A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Filo NEMERTEA Nemertinos & Nematódeos Aula Teórica 9.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Filo NEMERTEA Nemertinos & Nematódeos Aula Teórica 9."— Transcrição da apresentação:

1 Filo NEMERTEA Nemertinos & Nematódeos Aula Teórica 9

2 Filo NEMERTEA 1149 spp em 250 gêneros (1995) Alongados, achatados mas musculosos Probóscide é típica Marinhos, bentônicos, em geral águas rasas 13 spp. terrestres – ambiente úmido Embaixo de pedras, em algas, lama Alguns comensais em caranguejos, manto de bivalves, átrio de tunicados

3 NEMERTEA

4

5 probóscide

6

7 Filo NEMERTEA – Caracterização Extremo anterior pontudo ou espatular Achatados mas de corpo denso, musculoso Alguns aparentemente segmentados Em geral até 20 cm. Recorde: 30 metros. Em geral esbranquiçados; vários coloridos. Epiderme ciliada, glandular, sem cutícula Céls da epiderme multiciliadas & com muitas microvilosidades

8

9 Gênero Lineus – 60 m?

10 Nemertino de 3 metros Mar antártico

11 Filo NEMERTEA – Caracterização Movem-se via cílios (os rastejadores), ou movimentos peristálticos (os que se enterram) Rastro de muco  glândulas cefálicas Probóscide primitivamente separada do trato digestivo Poro da probóscide na extremidade anterior Boca ventral, logo atrás e abaixo do poro Poro da probóscide  rincocelo  fundo cego  músculo retrator da probóscide

12

13

14 Argonemertes

15 Corte transversal ao nível do poro da probóscide

16

17 Filo NEMERTEA – probóscide Classe Anopla probóscide é um tubo simples, ou ramificado Classe Enopla probóscide tem forte ponta calcárea na extremidade Boca  esôfago  estômago glandular  ânus Todos exclusivamente carnívoros Predam principalmente anelídeos e crustáceos

18 ANOPLA ENOPLA

19 Filo NEMERTEA – probóscide Probóscide utilizada de dois modos básicos: Envolve a presa, liberando substância tóxica e adesiva; ou Perfura a presa repetidamente com o estilete, injetando neurotoxinas paralisantes e outras secreções Presa é engolida inteira, ou sugada Rastro da presa pode ser seguido. Nemertino retorna seguindo seu próprio rastro de muco.

20

21 Poliqueto sendo predado por Nemertino Probóscide do nemertino

22 Geonemertes sp. saindo da aranha que predou (Bornéu)

23

24 Filo NEMERTEA – Sist. Nervoso Cérebro c/ 4 gânglios, cordões nervosos longitudinais, comissuras, etc Céls sistema nervoso contém hemoglobina Sensilas quimioreceptoras na epiderme

25 Filo NEMERTEA Reprodução e Regeneração Algumas spp. fragmentam-se quando irritadas Fragmentos regeneram em novo indivíduo Difícil de coletar inteiro Probóscide pode se destacar após evertida (defesa) – regenera-se rapidamente Machos e fêmeas (dioicos) Sptz e óvulos liberados no ambiente, ou em cordões gelatinosos. Larva ciliada  adulto

26

27 NEMERTEA – Origens Tradicionalmente ligados aos platelmintos Epiderme ciliada, sem cutícula, com microvilosidades Parênquima Rabditos Probóscis & faringe eversíveis = platelmintos Ultraestrutura e sistemática molecular sugere Nemertea como grupo originado de animais celomados (anelídeos, moluscos, etc).

28 Paranemertes sp.

29

30

31

32

33 De fontes hidrotermais (alta profundidade)

34 Coloniza fontes hidrotermais (alta profundidade)

35

36

37

38

39

40

41

42

43

44

45

46

47 Os ASQUELMINTOS Vermes Pseudocelomados

48

49 ASQUELMINTOS Vermes marinhos e de água doce Grupo artificial (antigamente = Filo) Polifilético (vários Filos pouco relacionados) ASPECTOS GERAIS: Pseudoceloma: espaço entre epiderme e tubo digestivo não revestido por epitélio Células monociliadas – diplossomo a 90º (somente em Choanoflagellida e Metazoa)

50 ASQUELMINTOS – geral Epitélio sincicial – mesma vantagem platelmint. Todo transporte de substâncias tem que passar pelas células: maior controle. Útil p/ situações extremas. Criptobiose = redução extrema do metabolismo Útil para spp. em habitats instáveis (poças, etc.)  Nematoda, Rotifera, etc +150 a –264 ºC (~0 Kelvin!), ~100% desidrat. Metabolismo 0,01% – praticamente “morto”

