A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Engenheiro Plinio Tomaz.  Publicado em 1976  45ha a 65 km 2  Duração da chuva: 24h  Bom para determinar a vazão de pico  Não é muito usado no Brasil.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Engenheiro Plinio Tomaz.  Publicado em 1976  45ha a 65 km 2  Duração da chuva: 24h  Bom para determinar a vazão de pico  Não é muito usado no Brasil."— Transcrição da apresentação:

1 Engenheiro Plinio Tomaz

2  Publicado em 1976  45ha a 65 km 2  Duração da chuva: 24h  Bom para determinar a vazão de pico  Não é muito usado no Brasil  Hietograma de chuva: Tipo I, IA, II e III

3  Q p = Q u. A. Q. F p  Sendo:  Q p = vazão de pico (m 3 /s)  Q u = pico de descarga unitário (m 3 /s/cm / km 2 )  A = área da bacia (km 2 )  Q = runoff ou seja o escoamento superficial ou chuva excedente de uma chuva de 24h (cm)  F p = fator adimensional de ajustamento devido a poças d’água

4 Porcentagem da água de chuva que fica em poças d’água ou em brejos (%) FpFp 01,00 0,20,97 1,00,87 3,00,75 5,0*0,72

5  O pico de descarga unitário Q u  log (Q u ) = C 0 + C 1. log tc + C 2. (log tc ) 2 - 2,366  Sendo:  C 0,C 1 e C 2 obtidos da Tabela  tc = tempo de concentração (h), sendo que 0,1h  tc  10h

6 Tipo de chuva conforme SCS (Estados Unidos) Ia/ PC0C0 C1C1 C2C2 I 0,102, , , ,202, , , ,252, , , ,302, , , ,352, ,407690, ,401, ,322740, ,451, ,156440, ,501, ,069300,0 IA 0,102, , , ,201, , , ,251, , , ,301, ,198260, ,501, ,091000,0 II 0,102, , , ,302, , , ,352, , , ,402, , , ,452, , , ,502, , ,01259 III 0,102, , , ,302, , , ,352, , , ,402, , , ,452, , , ,502, , ,09525

7  McCuen  CNw= CNp. (1 – f) + f.98  CNw= número da curva composto  CNp= número da curva da área permeável. DAEE São Paulo adota CNp= 60 para qualquer caso.  f= fração impermeável da área da bacia em estudo  Regra: usar Tabela do número CN e caso não encontre use o CN composto, não esquecendo os tipos de solo do SCS: Tipos: A,B,C e D

8  McCuen, 1998 cita como exemplo,  Pastagem, Terrenos baldios, espaços abertos, campos de golfe, cemitérios, boas condições.  Solo tipo A: CN= 39  Solo tipo B: CN= 61  Solo tipo C: CN= 74  Solo tipo C: CN= 80

9 Grupo do soloCapacidade minima de infiltração (mm/h) Média (mm/h) A7,62 a ,53 B3,81 a 7,625,72 C1,27 a 3, D0 a 1,270,64

10 Uso do solo Superfície do solo Grupo do Solo ABCD Solo lavradoCom sulcos retilíneos Em fileiras retas Plantações regularesEm curvas de nível Terraceado em nível Em fileiras retas Plantações de cereaisEm curvas de nível Terraceado em nível Em fileiras retas Plantações de legumes ou cultivados Em curvas de nível Terraceado em nível Pobres Normais Boas Pastagens Pobres, em curvas de nível Normais, em curvas de nível Boas, em curva de nível Campos permanentes Normais Esparsas, de baixa transpiração Normais Densas, de alta transpiração Chácaras Estradas de terra Normais Más De superfície dura Florestas Muito esparsas, baixa transpiração Esparsas Densas, alta transpiração Normais

11 11

12  Exemplo  Achar o número da curva CN para area em São Paulo com área impermeável de 55%.  CNp= 74  F= 0,55  CNw= CNp. (1 – f) + f.98  CNw= 74 x (1 –0,55) + 0,55x98 =87

13  Forma de Keifer e Chu da equação da intensidade máxima de chuva  I= K. Tr a ( t + b) c  I= intensidade de chuva (mm/h)  Tr= período de retorno (anos)  t= tempo de duração da chuva (min)  K, a, b, c:coeficientes obtidos de estudos locais ou usando o programa Pluvio 2.1 da Universidade de Viçosa Minas Gerais.

