A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Real Tráfegos Aéreos Transição de “slides”: Manual.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Real Tráfegos Aéreos Transição de “slides”: Manual."— Transcrição da apresentação:

1

2 Real Tráfegos Aéreos Transição de “slides”: Manual

3 1 História A Redes Estaduais Aéreas Ltda. - Real Transportes Aéreos foi uma companhia aérea brasileira, fundada no ano de 1945 pelo empresário paulista Vicente Mammana Neto, e extinguida em 1961, quando foi absorvida pela Varig. 1 História 2 Números da Real 3 Aeronaves Operadas 4 Ligações externas

4 Estamos no ano de Apenas dez anos antes a VASP havia sido fundada. O empresário paulistano Vicente Mammana Neto, apaixonado por aviação, decidiu criar mais uma empresa aérea paulista. Nascia a Companhia Santista de Aviação, que operaria com uma frota de aviões Stinson Reliant. A idéia no entanto não foi para frente, por vários motivos. Mas o desejo de Mammana em abrir uma empresa continuava. Em dezembro de 1945 finalmente ele pode ver seus planos não somente concretizados mas transformados num dos empreendimentos de maior sucesso na aviação comercial brasileira: a REAL - Redes Estaduais Aéreas Ltda. Mamana, porém, não estava sozinho, contando com a valiosa ajuda de Linneu Gomes, ex-piloto da TACA e que durante os anos de atividade da REAL teve seu nome intimamente ligado à empresa. O primeiro vôo foi realizado, com Linneu aos comandos, no dia 7 de fevereiro de 1946, operando entre o Aeroporto de Congonhas e o Aeroporto Santos Dumont. Naquele momento, a empresa já era conhecida pelo nome definitivo REAL Transportes Aéreos e sua frota era composta por três Douglas C-47. Antes do final do primeiro semestre de 1946, a REAL recebia autorização para ampliar suas rotas para Curitiba e as ligações para o Rio já eram três diárias, operando regularmente.

5 No final de 1946, foi aumentada a capacidade oferecida, com a introdução dos dois primeiros Bristol 170 no mercado brasileiro. Os bimotores ingleses eram, naquele momento, os aviões de maior capacidade no país, transportando até 36 passageiros. Infelizmente sua operação não durou muito tempo, já que pouco mais de um ano depois de sua estréia foram descobertas falhas estruturais em um deles, levando à sua aposentadoria prematura. Como já havia mais de 10 DC-3 em operação, a malha aérea não sofreu muito com a redução de capacidade.

6 Apesar da compra feita pela REAL, a Aerovias continuou operando com sua identidade própria, o mesmo acontecendo com sua coligada AeroNorte, que realizava vôos na região nordeste com bimotores Percival Prince, de origem britânica. Em 1947 recebeu a concessão para operar regularmente na rota, graças a acordo bilateral firmado entre os governos dos Estados Unidos e Brasil. Por ocasião do negócio com a REAL, era a única a operar para os Estados Unidos.

7 Entre 1954 e 1956 foram adquiridas também a Aerovias Brasil e a Transporte Aéreo Nacional. Finalmente, em 1957 a REAL adquiriu, das mãos de Omar Fontana, 50% do capital da Sadia e em contrapartida, Omar passou a ocupar um cargo na empresa de Linneu. Logo após a incorporação dessas empresas, a frota da REAL chegou a invejáveis 117 aviões, dentre eles 86(!) Douglas DC-3/C- 47 e 12 Convair, seis CV-340 e seis CV-440. Tais números a colocaram em 7° lugar no ranking da IATA em relação ao tamanho da frota, a mais alta posição já ocupada por uma empresa aérea brasileira. Crescendo para fora As primeiras rotas internacionais foram abertas em 1951, com vôos para o Paraguai, porém foi com a compra dos 87% da Aerovias que levou a REAL a alçar vôos verdadeiramente internacionais. A Aerovias foi aberta em 1942 e praticamente desde sua fundação realizava vôos cargueiros charter entre o Rio de Janeiro e Miami.

8 Da segunda metade da década de 1940 até 1955, a empresa experimentou sua primeira grande expansão, pela aquisição de empresas menores. Em 1948 adquiriu a Linhas Aéreas Wright e em 1950 a LAN - Linhas Aéreas NATAL. Com essas compras, a frota da REAL chegou a 20 Douglas DC-3/C-47. Com a compra da LATB - Linha Aérea Transcontinental Brasileira, em agosto de 1951, a REAL expandiu consideravelmente sua malha na região nordeste do país. Entre 1954 e 1956 foram adquiridas também a Aerovias Brasil e a Transporte Aéreo Nacional. Finalmente, em 1957 adquiriu do empresário catarinense Omar Fontana, 50% do capital da Sadia, que em contrapartida passou a ocupar um cargo na Real. Com todas estas incorporações, a frota chegou a 117 aeronaves, que colocaram a empresa em 7° lugar no ranking da IATA, a mais alta posição já ocupada por uma empresa aérea brasileira até então. As primeiras rotas internacionais foram abertas em 1951, com vôos para o Paraguai. Mas foi a compra dos 87% da Aerovias que levou a REAL a alçar vôos para os EUA. Em 1960 a Real expandiu suas rotas, chegando a Tókio. Porém nesse mesmo ano, com problemas financeiros, foi tomada pela Varig.