51 Rotífero: ativo (esquerda) e no estágio de criptobiose (a estrutura enrugada).

52 Tardígrado ativo (esq.) e em cryptobiose (abaixo)

53 Glicerol Trealose

54 ASQUELMINTOS – geral Minúsculos, comumente só até 1 cm Poucas células Eutelia – crescimento apenas via volume das céls Caenorhabditis elegans tem células Cílios p/ locomoção, exceto formas com cutícula, onde movimento é muscular Cabeça ainda não é plenamente diferenciada Pseudoceloma: função circulatória (indireto)

55 Exemplo de eutelia: Linhagem celular completa de C. elegans

56 Filo NEMATODA Vermes nematódeos

57 Filo NEMATODA 12 mil espécies conhecidas São essencialmente aquáticos Amplamente distribuídos – mar, água doce, solo, muitas espécies parasitas Dos polos aos trópicos, inclusive desertos, grandes altitudes e grandes profundidades Água até 53 ºC. Estratificação em lagos. Spp. no filme d’água em partículas do solo

58

59

60 Filo NEMATODA Aforismo de Nathan A. Cobb Parasitas em todos os níveis, atacando todos os tipos de plantas e animais Grande importância econômica, médica, veterinária, etc Adaptações p/ vida em espaços intersticiais: Extremidades em ponta Maioria menor que 2,5 mm Corpo perfeitamente circular em corte transversal

61 NEMATODA

62

63

64

65 NEMATODA – caracterização Boca circundada por vários lábios e sensilas Marinhos: 6 lábios. Terrestres e parasitas: 3 Glândula caudal (“fiandeira”): sistema duplo Cutícula em 3 camadas + epicutícula Epiderme também chamada de hipoderme Superfície do corpo ornamentada ou esculturada de modo muito variável Camada externa é tipicamente anular

66 Extremidade oral de Nematoda, generalizado

67

68

69 NEMATODA – caracterização Mudas – ocorrem 4. Cessam no animal adulto. Invaginações = cordões longitudinais. Núcleos do sincício alinhados ao longo de cada cordão longitudinal Pseudoceloma pouco ou inexistente (porém vasto em formas parasitas como Ascaris) Locomoção: ondulações (contrações alternadas musc. longitud. dorsal vs ventral) Várias outras formas de locomoção

70 Locomoção em Nematoda

71 NEMATODA – alimentação Muitos carnívoros, predam pequenos Metazoa Muitos fitófagos: diatomáceas, algas, fungos; céls raízes de plantas detritívoros e em matéria orgânica em decomposição: digerem apenas bactérias Cápsula bucal: varia com tipo de alimentação Mononchus papillatus: com “dentes”, devora nematódeos em suas 18 semanas de vida

72 Variação da cápsula bucal em Nematoda

73 Mononchus sp.

74

75

76 NEMATODA – alim./excreção Faringe longa, com céls mioepiteliais e glândulas de enzimas digestivas Estômago com céls ciliadas ou microvilosidades; às vezes sincicial e sólido (spp. parasitas) Célula glandular: excretora? Penetra no pseudoceloma; duto abre externamente Sistema de canais excretores (Classe Secernentea): uma célula!

77 Mononchus sp. faringe estômago

78 Estômagos em Nematoda ciliado microvilosidades sincicial (parasitas)

79 Sistema Excretor

80 NEMATODA – Sist. Nervoso Cérebro = anel nervoso em volta da faringe Papilas labiais, cefálicas e anfídios Anfídios: poros em fundo cego quimiosensitivos (olfativos) mais desenvolvidos em grupos marinhos

81 Extremidade oral de Nematoda, generalizado

82 anfídio – corte sagital

83 Sistema Nervoso em Nematoda

84 NEMATODA – Reprodução I Dioicos (machos e fêmeas). Hermafroditas não são raros Machos são menores, curvados em gancho atrás (ou espatulado) Espículas curvas na cloaca do macho  para manter gonoporo da fêmea aberto na cópula

85 MACHO de Nematoda

86 NEMATODA – Reprodução II Fêmeas com feromônios p/ atrair machos Ovos com grossa camada, rica esculturação Em geral poucos ovos ( em média) Porque são animais pequenos / Exceto parasitas Jovem nematódeo quase idêntico ao adulto, exceto sistema reprodutivo incompleto Sptz é característico: sem flagelo, movimentos ameboides

87 Espermatozoide de Nematoda Cópula


Carregar ppt "Filo NEMERTEA Nemertinos & Nematódeos Aula Teórica 9."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google