A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Introdução ao Squid  Artur Martins  David Riedel  Florentino Bexiga Departamento de Engenharia Electrónica e Informática 16 de Abril de 2008.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Introdução ao Squid  Artur Martins  David Riedel  Florentino Bexiga Departamento de Engenharia Electrónica e Informática 16 de Abril de 2008."— Transcrição da apresentação:

1 Introdução ao Squid  Artur Martins  David Riedel  Florentino Bexiga Departamento de Engenharia Electrónica e Informática 16 de Abril de 2008

2 Tópicos  Motivação  O que foi instalado  Requisitos  Squid  Configuração  Permissões necessárias  Controlo do Serviço  SquidGuard  Configuração  Relatórios  Webalizer  SARG  Calamaris  Segurança  Diagrama de rede  Antes  Depois  Proxy Transparente  Vantagens  Desvantagens  Conclusões/Observações finais  Referências

3 Motivação  Filtragem de conteúdos;  Poupança de largura de banda;  Criação de relatório da utilização da web;

4 O que foi instalado  Squid  Squidguard  Geradores de relatórios:  Webalizer  SARG  Calamaris

5 Requisitos  Linux Debian  Apache  Perl (relatórios)

6 Squid Introdução  O Squid é um servidor proxy e gestor de cache.  Tem vários utilidades como acelerar um servidor Web através do armazenamento das páginas mais procuradas na cache e ajudar na segurança e filtragem de tráfego. Instalação  Para instalar o Squid basta digitar:  aptitude install squid3

7 Configuração do Squid: I 1. http_port 3128 transparent 2. icp_port 0 3. cache_mem 20 MB 4. cache_dir ufs /var/cache/squid Linha 1 - define a porta para o serviço http e a transparência da proxy. Linha 2 - define a porta do serviço internet cache protocol (0 para desactivar) Linha 3 - define a memória disponível para a cache Linha 4 - define a directoria para onde irão os ficheiros da cache. Sintaxe: [sistema de ficheiros][directoria][espaço em disco máximo][nº de directorias de 1º nível][nº de directorias de 2º nível]

8 Configuração do Squid: II 5. acl all src / acl manager proto cache_object 7. acl allowed_hosts src / acl deei_network src /16 9. acl localhost src / acl to_localhost dst /8 Linha 5 a 10 - as linhas acl definem nomes para intervalos de endereços IP ou outros objectos para facilitar a sua utilização. Exemplo: acl deei_network src /24 define que a string deei_network irá designar a gama de ips que se segue a sua frente

9 Configuração do Squid: III 11. http_access allow manager localhost 12. cachemgr_passwd pass all 13. http_access allow deei_network 14. icp_access allow allowed_hosts 15. icp_access deny all 16. miss_access allow allowed_hosts 17. miss_access deny all Linha 11 - define a permissão para o utilizador localhost aceder ao Cache Manager Linha 12 - define para todos os utilizadores do Cache Manager a password pass Linha 13 - define para os utilizadores previstos em deei_network o acesso ao serviço http Linha 14 e 15 - define para os utilizadores previstos em allowed_hosts o acesso ao serviço icp e a linha seguinte nega para todos os restantes Linha 16 e 17 - define que possam ser passados objectos fora da cache para os utilizadores previstos em allowed_hosts mas nega a todos os outros

10 Configuração do Squid: IV 18. cache_peer proxy1.si.ualg.pt parent no-query 19. acl internalSites dstdomain.ualg.pt 20. always_direct allow internalSites 21. never_direct allow !internalSites 22. never_direct allow all 23. redirect_program /usr/bin/squidGuard –c /etc/squid3/squidGuard.conf Linha 18 - define (no caso de existir) qual é a proxy “pai” onde o Squid deve fazer os pedidos. No caso de ser transparente esta opção não é necessária. Linha 19 a 22 - no caso de se querer declarer um domínio local que não será necessário passar pela proxy quando requisitado, declara-se uma acl e indica-se através de uma linha always_direct ou never_direct o que deve redireccionar ou não. Linha 23 - define a directoria para onde irão os ficheiros com a informação sobre o sistema quando o programa crasha. Linha 24 - define que ao iniciar o Squid iniciará também o SquidGuard e redireccionará os pedidos feitos para ele também.

