A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Geoprocessamento e Planejamento ESPECIALISTA EM ESTUDOS E PESQUISAS GOVERNAMENTAIS - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DO IJSN - ES PROFESSOR DE PROGRAMAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Geoprocessamento e Planejamento ESPECIALISTA EM ESTUDOS E PESQUISAS GOVERNAMENTAIS - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DO IJSN - ES PROFESSOR DE PROGRAMAS."— Transcrição da apresentação:

1 Geoprocessamento e Planejamento ESPECIALISTA EM ESTUDOS E PESQUISAS GOVERNAMENTAIS - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DO IJSN - ES PROFESSOR DE PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFES, UVV, FAESA, SABERES E UNICSUL MEMBRO PESQUISADOR DO NÚCLEO DE ESTUDOS SOBRE VIOLÊNCIA - NEVI - UFES MEMBRO DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO ESPÍRITO SANTO - IHGES MESTRE EM ARQUITETURA E URBANISMO - UFES, BRASIL ESPECIALIZAÇÃO EM CONSERVAÇÃO AMBIENTAL - UFES, BRASIL APERFEIÇOAMENTO EM PLANEJAMENTO URBANO - UCP, FRANÇA BACHAREL EM GEOGRAFIA - UFES, BRASIL LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA - UFES, BRASIL TÉCNICO EM GEOMÁTICA - CEFETES, BRASIL Prof. Ms. Pablo Lira UNICSUL/CIA DOS CURSOS GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO PLANEJAMENTO URBANO E RURAL PALMAS - TO

2 1- Apresentação •A revolução tecnológica da última década do século XX evidenciou a importância da gestão e manutenção da Tecnologia da Informação (TI) em empresas públicas e privadas; •A partir desta nova ótica, planejamentos estratégicos passaram a ser elaborados e desenvolvidos com base em uma trama de informações que subsidiam as melhores soluções para a otimização de resultados; •Na área de Geotecnologias, o Sistema de Informação Geográfica - SIG vem sendo muito utilizado pelas instituições públicas nos projetos de gestão de recursos e equipamentos, planos ambientais, urbanos, infra-estruturais (transportes) e sociais, políticas públicas, análises espaciais de fenômenos geográficos humanos e naturais, entre outros;

3 2- Objetivos •Promover a difusão do uso das geotecnologias em vista de um conhecimento mais abrangente, aprofundado e preciso sobre o território brasileiro e suas diferentes regiões; •Ressaltar a potencialidade do geoprocessamento como recurso para a produção, organização, tratamento, integração, gerenciamento e acesso das informações a respeito de fenômenos onde a localização geográfica é um elemento fundamental para os processos de organização, consultas, análise e decisão; •Contribuir para o desenvolvimento de novos conhecimentos, habilitações e competências para o avanço da produção do conhecimento acadêmico e o aprimoramento da atuação profissional;

4 3- Público-alvo •Arquitetos, Engenheiros, Geógrafos, Demógrafos, Cientistas da Computação, Agrônomos, Pedagogos, Médicos, Biólogos, Ecologistas, Economistas, Historiadores, Turismólogos, Sociólogos, Assistentes Sociais, Artistas Plásticos, Matemáticos, Administradores, Estatísticos etc. •Gestores de planejamento urbano e regional e profissionais atuantes em órgãos governamentais, instituições ou empresas no quadro de equipes diretamente envolvidas com atividades de estudos, análises, e pesquisas do espaço urbano, regional ou rural e do meio ambiente, bem como em atividades do planejamento urbano e regional, planejamento ambiental, gestão e monitoramento do território, geoprocessamento, cadastros, mapeamentos, levantamento e organização de dados e informações, avaliações e perícias etc.

5 3- Público-alvo

6 4- Variável Espacial •Se o “onde” for importante para o planejamento, análises, estudos e ações, o geoprocessamento pode ser a solução. A imprensa internacional destacou a apresentação do Projeto Rio 2016 na Sportacccord, no último dia 27. O evento ocorreu em Denver (Colorado), nos Estados Unidos, entre os dias 23 e 27 de março. O Rio de Janeiro foi a única cidade aplaudida antes do fim da apresentação. A manifestação espontânea da platéia aconteceu quando o presidente do Comitê Rio 2016, Carlos Arthur Nuzman, mostrou um MAPA onde estavam indicadas as cidades que já receberam os Jogos Olímpicos, e que deixava vazia a América do Sul (www.rio2016.org.br, MAR/2009).