14  Exemplo: São Paulo  Achar precipitação maxima em 24h para periodo de retorno de 25 anos.  Equação de Paulo Sampaio Wilken  K=1747,9 a=0,181 b= 15 c=0,89  I= K. Tr a ( t + b) c  T= 24h = 24 x 60min= 1440min  I= 1747,9x /( ) 0,89  I= 4,70 mm/h  Para 24 horas: 4,70 x24= 115 mm

15  Exemplo: bacia com 2,22km 2, 0,2% poças, CN=81,  tc= 15min=0,25h. Local: São Paulo  S= 25400/CN- 254= 25400/ =38mm  Tr=25anos D=24h achamos para P=115mm  ( P- 0,2S ) 2  Q=  ( P+0,9S )

16  ( ,2. 38 ) 2  Q= = 79mm =7,9cm  ( 115+0,8.38 )  Portanto, a chuva excedente é 6,3cm.  Como Ia= 0,2. S = 0,2 x 38 =7,6mm   Ia/P = 7,6mm/115mm = 0,07  Adotamos para Ia/P =0,1 e então para a chuva Tipo II escolhida temos:  C 0 = 2,55323  C 1 = -0,61512  C 2 = -0,16403  tc=0,25h > 0,1h (hipótese de aplicação do método)

17  log (Q u ) = C 0 + C 1. log tc + C 2. (log tc ) 2 - 2,366  log (Q u ) = 2, , log 0,25 -0,16403.(log 0,25 ) 2 - 2,366  log (Q u ) = 0,4981  e portanto Q u = 3,1477 (m 3 /s / cm / km 2 )  Como admitimos 0,2% de poças d’água, da Tabela obtemos F p =0,97  Q p = Q u. A. Q. F p  Q p =3, ,22. 7,9. 0,97 = 53,5m 3 /s (Vazão de pico p/ Tr=25anos)

18 Engenheiro Plinio Tomaz

19  SCS TR-55  Até 65km 2  Chuva de duração de 24h  Hietograma: Tipo I,Ia, II e III  São Paulo: adotar Tipo II (mais usado)  Vazão de pré-desenvolvimento  Vazão de pós-desenvolvimento

20  Guo, 2006 apresentou vários critérios: Usar a vazão de pré-desenvolvimento Usar a vazão crítica de uma estrutura de drenagem a jusante, como galeria retangular existente com capacidade de 14m 3 /s na Av. Pacaembu Usar critérios legais de vazões em L/sxha para determinado período de retorno. Por exemplo, 25 L/s x ha para Tr= 10anos.

21 Tipo de chuva nos Estados Unidos C0C0 C1C1 C2C2 C3C3 I, IA0,660-1,761,96-0,730 II, III0,682-1,431,64-0,804 Volume do reservatório = C 0 + C 1.  + C 2.  2 + C 3.  3 volume de runoff Sendo: Volume do reservatório = (m 3 ); volume de runoff = volume da chuva excedente (m 3 ). É a altura da chuva multiplicada pela área da bacia nas unidades compatíveis;  = Q pré-desenvolvimento /Q pós-dessenvolvimento Sendo: Q pós-dessenvolvimento = vazão de pico (m 3 /s) depois do desenvolvimento calculado pelo TR-55; Q pré-desenvolvimento = vazão de pico (m 3 /s) antes do desenvolvimento calculado pelo TR-55. C 0, C 1, C 2 e C 3 = coeficientes de análise de regressão da Tabela abaixo

22  Seja uma bacia com 2,22km 2 com 0,2% de poças d’água e que o número da curva estimado CN=81. O tempo de concentração é de 15min = 0,25h e que a chuva de 24horas é o Tipo II e que a precipitação para período de retorno de 25anos conforme Martinez e Magni,1999, na cidade de São Paulo, seja de 115mm. Usar a vazão critica de galeria retangular com capacidade máxima de 13m 3 /s.

23  Exemplo Aplicação do TR-55 para o reservatório de detenção.  Tr=25anos.  Q pré = 13 m 3 /s (dado imposto no problema)  Q pós = 53,5m 3 /s (calculado pelo TR-55)   = 13/53,5 = 0,24  Volume do reservatório  = C 0 + C 1.  + C 2.  2 + C 3.  3  volume de runoff   Volume do reservatório  = 0, ,43. 0,24 + 1,64 0, ,804. 0,24 3 =0,37  volume de runoff 

24  Para CN=87 > 40 o armazenamento S será:   S=  CN  S= (25.400/87) – 254 = 38mm  Como o valor P=115mm para chuva de 24h temos:   ( P- 0,2S ) 2  Q=  ( P+0,8S )   ( ,2. 38 ) 2  Q= = 79mm =7,9cm  ( )

25  Chuva excedente Q = 7,9cm.  Volume de runoff = (7,9cm/100) x 222ha x m 2 = m 3   Volume do reservatório = 0,37 x = m 3  Portanto, usando o método de TR-55 achamos que o volume estimado do piscinão é de m 3.


Carregar ppt "Engenheiro Plinio Tomaz.  Publicado em 1976  45ha a 65 km 2  Duração da chuva: 24h  Bom para determinar a vazão de pico  Não é muito usado no Brasil."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google