A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A integração do relevo de Portugal no quadro geológico Ibérico e Europeu no quadro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A integração do relevo de Portugal no quadro geológico Ibérico e Europeu no quadro."— Transcrição da apresentação:

1 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A integração do relevo de Portugal no quadro geológico Ibérico e Europeu no quadro

2 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A ESTRUTURA INTERNA DA TERRA:

3 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho O TEMPO GEOLÓGICO:

4 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho O CICLO GEOLÓGICO:

5 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho CONCEITOS:

6 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho UNIDADES MORFOESTRUTURAIS DA PENÍNSULA IBÉRICA:

7 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho EVOLUÇÃO GEOLÓGICA E GEOMORFOlÓGICA : Dinâmica interna Forças endógenas Dinâmica externa Forças exógenas

8 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A(s) litologia(s): – Elevada diversidade – reduzida extensão Granitos – Xistos – Calcários NO ENTANTO: A idade e a natureza dos terrenos são fortemente diversificadas. APRESENTAM: Grande heterogeneidade em função das condições de formação dos diversos tipos de rocha em consequência da variabilidade de diferentes factores (tectónica, clima, vulcanismo e sismicidade …)

9 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Diversidade litológica:

10 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Pré-Câmbrico: Estudo dificultado pela sua elevada idade: – Actuação de fenómenos tectónicos, metamórficos e erosivos – Rochas mais antigas: Série Negra + de 1000 milhões de anos Alto Alentejo e Vale do Tejo – Grande heterogeneidade – Migmatitos, gneisses, quartzitos e vulcanitos – Complexo xisto-grauváquico: Idade pré-câmbrica Beiras e Vale do Douro – Sequência com alternâncias de xistos e grauvaques – Depósitos do tipo flysh: Flysch: conotação geotectónica – sequência sedimentar característica dos geossinclinais.

11 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Paleozóico inferior: Do câmbrico ao devónico Fase de intensa actividade orogénica com enrugamentos, metamorfismo, elevação de cadeias montanhosas e consequente erosão Rochas argilosas nos fundos marinhos Depósitos calcários e arenitos em áreas litorais Devónico: reduzida expressão em Portugal – materiais vulcano sedimentares que constituem a faixa piritosa Ibérica: Aljustrel e Neves Corvo Fósseis marinhos de trilobites Calcários cristalinos (Alentejo) «mármores de Estremoz» Ordovícico Depósitos areníticos pouco profundos Cristas quartzíticas do Norte e do Centro do país

12 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Paleozóico inferior: – Silúrico sedimentação detrítica; actividade orogénica; formação de rochas magmáticas particulares – Devónico final: Início da orogenia hercínica Portugal: Sul do país: Área emersa na região de Évora – Beja e uma bacia marinha em subsidência acelerada a SW preenchida por materiais detríticos provenientes das áreas emersas. Alternância de xistos e grauvaques – Actualmente solos pobres alentejanos. Norte do país: Formação de pequenas bacias límnicas em ambiente continental com clima quente e húmido – vegetação abundante – Processos Sedimentares - Formação da «Bacia Carbonífera do Douro» Fenómenos de metamorfismo - argilitos em xistos; arenitos em quartzítos; calcários em mármore - e magmatismo – fusão em profundidade (1000 graus) origina granitos.

13 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Final do Paleozóico: Fim da orogenia hercínica - arrasamento das formas de relevo, colisão e justaposição das massas continentais no PANGEA MEZOZÓICO: Início da orogenia alpina: Abertura de um rifte NNE-SSW (W) e outro ENE-WSW (S) Fracturação do Pangea – abertura do Atlântico e separação do continente americano e do continente africano – Oscilações do nível do mar – Desenvolve-se uma orla de terrenos sedimentares TRIÁSICO: sedimentação de blocos grosseiros e mal rolados de grés vermelhos Liásico ao Jurássico médio: Transgressão – deposição de calcários marinhos Jurássico superior ao Cretácico inferior: movimentos de solo e emersão parcial das primeiras áreas enrugadas Cretácico médio – Transgressivo tal como o Cretácico superior ao Norte do Mondego A Sul do Mondego: Fase de emersão – mantos eruptivos (basálticos) Final do Cretácico – Regressão – emersão generalizada do território

14 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho CENOZÓICO: – Acentuada regressão do mar – Intensa actividade magmática – Formação dos maciços eruptivos de Sintra, Sines e Monchique (Alinhamento NNW-SSE) Rochas ígneas, resistentes à erosão Fenómenos de vulcanismo intenso – Alternância de fases explosivas – cinzas e piroclastos - e fases efusivas – derrames basálticos e pausas de sedimentação argilosa Paleogénico – Primeiros depósitos terciários Neogénico: extensão significativa: litoral a Sul da Nazaré e Algarve – Miocénio – fase de transgressão – Pliocénico » Génese da plataforma de abrasão marinha » Implantação da drenagem fluvial precursora da actual

15 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho (cont.) Até ao Pliocénico – Drenagem endorreica Basculamento global para SW – Inversão da drenagem (exorreica) – Deposição de areias fluviais e materiais finos nas bacias terciárias do Tejo e do Sado – QUATERNÁRIO: Início: episódio de derrames torrenciais – conjugação de factores climáticos e tectónicos – depósitos de Raña. » Grosseiros; heterométricos sofreram ferruginização que os tornou encouraçados e resistentes à erosão. » Servem de referência para fenómenos posteriores – deslocações tectónicas, encaixe dos rios, etc… Fases glaciárias e interglaciárias – WURM – Climas periglaciários

16 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A(s) estrutura(s): – Os aspectos estruturais resultam da sucessão de orogenias e fases tectónicas CICLO HERCÍNICO: Três fases – Distensão e sedimentação – até ao Devónico – Compressão e tectogénese – Carbónico – Formação de cadeias montanhosas e erosão – Pérmico – Tectónica fracturante: Tardi-hercínica (NNE-SSW) apresenta falhas de desligamento e falhas inversas » Dobras » Dobras-falha » Falhas » Diapiros – ascensão de materiais evaporíticos de base do Mezozóico – Originaram áreas deprimidas (vales tifónicos) CICLO ALPINO: – Inicia-se com a acumulação de sedimentos – Mezozóico – Cenozóico: impulsos compressivos – formação dos Alpes Orientação ENE-WSW (bética); dobramento intenso, vergência acentuada para Sul (arrábida) Final do Miocénio: Choque entre as placas euroasiática e africana, basculamento da PI para W.

17 ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho Grandes unidades morfoestruturais: – Parte correspondente à cadeia hercínica: Maciço Hespérico – Rochas paleozóicas, afectadas pela orogenia hercínica, dobradas, metamorfisadas e granitizadas. – meseta ibérica – conotação geomorfológica – Fossos tectónicos com preenchimento sedimentar: Orlas sedimentares » Terrenos calcários e margosos nalguns casos afectados por movimentações tardi-hercínicas – Bacias Cenozóicas – Bacias terciárias do Tejo e do Sado » Preenchidas por sedimentos essencialmente continentais


Carregar ppt "ESEC: LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO BÁSICA GEOGRAFIA Carlos Martinho A integração do relevo de Portugal no quadro geológico Ibérico e Europeu no quadro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google