A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Empreitada e Concessão de Obras Públicas Regime pré-contratual 23 de Abril de 2007.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Empreitada e Concessão de Obras Públicas Regime pré-contratual 23 de Abril de 2007."— Transcrição da apresentação:

1

2 Empreitada e Concessão de Obras Públicas Regime pré-contratual 23 de Abril de 2007

3 Obra pública São consideradas obras públicas quaisquer obras de construção, reconstrução, ampliação, alteração, reparação, conservação, limpeza, restauro, adaptação, beneficiação e demolição de bens imóveis, destinadas a preencher, por si mesmas, uma função económica ou técnica, executadas por conta de um dono de obra pública (artigo 1.º, n.º 1 do RJEOP)

4 Empreitada de obra pública (…) o contrato administrativo, celebrado mediante o pagamento de um preço, independentemente da sua forma, entre um dono de obra pública e um empreiteiro de obras públicas, e que tenha por objecto quer a execução quer conjuntamente a concepção e a execução das obras (…) realizados seja por que meio for e que satisfaçam as necessidades indicadas pelo dono da obra (artigo 2.º, n.º 3 do RJEOP)

5 Concessão de obra pública Obra pública + Empreitada de obra pública + Exploração da obra 3 degraus:

6 Concessão de obra pública (…) o contrato administrativo que, apresentando as mesmas características definidas no número anterior [empreitada de obra pública], tenha como contrapartida o direito de exploração da obra, acompanhado ou não do pagamento de um preço (artigo 2.º, n.º 3, do RJEOP)

7 Contexto normativo nacional actual Decreto-Lei n.º 59/99, de 2 de Março (regime jurídico das empreitadas e concessões de obras públicas) Decreto-Lei n.º 197/99, de 8 de Junho (regime jurídico da locação e aquisição de bens e serviços) Decreto-Lei n.º 223/2001, de 9 de Agosto (contratação pública nos sectores especiais) Decreto-Lei n.º 86/2003,de 26 de Maio (regime das parcerias público-privadas) Código de Procedimento Administrativo (CPA) Código de Processo nos Tribunais Administrativos (CPTA)

8 Contexto normativo nacional iminente Código dos Contratos Públicos Decreto-Lei n.º 86/2003,de 26 de Maio (regime das parcerias público-privadas) Código de Procedimento Administrativo (CPA) Código de Processo nos Tribunais Administrativos (CPTA)

9 Contexto normativo comunitário Directiva 2004/18/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 31 de Março Directiva 2004/17/CE, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 31 de Março Directiva 89/665/CEE, de 21 de Dezembro Tratado

10 Modos de execução de obras públicas Empreitada Concessão Administração directa

11 Entidades sujeitas ao DL 59/99 Estado, institutos públicos e associações públicas Autarquias locais e Regiões Autónomas Associações de autarquias locais e de outras pessoas colectivas de direito público Empresas públicas Concessionárias de serviço público, quando o valor da obra exceda os limiares previstos nas directivas comunitárias Entidades dotadas de personalidade jurídica, criadas para satisfazer de um modo específico necessidades de interesse geral, sem carácter industrial ou comercial, relativamente às quais se verifique uma das circunstâncias referidas no n.º 2 do artigo 3º (art. 3º) Concession á rios de obras públicas, sempre que o valor da obra ultrapasse Euros (art. 252 º )

12 Contratos excluídos do DL 59/99 Contratos regidos por regras processuais diferentes, destinados à execução ou exploração conjunta de uma obra, celebrados entre o Estado Português e um ou vários países terceiros à União Europeia Contratos regidos por regras processuais diferentes e celebrados com empresas de outro Estado, por força de acordo internacional relativo ao estacionamento de tropas Contratos celebrados por força de regras específicas de uma organização internacional Contratos cujo valor seja inferior ao estabelecido para efeitos de aplicação das directivas comunitárias e que tenham sido isentados por lei da aplicação deste regime (ex. Leis de Orçamento de Estado)

13 Regime pré-contratual Escolha do co-contratante CPA (art. 182º): prévio procedimento adjudicatório DL 59/99: regime pré-contratual

14 Regime pré-contratual (DL 59/99) Escolha do procedimento regra: concurso público salvo quando a lei permita: Concurso limitado Concurso por negociação Ajuste directo Concessão: obrigatoriedade de concurso público (art. 244º) Empreitada