11 Permissões necessárias Para que o Squid consiga escrever nas directorias /var/log/squid3 e /var/cache/squid3 é necessário mudar o utilizador e o grupo das mesmas para proxy.proxy. Essa modificação é realizada através do seguinte comando:  chown -R proxy.proxy /var/log/squid3 /var/cache/squid3

12 Controlo do Serviço  /etc/init.d/squid3 start #para iniciar o serviço  /etc/init.d/squid3 restart #para reiniciar o serviço  /etc/init.d/squid3 reload #para recarregar os ficheiros  /etc/init.d/squid3 stop #para parar o serviço

13 SquidGuard Introdução  O SquidGuard é um filtro, redireccionador e controlador de acesso web que é ligado ao Squid, actuando como um plugin. Instalação  Para instalar o SquidGuard digitar o comando  aptitude install squidGuard

14 Configuração do SquidGuard: I 1. dbhome /var/lib/squidguard/db 2. logdir /var/log/squid3 3. src deei_network { 4. ip /16} 5. time leisure { 6. weekly smtwhfa 17:30-09:00} Linha 1 - indicação da directoria onde estão guardadas as blacklists/whitelists Linha 2 - indicação da directoria onde estão os logs do squidGuard (squidGuard.log) Linha 3 e 4 - criação de grupos de utilizadores/ips para atribuir restrições Linha 5 a 6 - criação de intervalos de tempo para atribuir ou retirar determinadas permissões (pode ser usada a directiva weekly seguida dos dias da semana ou a directoria date.

15 Configuração do SquidGuard: II 7. dest forbidden { 8. domainlist forbidden/domains 9. urllist forbidden/urls 10. expressionlist forbidden/expressions} Linha 7 a 10 - criação da lista forbidden. Esta lista é chamada de blacklist e tem como função especificar a informação que é restrita aos utilizadores. Os ficheiros relativos a forbidden estão localizados na pasta /var/lib/squidguard/db/forbidden e são os seguintes: domains (onde se podem colocar domínios), urls (onde se podem colocar endereços específicos) expressions (onde se podem colocar expressões comuns)

16 Configuração do SquidGuard: III 11. dest white { 12. domainlist white/domains 13. urllist white/urls 14. expressionlist white/expressions} Linha 11 a 14 – criação da lista white. Esta lista é chamada de whitelist e tem como função especificar a informação que é autorizada aos utilizadores. Este tipo de lista é útil para especificar recursos que sejam permitidos o seu acesso uma vez que seriam barrados pelas blacklists. Ex: sexta-feira.

17 Configuração do SquidGuard: IV 15. acl { 16. deei_network within leisure { 17. pass all} 18. else { 19. pass !forbidden white all} 20. default { 21. pass none 22. redirect 23. } Linha 15 a 23 - criação das restrições propriamente ditas. Neste caso está indicado que dentro do intervalo de tempo anteriormente feito, os utilizadores dentro da rede deei_network poderão aceder a tudo, caso contrário não poderão aceder ao que está indicado na pasta forbidden com excepção do que está indicado na pasta white. Os utilizadores que estão fora da rede não poderão aceder a nada. Todo utilizador que tentar aceder a conteúdo bloqueado será redireccionado para a página (Nota: a directiva redirect é indispensável para que o SquidGuard funcione)

18 Relatórios: Webalizer Introdução  O Webalizer é uma aplicação que gera páginas web de estatísticas a partir dos logs de aplicações como o Apache ou o Squid. As estatísticas normalmente incluem: hits, visitas, referrers, país do visitante e quantidade de dados descarregados. Instalação  Para instalar basta digitar:  aptitude install webalizer

