elevação taxa cambial terá reflexo limitado na contenção de importações, com eventuais quedas decorrente de fatores econômicos internos  Brasil continuará sendo PAÍS EXPORTADOR DE PESO

28 28 – DESAFIOS DO BRASIL NO COMÉRCIO EXTERIOR  FAZER DEVER DE CASA  Realizar reformas ESTRUTURAIS: tributária, trabalhista e previdenciária  Tornar permanentes Reintegra e desoneração folha pagamento exportação  Investir forte e permanente infraestrutura transporte. Reduzir custo logística  Criar política integrada de governo e eliminar políticas isoladas de ministérios  Eliminar, desburocratizar e racionalizar atuação órgãos comércio exterior  Reduzir custo Brasil e equilibrar exportação de commodity e manufaturado  Adotar agressiva política comercial externa, sem política e ideologia  Promover feiras exterior difundir país industrial e exportador manufaturado  Diminuir dependência decisões cenário externo e ampliar decisões internas  Sem entraves e gargalos, taxa de câmbio será apenas fator de conversão  Sem fazer dever de casa, solução é rezar, de preferência em mandarim

29 EXPORTAÇÕESIMPORTAÇÕES VALOR TOTAL EM 2013US$ 242 biVALOR TOTAL EM 2013US$239,5 bi - Plataformas petróleo5- Bens de capital2,5 - Minério de ferro2- Mat-prima /bens interm.2 - Soja em grão1+ Gasolina0,5 + Farelo de soja0,3+ Óleos combustíveis1,5 - Milho3- Argentina2 - Açúcar bruto1,5 + Café1,1 + Carnes1 + Petróleo em bruto6,1 - Argentina3 SUB-TOTAL235 SUB-TOTAL235 RESULTADO FINAL (0) zero 29 – FUTUROLOGIA PARA A BALANÇA COMERCIAL EM 2014

30 30 – PERSPECTIVA DA BALANÇA COMERCIAL EM 2014 EQUILÍBRIO, COM VIÉS DE DÉFICIT COMERCIAL EQUILÍBRIO, COM VIÉS DE DÉFICIT COMERCIAL

31 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB 31 - PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NAS EXPORTAÇÕES Anos São PauloMinas GeraisRio Grande do SulRio de JaneiroParaná PosUS$PartPosUS$PartPosUS$PartPosUS$PartPosUS$Part ,634,725,812,135,711,981,93,944,28, ,134,127,213,636,311,891,73,344,89, ,235,62 7,6 14,8 3 5,6 11,0 9 1,8 3,5 4 4,2 8, ,5 36,5 2 6,4 13,3 3 5,0 10,4 8 1,6 3,4 4 3,9 8, ,8 35,9 2 6,7 12,2 3 5,8 10,5 9 1,8 3,3 4 4,4 8, ,6 35,4 3 6,1 10,4 2 6,3 10,9 7 2,4 4,1 4 5,3 9, ,1 33,3 3 6,3 10,5 2 6,4 10,6 5 3,6 6,1 4 5,7 9, ,1 31,6 3 7,4 10,2 2 8,0 11,0 5 4,8 6,6 4 7,1 9, ,0 32,2 2 10,0 10,4 3 9,9 10,2 5 7,0 7,3 4 9,4 9, ,0 32,1 2 13,5 11,4 3 10,4 8,8 5 8,2 6,9 4 10,0 8, ,9 33,4 2 15,6 11,4 3 11,8 8,6 4 11,5 8,3 5 10,0 7, ,7 32,2 2 18,3 11,4 3 15,0 9,3 4 14,3 8,9 5 12,37, ,7 29,1 2 24,4 12,3 4 18,5 9,3 3 18,7 9,4 5 15,27, ,4 27,7 2 19,5 12,8 3 15,2 10,0 4 13,5 8,8 5 11,2 7, ,3 25,9 2 31,2 15,5 4 15,4 7,6 3 20,0 9,9 5 14,2 7, ,9 23,4 2 41,4 16,2 4 19,4 7,6 3 29,4 11,5 6 17,4 6, ,3 24,5 2 33,3 13,7 5 17,4 7,2 3 28,8 11,9 4 17,7 7, ,3 23,2 2 33,4 13,8 3 25,1 10,4 4 21,3 8,8 5 18,2 7,5

32 Fonte: MDIC/SECEX Elaboração: AEB 32 - PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS NA EXPORTAÇÃO DE MANUFATURADOS Anos São PauloMinas GeraisRio Grande do SulRio de JaneiroParaná TotManPartTotManPartTotManPartTotManPartTotManPart ,6--5,8--5,7--1,9--4, ,1--7,2--6,3--1,7--4, ,215,886,87,6 2,634,25,6 3,155,31,8 1,583,34,2 1,638, ,5 14,8 84,6 6,4 2,1 32,8 5,0 2,8 56,0 1,6 1,3 81,2 3,9 1,5 38, ,8 17,2 86,9 6,7 2,2 32,8 5,8 3,5 60,3 1,8 1,3 72,2 4,4 2,2 50, ,6 17,6 85,4 6,1 1,9 31,1 6,3 3,4 54,0 2,4 1,3 54,2 5,3 2,4 45, ,1 16,9 84,1 6,3 1,9 30,2 6,4 3,4 53,1 3,6 1,6 44,4 5,7 2,6 45, ,1 19,2 83,1 7,4 2,5 33,8 8,0 4,1 51,2 4,8 2,2 45,8 7,1 3,2 45, ,0 25,5 82,3 10,0 3,5 35,0 9,9 5,3 53,5 7,0 3,8 54,3 9,4 4,4 46, ,0 31,5 82,9 13,5 4,4 32,6 10,4 6,1 58,6 8,2 3,5 42,7 10,0 5,6 56, ,9 37,7 82,1 15,6 5,5 35,3 11,8 6,4 54,2 11,5 3,8 33,0 10,0 5,7 57, ,7 42,1 81,4 18,3 5,9 32,2 15,0 7,6 50,7 14,3 5,0 35,0 12,36,6 53, ,7 46,5 80,6 24,4 6,8 27,9 18,5 9,2 49,7 18,7 5,0 26,7 15,2 7,5 49, ,4 32,9 77,6 19,5 4,6 23,6 15,2 7,3 48,0 13,5 3,8 28,1 11,2 4,7 42, ,3 39,2 75,0 31,2 5,7 18,3 15,4 7,1 46,1 20,0 4,2 21,0 14,2 6,1 42, ,9 45,1 75,3 41,4 6,3 15,2 19,4 8,3 42,8 29,4 6,4 21,8 17,4 6,6 37, ,3 44,0 74,2 33,3 5,7 17,1 17,4 7,4 42,5 28,8 7,1 24,6 17,7 6,7 37, ,3 40,9 72,6 33,4 5,6 16,8 25,1 12,8 51,0 21,3 6,7 31,4 18,2 6,8 37,4

33 33 – OBJETIVOS PRIORITÁRIOS MAIS REDUÇÃO DE CUSTOS E MENOS TAXA DE CÂMBIO MAIS REDUÇÃO DE CUSTOS E MENOS TAXA DE CÂMBIO

34 JOSÉ AUGUSTO DE CASTROPresidente Avenida General Justo, º andar – Centro Rio de Janeiro – Cep: Fone: (21) – Fax: (21) AEB – ASSOCIAÇÃO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL


Carregar ppt "CÂMARA BRASIL-ALEMANHA NO RIO GRANDE DO SUL CENÁRIOS, DESAFIOS E PERSPECTIVAS DO COMÉRCIO EXTERIOR JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 29 de abril de."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google