A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Relevo terrestre: processos endógenos de elaboração.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Relevo terrestre: processos endógenos de elaboração."— Transcrição da apresentação:

1 Relevo terrestre: processos endógenos de elaboração

2 Relevo terrestre - as grandes unidades topográficas do globo são: -áreas continentais -bacias oceânicas -depressões limitadas em extensão -áreas continentais limitadas

3 -áreas continentais onde dominam planaltos, planícies e colinas, com menos de 2000 metros de altitude; -áreas continentais onde dominam planaltos, planícies e colinas, com menos de 2000 metros de altitude;

4 -depressões limitadas em extensão, abaixo das bacias oceânicas: fossas marinhas que ultrapassam 7000 metros de profundidade. Fossa Marianas

5 -bacias oceânicas-vastas extensões com 3000 e 6000 metros de altitude; -bacias oceânicas-vastas extensões com 3000 e 6000 metros de altitude;

6 -áreas continentais limitadas (mais do que 2000 metros de altitude): Andes, Himalaia;

7 -Somente a estrutura superficial das terras é conhecida diretamente, as zonas oceânicas só podem ser pesquisadas, normalmente, por métodos indiretos;

8 -os processos internos que afetam as bacias oceânicas, também afetam as continentais, por isso é necessário seu estudo.

9 O relevo submarino unidades básicas do relevo dos oceanos: -plataforma continental -bacias abissais ou oceânicas -cristas ou dorsais oceânicas -fossas submarinas

10 -plataforma continental: continuação dos continentes, com cerca de 100 a 200 km e de 0 a 200 metros de profundidade; -plataforma continental: continuação dos continentes, com cerca de 100 a 200 km e de 0 a 200 metros de profundidade;

11 -bacias abissais ou oceânicas: entre as plataformas continentais e as dorsais oceânicas. Possuem cerca de 3000 a 5000 metros de profundidade. Seu assoalho é plano devido sedimentação de detritos finos e plâncton; -bacias abissais ou oceânicas: entre as plataformas continentais e as dorsais oceânicas. Possuem cerca de 3000 a 5000 metros de profundidade. Seu assoalho é plano devido sedimentação de detritos finos e plâncton;

12

13 -cristas ou dorsais oceânicas: verdadeiras cordilheiras que apontam no meio dos oceanos, ligadas a fenômenos vulcânicos. Ex.: Fernando de Noronha; -cristas ou dorsais oceânicas: verdadeiras cordilheiras que apontam no meio dos oceanos, ligadas a fenômenos vulcânicos. Ex.: Fernando de Noronha;

14

15 -fossas submarinhas: depressões longas e estreitas de 7000 a metros de profundidade. Zonas falhadas e dobradas em sinclinais, associadas a vulcões ativos e terremotos. Ex.: cadeias montanhosas do Índico e Pacífico; -fossas submarinhas: depressões longas e estreitas de 7000 a metros de profundidade. Zonas falhadas e dobradas em sinclinais, associadas a vulcões ativos e terremotos. Ex.: cadeias montanhosas do Índico e Pacífico;

16

17

18 Constituição do globo terrestre -o globo é formado por camadas sucessivas, de densidade crescente a partir do centro

19 -Grão: a mais de 5000 km de profundidade. Sólido, formado de ferro e níquel; -Núcleo: entre 2900 a 5000km. Ferro e níquel (grão e núcleo formam o NIFE); Manto: entre 40 a 60 km e 2900km. Ferro, material ultra-básico;-Crosta: de 40 a 60 km de profundidade -Grão: a mais de 5000 km de profundidade. Sólido, formado de ferro e níquel; -Núcleo: entre 2900 a 5000km. Ferro e níquel (grão e núcleo formam o NIFE); Manto: entre 40 a 60 km e 2900km. Ferro, material ultra-básico;-Crosta: de 40 a 60 km de profundidade

20

21 -a parte mais superficial recebe o nome de SIAL -a porção inferior, o SIMA, é rico em silicatos de magnésio, abrange a parte inferior da crosta e o manto, ou seja, a camada basáltica e ultra-básica;

22

23

24 -entre 38 e 40 km de profundidade há uma zona de descontinuidade sísmica (descontinuidade de Mophorovis –Moho), sendo zona de centros de sismos (zona neufrágica do globo); -a Moho seria o contato entre o SIAL e o SIMA;

25 Dinâmica da Crosta: Isostasia -de modo geral, a crosta é menos densa nas massas montanhosas do que sob a planície em menos densa sob as planícies do que sob os oceanos;

26

27

28 -Airy: considerou a crosta constituída de blocos da mesma densidade. Quanto mais alto for o bloco de SIAL, maior será sua raiz mergulhada no SIMA (como blocos de gelo boiando na água); quanto mais espessos, mais emergem e também mais imergem. Entre o SIAL e o SIMA ocorrem reajustes de tensão e movimentos (Moho).

29 ESTE EQUILIBRIO PODE SER ROMPIDO:: -pela formação de uma cadeia de montanhas; -derretimento de calota de gelo que recobre um bloco; -em decorrência de erosão que alivia um bloco (bloco aliviado sobe e o sobrecarregado desce- movimentos verticais).

30 Os movimentos gerais da crosta são chamados de tectônicos (causas da emersão de terras acima do nível do mar e um dos motores mais eficazes da erosão, já que criam desníveis na crosta terrestre);

31 Dois tipos de levantamentos tectônicos: -orogenético: criadores de montanhas, acompanhados de falhamentos, dobramentos...; -epirogenético: mais lentos que os orogenéticos, difícil de ser reconhecido.

