A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Carlos Augusto de Lemos Chernicharo Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Escola de Engenharia da UFMG Água: influindo nos desafios da vida.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Carlos Augusto de Lemos Chernicharo Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Escola de Engenharia da UFMG Água: influindo nos desafios da vida."— Transcrição da apresentação:

1 Carlos Augusto de Lemos Chernicharo Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Escola de Engenharia da UFMG Água: influindo nos desafios da vida Água: influindo nos desafios da vida A problemática da crescente geração de esgotos no meio urbano: impactos sobre o meio ambiente e alternativas de controle XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003)

2 QUALIDADE DAS ÁGUAS E USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA HIDROGRÁFICA XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003)

3 O CRESCIMENTO POPULACIONAL E A TRANSFORMAÇÃO DO MEIO URBANO n Crescimento da população nas últimas décadas n Forma de crescimento das cidades, notadamente a partir da década de 60 Falta de políticas de planejamento (níveis Federal, Estadual e Municipal)Falta de políticas de planejamento (níveis Federal, Estadual e Municipal) Falta de políticas de habitaçãoFalta de políticas de habitação Falta de políticas de saneamentoFalta de políticas de saneamento XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003)

4 ALGUNS RESULTADOS DO CRESCIMENTO DESORDENADO n Formação de verdadeiras cidades informais (periferias, morros e fundos de vale) n Descompasso entre o crescimento populacional e implantação de serviços de infra-estrutura (transporte, energia, saneamento etc.) n Geração crescente e concentrada de esgotos domésticos e industriais Impactos sobre a saúdeImpactos sobre a saúde Impactos sobre o meio ambienteImpactos sobre o meio ambiente n Outros (Desemprego, fome, violência etc.) XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003)

5 O DESAFIO DO SANEAMENTO - I n População brasileira população total: ~170 milhões de habitantespopulação total: ~170 milhões de habitantes população urbana: ~77%população urbana: ~77% n Ausência de Política Nacional de Saneamento anos 70 e 80: PLANASAanos 70 e 80: PLANASA anos 90: veto ao PLC 199 (1995)anos 90: veto ao PLC 199 (1995) ano 2001: envio ao Congresso de novo projeto de Lei que retira a titularidade dos municípiosano 2001: envio ao Congresso de novo projeto de Lei que retira a titularidade dos municípios ano 2003: em discussão (conferência das cidades)ano 2003: em discussão (conferência das cidades) XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003)

6 n Situação do saneamento no Brasil XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) O DESAFIO DO SANEAMENTO - II pessoas foram assassinadas pessoas morreram por doenças impulsionadas por diarréia RMSP pessoas morreram por dia de doenças decorrentes de falta de água encanada, coleta de esgoto e de lixo

7 n Situação do abastecimento de água 35 milhões de brasileiros (24% da população) não contam com água canalizada35 milhões de brasileiros (24% da população) não contam com água canalizada Na região Nordeste, 40% da população não têm água canalizadaNa região Nordeste, 40% da população não têm água canalizada A maior parte da população residente nos municípios com até 30 mil habitantes é abastecida com água não potávelA maior parte da população residente nos municípios com até 30 mil habitantes é abastecida com água não potável XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) O DESAFIO DO SANEAMENTO - II

8 n Situação do esgotamento sanitário 70 milhões de brasileiros (48% da população) não dispõem de serviços adequados de esgotamento sanitário, sendo que em 85% dos casos os esgotos são lançados diretamente nos rios70 milhões de brasileiros (48% da população) não dispõem de serviços adequados de esgotamento sanitário, sendo que em 85% dos casos os esgotos são lançados diretamente nos rios Na região Nordeste, 77% da população não têm redes de esgotos nem fossas sépticasNa região Nordeste, 77% da população não têm redes de esgotos nem fossas sépticas Na região Norte, 93% dos municípios não possuem nem o serviço de coleta de esgotosNa região Norte, 93% dos municípios não possuem nem o serviço de coleta de esgotos Apenas 20% dos municípios tratam os esgotos geradosApenas 20% dos municípios tratam os esgotos gerados XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) O DESAFIO DO SANEAMENTO - II

9 n Abastecimento Doméstico Impurezas devido ao uso Água potável Esgotos domésticos + Impurezas devido ao uso Água cons. industrial Efluentes Industriais XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) USOS DA ÁGUA E GERAÇÃO DE ESGOTOS + = = n Abastecimento Industrial

10 n Água (99,9%) n Sólidos (0,1%) Sólidos SuspensosSólidos Suspensos Sólidos DissolvidosSólidos Dissolvidos Matéria OrgânicaMatéria Orgânica Nutrientes (N, P)Nutrientes (N, P) Organismos Patogênicos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos)Organismos Patogênicos (vírus, bactérias, protozoários, helmintos) LODO XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) PRINCIPAIS CONSTITUÍNTES DOS ESGOTOS DOMÉSTICOS