7 •Esporte, Educação, Saúde, Urbanismo, Agricultura, Turismo, Economia, Comércio, Indústria, Política??? 3- Variável Espacial

8 4- Planejamento •Planejamento: processo, ação e/ou ferramenta que possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos e construir um referencial futuro; •Exemplos: governamental, territorial, ambiental, econômico, social, rural, urbano, tecnológico, energético, familiar etc.; •Tipos: Estratégico, Tático e Operacional

9 4- Planejamento •Estratégia: etimologia vem do grego, strategía, “arte do general” (STEINER e MINER,1981); “a arte e a ciência de conduzir um exército por um caminho” (MEIRELLES, 1995); •Comando do exército > Planejamento > Metodologia

10 4- Planejamento •Tática: palavra que também vem do grego, taktiké, assume características mais visíveis, pontuais, circunscritas à áreas específicas da organização ou campo do saber; •Atuação do exército > Operacionalidade > Método

11 4- Planejamento •Estratégias e táticas: um dos primeiros usos do conceito estratégia ocorreu há aproximadamente anos pelo estrategista chinês Sun Tzu (A Arte da Guerra), que afirmava que “todos os homens podem ver as táticas pelas quais eu conquisto, mas o que ninguém consegue ver é a estratégia a partir da qual grandes vitórias são obtidas”; •“Estratégia sem tática é a rota mais lenta para a vitória e a tática sem estratégia é apenas um ruído que se ouve antes da derrota” (Sun Tzu); Território trabalhado como conceito em Sun Tzu (544 – 496 A.C.): é considerado um dos maiores estrategistas militares de todos os tempos, é o autor de A arte da guerra famoso livro chinês sobre tácticas militares;

12 4- Planejamento

13 •Planejamento: estratégia e tática em busca da eficiência e eficácia???;

14 4- Planejamento •Planejamento: estratégia e tática em busca da eficiência e eficácia???;

15 4- Planejamento •Planejamento: estratégia e tática em busca da eficiência e eficácia; •Eficiência: fazer as coisas de maneira correta; fazer um trabalho correto, sem erros e de boa qualidade; relação entre os resultados que se conseguiu alcançar e os recursos que se empregaram (gestão, planejamento e processo, atividade meio); •Eficácia: são as coisas certas; alcançar um resultado esperado (atividade fim, resultado e produto);

16 4- Planejamento •Planejamento: estratégia e tática em busca da eficiência e eficácia; •Peter Drucker afirma que na esfera administrativa, a eficiência e eficácia devem ser contempladas ao mesmo tempo em prol de uma gestão competente e de sucesso (eficiência + eficácia = EFETIVIDADE);

17 4- Planejamento •Planejamento: estratégia e tática em busca da eficiência e eficácia; O que se caracteriza como algo essencial para o todo e qualquer planejamento??? i

18 4- Planejamento •Existem três níveis básicos de saber, definidos segundo o grau de elaboração utilizado para se apreender, estruturar e dar sentido ao que é produzido através de observações e experiências.

19 4- Planejamento Dado Informação Conhecimento

20 •Dado: a menor forma de informação; registros estruturados de transações organizacionais; criam a ilusão de exatidão científica; não fornecem julgamento nem interpretação para a tomada de decisão; quando agrupado, organizado, categorizado e padronizado adequadamente transforma-se em informação propriamente dita.

21 [502]

22 4- Planejamento •Informação: conjunto de dados dotados de significado, relevância e propósito; conjunto de registros qualitativos ou quantitativos adequadamente organizado, agrupado, categorizado e padronizado; uma abstração que representa algo significativo para alguém através de textos, imagens, sons ou animação.