15 Regime pré-contratual (DL 59/99) Tipos de Procedimento (art. 47º) concurso público: todas as entidades podem apresentar proposta concurso limitado: entidades convidadas (mínimo 5) concurso por negociação: negociação directa das condições do contrato com entidades seleccionadas (mínimo 3) ajuste directo: 1 entidade escolhida com publicação de anúncio sem publicação de anúncio

16 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critérios de escolha do procedimento Critério do valor Critérios materiais

17 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critério do valor (art. 48º) Ajuste directo sem consulta obrigatória: < Ajuste directo com consulta obrigatória a 3 entidades: < Concurso por negociação: < Concurso limitado sem publicação de anúncio: < Concurso público ou limitado com publicação de anúncio: qualquer valor

18 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critérios materiais Concurso limitado com publicação de anúncio (art. 122º) quando a complexidade do objecto do concurso aconselhe maior exigência de qualificação dos participantes, designadamente experiência anterior reconhecida em domínios específicos

19 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critérios materiais Concurso por negociação (art. 134º) Quando as propostas apresentadas em concurso público ou limitado sejam irregulares ou inaceitáveis e o concurso por negociação se destine à execução da mesma obra, em condições substancialmente idênticas Quando se trate de obras para fins de investigação, ensaio ou aperfeiçoamento Quando, excepcionalmente a natureza ou condicionalismos não permitam uma fixação prévia e global dos preços Nos casos em que seja admitido o ajuste directo (em função dos critérios materiais)

20 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critérios materiais Ajuste directo (art. 136º) Quando em concurso público ou limitado não tiver sido apresentada nenhuma proposta, ou ainda quando só tenham sido apresentadas propostas que sejam causa de não adjudicação (art. 136º e 107º) e o contrato se celebre em condições substancialmente idênticas à s do concurso Quando, por motivos técnicos, artísticos ou relacionados com a protecção de exclusivos a obra só possa ser adjudicada a uma entidade Por motivos de urgência imperiosa, resultantes de acontecimentos imprevisíveis não possam ser cumpridos os prazos inerentes à realização de outro procedimento, desde que as circunstâncias invocadas não sejam imputáveis aos dono da obra

21 Regime pré-contratual (DL 59/99) Critérios materiais Ajuste directo Quando se trate de obras novas que consistam na repetição de obras similares contratadas pelo mesmo dono de obra, com a mesma entidade, desde que essas obras estejam em conformidade com o projecto base comum e não tenham decorrido mais de 3 anos sobre a celebração do contrato base inicial Quando se trate de contratos declarados secretos ou cuja execução deva ser acompanhada de medidas especiais de segurança, ou quando a protecção dos interesses essenciais do Estado Português o exigir

22 Regime pré-contratual (DL 59/99) Fases do concurso público (art. 59º) Abertura do concurso Acto público do concurso Qualificação dos concorrentes Análise das propostas e elaboração do relatório Adjudicação

23 Fases do concurso p ú blico Abertura do concurso A empreitada/ concessão tem por base um projecto, programa do concurso e caderno de encargos (62.º, 63.º e 64.º) Publicitação no Diário da República, num jornal nacional e num jornal da região na qual a obra vá ser executada (artigos 80.º e 52.º) no JOUE quando exceda ou

24 Fases do concurso p ú blico Abertura do concurso Os esclarecimentos serão solicitados no primeiro terço do prazo fixado para apresentação das propostas e prestados por escrito pela entidade para o efeito indicada no programa de concurso (art. 81º) As propostas devem ser apresentadas no prazo fixado no anúncio do concurso (art. 82º e 83º) m í nimo: 30 dias ou a 52 dias, consoante a obra seja de valor inferior ou superior ao limiar fixado na directiva comunitária (neste caso, pode ser excepcionalmente fixado em 36 ou 22 dias) m á ximo:88 dias (excepto nos concursos em que o concorrente deve apresentar projecto base)

25 Fases do concurso p ú blico Abertura do concurso As propostas devem ser encerradas em invólucros opacos, fechados e lacrados (art. 84º) Comissão de abertura do concurso (art. 60º) e comissão de an á lise das propostas (art. 60 º )

26 Fases do concurso p ú blico Acto público do concurso O acto público é fixado para o 1.º dia útil seguinte ao termo do prazo para apresentação das propostas (art. 85º) Decorre perante a comissão de abertura do concurso Abertura dos invólucros exteriores Abertura dos documentos Abertura das propostas