9 Os aviões da empresa tinham a figura de um coringa desenhada na parte dianteira da fuselagem, fato que é justificado através de duas versões: a primeira lenda dá conta que, por ser Linneu Gomes um exímio piloto também no carteado, ele teria ganhado o dinheiro para a compra do primeiro avião da empresa numa mesa de pôquer. Pela segunda (e não menos fantástica) versão, a figura na verdade seria a representação da fisionomia de um dos funcionários da empresa, um anão corcunda, visto por muitos como um "mascote da sorte" do próprio Linneu. Aqueles eram tempos onde a expressão "politicamente correto" ainda não existia...

10 Segundo um dos muitos vídeos produzidos pela Companhia Melhoramentos, grande fluxo de aviões aterrissava no primitivo campo de pouso do aero clube, cerca de dezoito aeronaves por dia, incluindo as de vôo regulares e taxis aéreos. As estatísticas apontaram que até a década de 1950, passageiros utilizaram este serviço. Na década de 1950, a cidade possuía dezoito aviões destinados a taxi aéreo da TAMA (Taxi Aéreo de Maringá), tamanha a movimentação do período. O primeiro avião comercial a pousar em Maringá foi o da Real Transportes Aéreos, empresa precursora da Consórcio Real Nacional Aerovias, em 8 de junho de O instrumento de vôo denominado PPYPS foi pilotado pelo comandante Ary Fleming, e teve diversas autoridades como passageiros. O primeiro avião comercial a pousar em Maringá foi o da Real

11 Em setembro de 56 a rota para Miami foi completada até Chicago. Foi também concluída a compra dos 85% da Nacional. A empresa, fundada em 1947, era a maior operadora doméstica naquele momento, servido nada menos do que 74 localidades com sua frota de 31 Douglas DC-3 e 10 Curtiss C-46 Commando. Assim como no caso da Aerovias, a Nacional manteve sua identidade própria, preservando inclusive sua pintura. Portanto, em setembro de 1956 a REAL era formada por três grandes estruturas: sua própria, a da Aerovias/Aeronorte e a da Nacional. Foi então criado o Consórcio REAL, que nos três anos seguintes racionalizou a empresa, um trabalho grandioso, levando-se em conta o mix de aviões e rotas operadas. No final, o resultado foi uma densa malha doméstica que oferecia ao mercado brasileiro excelentes conexões a preços acessíveis.

12 10/04/ Hora: 15:20 - Douglas C-47A-20-DK - Prefixo: PP-ANX - REAL Transportes Aéreos Local do acidente: Ilha Anchieta - SP Após uma perda de motor em vôo noturno e com mau tempo, entre o Rio de Janeiro e São Paulo, o DC-3 prosseguiu para uma tentativa de pouso de emergência em Ubatuba. Perdendo altitude, em condições precárias de visibilidade, a tripulação não se deu conta da rota de colisão com o Morro do Papagaio, a mais alta das duas elevações da Ilha de Anchieta. Quando viram o terreno, ainda tentaram subir, mas com apenas um motor funcionado, o DC-3 estolou e caiu próximo ao cume. O comandante Igor Konovaloff, o co-piloto Diase o radiotelegrafista Zanagrad morreram, bem como 23 passageiros. Escaparam apenas o comissário Leonardo Steagall, com gravíssimas queimaduras, e mais três passageiros, entre eles uma menina.

13 No ano de 1960 o melhor tipo em operação nas rotas domésticas era o Convair 340. Ao todo seis unidades foram recebidas, todas no esquema de pintura original da REAL e que permaneceram em operação ao lado dos confiáveis DC-3 e dos DC-4 e Commandos Logo depois foram recebidos os primeiros Douglas DC-6B, alocados nas rotas domésticas mais longas, assim como na malha internacional. Com sua introdução foi feita também a primeira grande alteração na pintura da empresa, com a adoção de apenas uma faixa de pintura sobre as janelas, que ao chegar perto do nariz, fazia um ziguezague, lembrando um raio.

14 Em julho de 1960 veio uma nova expansão de rotas... que seria sua última: com a chegada de 4 novos Constellations, a REAL começou a voar para Tóquio, a primeira empresa brasileira realizando travessias do Oceano Pacífico. Em tempos de navegação convencional, muitas vezes astronômica (usando-se de um sextante) a travessia era no mínimo uma grande aventura. Apenas para dar um exemplo, depois de decolar de Los Angeles, eram feitas mais duas escalas (Honolulu e Ilha Wake) antes de chegar ao Japão. No âmbito doméstico, a REAL teve a primazia de inaugurar serviços para a nova Capital Federal, em Brasília, antes mesmo do término de sua construção. Os primeiros vôos foram feitos em 1957, seguidos, logo depois, pelos da Aerovias.