23 [502] Mortes por H1N1 no Brasil Globo, 24/08/2009

24 4- Planejamento •Conhecimento: é uma mistura fluida de experiências, valores, informações e insights, que por sua vez proporciona uma estrutura para a avaliação e incorporação de novas experiências e informações. Ele tem origem e é aplicado na mente dos conhecedores. Nas organizações, ele costuma estar embutido não só em documentos, mas também em rotinas, processos, práticas e normas organizacionais.

25 Conhecimento é informação aplicada i

26 4- Planejamento •Na contemporaneidade a informação funciona como um redutor de incerteza •O valor da informação também aumenta em função da sua escassez. •Alguém duvida disso???

27

28

29

30 i 4- Planejamento

31 . Tecnologia da Informação

32 Conjunto complexo de técnicas, artes e ofícios (techné) capazes de modificar e/ou transformar o ambiente natural (cognitivo), em novas realidades. ESPINAS, “As origens da tecnologia”, Revue philosophique, 1890 “ Paleolítico Neolítico Egito China

33 ... Tecnologia não se restringe portanto a equipamentos (hardware), programas (software) e comunicação de dados.

34

35 Tecnologia da Informação • A Revolução Tecnológica da segunda metade do séc. XX contribuiu para o avanço dos estratégias e técnicas no âmbito da Gestão; • Os avanços computacionais permitiram o processamento de um maior contingente de dados, bem como a correlação de fontes distintas de informação, elaboração de metodologias complexas e maior acessibilidade e velocidade na aplicação de métodos estatísticos através softwares específicos;

36 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva dos micros): Antes 1990 Atualmente Computador: Kaypro 10 Pentium 3 Core 2 Duo Velocidade: 4Mhertz 2Ghertz 4Ghertz HD: 10Mb 40Gb 1Tb MRAM: 64kb 256Mb 4Gb

37 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Computador UNIVAC: Tambor Magnético 10kb

38 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Computador IBM 305 RAMAC - HD 5Mb

39 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Disco flexível - 79,7Kb - 1,44Mb

40 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Fita Magnética (compacto cassete) - 660Kb x 2 lados

41 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Laserdisc - 60min

42 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): IBM HD 2,5Gb

43 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Tecnologias Diversas - HD 40Gb-80Gb

44 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): CD-ROM - 700Mb

45 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): DVD-ROM - 4Gb-8Gb

46 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): HD-DVD e Blur-ray - 30Gb e 50Gb

47 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): HDs Portáteis – 1Tb

48 Tecnologia da Informação Revolução Tecnológica (perspectiva das “mídias” de armazenamento): Pendriver – 256Gb

49 5- Geoprocessamento •Conceitos: •Sistema de Informação Geográfica - SIG; •Geoprocessamento; •Geomática; •Georreferenciamento; •Geoestatística; •Geotecnologias; •Geoinformação;

50 5- Geoprocessamento •SIG: •O conceito de SIG evoluiu nos últimos anos, mas seu objetivo/finalidade essencial não mudou; •Dependendo do campo de pesquisa, o conceito de SIG sofre influência; •Burrough (1986), definia SIG como um sistema (automatizado) de coleta, armazenamento, manipulação e saída de dados cartográficos (jargão da área de computação); •Isso pode levar a pensar que o SIG só passou a existir com o advento do computador;

51 5- Geoprocessamento •SIG: •Miranda (2005) acrescenta que os SIGs já existiam bem antes do aparecimento do computador e do consequente desenvolvimento de sistemas computacionais; •A exemplo disso, os romanos, há séculos, já empregavam o “sistema” de registro de propriedades, capitum registra (registro de terra); •Na perspectiva de produção de mapas e da compilação e registro geográfico, este pode ser considerado um exemplo válido;

52 5- Geoprocessamento •SIG: •Na década de 80, houve um crescente interesse na manipulação da informação geográfica por computador; •A partir desse período o uso do conceito de SIG se disseminou; •De acordo com Martin (1996), o SIG representa a convergência de diferentes disciplinas que têm a localização geográfica como objeto de estudo; •O SIG está intrinsecamente ligado à variável espacial;

