A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Escola de Guerra Naval II Seminário de Geopolítica do Petróleo e Direito Internacional da EGN Vulnerabilidade do Produtor de Petróleo: A OPEP, o Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Escola de Guerra Naval II Seminário de Geopolítica do Petróleo e Direito Internacional da EGN Vulnerabilidade do Produtor de Petróleo: A OPEP, o Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 Escola de Guerra Naval II Seminário de Geopolítica do Petróleo e Direito Internacional da EGN Vulnerabilidade do Produtor de Petróleo: A OPEP, o Brasil e as expectativas do pré-sal Fernanda Delgado Julho, 2010

2 Assim como os países consumidores podem ser vulneráveis ao fornecimento de petróleo, os grandes produtores e exportadores de petróleo também podem se tornar vulneráveis por sua dependência sócio-econômica ao petróleo. Ao se analisar indicadores de vulnerabilidade sócio- econômica de países exportadores de petróleo derivam-se implicações sobre restrições às suas estratégias de preço e oferta no mercado internacional de petróleo.

3 Compreender as restrições de manobra dos países membros da OPEP, como expoentes dos maiores exportadores de petróleo, e antever suas estratégias contribui para prever os próprios movimentos de oferta e preços do mercado internacional de petróleo. A intenção é traçar paralelos e derivar chaves de compreensão econômica para as intenções exportadoras do Brasil.

4 Indicadores  Esses indicadores dizem respeito aos aspectos:  Físico – R/P em anos  Produtivo – VA/PIB em %  Comercial – exportações de óleo/exportações em%  Macroeconômico – dívida pública/PIB em %  Fiscal – arrecadação do setor/PIB em %  Social – taxa de desemprego em %

5 •Demanda por óleo e gás crescente, atenuada por desaceleração/ recessão americana, aumento da eficiência energética e diversificação das fontes de energia; •Capacidade ociosa de produção de óleo, e secundariamente gás, manutenção da volatilidade dos preços; •Pressões ambientais favorecendo combustíveis limpos e renováveis; •NOCs crescentemente controlando as grandes reservas de óleo e gás; •Novas condições de mercado e tecnologias viabilizando novas fronteiras de E&P: águas ultraprofundas, reservatórios ultraprofundos, regiões inóspitas, regiões ambientalmente sensíveis, recuperação melhorada, micro-plays (áreas maduras, prospectos sutis, pequenos volumes); •Escassez de equipamentos e materiais críticos; •Escassez de recursos humanos especializados. Cenários da Indústria

6 Comparações: Vulnerabilidade Física

7 Comparações: Vulnerabilidade Produtiva

8 Comparações: Vulnerabilidade Comercial

9 Comparações: Vulnerabilidade Macroeconômica

10 Comparações: Vulnerabilidade Fiscal

11 Comparações: Vulnerabilidade Social

12 Fonte: Anuário Estatístico ANP, 2008 O Play Pré-sal Extensão e Volumes divulgados Área Total: 112.000 km 2 38% já sob concessão 62% ainda disponíveis Potencial Estimado Total – 56 Bboe Área Total: 112.000 km 2 38% já sob concessão 62% ainda disponíveis Potencial Estimado Total – 56 Bboe

13 Empresas operando no Cluster de Santos Paraty Descoberta – julho 2005 Perfuração – julho 2007 Potencial Estimado – N.D. Paraty Descoberta – julho 2005 Perfuração – julho 2007 Potencial Estimado – N.D. Tupi Descoberta – julho 2006 Perfuração – outubro 2006 Potencial Estimado – 5 a 8 Bboe Tupi Descoberta – julho 2006 Perfuração – outubro 2006 Potencial Estimado – 5 a 8 Bboe Carioca Descoberta – agosto 2007 Perfuração – julho 2007 Potencial Estimado – N.D. Carioca Descoberta – agosto 2007 Perfuração – julho 2007 Potencial Estimado – N.D. Caramba Descoberta – dezembro 2007 Perfuração – dezembro2007 Potencial Estimado – N.D. Caramba Descoberta – dezembro 2007 Perfuração – dezembro2007 Potencial Estimado – N.D. Bem-Te-Vi Descoberta – março 2008 Perfuração – maio 2008 Potencial Estimado – N.D. Bem-Te-Vi Descoberta – março 2008 Perfuração – maio 2008 Potencial Estimado – N.D. Júpiter Descoberta – janeiro 2008 Perfuração – julho 2008 Potencial Estimado – 5 a 8 Bboe Júpiter Descoberta – janeiro 2008 Perfuração – julho 2008 Potencial Estimado – 5 a 8 Bboe Guará Descoberta – junho 2008 Perfuração – ongoing Potencial Estimado – N.D. Guará Descoberta – junho 2008 Perfuração – ongoing Potencial Estimado – N.D. Iara Descoberta – agosto 2008 Perfuração – ongoing Potencial Estimado – 3 a 4 Bboe Iara Descoberta – agosto 2008 Perfuração – ongoing Potencial Estimado – 3 a 4 Bboe

