A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VITÓRIA 2007 A contribuição da prescrição assistida para a prevenção dos acidentes por erros de medicação. Daniel Kawano (FCFRP – USP)

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VITÓRIA 2007 A contribuição da prescrição assistida para a prevenção dos acidentes por erros de medicação. Daniel Kawano (FCFRP – USP)"— Transcrição da apresentação:

1 VITÓRIA 2007 A contribuição da prescrição assistida para a prevenção dos acidentes por erros de medicação. Daniel Kawano (FCFRP – USP)

2 HISTÓRICO 1937 – Mais de 100 crianças morreram nos EUA pelo uso de um elixir de sufanilamida que continha como veículo o dietileno glicol – Criação do FDA – Focomelia induzida pela Talidomida: mais de crianças deformadas na Alemanha Oriental. Medicamento = Pílula Milagrosa?

3 EVENTO ADVERSO AO MEDICAMENTO (EAM) : Dano causado ao paciente por intervenção da equipe de saúde relacionada a medicamento. EAMs (Evitáveis) Erros de Medicação evento evitável ↓ uso inadequado RAMs efeito indesejado BATES, D. W. et al. JAMA, v. 277(4), p , 1997.

4 EPIDEMIOLOGIA RELATÓRIO DO INSTITUTE OF MEDICINE ● 3,7% das hospitalizações apresentam EAMs. ● 14% são fatais. ● 44 a 98 mil mortes decorrentes de erros de medicação (4 a 6ª causa de morte EUA). ● 58% passíveis de prevenção (KOHN, 1999). KOHN, L. T.; CORRIGAN, J. M.; DONALDSON, M. S. To err is human: building a safer health system. Washington, DC: National Academy of the Institute of Medicine, 1999.

5 ERROS Fatores ambientais (barulho, calor), psicológicos (ansiedade, estresse) e fisiológicos (fadiga, sono) contribuem para erros de medicação: “Uma enfermeira cansada têm dificuldades em se concentrar e pode não notar os próprios erros ou os erros de terceiros” (Rogers, 2004). ROGERS, A. E. et al. The working hours of hospital staff nurses. Health AFF, v. 23, n. 4, p , 2004.

6

7 Distribuição dos EAMs: Harvard Study BATES, D. W. et al. Incidence of adverse drug events and potential adverse drug events. Journal of American Medical Association. v. 274, p , 1995.

8 TECNOLOGIA PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA Código de Barras Dispensadores Automatizados

9 TECNOLOGIA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E QUALIDADE ● Previne erros e eventos adversos. ● Permite uma resposta mais rápida à ocorrência de um evento adverso. ● Localiza e possibilita feedback sobre EAMs.

10 BARRAS ● Última linha de defesa na redução de EAMs. ● Economia de US$ 11 bilhões/ano na redução de erros de medicação (THOMPSON, 2001). ● Assegura ao profissional de enfermagem o cumprimento dos “5 certos”: Paciente, medicamento, dosagem, tempo e via de administração. THOMPSON, T. Hearing on Patient Safety: What is the Role for Congress? Washington, 2001.

11 PRESCRIÇÃO SISTEMAS DE PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA: Variedade de programas elaborados visando a prescrição automatizada de medicamentos, em um formato legível, padrão e com totalidade de conteúdo (KAUSHAL, 2001). KAUSHAL & BATES. Computerized Physician Order Entry with Clinical Decision Support Systems AHRQ Pub No. 01-E058, 2001, p

12 PRESCRIÇÃO OS SISTEMAS DE PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA: ● Eliminam os erros de ilegibilidade de prescrição. ● Impedem a utilização de terminologia ou abreviações ambíguas. ● Asseguram o preenchimento de informações completas.

13 DECISÃO CLÍNICA SISTEMAS DE SUPORTE À DECISÃO CLÍNICA (SSDC): sugestão de valores de dose, freqüência e via de administração, alertas e checagens referentes a exames laboratoriais, alergias e interações medicamentosas (KAUSHAL, 2001). KAUSHAL & BATES. CPOE with CDSS AHRQ Pub. No. 01-E058, 2001, p

14 DECISÃO CLÍNICA SSDCs TORNAM POSSÍVEL: ● Acesso a dados do paciente: alergias, idade, peso, exames laboratoriais e medicamentos. ● Informações de referência: interações medicamentosas, intervalo terapêutico e RAMs. Portanto, oferecem todo o conhecimento da medicina baseada em evidências no momento do cuidado ao paciente.

15 DECISÃO CLÍNICA ALERTAS AO PRESCRITOR: ● Alergias a medicamentos ● Interações medicamentosas relevantes ● Prescrições duplicadas de medicamentos ou com dosagem fora do intervalo terapêutico ● Idade (reajuste de dose) ● Exames laboratoriais (insuficiência renal ou hepática)

16 Incidência de Erros Graves de Medicação Antes e Depois do SPE Erros Graves de Medicação (Eventos/Paciente/Dia) Fase I (Antes do SPE) Fase II (Depois do SPE) Variação = -55% P <.01 BATES, D. W. et al. Effect of Computerized Physician Order Entry and a Team Intervention on Prevention of Serious Medication Errors. JAMA, v. 280(5), p , 1998.

17 DECISÃO CLÍNICA ↑ Segurança do Paciente Prescrição Padrão e Customizada Informação Precisa em Tempo-Real Análise e Feedback do Processo Elevado Custo de Implantação Requer Integração dos Processos Requer Suporte Contínuo Treinamento e Aceitação → Usuário PRÓS E CONTRAS DA PRESCRIÇÃO ELETRÔNICA

18 PONTOS DECISIVOS PARA IMPLANTAÇÃO ● Liderança sólida e dedicação à longo prazo. ● Criação de uma cultura de inovação. ● Excelente gerenciamento de projeto. ● Atenção ao processo clínico. ● Foco na qualidade. DECISÃO CLÍNICA

19 CONSIDERAÇÕES O processo de cuidado ao paciente é complexo, e a informação pode não estar disponível aos que dela necessitam em momento oportuno. Como resultado, o paciente pode não obter os cuidados devidos ou mesmo se expor a riscos. Segurança é subsídio de qualidade e melhorias na qualidade se traduzem em benefício social.

20 CONCLUSÃO “O objetivo dos sistemas elaborados com vista à segurança do paciente é o de dificultar que os indivíduos cometam erros e detectar aqueles que realmente ocorrem a fim de minimizar seu impacto” (BATES, 2004). BATES, D. W.; GANDHI, T. K.; KAUSHAL, R. Introdução à segurança do paciente. In: CASSIANI, S. H. B; UETA, J. M. A segurança dos pacientes na utilização da medicação. 1ª Edição. São Paulo: Editora Artes Médicas Ltda, p.

21 VITÓRIA 2007 Muito Obrigado! (Contato:


Carregar ppt "VITÓRIA 2007 A contribuição da prescrição assistida para a prevenção dos acidentes por erros de medicação. Daniel Kawano (FCFRP – USP)"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google