A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Princípios de Parasitismo Introdução à Helmintologia Lisboa, 2005.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Princípios de Parasitismo Introdução à Helmintologia Lisboa, 2005."— Transcrição da apresentação:

1 Princípios de Parasitismo Introdução à Helmintologia Lisboa, 2005

2 ECOSISTEMA

3 SISTEMÁTICA ARTIOZOÁRIOS – apresentam um plano de simetria (ex.: homem) FITOZOÁRIOS – apresentam um eixo de simetria

4 SISTEMÁTICA Helmintas – originalmente utilizado para referir os vermes intestinais. Usualmente inclui, as espécies livres e parasitas dos filos dos Nematelmintas e dos Platelmintas

5 Helmintoses – responsáveis por inúmeras doenças sendo algumas muito graves. Áscaris – cerca de 50% Ancilostomas – cerca de 40% Schistosomas 200 milhões de indivíduos Fascíolas Ténias Équinococos Filárias – oncocerca, loa loa, etc. Estrongilóides

6 SISTEMÁTICA dos PLATELMINTAS Tipo – artiozoários de corpo achatado com a cavidade geral (celoma) obliterada por um parenquima conjuntivo e desprovido de aparelhos circulatório e respiratório. Hermafroditas e na sua maioria parasitas. Classe dos: Turbelários Tremátodos Céstodos Ténias

7 SISTEMÁTICA dos NEMATELMINTAS Tipo – quitinoforos de corpo alongado, adelgaçado nas extremidades. Cavidade geral espaçosa. Aparelhos circulatório e respiratório nulos. Sexos em geral separados. Classe dos: Nemátodos Áscaris Nematomorfos Acantocéfalos

8

9 Números e parasitoses

10 Impacto das Parasitoses Malária 500 milhões de casos agudos / ano 1.5 milhões mortes / ano Em risco: 40% da população mundial, em mais de 90 países. Maior parte das mortes em crianças (Taxa actual de mortalidade 35,000 crianças /semana 20 milhões de turistas / ano em risco.

11 Impacto II Primeira causa de morbilidade em Países em Desenvolvimento, juntamente com: Doença respiratória aguda (causas múltiplas) Diarreia (causas múltiplas, TB, HIV mata 4X mais pessoas por ano que o HIV o orçamento mundial para investigação é 15x inferior Impacto veterinário difícil de avaliar Milhões em antibióticos, vacinas e outras medidas profilácticas Áreas inteiras não utilizáveis devido aos parasitas Ex.: na maior parte da África subsahariana não há cultura intensiva de gado por causa da TB.

12 Helmintas Nemátodos Infectados 800 milhões Taxa de mortalidade /ano + atraso mental de crescimento, anemia crónica em crianças. Ascaridíase 1 bilião de infecções mortes /ano Onchocerca volvulus Cegueira dos rios 30 milhões de infectados (morte rara) 1 milhão com déficit grave cegos. Schistosoma species 200 milhões infectados Doença hepatoesplénica severa < 10 % 1 Milhão de mortes / ano

13 Geografia das parasitoses

14

15

16 Resistência

17

18

19 Conceitos básicos Comensalismo Associação entre espécies sem benefício ou prejuízo para qualquer dos parceiros Simbiose Ambos beneficiam e pode ser essencial para uma ou ambas as espécies Parasitismo Apenas um dos parceiros beneficia (parasita). O outro parceiro (hospedeiro) pode ou não ser prejudicado, causando doença ou infecção ou infestação.

20 Definições Parasita Organismo que vive dentro ou sobre outro organismo de quem retira nutrientes O dano provocado é muitas vezes difícil de avaliar Parasitismo Associação entre populações de duas espécies em que o mais pequeno (parasita) é fisiologicamente dependente do maior (hospedeiro)

21 Definições Hospedeiro definitivo Aquele no qual o parasita tem a sua forma adulta ou vida reprodutiva (reprodução sexuada) Hospedeiro Intermediário Aquele em que o parasita vive em estado larvar (reprodução assexuada) Reservatório População de hospedeiros nos quais o parasita vive, multiplica e perpétua. Zoonose Parasitose por parasitas normalmente encontrados em animais e ocasional- mente transmitidos ao homem.