14 Brasil Produção projetada Fonte: Petrobras, 2009

15 Brasil Produção projetada Fonte: Petrobras, 2009

16 Brasil Produção projetada

17 Fonte: Cera, 2009 Brasil Produção projetada ~ 4.3 MMboepd ~ 2.6 MMboepd ~ 1.3 MMboepd

18 A geologia do Pré-sal O play abrange os reservatórios carbonáticos lacustres de porção superior da Formação Guaratiba. Fm. Ariri (Sal) Mb. Ilhabela Fm. Guaratiba

19 A geologia do Pré-sal

20 Produção de óleo e gás natural da Petrobras

21 Cenários Tecnológico: Principais Desafios Reservatórios • Definição de qualidade do reservatório carbonático a partir de dados sísmicos; • Caracterização interna do reservatório, com foco nas principais heterogeneidades; • Recuperação secundária: viabilidade técnica da injeção de água e/ou gás; • Geomecânica das camadas adjacentes aos reservatórios; • Otimização da geometria dos poços. Poço • Desvio de poços dentro da zona de sal; • Poços de longo afastamento; • Fraturamento hidráulico em poços horizontais; • Materiais de poços resistentes a elevados teores de CO 2 ; • Aumento da taxa de penetração no reservatório. Garantia de Escoamento • Deposição de parafinas ao longo das linhas de produção; • Controle de hidratos; • Controle de incrustações. Logística para o aproveitamento do gás • Projeto e instalação de gasodutos de grande diâmetro em lâmina d’água de 2200 m; • Longa distância até a costa (300 km); • Cenário para novas tecnologias de aproveitamento de Gás em ambiente offshore: GNL, GNC, GTL, GTW, entre outros.

22 Cenários Político-Fiscal • Provável atraso nas decisões acerca do marco regulatório das novas áreas. • Modelo adotado pode manter regras atuais (licitação), ou incorporar modalidades de partilha de produção e contratos prestação de serviços, que também podem ser feitos com licitação. • Empresa estatal para gerir as participações da União no pré-sal • Favorecimento da Petrobras no acesso às novas áreas. • Modificação de alíquotas dos tributos existentes ou criação de novos tributos sobre a renda petroleira. • Enorme dificuldade em redistribuir a renda petroleira capturada entre União, Estados e Municípios

23 Características do óleo do Pré-sal (Tupi):  VREC : 5 a 8 Bilhões boe  Profundidades dos reservatórios: 5.000 a 6.000 m  Temperatura do óleo no reservatório: 64 ºC  Camadas de sal com até 2.000 m de espessura  Qualidade do óleo: 28 o API  Viscosidade: 1,14 cP  Teor de CO2 no gás: 8 a 12% Dois poços perfurados, produção experimental começou em 2009, e só em 2014 o campo deverá entrar em ritmo de produção comercial.

24 Lições a Partir da OPEP  Diversidade de estratégias entre os países da OPEP os leva a uma heterogeneidade de comportamento – dependendo da sua população, do seu volume de reservas, da sua posição financeira;  Dependência dos recursos naturais – Doença Holandesa;  The paradox of plenty;  Baixo grau de diversificação Industrial;  Sensibilidade à dinâmica do mercado internacional em relação a preços;  Alta dependência dos empregos gerados pelo setor petrolífero – estado como generoso provedor;  Reação à viabilização de algum tipo de backstop technology.

25 Considerações Finais  Reforçar o desempenho macroeconômico de forma a garantir algum nível de estabilização econômica sustentável e proteger a economia da volatilidade associada com os preços internacionais do petróleo – reserve funds;  Solucionar questões sobre governança e transparência em relação à gestão da riqueza mineral do país;  Promover o desenvolvimento do setor privado e melhorar a prestação dos serviços públicos de forma a conseguir aumentar o estado de bem estar social através das despesas públicas e da prestação de serviços sociais e econômicos

26 Considerações Finais  Não se pode deixar contagiar por uma falsa euforia em relação aos recursos naturais como uma tábua de salvação econômica.  Como a lança de Peleu, grandes jazidas de recursos naturais são capazes de curar, mas também de ferir em igual ou maior proporção, as economias onde estão inseridas.

27 fernandadelgado@gmail.com.br Laboratório de Estudos do Tempo Presente - UFRJ


Carregar ppt "Escola de Guerra Naval II Seminário de Geopolítica do Petróleo e Direito Internacional da EGN Vulnerabilidade do Produtor de Petróleo: A OPEP, o Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google