53 5- Geoprocessamento •SIG: •Na década de 80, difusão de conferências de organizações como Automated Cartography – Auto Carto; American Society for Photogrammetry and Remote Sensing – ASPRS, entre outras; •Na década de 90, emergiram novas organizações internacionais, nas quais o SIG era o foco primário, tais como a European Conferences on Geographic Information Systems – EGIS; •Colaboradores diversos: Howard Fisher (Harvard Laboratory for Computer Graphics), Jack Dangermond (Envirommental Systems Research Institute – ESRI), Roger Tomlinson (Canadian Geographic Information System – CGIS) e David Bickmore (Experimental Cartography Unit);

54 5- Geoprocessamento •SIG: •As principais formações envolvidas no desenvolvimento do SIG, no início de sua consolidação como “campo do saber”, era a cartografia, geografia, matemática, estatística e ciência da computação; •Contribuições da informática: SGBD, linguagem de programação e aplicativos; •Contribuição da geografia: espacialidade; •Contribuição da cartografia: concepção de mapas; •A essência do SIG está na sua característica INTERDISCIPLINAR (não existem donos do SIG)

55 5- Geoprocessamento •SIG: •O problema da definição para a comunidade de SIG; •Maguire (1991) apresenta 11 definições para o termo; •SIG: um sistema de computadores e periféricos, programas, dados, pessoas, processos, métodos, organizações e instituições com o propósito de coletar, armazenar, analisar e disseminar informações espaciais (Chrisman, 1997, adaptado) •Dependendo do campo de pesquisa, o conceito de SIG sofre influência;

56 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •“De modo simplificado, um SIG combina layers (níveis de informação) de um lugar de modo a fornecer-lhe uma melhor compreensão sobre este lugar. A escolha dos layers a serem combinados depende do propósito: encontrar o melhor local para uma nova loja, analisar danos ambientais, observar crimes similares em uma cidade para detectar padrões, e assim por diante” (ESRI - Environmental Systems Research Institute). •“SIG é um sistema de hardware, software e dados que facilita o desenvolvimento, aprimoramento, modelagem e visualização de dados georreferenciados multi-variados (vários layers)” (NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration).

57 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •“SIG é um sistema de hardware e software para gerenciamento e visualização de dados espaciais. É semelhante a um gerenciador de Bancos de Dados que se utiliza principalmente de dados espaciais e não apenas tabulares” (NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration). •“SIG pode ser considerado como o equivalente high-tech do mapa. Um mapa individual contém muitas informações que são usadas de modo diferente por diferentes indivíduos ou organizações. Os SIG representam um meio de nos localizarmos em relação ao mundo que nos cerca” (Universidade de Edinburgh).

58 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •“Em um senso estrito, um SIG é um sistema de computadores capaz de armazenar, manipular, e mostrar informação referenciada geograficamente, isto é, dados identificados de acordo com sua localização. Podem também ser considerados parte do sistema os usuários e os dados utilizados” (USGS - United States Geological Survey).

59 5- Geoprocessamento •SIG: •Bonham-Carter (1997) oferece a seguinte definição: •Sistema: o SIG tem a capacidade funcional para a entrada de dados, manuseio, transformação, visualização, combinação, consultas, análises, modelagem e saída de informações; •Informação: o SIG possibilita a organização de dados para produzir conhecimento útil na forma de mapas, imagens, estatísticas, gráficos etc.; •Geográfica: o SIG está intrinsecamente relacionado à variável espacial (sistema de coordenada);

60 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Recentemente, a comunidade acadêmica tende a associar o SIG como uma ciência da informação; •Em muitos países existem institutos acadêmicos de SIG; •Cursos sobre SIG (GEOPROCESSAMENTO) são parte do currículo acadêmico em muitas universidades no Brasil e exterior tanto de graduação como em pós-graduação; •Atualmente é possível adquirir grau de mestre ou doutor especificamente em SIG;

61 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Tendo em vista a recente consolidação do SIG e sua potencialidade interdisciplinar, deve-se ter muita cautela na associação do SIG como ciência; •Primeiramente é importante frisar que o SIG, se considerado como uma ciência, se caracteriza como uma ciência aplicada e não como uma ciência pura/básica/fundamental;