22 Classificação de Parasitas OBRIGATÓRIOS Não sobrevivem fora do hospedeiro Ex.: Enterobius vermicularis (helminta), alguns protozoários, vírus FACULTATIVOS Livres, mas em contacto com o hospedeiro evoluem. Ex.: fungos

23 Casos especiais ACIDENTAIS Podem causar danos Ex: ingestão acidental de larvas de moscas. PSEUDOPARASITAS Não causam danos ao hospedeiro. Podem ser detectados em exame coproparasitológico Ex: alguns quistos de protozoários

24 Classificação quanto ao tipo FITOPARASITAS bactérias, fungos ZOOPARASITAS artrópodes, helmintas e protozoários

25 Contacto com o homem PERMANENTE Constantemente em contacto com o hospedeiro Ex: Ascaris lumbricoides, Enterobius vermicularis PERIÓDICOS Parte de seu ciclo é de vida livre e parte é dentro do hospedeiro Ex: Necator americanus e Ancylostoma duodenale (vida livre: larva / dentro do hosp.: adulto) TEMPORÁRIO insectos hematófagos REMITENTE em constante contacto com o hospedeiro e temporariamente alimenta-se de sangue Ex: piolho, pulga INTERMITENTE só entra em contacto com o hospedeiro no momento de se alimentar

26 Especificidade ESTENOXENO: Alta especificidade. Ex: Trichuris trichiura - específico da espécie humana EURIXENO: Ampla especificidade Ex: Toxoplasma gondii - homem, felinos,... OLIGOXENO: Pouca especificidade Ex: Plasmodium malariae - homem e primatas

27 Alimentação ESTENOTRÓFICO Alimenta-se de apenas um tipo de alimento Ex: sangue EURITRÓFICO Alimenta-se de várias substâncias Ex: Taenia solium - quimo intestinal Ancylostoma duodenale - quimo e sangue

28 Tipo de Ciclo MONOXENO: Completa seu ciclo em apenas 1 hospedeiro, não tem larva HETEROXENO: Necessita de mais de 1 espécie para completar o seu desenvolvimento Ex.: Taenia saginata, Echinococus granulosus, Plasmodium AUTOXENO: 2 fases (larva e adulto) ocorrem no mesmo hospedeiro Ex: Hymenolepsis nana

29

30

31

32 Localização ERRÁTICO ou ATÓPICO Parasita encontrado em locais não típicos. Aumenta a gravidade da parasitose DESVIADOS ou TRANSVIADOS Mudança no hospedeiro habitual

33 Vector Vector Insecto que transporta o agente etiológico MECÂNICO Não ocorre multiplicação, apenas transporta. Ex: algumas moscas BIOLÓGICO O agente etiológico faz um ciclo propagativo e/ou evolutivo Ex.: plasmódio e anopheles

34 Vector Propagativo O parasita multiplica-se no vector Propagativo evolutivo Multiplicação e evolução Evolutivo Apenas evolução Bactérias e vírus: multiplicam Protozoários: evoluem ou multiplicam e evoluem

35 PORTAS DE ENTRADA PER OS : entram pela boca (principalmente) Através de água, alimentos, ar, fomites (instrumentos inanimados) Ocorre com a maioria dos enteroparasitas veiculadores de agentes etiológicos PER CUTEM : entram pela pele Penetração activa: LFI (larva filarióide infectante) Penetração passiva: inoculação pela acção de picadas de insectos VIA MUCOSA ou CONJUNTIVA VIA INALATÓRIA PLACENTA VIAS GENITAIS

36 DISSEMINAÇÃO PELO ORGANISMO DISSEMINAÇÃO PELO ORGANISMO Via sanguínea: Hemoparasitas (Ex.: T. cruzi) Via linfática: Ex. Wuchereria bancrofti Pela pele: ectoparasitas

37 PARASITISMO E DOENÇAS PARASITÁRIAS PARASITISMO E DOENÇAS PARASITÁRIAS Factores de Influência

38 FACTORES INERENTES AO PARASITA 1. Número de Exemplares 2. Capacidade de multiplicação dos parasitas no hosp. Ex: P. falciparum tem maior capacidade de multiplicação que o P. vivax 3. Dimensões 4. Localização 5. Virulência: relacionada com a estirpe. Ex: P. vivax é menos virulento que P. falciparum 6. Vitalidade: Enterobius vermicularis - 18 meses; Taenia saginata - 20 a 30 anos 7. Associações parasitárias: Ex: Entamoeba hystolitica - tem a sua acção facilitada pela dilaceração da parede do Intestino por outros microorganismos

