A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Autores espirituais de obras que podem ser usadas, na tarefa:  Irmão x  Amelia Rodrigues  Neio Lucio ...  E claro, Jesus!!! Teoria e Prática Atividades.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Autores espirituais de obras que podem ser usadas, na tarefa:  Irmão x  Amelia Rodrigues  Neio Lucio ...  E claro, Jesus!!! Teoria e Prática Atividades."— Transcrição da apresentação:

1 Autores espirituais de obras que podem ser usadas, na tarefa:  Irmão x  Amelia Rodrigues  Neio Lucio ...  E claro, Jesus!!! Teoria e Prática Atividades em hospital psiquiátrico Seminário de Evangelização do HEAL Vanda Reis 25/05/2014

2 Base Teórica Sugestão de autores espirituais que podem ser usadas, na tarefa:  Irmão x / Humberto de Campos  Amelia Rodrigues  Neio Lucio ...  E claro, Jesus!!!

3 O CAMINHAR DA HISTÓRIA NA HISTÓRIA DA HUMANIDADE Desenhos rupestres das cavernas de Tassili, na Algéria

4 O OBJETIVO DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS NA EVANGELIZAÇÃO Ferramenta riquíssima, como condutora dos valores morais cristãos e do conhecimento espírita. Possibilita transmitir aos pacientes o conteúdo Evangélico-doutrinário e a fixar o conhecimento em si mesmo.

5 A FINAL, O QUE É PRECISO PARA CONTAR UMA HISTÓRIA ? Antes Durante Depois

6 E SCOLHA DA HISTÓRIA Levar em consideração o objetivo do estudo Qual o tema? Qual seu objetivo? E as características do paciente – ouvinte. Quem é este ouvinte? Obs.:Atentar para as características da Unidade de Internação, as potencialidades e limitações do paciente, nos momentos da internação.

7 C OMO PREPARAR UMA HISTÓRIA PARA SER CONTADA História longa: elimina-se alguns fatos, mantendo os indispensáveis. História muito curta: amplia- se, obedecendo-se uma seqüência lógica de eventos. Estar fundamentada na doutrina espírita (lembrar-se que estamos trabalhando a evangelização à luz do espiritismo)

8 Os recursos mais utilizados são: A simples narrativa; A narrativa com o auxílio do livro; O uso de gravuras, de flanelógrafos, de desenhos; Narrativa com interferência do narrador e dos ouvintes. Obs.:Atentar para não levar objetos que possam ferir ou machucar. (Existe uma lista de materiais que não podem entrar no hospital, por questão se segurança ) COMO APRESENTAR AS HISTÓRIAS

9 A O CONTAR A HISTÓRIA, O CONTADOR PRECISA Conhecer o enredo com toda a segurança. Ter confiança em si mesmo. Sentir a História. Narrar com naturalidade. Com voz suave. Ser comedido nos gestos.

10 CUIDADOS QUE CONTRIBUEM PARA O ÊXITO DA NARRAÇÃO No começo é interessante cantar uma música com os pacientes. Facilita a concentração dos ouvintes. A duração da narrativa em si depende do interesse e da condição psíquica e orgânica dos pacientes: no máximo 20 minutos.

11 QUANTO ÀS INTERRUPÇÕES PELO OUVINTE: – Se for um adendo, confirma-o com um sorriso, uma palavra, um gesto de assentimento. – Se “nada” tiver a ver com o enredo, o contador não deverá desconsiderar a intervenção, em respeito à condição mental do ouvinte. Acolher a fala e tentar adaptá-la ao contexto da história. Dependendo da Unidade de Internação, haverá mais ou menos interrupções. O NARRADOR TEM QUE MANTER SEMPRE UMA ATITUDE CALMA E TRANQUILA, SEM SE IMPACIENTAR OU IRRITAR-SE.

12 A HISTÓRIA PROPRIAMENTE DITA Estrutura da narrativa:  Introdução  Enredo  Clímax  Desfecho

13 ESTRUTURA DA NARRATIVA COM ADAPTAÇÕES OBS Após as narrativas bíblicas, as mesmas deverão ser trabalhadas a luz da doutrina espírita.  PRATICANDO... (momento da vivência)

14 Introdução AS DUAS CURAS LIÇÃO ADAPTADA Certa feita, Jesus estava no meio de grande multidão quando um homem importante da sinagoga, chamado Jairo, ajoelhou–se aos seus pés. E rogava–lhe muito dizendo: - Minha filha está moribunda; rogo–te que venhas e lhe imponhas as mãos para que sare, e viva.