62 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Ciência fundamental: descreve os mais básicos objetos, forças, fenômenos e relações entre eles e as leis que os governam, a luz de sua própria epistemologia (conhecimento básico que elas desenvolvem, relação com a história do pensamento); •Ciência aplicada: volta-se para a aplicação do conhecimento para a solução de problemas práticos. As ciências aplicadas são importantes para o desenvolvimento tecnológico;

63 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •É comum constatar “especialistas” cometendo alguns equívocos: negligenciamento do progresso epistemológico de ciências fundamentais, apropriação anacrônica de conceitos, uso indevido de idéias, métodos e teorias em prol de neologismos vazios;

64 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Exemplo: Neogeografia significa “nova geografia” [..]. A chegada das aplicações de mapeamento no estilo “faça você mesmo”, tais como Google Maps API, tem trazido algumas das capacidades do GIS para as mãos de leigos. Na prática, neogeografia trata de pessoas que usam e criam seus próprios mapas, em seus próprios termos, e combinando elementos de uma série de ferramentas pré-existentes (MundoGeo). •Na história do pensamento geográfico a Geografia passou por quatro fases marcantes: Determinismo Geográfico, Geografia Regional, Nova Geografia ou Geografia Quantitativa e Geografia Crítica;

65 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Nesse sentido, é possível encontrar autores que classificam o SIG, indiscriminadamente, como ciência (sempre ressalva-se ciência aplicada) e autores que consideram o SIG como um campo do saber (Ciência da Informação Geográfica ou Espacial); •Nunca é excessivo lembrar das ressalvas: Princípio da Relativização. •Cuidado com os neologismos e estrangeirismo!

66 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta???????????????????????? •Da mesma forma que se deve ter cautela em classificar o SIG como um ciência, também é primordial evitar reduzi-lo a uma mera tecnologia ou uma simples ferramenta;

67 5- Geoprocessamento •SIG: como ciência, campo do saber, tecnologia e/ou ferramenta????????????????????????

68 5- Geoprocessamento •SIG: outra concepção •“O termo Geoprocessamento denota a disciplina do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para o tratamento da informação geográfica e que vem influenciando de maneira crescente as áreas de Cartografia, Análise de Recursos Naturais, Transportes, Comunicações, Energia e Planejamento Urbano e Regional. As ferramentas computacionais para Geoprocessamento, chamadas de Sistemas de Informação Geográfica (GIS), permitem realizar análises complexas, ao integrar dados de diversas fontes e ao criar bancos de dados geo-referenciados. Tornam ainda possível automatizar a produção de documentos cartográficos” (Gilberto Câmara, diretor do INPE).

69 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •Para Jorge Xavier da Silva (2007), o Geoprocessamento pode ser considerado um ramo da tecnologia de computação eletrônica de dados, na medida em que se apóia diretamente no processamento de dados georreferenciados; •Para o mesmo autor, o conceito de Geomática (também conhecida como Geoinformática, Ciência da Informação Espacial, Geocomputação ou Engenharia da Geoinformação) se associa ao ramo científico; •Ainda para Silva (2007), deve-se ponderar que é relativamente problemático considerar como cinência, precipuamente, tarefas eminentemente técnicas, como programação, criação de estruturas de armazenamento, recuperação e exibição de dados;

70 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •Meirelles, Camara e Almeida (2007) salientam que o termo Geomática surge no início da década de 90 caracterizando uma nova disciplina do conhecimento, resultante da convergência da Tecnologia da Informação e das Ciências da Terra e Ambiente; •Segundo eles, a Geomática destina-se à abordagem de dados espaço-temporais relativos à fenômenos geográficos; •Com base nos mesmos autores, a Geomática, também conhecida como Ciência da Informação Espacial, Geoinformação ou Engenharia da Informação Espacial, dedica-se a tratar questões fundamentais advindas da criação, armazenamento, manipulação, visualização e recuperação da informação geográfica em um ambiente de Sistema de Informações Geográficas (SIG);

71 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •Segundo Silva (2007), o Geoprocessamento (Geomática) possui como principal objetivo a transformação de dados geograficamente referenciados em informação relevante por meio de relações de inserção (hierarquia), topologia (proximidade/contiguidade) e funcionalidade (causalidade); •Na verdade, os conceitos/definições na seara do SIG ainda não são precisos, eles podem variar de autor para autor;