19 Relatórios: Webalizer

20 Relatórios: SARG Introdução  O SARG (Squid Analysis Report Generator) é uma ferramenta que permite ver o que os utilizadores da rede estão a aceder na Internet através da análise do arquivo de log "access.log" do Squid. Permite ver informações como quais os sites que os utilizadores acederam, a que horas, quantos bytes foram descarregados, quantas conexões foram feitas, ver os sites mais acedidos, utilizadores que mais acedem, relatório de sites negados, falhas de autenticação, etc. Instalação  Para instalar basta digitar  aptitude install sarg.

21 Relatórios: SARG

22 Relatórios: Calamaris Introdução  O Calamaris é um software que gera relatórios bem detalhados do uso da Internet usando os arquivos de logs de vários servidores proxy, como o Squid. Os relatórios gerados são simples na apresentação, no entanto, muito ricos em detalhes extraídos dos arquivos de logs, eles podem ser gerados no formato HTML ou mesmo em texto para ser enviado via . Instalação  Para instalar o Calamaris basta digitar  aptitude install calamaris.

23 Relatórios: Calamaris

24 Segurança: I Para proteger estes relatórios de olhares indesejados basta criar um ficheiro.htaccess na directoria onde se encontram introduzindo o seguinte código 1.AuthUserFile /var/www/reports/.htpasswd 2.AuthType Basic 3.AuthName “Reports” 4.Require valid-user Linha 1 - indica a localização onde está a lista de utilizadores e passwords Linha 2 – define o tipo de autentificação, neste caso será básica Linha 3 – define o nome da autentificação Linha 4 - indica que é necessário um utilizador qualquer presente em.htpasswd. Também é possível especificar utilizadores.

25 Segurança: II  Em seguida é necessário criar utilizadores através do comando htpasswd -c.htpasswd username Automaticamente será questionada a password.  Para esta configuração funcionar correctamente é necessário também editar as opções do Apache definindo AllowOverride All, caso contrário o.htaccess será ignorado.

26 Diagrama da rede: Antes

27 Diagrama da rede: Depois

28 Proxy Transparente  Configurar o router2 para interceptar todos os pedidos para as portas 21 (FTP), 80 (HTTP), 443 (HTTPS) e 8080 (proxy) através de iptables.  iptables -t nat -A PREROUTING -i eth0 -p tcp --dport 80 -j REDIRECT --to-port 3128  iptables -t nat -A PREROUTING -i eth0 -p tcp --dport j REDIRECT --to-port 3128  iptables -t nat -A PREROUTING -i eth0 -p tcp --dport 443 -j REDIRECT --to-port 3128  iptables -t nat -A PREROUTING -i eth0 -p tcp --dport 21 -j REDIRECT --to-port 3128

29 Vantagens  É suportado em vários sistemas operativos;  Diminuição do uso de largura de banda;  Rapidez de carregamento de páginas guardadas na cache;  Filtragem de conteúdos usando o SquidGuard;  Possibilidade de verificar a utilização da rede através dos geradores de relatórios;

30 Desvantagens  Consome bastantes recursos;  Demora no carregamento de páginas que não estejam guardadas na cache;  Configuração complexa;  Optimização difícil;

31 Conclusão/Observações finais  Proxy Server Open-source  Fácil e rápido de instalar  “Fine-tunning” complexo  Filtragem de conteúdos (SquidGuard)  Estatísticas (Calamaris, Sarg, Webalizer)  Proxy Transparente (iptables – routing)

32 Referências  Livros:  Squid: The Definitive Guide; WESSELS, Duane; O’Reilly  Web:       

33 Perguntas e Respostas  Questões? Sugestões?

34


Carregar ppt "Introdução ao Squid  Artur Martins  David Riedel  Florentino Bexiga Departamento de Engenharia Electrónica e Informática 16 de Abril de 2008."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google