27 Fases do concurso p ú blico Acto público do concurso São excluídos os concorrentes que: Não tenham apresentado todos os documentos de habilitação de apresentação obrigatória em prazo Não apresentem os documentos redigidos em língua portuguesa ou acompanhados de tradução devidamente legalizada ou, não o sendo, com declaração do concorrente que aceita a sua prevalência Cujos documentos careçam de algum elemento essencial cuja falta não possa ser suprida

28 Fases do concurso p ú blico Acto público do concurso Admissão condicional: concorrentes cujos documentos sejam apresentados com preterição de formalidades não essenciais

29 Fases do concurso p ú blico Acto público do concurso Não são admitidas as propostas: Que tiverem sido entregues depois do prazo Que não estiverem instruídas com todos os documentos exigidos por lei e pelo programa do concurso Que não estejam redigidas em língua portuguesa, ou acompanhados de tradução legalizada ou ainda de declaração por parte do concorrente de que aceita a sua prevalência

30 Fases do concurso p ú blico Acto público do concurso Que careçam de algum dos seguintes elementos Identificação do concorrente e da empreitada Declaração em como o concorrente se obriga a executar a empreitada de harmonia com o caderno de encargos Indicação do preço por extenso e por algarismos Declaração de renúncia a foro especial e submissão à lei portuguesa

31 Fases do concurso p ú blico Reacções graciosas das deliberações em acto público Reclamações São formuladas e decididas no próprio acto público (artigo 88º) Goza de efeito suspensivo Tem de ser interposto no próprio acto público O prazo para alegações é de 5 dias a contar do acto público ou da recepção da acta do mesmo, caso tenha sido requerida Considera-se indeferido, caso a decisão não seja proferida no prazo de 10 dias (artigo 99.º) Recurso hierárquico

32 Fases do concurso p ú blico Qualificação dos concorrentes Avaliação da capacidade financeira, económica e técnica dos concorrentes Exclusão dos concorrentes que não demonstrem aptidão para a execução da obra posta a concurso Os concorrentes considerados aptos passam à fase seguinte em condições de igualdade Relatório fundamentado notificado a todos os concorrentes (art. 98º)

33 Fases do concurso p ú blico Requisitos relativos aos concorrentes Requisitos de admissão (art. 54 º e 57 º ) Requisitos de idoneidade (art. 55º) Documentos de habilitação (art 56 º e 67 º e ss)

34 Fases do concurso p ú blico Avaliação das propostas Em função do critério de adjudicação estabelecido no programa de concurso (crit é rio da proposta economicamente mais vantajosa) e dos factores e eventuais sub factores de apreciação das propostas Relatório fundamentado sobre o mérito das propostas e respectiva ordenação A comissão não pode ter em consideração a aptidão dos concorrentes avaliada em fase anterior (art. 100º e ss)

35 Fases do concurso p ú blico Avaliação das propostas Submissão do projecto de decisão final à audiência prévia dos concorrentes Relatório final fundamentado

36 Fases do concurso p ú blico Casos de não adjudicação (art. 107º) Quando por circunstâncias supervenientes resolva adiar a execução da obra pelo prazo mínimo de um ano Quando todas as propostas, ou a mais conveniente, ofereçam preço consideravelmente superior ao preço ao preço base do concurso Quando, tratando-se de propostas condicionadas, ou de projectos ou variantes da autoria do empreiteiro, as condições oferecidas e os projecto ou variantes não lhe convenham

37 Fases do concurso p ú blico Casos de não adjudicação (art. 107º) Quando, por grave circunstância superveniente, tenha de proceder-se à revisão e alteração do projecto posto a concurso Quando haja indícios de conluio entre os concorrentes Quando todas as propostas ofereçam preço anormalmente baixo

38 Regime pré-contratual (DL 59/99) Princípios gerais de direito adjudicatório Legalidade e da prossecução do interesse público Transparência e da publicidade Igualdade e da imparcialidade Concorrência Proporcionalidade Boa-fé Estabilidade

39 Parcerias público-privadas Decreto-Lei n.º 86/2003, de 26 de Abril Contrato ou união de contratos, por via dos quais entidades privadas, designadas por parceiros privados, se obrigam, de forma duradoura, perante um parceiro público, a assegurar o desenvolvimento de uma actividade tendente à satisfação de uma necessidade colectiva, e em que o financiamento e a responsabilidade pelo investimento e pela exploração incumbem, no todo ou em parte, ao parceiro privado