72 5- Geoprocessamento •SIG: outras definições •Miranda (2005) ressalta que os conceitos estão se tornando híbridos e se modificando. Ele dá o exemplo de que nos países de língua inglesa predominam os termos Geographic Information System – GIS e Geoprocessing (geoprocessamento); •Enquanto nos países de língua francesa e no Canadá prevalecem os termos Système d‘Information Géographique – SIG e Geomatique (geomática);

73 5- Geoprocessamento •Conceitos: •SIG: campo do saber que envolve os procedimentos, tecnologias e ferramentas; •Geoprocessamento: deriva do inglês e está relacionado aos processos de tratamento da informação espacial; •Geomática: deriva do francês e idem; •Georreferenciamento: um procedimento que referencia a variável espacial; •Geoestatística: estatística espacial; •Geotecnologias: aplicativos, SGBDs espaciais, infra-estrutura, estrutura lógica e estrutura física; •Geoinformação: informação espacial; •OBS: Alguns destes conceitos, dependo do autor, podem ser utilizados como “sinônimos” (isso pode variar de acordo com o contexto).

74 5- Geoprocessamento •SIG: SIG (consenso): um sistema de computadores e periféricos, programas, dados, pessoas, processos, métodos, organizações e instituições com o propósito de coletar, armazenar, analisar e disseminar informações espaciais (Chrisman, 1997, adaptado)

75 [1] Cartografia  Representação geométrica do todo ou parte da superfície da Terra, apresentada através de mapas, cartas ou plantas;  Mapa de Ga-Sur da Babilônia (vale do rio Eufrates), feito em um tablete de argila, datado de a.C, é o mapa mais antigo considerado pela comunidade científica;  Globo: representação cartográfica sobre uma superfície esférica, em escala pequena, dos aspectos naturais e artificiais de uma figura planetária, com finalidade cultural e ilustrativa;  Mapa: a representação no plano, normalmente em escala pequena, dos aspectos geográficos de uma determinada área da superfície terrestre destinada aos mais variados usos, temáticos, culturais e ilustrativos;

76  Carta: representação no plano, em escala média ou grande, dos aspectos artificiais e naturais de uma determinada área da superfície planetária, subdividida em folhas sistematicamente articuladas, com grau de precisão compatível com a escala;  Planta: representa uma área de extensão suficientemente restrita para que a sua curvatura não precise ser levada em consideração; [1] Cartografia

77  Escala: relação entre a medida de um objeto ou lugar representado no papel e sua medida real; Sendo:  E = escala  d = distância medida na carta  D = distância real (no terreno) [1] Cartografia

78  Escala: relação entre a medida de um objeto ou lugar representado no papel e sua medida real; Tipos:  Grande: até 1:  Média: 1: a 1:  Pequena: maior que 1:  Exercício: A distância, em um mapa de escala 1: , entre Vitória e Guarapari é de 18 cm. Qual o valor da distância (km) no terreno? [1] Cartografia 45 km

79  Escala: relação entre a medida de um objeto ou lugar representado no papel e sua medida real; [1] Cartografia 1: D 1: P

80  Sistema de Projeções Cartográficas: problema básico das projeções cartográficas é a representação de uma superfície curva em um plano. Em termos práticos, o problema consiste em se representar a Terra em um plano;  Diversos métodos e modelos matemáticos são empregados para se obter a correspondência “representação-real”, constituindo os chamados “sistemas de projeções”; [1] Cartografia Sistemas de Referência:

81 Propriedades das Projeções (propósitos):  Conforme: não deforma os ângulos representados;  Eqüidistantes: não deforma os comprimentos representados;  Equivalentes: não altera as áreas; [1] Cartografia

82 1- Cartografia Tipos de Projeção Cartográfica Projeção UTM: BR=46 cartas; 8 fusos – 18-25

83 1- Cartografia Tipos de Projeção Cartográfica

84 Sistemas de Referência:  Sistema de Coordenadas: necessários para expressar a posição de pontos e fenômenos sobre uma superfície;  Coordenadas Geográficas: variação em graus de determinados meridianos e paralelos em relação à Greenwich e ao Equador, respectivamente - Datum Sul Americano 1969;  Coordenadas Métricas: caracterizado pelo sistema de coordenadas cartesianas X e Y (UTM) - South American 1969 UTM Zone 24S; [1] Cartografia SIRGAS – 2014 Sistema de Referência Legal