11 Hepatite infecciosa, gastroenterite, poliomielite etc. Vírus Disenterias bacilar, cólera, leptospirose, salmonelose etc. Bactérias Disenteria amebiana, giardíase, criptosporidíase Protozoários Ascaridíase, esquistossomose, teníase, ancilostomíase, filariose etc. Helmintos XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) PRINCIPAIS RISCOS À SAÚDE PÚBLICA ASSOCIADOS AOS ESGOTOS IN NATURA

12 n Taxa de mortalidade infantil: ~ 45/1000 n 30% das mortes de crianças com menos de 1 ano de idade são por diarréia n 5,5 milhões de casos de esquistossomose n epidemia de cólera atingiu mais de 700 cidades e acometeu mais de pessoas XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) RESULTADO: País em grave estado de saúde

13 n investimento em saúde tem sido da ordem de US$60/hab (OMS recomenda US$500/hab) n 65% internações hospitalares poderiam ser evitadas se o país dispusesse de estrutura adequada de saneamento n péssima distribuição de renda n para cada US$1,00 investido em saneamento poder- se-ia economizar US$4,00 em saúde XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) RESULTADO: País em grave estado de saúde

14 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) Como a ausência de saneamento afeta a saúde Diversas doenças infecciosas e parasitárias têm no meio ambiente, uma fase do seu ciclo de transmissão Interfere no meio ambiente, de maneira a interrromper o ciclo de transmissão da doença Implantação de um sistema de saneamento

15 Diminuição dos Níveis de Oxigênio Dissolvido das Águas Matéria Orgânica XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) PRINCIPAIS RISCOS AMBIENTAIS ASSOCIADOS AOS ESGOTOS IN NATURA Eutrofização de Lagos e Represas Nutrientes Formação de bancos de lodo e deterioração das condições estéticas Sólidos Suspensos

16 Lançamento (esgoto sem tratamento) Rio XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) EFEITO DO LANÇAMENTO DE MATÉRIA ORGÂNICA NOS CURSOS DÁGUA Lançamento (esgoto tratado – 70% remoção)

17 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) EFEITO DO LANÇAMENTO DE NUTRIENTES (N e P) EM LAGOS E REPRESAS

18 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) EFEITO DO LANÇAMENTO DE SÓLIDOS EM CURSOS DÁGUA

19 n Crescimento com planejamento n Instituição de política nacional de saneamento e investimentos no setor n Criação/fortalecimento dos consórcios e comitês de bacias hidrográficas XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) ALTERNATIVAS PARA REVERSÃO DO QUADRO SANITÁRIO E MELHORIA DA SAÚDE PÚBLICA E DO MEIO AMBIENTE: Plano político

20 n PROSAB - Programa de Pesquisa em Saneamento Básico n Valorização e aplicação das tecnologias de tratamento de esgotos desenvolvidas no Brasil n Reúso dos esgotos na agricultura e psicultura, após desinfecção n Reúso do lodo de esgotos na agricultura, após higienização XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) ALTERNATIVAS PARA REVERSÃO DO QUADRO SANITÁRIO E MELHORIA DA SAÚDE PÚBLICA E DO MEIO AMBIENTE: Plano tecnológico

21 n Sistemas não mecanizados n Sistemas de fácil operação e de baixo custo n Sistemas com baixa produção de lodo XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) ALTERNATIVAS SIMPLIFICADAS PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS n Principais alternativas Sistemas anaeróbios (reatores de manta de lodo ou reatores UASB)Sistemas anaeróbios (reatores de manta de lodo ou reatores UASB) Sistemas combinados (reator UASB + pós- tratamento)Sistemas combinados (reator UASB + pós- tratamento)

22 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) REATORES UASB: Esquema de funcionamento

23 n Baixíssimos requisitos de área: 0,05 a 0,10 m 2 /hab. n Custos de implantação: 30,00 a 40,00 R$/hab. n Custos operacionais: 1,50 a 2,00 R$/hab x ano n Apesar das grandes vantagens, encontram dificuldades em produzir efluentes que se enquadrem aos padrões ambientais Necessidade de pós-tratamentoNecessidade de pós-tratamento XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) REATORES ANAERÓBIOS: Alguns aspectos relevantes

24 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) SISTEMAS COMBINADOS: Reator UASB + Lagoas de Polimento

25 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) SISTEMAS COMBINADOS: Reator UASB + Aplicação no Solo

26 XVII Jornada de Biologia (22 a 26 de Setembro de 2003) SISTEMAS COMBINADOS: Reator UASB + Aplicação no Solo


Carregar ppt "Carlos Augusto de Lemos Chernicharo Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental Escola de Engenharia da UFMG Água: influindo nos desafios da vida."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google