15 Havia também o recorde brasileiro de horas de vôo, com mais de um milhão de horas voadas até então. A empresa preparava-se para receber aviões novos e dar os primeiros passos na era do jato: três Lockheed Electra II haviam sido comprados da American Airlines (com opções de mais dois) e os primeiros jatos, quatro Convair 880 estavam encomendados, mais tarde convertidos para três Convair 990. Final conturbado Em 1960 a REAL comemorou seu 14° aniversário com a expressiva cifra de 12 milhões de passageiros transportados, voando para sete países e com uma estrutura de dar inveja à outras empresas nacionais. A REAL tinha, por exemplo, sua própria escola de formação de pilotos e comissários e a proficiência técnica de seus tripulantes estava entre as melhores.

16 Porém nada disso aconteceria. Aquele seria o último aniversário da empresa e seus últimos meses de vida foram marcados por diversas controvérsias. Até hoje os verdadeiros motivos que culminaram com sua venda para a VARIG e as condições nas quais o negócio foi realizado permanecem assunto de discussão. De fato, a empresa não passava por bons momentos, algo visto principalmente nos livros de caixa. Para completar, o Cmte. Linneu Gomes estava seriamente doente e afastava-se gradativamente da empresa. Além disso, diz-se que "forças ocultas" conspiravam contra a REAL. A compra dos Electras, por exemplo, foi ameaçada por pressões feitas pelos concorrentes junto ao DAC para que os aviões não viessem. Mito ou realidade, o fato é que o Departamento enviou nota ao CACEX solicitando o cancelamento da autorização de importação. A importação somente foi feita graças à intervenção do então Presidente Jânio Quadros. Mais tarde as "forças ocultas" dariam o troco...

17 Ruben Berta, ironicamente, ao tomar o controle da REAL em suas mãos, tentou cancelar a vinda dos Electras. Porém, a American Airlines não aceitou o desfazer o negócio e os cinco primeiros acabaram entregues, dando início a grandiosa carreira do dead duck (como era chamado por Berta) na Pioneira. A compra acabaria sendo decidida entre Rubem Berta e Linneu Gomes em uma reunião no Aeroporto de Congonhas. Com espantosa rapidez o negócio foi fechado, sendo fixado o valor de mais de 2 bilhões de cruzeiros pela totalidade das ações da empresa.

18

19

20 Aeronaves Operadas:

21 Números da Real: A Real chegou a ter um frota de 117 aviões, dentre eles 86 Douglas DC-3/C-47 e 12 Convair, seis CV-340 e seis CV-440. Tais números a colocaram em 7° lugar no ranking da IATA em relação ao tamanho da frota, a mais alta posição já ocupada por uma empresa aérea brasileira, até então; A Real chegou a ter a maior frota de Douglas DC-3 do mundo, com 86 unidades, no ano de 1959; A empresa passou a se chamar Real - Aerovias, quando comprou 87% de uma companhia que se chamava Aerovias e fazia vôos charter para Miami; Os Electras e Convairs 990A operados pela Varig, foram encomendadas pela Real Aerovias. Aeronaves Operadas: Convair : CV-340 e CV-440 Douglas : DC-3/C-47, DC-6B Lockheed : L1049 Super H Constellation Outros : Curtiss C-46, Bristol 170, Aero Commander 560/680.

22 Há aqueles que digam que a compra da REAL pela VARIG foi feita devido a pressões do mesmo Jânio, que temendo pela continuidade das atividades da empresa com o agravamento da saúde de Linneu, pretendia salvá-la de uma eventual falência.

23 Assim, tão rápido quanto nasceu e cresceu, a Real desapareceu dos céus brasileiros. Foi uma passagem fulgurante como um cometa. Uma companhia que veio, cresceu arrebatadoramente, tomando participação de congêneres já estabelecidas, com grande ousadia e atrevimento, que eram características marcantes do Cmte. Linneu Gomes. Hoje, a praça defronte ao Aeroporto de Congonhas leva seu nome, numa manobra debochada do destino: tanto os hangares da Varig como o da finada Vasp ficam na praça que leva o nome de um de seus mais formidáveis oponentes.

24 Musicas Simonetti e Orquestra RGE – Se acaso você chegasse... Trovadores Urbanos – Pot-pourri, James Last – Biscaya – Wall of music Real Transportes Aéreos Pesquisas e ilustrações Fontes: Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre, Outros Textos : Jet Site Ligações externas Aviação Comercial: "Real-Aerovias" PEREIRA, Aldo. Breve História da Aviação Comercial Brasileira. Rio de Janeiro, 1987.

25 Edição: José Carlos Suman, Brasil FIM


Carregar ppt "Real Tráfegos Aéreos Transição de “slides”: Manual."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google