85 Sistemas de Referência:  Sistema de Coordenadas: necessários para expressar a posição de pontos e fenômenos sobre uma superfície;  Coordenadas Geográficas: variação em graus de determinados meridianos e paralelos em relação à Greenwich e ao Equador, respectivamente - Datum Sul Americano 1969;  Coordenadas Métricas: caracterizado pelo sistema de coordenadas cartesianas X e Y (UTM) - South American 1969 UTM Zone 24S; [1] Cartografia Datum vertical (Z) Marégrafo de Imbituba – SC

86  Tipos de Mapas [1] Cartografia

87 Mapas Coropléticos ou com Graduação de Cores

88 [1] Cartografia Mapas Coropléticos

89 [1] Cartografia Mapas Coropléticos

90 [1] Cartografia Mapas com Figuras Proporcionais

91 [1] Cartografia Mapas com Figuras Proporcionais

92 [1] Cartografia Mapas Coropléticos com Figuras Proporcionais

93 [1] Cartografia Mapas com Figuras Proporcionais Compostas

94 [1] Cartografia Mapas de Densidade de Pontos

95 [1] Cartografia Mapas de Redes

96 [1] Cartografia Mapas Contínuos

97 [1] Cartografia Mapas 3D

98 [1] Cartografia

99

100

101

102

103

104

105

106

107

108

109 •Global Position System (EUA) , também chamado de NAVSTAR (Navigation Satellite Time and Ranging) devido às suas aplicações originais de navegação, subdivide-se em três segmentos: espacial, de controle (portadoras L1 e L2: códigos C/A, P e Y) e do usuário (L1 e L2: C/A e P); •Constelação de satélites: São 28 satélites em operação, com mais 04 de reserva (total 32), orbitando a uma altitude de km aproximadamente; •GLONASS: SPG Russo •Galileo: SPG Europeu – GNSS*** 2013 Posicionamento: •Absoluto: 1GPS; L1; 20m •Diferencial (relativo): 2 DGPS; L1 e L2; 2cm a 5m •Inercial (estático): 2 receptores •Semi-cinemático (stop and go): 1 parado e outros em movimento [2] GPS

110  Sensores remotos podem ser acoplados em aeronaves, foguetes e balões para obter imagens da superfície da Terra;  Utilização de satélites artificiais: um satélite pode ficar girando em órbita da Terra por um longo tempo e não necessita combustível para isso;  Além disso, a sua altitude permite que sejam obtidas imagens de grandes extensões da superfície terrestre de forma repetitiva e a um custo relativamente baixo; [3] Sensoriamento

111 Imageadores Orbitais  LANDSAT 7 (EUA): resolução 30m, altitude 705km, largura de faixa 185 km, revoluções 14;  SPOT (FRA): resolução 20m, altitude 822km, largura da faixa 117km, revoluções dia 14;  CBERS (CHI & BRA): 20m, altitude 778km, largura da faixa 113km, revoluções 14;  Atualmente, IKONOS e QuickBird: resolução 0,5m (detalhamento); [3] Sensoriamento

112  O vôo fotogramétrico é realizado por uma aeronave, na qual é acoplada uma câmera fotográfica especial que cobre com imagens toda a área a ser mapeada;  Para realizar a restituição das feições topográficas e fenômenos geográficos as fotografias aéreas são tomadas de modo sobreposto, possibilitando a interpretação 2D e estereoscópia (3D) analógica ou digital; [4] Aerofotogrametria

113  Primeiro SIG: Dr. John Snow (1854), estudo da incidência epidemiológica de cólera em Londres;  Recente Revolução Tecnológica: dinâmica e rapidez no processamento (novas ferramentas e sistemas) e maior capacidade de armazenagem (SGBD) de dados;  Sistema de Informações Geográficas: sistema de hardware, software e dados que facilita o desenvolvimento, aprimoramento, modelagem e visualização de informações georreferenciadas multi-variadas (NOAA, 2000); [5] História do SIG