32 -Teoria de Wegener: os blocos continentais não se deslocam somente verticalmente, mas sim horizontalmente (deriva dos continentes);

33

34 -os continentes eram soldados em uma única massa de SIAL na Era Primária, que foi sendo fragmentada nas zonas dorsais e rift-valleys oceânicos, até chegar à fase atual;

35

36 Argumentos favoráveis à teoria da deriva: -semelhante às costas da África e América do Sul; -semelhança de séries estratigráficas na mesma área; -dobramentos pré-cambrianos das massas cristalinas se relacionam nos dois lados dos continentes;

37

38 -a existência de deslocamentos horizontais ao longo de falhamentos, tem importância para evidenciar a Teoria da Deriva: se a crosta oceânica se move tanto, a crosta continental se move de forma semelhante;

39 -a camada rígida a superfície terrestre é composta por placas que deslizam umas em relação às outras ao longo de falhas de transformação, representado um movimento de rotação em torno do eixo do centro da Terra;

40 Formas iniciais e seqüências

41 -Iniciais: resultantes dos soerguimentos originais da crosta por força internas e erupções vulcânicas;

42 -Seqüenciais: esculpidas pelos agentes de denudação;

43 hI/AAAAAAAAAEY/7J6p_0ggjug/s400/a4.bmp&imgrefurl=http://marciiabarbosa.blogspot.com/2008/10/ciclo-iii-inicial-terra-por-dentro- e.html&usg=__LETiVKv20t552zd66K1I3ckPCxM=&h=299&w=400&sz=28&hl=pt- BR&start=3&um=1&itbs=1&tbnid=LGix2NnMyf2MgM:&tbnh=93&tbnw=124&prev=/images%3Fq%3D%25C3%25A1reas%2Bcontinentais%26u m%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26tbs%3Disch:1 com/2008/08/29/hello-world/&usg=__YJ9jTYNmEniBQn-AnZOahjCgug4=&h=174&w=420&sz=14&hl=pt- BR&start=55&um=1&itbs=1&tbnid=cjqmYv2fTMxkCM:&tbnh=52&tbnw=125&prev=/images%3Fq%3Drelevo%2Boce%25C3%25A3nico%26start %3D40%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26sa%3DN%26ndsp%3D20%26tbs%3Disch:1 ss_leplac_amazul.html&usg=__Mn1ML5szH1nEA1JbqYja_tCmUMk=&h=325&w=550&sz=29&hl=pt- BR&start=2&um=1&itbs=1&tbnid=GJAfWFCWqmX8OM:&tbnh=79&tbnw=133&prev=/images %3Fq%3Dplataforma%2Bcontinental%26um%3D1%26hl%3Dpt-BR%26tbs%3Disch:1 placas/dorsal.jpg&imgrefurl=http://sites.google.com/site/geologiaebiologia/tect%25C3%25B3nica-de- placas&usg=__BewwqHwpMdsN2Bl1PqGoUKZV5Cg=& full.jpg&imgrefurl=http://anomalia.magnetica.atlantico.sul.googlepages.com/home&usg=__1LkDw_Ziq_iC5tzQlrA6qD31SpM=&h=543&w=619&s z=35&hl=pt- BR&start=4&um=1&itbs=1&tbnid=4ajUfmJTrtn4XM:&tbnh=119&tbnw=136&prev=/images%3Fq%3Dpartes%2Binternas%2Bterra%26um%3D1 %26hl%3Dpt-BR%26tbs%3Disch:1 a_raga/isostasia/isostasia2.html&usg=__GJPUAn-1GF0Kcn-rEoqLXf_-Hkc=&h=369&w=338&sz=23&hl=pt- BR&start=7&um=1&itbs=1&tbnid=n5BxK8tgLY0JVM:&tbnh=122&tbnw=112&prev=/images%3Fq%3Disostasia%26um%3D1%26hl%3Dpt- BR%26sa%3DN%26tbs%3Disch:1 ito.it/SIS/Modelli%2520terresti/PrimeDispute.html&usg=__rkmyQUs8mRnWAPZ4cQsyEISYZ2w=&h=237&w=358&sz=15&hl=pt- BR&start=12&um=1&itbs=1&tbnid=-LYUyiY7r9xkmM:&tbnh=80&tbnw=121&prev=/images%3Fq%3Disostasia%26um%3D1%26hl%3Dpt- BR%26sa%3DN%26tbs%3Disch:1 5&sz=134&hl=pt- BR&start=1&um=1&itbs=1&tbnid=s84Mgp7XcMFQWM:&tbnh=132&tbnw=106&prev=/images%3Fq%3Dteoria%2Bde%2Bwegener%26um%3D 1%26hl%3Dpt-BR%26tbs%3Disch:1 h=303&w=215&sz=34&h l=pt-BR&start=27&um=1&itbs=1&tbnid=_tDWWfAm- xgitM:&tbnh=116&tbnw=82&prev=/images%3Fq%3Dteoria%2Bde%2Bwegener%26start%3D20%26um%3D1%26hl%3Dpt- BR%26sa%3DN%26ndsp%3D20%26tbs%3Disch:1 M.M. Penteado-Fundamentos de Geomorfologia Cap. 2 Relevo terrestre: processos endógenos de elaboração tbs%3Disch:1


Carregar ppt "Relevo terrestre: processos endógenos de elaboração."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google