39 FACTORES INERENTES AO HOSPEDEIRO FACTORES INERENTES AO HOSPEDEIRO 1. Idade: quanto mais jovem, menor é a defesa 2. Imunidade: menor gravidade da segunda infecção 3. Alimentação: alotriofagia (falta de Fe - ancilostomíase) 4. Doenças intercorrentes: indivíduos com pneumonia agravada quando adquirem parasitas pulmonares 5. Flora bacteriana associada 6. Medicamentos usados: cortisona ( imunodepressor) 7. Usos e costumes: árabes tem alto consumo de carne crua, africanos andam descalços 8. Tensão emocional: diminui a resposta imunológica

40 ACÇÃO SOBRE O HOSPEDEIRO ACÇÃO SOBRE O HOSPEDEIRO ESPOLIATIVA: retira o alimento TRAUMÁTICA: trauma no hospedeiro Ex: Taenia solium com escólex que se fixa à mucosa intestinal. OBSTRUTIVA COMPRESSIVA TÓXICA: secreções e excreções dos parasitas IRRITATIVA: presença do parasita no organismo do hospedeiro ANÓXICA: ocasionada por parasitas que consomem oxigênio

41 PERÍODOS CLÍNICOS E PARASITÁRIOS PERÍODOS CLÍNICOS E PARASITÁRIOS

42 PERÍODOS PARASITÁRIOS 1. Pré - patente 2. Patente (pode haver diagnóstico directo) 3. Sub-patente (não há comprovação diagnóstica) 4. Cura

43 PERÍODOS CLÍNICOS 1. Incubação 2. Sintomático 3. Latente (não há comprovação diagnóstica) 4. Recaídas (diminui a resistência imunológica, voltam os parasitas) 5. Convalescença

44 Grupos parasitários

45 Grandes grupos Endoparasitas Invasivos para o hospedeiro, incluem parasitas do intestino. Ectoparasitas Geralmente não invadem o hospedeiro: artrópodes (piolhos, moscas, carraças), anelídeos (sanguessugas) Muitos parasitas requerem dois ou mais hospedeiros durante o seu ciclo.

46

47 Protozoários Eucariotas unicelulares Mais de 200 espécies Parasitando mais de outras espécies A maior parte dos parasitas com importância médica estão em 2 de 7 Phyla:

48

49 1.Sarcomastigophora Organismos com pseudópodos (amibas) ou flagelos. Leishmania sp Trypanosoma sp Giardia spp Trichomonas sp Entamoeba sp

50 2. Apicomplexa (antigo Sporozoa): Sem órgãos de motilidade permanentes Complexo apical de organelos. Exemplos Babesia (Babesiose) Plasmodium (Malária) Cryptosporidium (Diarreia) Toxoplasma (Toxoplasmose)

51 Helmintas Metazoários: 1. Nemátodos 2. Platelmintas

52 Formas larvares de helmintas

53 Helmintas

54 Nemátodos Ciclo de vida genérico

55 Bissexuados Caracóis como hospedeiros intermediários hermafroditas Tremátodos Ciclo genérico Formas infestantes para o homem

56 Tremátodos Patogenia

57 Céstodos Ciclo genérico

58 REACÇÕES DO HOSPEDEIRO PARASITADO REACÇÕES DO HOSPEDEIRO PARASITADO CELULAR No local onde se encontra o parasita. É desencadeada por macrófagos. Ocorre atrofia ou hipertrofia do tecido lesado, aumentando ou diminuindo o número de células para regeneração. HUMORAL É sistémica. Há produção de Anticorpos em resultado da resposta aos antigénios do parasita. Servem para imunização na reinfecção e provas imunológicas

59 Imunopatologia Hipersensibilidade Tipo I Anafilaxia Hipersensibilidade Tipo II Citotoxicidade mediada por anticorpos Ex. Trypanosoma cruzi

60

61 Biliões de Parasitoses


Carregar ppt "Princípios de Parasitismo Introdução à Helmintologia Lisboa, 2005."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google