40 Parcerias público-privadas Aspectos essenciais Atribuição de tarefas ao parceiro privado que incluem a concepção, realização, renovação ou exploração da obra ou serviço Relação relativamente longa Relação directa entre o parceiro privado e o utente final Remuneração do parceiro privado através: Taxas cobradas aos utentes do serviço Pagamentos regulares efectuados pelo parceiro público

41 Parcerias público-privadas Factores de recurso à s PPP Restrições orçamentais do sector público Vontade de beneficiar da experiência e organiza ç ão do sector privado Passagem do Estado prestador ao Estado regulador/fiscalizador

42 Parcerias público-privadas Objectivos fundamentais Aproveitamento da capacidade de gestão do sector privado Melhoria qualitativa e quantitativa do serviço Avaliação permanente por parte do utente e do parceiro público Poupanças na utilização dos recursos públicos

43 Parcerias público-privadas Contratos abrangidos CONCESSÃO DE OBRAS PÚBLICAS Concessão de serviços públicos Fornecimento contínuo Prestação de serviços Gestão Colaboração

44 Parcerias público-privadas Exclusões expressas Empreitada de obras públicas Arrendamentos Aprovisionamento PPPs valor inferior a 10 milhões de euros ou um investimento inferior a 25 milhões de euros Contratos de fornecimento de bens ou de prestação de serviços, prazo de duração igual ou inferior a três anos, sem obrigações adicionais

45 Parcerias público-privadas Parceiros públicos Estado Entidades públicas estaduais Fundos e serviços autónomos Entidades públicas empresariais Empresas públicas societárias (observância dos art. 4º, 5º, 6º, 7º, 14º-C e 14º-F) Extensão à s empresas do sector local (Lei n.º 53-F/2006, 29.12)

46 Parcerias público-privadas Etapas fundamentais Preparação e estudo (comissão de acompanhamento) Lançamento da parceria (despacho conjunto do MF e do M da tutela sectorial) Procedimento adjudicatório aplicável Adjudicação

47 Parcerias público-privadas Controlo do Ministério das Finanças Notificação Prévia Aferição da conveniência Comissão de acompanhamento Emissão de recomendações Aprovação das condições por despacho conjunto

48 Parcerias público-privadas Repartição de responsabilidades (preferencial) Parceiro público: acompanhamento e controlo da execução da parceria Parceiro privado: financiamento e gestão da actividade contratada

49 Parcerias público-privadas Pressupostos principais Programação financeira plurianual Enunciação dos objectivos, resultados pretendidos, responsabilidades de cada uma das partes Vantagens para o parceiro público e para o parceiro privado Afastamento de regimes indemnizatórios de longo prazo Financiamento pelo privado

50 Parcerias público-privadas A partilha/transferência do risco Exigência de previsão contratual clara Repartição dos riscos entre as partes de acordo com a sua capacidade para geri-los A parceria deverá implicar uma significativa e efectiva transferência de risco para o sector privado O risco de insustentabilidade financeira, por causa não imput á vel a incumprimento ou modifica ç ão unilateral pelo parceiro p ú blico, ou a situa ç ão de for ç a maior, deve ser, tanto quanto poss í vel, transferidos para o privado

51 Contencioso das empreitadas e concessões Contencioso pr é -contratual Acção administrativa especial urgente (art. 100º CPTA) Tutela principal Tutela cautelar Providência relativa a procedimentos de forma ç ão de contratos (art. 132 º CPTA)

52 Contencioso das empreitadas e concessões Contencioso contratual 132 dias úteis Acção administrativa comum (art. 37º CPTA) Prazo de caducidade (art. 255º DL 59/99) Obrigatoriedade de tentativa de conciliação (art. 260º DL 59/99) Interrupção dos prazos de prescrição e de caducidade

53 Lisboa, Porto, Maputo, Brussels, New York, Paris, Alicante, Barcelona, Bilbao, Girona, Jerez de la Frontera, Lleida, Madrid, Palma de Mallorca, San Sebástian, Sevilla, Tarragona, Tenerife, Valência, Vigo, Zaragoza.


Carregar ppt "Empreitada e Concessão de Obras Públicas Regime pré-contratual 23 de Abril de 2007."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google