A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Unidade 3 A estrutura social e as desigualdades Podemos observar sinais de desigualdades sociais em todos os lugares. Eles aparecem, de imediato, em elementos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Unidade 3 A estrutura social e as desigualdades Podemos observar sinais de desigualdades sociais em todos os lugares. Eles aparecem, de imediato, em elementos."— Transcrição da apresentação:

1 Unidade 3 A estrutura social e as desigualdades Podemos observar sinais de desigualdades sociais em todos os lugares. Eles aparecem, de imediato, em elementos materiais, como moradia e roupas, e também se manifestam no acesso à educação e aos bens culturais. Por que as desigualdades existem? Como se constituem? Como são explicadas?

2 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 A estrutura social se constitui por meio da relação entre os vários fatores – econômicos, políticos, históricos, sociais, religiosos e culturais – que dão feição própria a uma sociedade. Uma das características da estrutura social é a estratificação, ou seja, a maneira como os indivíduos ou grupos são classificados em camadas sociais. Thinkstock/Getty Images

3 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Segundo o sociólogo brasileiro Octávio Ianni, a estratificação social é determinada pela forma como se organizam a produção econômica e o poder político. As estruturas de apropriação (econômica) e de dominação (política) são influenciadas por elementos como a religião, a etnia, o sexo, a tradição e a cultura, que interferem nos processos de divisão social do trabalho e de hierarquização. Thinkstock/Getty Images

4 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 A estratificação e as desigualdades sociais são produzidas historicamente. Isso significa que elas são geradas por situações diversas e se expressam na organização das sociedades em sistemas de castas, de estamentos ou de classes. Thinkstock/Getty Images

5 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 O sistema de castas é uma configuração social registrada em diferentes tempos e lugares. Mas é na Índia que está a expressão mais acabada desse sistema, iniciado há mais de 3 mil anos. As sociedades organizadas em castas A hierarquização social se baseia em religião, etnia, cor, hereditariedade e ocupação. Esses elementos definem a organização do poder político e a distribuição da riqueza gerada pela sociedade.

6 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 a dos brâmanes (sacerdotal e superior às demais); a dos xátrias (intermediária, formada pelos guerreiros, encarregados do governo e da administração pública); a dos vaixás (casta dos artesãos, comerciantes e camponeses); a dos sudras (casta dos inferiores, dos que realizam trabalhos manuais considerados servis). Na Índia, há quatro grandes castas:

7 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Não há mobilidade social em um sistema de castas. Preparação da pira para a cremação de um morto na Índia, em O assistente de cremação herdou essa função de seus antepassados e a passará para os filhos. © Arne Hodalic/Corbis/Latin Stock Na Índia, os integrantes das castas inferiores adotam costumes, ritos e crenças dos brâmanes, o que cria certa homogeneidade de costumes entre as castas. A rigidez das regras é relativizada por casamentos, não muito comuns, entre membros de diferentes castas.

8 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 O sistema de castas indiano está sendo desintegrado de forma gradativa, sob o impacto da urbanização, da industrialização e da introdução de padrões ocidentais de comportamento. Entretanto, normas e costumes desse sistema ainda sobrevivem. Isso é comprovado pela adoção de cotas nas universidades públicas, como medida de inclusão de estudantes que pertencem a castas consideradas inferiores.

9 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 As sociedades organizadas por estamentos Um estamento é identificado por um conjunto de direitos e deveres, privilégios e obrigações, aceitos como naturais e publicamente reconhecidos. Numa sociedade estamental, a condição dos indivíduos e dos grupos em relação ao poder e à participação na riqueza não é somente uma questão de fato, mas também de direito.

10 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Nas sociedades medievais, a possibilidade de mobilidade de um estamento para outro existia, mas era muito controlada. O que definia o prestígio, a liberdade e o poder dos indivíduos era a propriedade da terra: os que não a possuíam eram dependentes econômica e politicamente, além de socialmente inferiores.

11 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 O que explica a relação entre os estamentos é a reciprocidade. Os servos tinham obrigações para com os senhores, que, por sua vez, deviam proteger os servos. A desigualdade era vista como algo natural: camponeses e servos sempre estiveram em situação de inferioridade.

12 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Na França, no final do século XVIII, havia três estados: a nobreza, o clero e o terceiro estado, que incluía os demais membros da sociedade: comerciantes, industriais, trabalhadores em geral, etc. The Bridgeman Art Library/Keystone/Other Images Estratificação social na França: o camponês carrega o clérigo e o nobre nas costas. Representação de 1789.

13 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 A pobreza é a expressão mais visível das desigualdades sociais. Pobreza: condição de nascença, desgraça, destino... Como ela foi entendida no decorrer da história? WMO

14 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Acreditava-se que a pobreza era uma desgraça decorrente das guerras ou de adversidades como doenças ou deformidades físicas. Na Idade Média, a pobreza era considerada uma condição de nascença. Havia uma visão positiva dessa condição, pois esta despertava a compaixão e a caridade. Na concepção da Igreja Católica, os ricos tinham obrigação moral de ajudar os pobres.

15 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Na Inglaterra, com o aumento da produção e do comércio, a pobreza e a miséria passaram a ser interpretadas como resultado da preguiça e da indolência, já que havia muitas oportunidades de emprego. Tais interpretações tinham por objetivo fazer que o povo se submetesse às condições de trabalho vigentes. A partir do século XVI, iniciou-se um nova ordem, na qual o indivíduo se tornou o centro das atenções. O Estado “herdou” a função, antes atribuída aos ricos, de cuidar dos pobres.

16 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 No final do século XVIII, com o fortalecimento do liberalismo, outra justificativa para a pobreza foi formulada  as pessoas eram responsáveis pelo próprio destino e ninguém era obrigado a dar trabalho ou assistência aos mais pobres. Dizia-se que era necessário manter o medo à fome para que os trabalhadores realizassem bem suas tarefas.

17 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Para o economista e demógrafo britânico Thomas Malthus, a população crescia mais que os meios de subsistência. Com base nas ideias de Malthus, dizia-se que a assistência social aos pobres era repudiável, pois os estimulava a ter mais filhos, o que aumentava a miséria. Thomas Malthus ( ). National Portrait Gallery, Londres, Inglaterra

18 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Em meados do século XIX, difundiu-se a ideia de que os trabalhadores eram perigosos: poderiam não só transmitir doenças, já que viviam em condições precárias de higiene, mas também se rebelar, organizar-se e fazer revoluções, questionando os privilégios das classes que detinham riqueza e poder.

19 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 Exercícios 1. Leia o texto abaixo e explique-o de acordo com o que você estudou neste capítulo. Quando declaramos que o espírito de casta reina em dada sociedade, queremos dizer que os vários grupos dos quais essa sociedade é composta se repelem, em vez de atrair-se, que cada um desses grupos se dobra sobre si mesmo, se isola, faz quanto pode para impedir seus membros de contrair aliança ou, até, de entrar em relação com os membros dos grupos vizinhos. [...] Celestin Blouglé. O sistema de castas. In: Octávio Ianni (org.). Teorias da estratificação social. São Paulo: Nacional, p

20 Estrutura e estratificação social Capítulo 7 2. Observe a imagem. Que elementos dessa cena caracterizam uma sociedade estamental? O trabalho no feudo representado em iluminura do século XV. Museu Condé, Chantilly, França


Carregar ppt "Unidade 3 A estrutura social e as desigualdades Podemos observar sinais de desigualdades sociais em todos os lugares. Eles aparecem, de imediato, em elementos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google