15 E foi com ele, e seguia–o uma grande multidão, que o apertava. Nisso uma mulher, que há muitos anos vinha tendo hemorragias apesar de todos os tratamentos que fazia, conseguiu aproximar–se de Jesus e tocar–lhe as roupas. No mesmo instante, ela sentiu que estava curada. Jesus perguntou quem havia tocado suas roupas. A mulher ajoelhou–se diante dele explicando a causa de ter tocado n’Ele e como sentiu–se curada. E Jesus lhe disse: - Tem bom ânimo, filha, a tua fé te salvou; vai em paz. Ele ainda estava falando quando chegou um enviado da casa de Jairo, dizendo – lhe aflito: - A tua filha já está morta; não incomodes o mestre. E Jesus, ouvindo, respondeu: - Não temas; crê somente. D ESENVOLVIMENTO

16 C LÍMAX Jesus chegou à casa de Jairo e só deixou entrar com ele Pedro, Tiago, João, ficando também o pai e mãe da menina. Todos choravam e Jesus falou–lhes: - Não chorem; ela não está morta, apenas dorme. E segurando a mão da menina, disse–lhe: - Levanta–te menina!

17 Ela logo abriu os olhos, sorriu e levantou–se. Jesus pediu que lhe dessem de comer. Jesus pediu que a ninguém contassem o que havia sucedido. D ESFECHO Evangelho de Marcos 5:21 a 43; Mateus 9:18 a 26 Obs.: Momento de trabalhar a passagem à luz da doutrina espírita

18 BENEFÍCIOS DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS A ÁRVORE DIVINA - IRMÃO X

19 A ÁRVORE DIVINA Ante nossa acalorada conversação para definir o Testamento de Jesus - Cristo, o ancião de olhos lúcidos, complacente e humilde, esclareceu: O Evangelho, meus filhos, pode ser comparado a uma árvore divina, produzindo sementes de vida eterna, sustentada pelo Senhor junto às fontes do tempo... Todos os viajores humanos que se abeiraram dela, aproveitaram-lhe os dons de maneira diferente. Adorou-a um sacerdote, colheu-lhe preciosa tinta na seiva e escreveu muitos livros, expondo seus pontos de vista com referência à Soberana Lei, tornando-se, por isso, poderoso condutor de almas. Apareceu um filósofo e consagrou-se ao exame de suas menores particularidades, pondo-se em atitude de interminável indagação. Visitou-a um geneticista que se revelou fascinado pela ofuscante luz de suas raízes, mergulhando-se em estudos complexos, sem cogitar das horas. Procurou-a um pregador de frases corretas e escalou-lhe o tronco, improvisando nele luminosa tribuna em que passou a ensinar o roteiro do bem aos caminhantes. Aproximou-se um pastor e retirou-lhe pequeno ramo que transformou em vara disciplinadora para as ovelhas. Veio um negociante, recolheu-lhe as folhas curativas e montou vasto empório de remédios tonificantes, adquirindo imensa fortuna. Passou um pintor, contemplou-lhe a beleza e compôs maravilhosos painéis, conseguindo, ao vendê-los, a prosperidade e a fama. Apareceu um escultor hábil, seccionou-lhe alguns galhos robustos e converteu a delicada madeira em primorosas estátuas que o encheram de riqueza e renome.

20 [...] Surgiu um polemista, anotou-lhe a posição no solo e fez minuciosa estatística de todas as suas possibilidades, de modo a discutir com base sólida as idéias que pretendia oferecer aos semelhantes. Apareceu infortunado vagabundo que se lhe ajoelhou à sombra acolhedora e dormiu satisfeito. Veio um doente desesperado que lhe fixou as flores perfumosas e arrancou-as, ansioso, a fim de obter um elixir de consolação. Cada qual se uniu à árvore preciosa, satisfazendo os propósitos de que se sentiam possuídos; todavia, embora dessem o máximo de seus esforços à obra do progresso coletivo, em tarefas respeitáveis, continuavam sempre radicados ao campo inferior da vida, atormentados pelos interesses que os ligavam entre si. Eis, porém, que surge um homem diferente. Caracterizado por grande boa-vontade, não exibe título algum, a não ser indiscutível disposição à fraternidade real. Admirou com simpatia o sacerdote, o filósofo, o geneticista, o pregador, o pastor, o negociante, o pintor, o escultor, o polemista, o vagabundo e o doente e, após longa meditação, abraçou-se respeitosamente à árvore, colheu-lhe os frutos e comeu-os. Seus olhos iluminaram-se. Fez-se mais sereno, mais forte e mais digno. E, em silêncio, passou a servir a todos, em nome do Divino Pomicultor. Como persistisse trabalhando abnegadamente, sem ser catalogado na convenção do serviço terrestre, determinou o Mestre fosse chamado Discípulo, com vantagens ocultas no Céu.

21 [...] O velhinho interrompeu-se, sorriu e rematou : – Segundo reconhecemos, o Evangelho permanece entre nós. Em derredor de sua claridade, porém, toma cada aprendiz o título que deseja. E, antes que pudéssemos interpelá-lo para mais amplo esclarecimento do apólogo, fez significativo gesto de adeus e seguiu adiante. Xavier, Francisco Cândido. Pelo Espírito Irmão X – Pontos e Contos – Capítulo 12: A Árvore Divina Obs.: História na íntegra. Você pode fazer uma adaptação para contá-la.


Carregar ppt "Autores espirituais de obras que podem ser usadas, na tarefa:  Irmão x  Amelia Rodrigues  Neio Lucio ...  E claro, Jesus!!! Teoria e Prática Atividades."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google