114 Planejamento Arquitetura Gerenciamento Territorial Engenharia Florestal Planejamento Militar Gerenciamento de Infra-Estrutura Gerenciamento de Recursos Hídricos Geologia e Geofísica Análise Ambiental Seleção de locais para Empreend. Geomarketing NÚCLEO DO SIG Geração de informação Gerenciamento Análise Estruturação de Dados Aquisição e armaz. de Dados [6] Concepção do SIG

115  Hardware: sistema central (CPU) e periféricos;  Softwares: básico (sistema operacional) e aplicativo;  Peopleware: treinamento, instrução e qualificação profissional;  Base de Dados: SGBD;  Métodos e procedimentos: padrão de entrada e saída; i [7] Componentes do SIG

116  Coleta, entrada e verificação;  Armazenamento e gerenciamento;  Processamento e implementação de procedimentos metodológico;  Visualização e representação; [8] Sub-sistemas do SIG

117

118  Vetorial: ponto, linha e polígono;  Matricial: possui o pixel (picture cell) como unidade de medida; [9] Modelos do SIG

119  Vetorial: ponto, linha e polígono;  Matricial: possui o pixel (picture cell) como unidade de medida; [9] Modelos do SIG

120 Vetorial

121 Matricial

122

123 CAD - Desenho Assistido por Computador  As informações não são amarradas no terreno;  As relações espaciais não são definidas na estrutura de dados;  Respostas demoradas para perguntas complexas; SIG - Sistema de Informações Geográficas  As informações são necessariamente amarradas no terreno;  As relações espaciais são definidas na estrutura de dados;  Relacionamento dinâmico de dado atributo e dado espacial; [10] Diferenças CAD/SIG

124 SIG - Sistema de Informações Geográficas  As informações são necessariamente amarradas no terreno;  As relações espaciais são definidas na estrutura de dados;  Relacionamento dinâmico de dado atributo e dado espacial; [10] Diferenças CAD/SIG

125  Localização: buscar características de um lugar concreto;  Condição: cumprimento ou não de condições impostas aos objetos;  Tendência: comparação entre situações temporais ou espaciais distintas de alguma característica;  Rotas: cálculo de caminhos ótimos entre dois ou mais pontos;  Modelos: geração de modelos explicativos a partir do comportamento observado de fenômenos espaciais;  Material jornalístico: o Jornalismo on-line pode usar sistemas SIG para aprofundar coberturas jornalísticas onde a espacialização é importante; [11] Utilização do SIG

126  Organização de dados;  Visualização de dados;  Produção de mapas;  Consulta espacial;  Análise espacial;  Previsão; [12] Propósitos do SIG

127  Softwares Proprietários  Softwares Não Proprietários  Importante: Interoperabilidade [13] Aplicativos

128

129 Planejamento: Estrutura Lógica Estrutura Física

130 [13] Aplicativos Planejamento: Estrutura Lógica Estrutura Física Servidor BD (SGBD - i) SBD Réplica Servidor Aplic (Servidor Mapas e Outras Aplic) Web Service (WMS) Web Service (WMS)

131 [13] Aplicativos

132

133

134

135

136

137 Planejamento: Estrutura Lógica Estrutura Física Servidor BD (SGBD - i) Servidor Aplic (Servidor Mapas e Outras Aplic) SGBD “E”: Oracle PostgreSQL My SQL Desktops: Aplicativos SIGs Aplicativos Tabulares Servidor de Mapas: ArcGIS Server Mapserver Geoserver Servidor Web: Apache Zeus Badblue Linguagens: VBA PHP FLEX JAVA Html SQL

138 [13] Aplicativos Planejamento: Estrutura Lógica Estrutura Física Workstations Desktops

139 [13] Aplicativos Planejamento: Estrutura Lógica Estrutura Física

140 Se uma imagem vale mais que mil palavras, um mapa vale mais que mil imagens.


Carregar ppt "Geoprocessamento e Planejamento ESPECIALISTA EM ESTUDOS E PESQUISAS GOVERNAMENTAIS - PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL DO IJSN - ES PROFESSOR DE PROGRAMAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google