A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Análise do ciclo de vida de produtos Ferramenta gerencial da norma ISO 14000.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Análise do ciclo de vida de produtos Ferramenta gerencial da norma ISO 14000."— Transcrição da apresentação:

1 Análise do ciclo de vida de produtos Ferramenta gerencial da norma ISO 14000

2 O que é a avaliação ? A avaliação inclui o ciclo de vida completo do produto, processo ou atividade, ou seja, a extração e o processamento de matérias- primas, a fabricação, o transporte e a distribuição; o uso, o reemprego, a manutenção; a reciclagem, a reutilização e a disposição final"

3 O que é a Avaliação de Ciclo de Vida? ACV (Life Cycle Assessment - LCA) é um método utilizado para avaliar o impacto ambiental de bens e serviços. A análise do ciclo de vida de um produto, processo ou atividade é uma avaliação sistemática que quantifica os fluxos de energia e de materiais no ciclo de vida do produto.

4 O que é a Avaliação de Ciclo de Vida? A EPA (Environmental Protection Agency, dos Estados Unidos) define a Avaliação de Ciclo de Vida como uma ferramenta para avaliar, de forma holística, um produto ou uma atividade durante todo seu ciclo de vida

5 O que é o Ciclo de Vida? O ciclo nada mais é que a história do produto, desde a fase de extração das matérias primas, passando pela fase de produção, distribuição, consumo, uso e até sua transformação em lixo ou resíduo.

6

7 Conceito Refere-se às trocas [input e output] entre o ambiente e o conjunto de processos que acompanham o "nascimento" e a "morte" de um produto.

8 Conceito Em ciclo de vida considera-se o produto desde a extração dos recursos necessários para a produção de materiais que o compõem [nascimento] até o último tratamento [morte] desses mesmos materiais após o uso do produto.

9 Ajuda a fazer o que? como parte de processo para avaliar a seleção de componentes feitos de diferentes materiais. na identificação de oportunidades para melhorar aspectos ambientais dos produtos em vários pontos do seu ciclo de vida;

10 Ajuda a fazer o que? na tomada de decisões na indústria, organizações governamentais e não- governamentais; na seleção de indicadores pertinentes de desempenho ambiental, incluindo técnicas de medição;

11 Ajuda a fazer o que? no marketing (por exemplo, uma declaração ambiental, um programa de rotulagem ecológica ou uma declaração ambiental de produto). A norma que fornece os princípios e estruturas e alguns requisitos metodológicos para a condução de estudos de ACV é a NBR ISO

12 Fases mais comuns Pré-produção [aquisição dos recursos, transporte, transformação dos recursos em materiais e em energia]; Produção [transformação dos materiais, a montagem, o acabamento]; Distribuição [a embalagem, o transporte, armazenagem]; Uso [o uso ou consumo e o serviço]; Descarte [é possível recuperar componentes?];

13 Projeto de produtos Um projetista deveria considerar em seu projeto todas as implicações ambientais nos diversos estágios do ciclo de vida. Uma análise do ciclo de vida poderia ser usada para dar apoio a decisões que digam respeito à composição de um componente específico do projeto

14 Energia Um gerente de utilidades poderia usar uma análise de ciclo de vida para avaliar o perfil ambiental de suas operações não- geradoras-de-energia, incluindo consumo de materiais e manutenção.

15 Produção de Materiais Um engenheiro ambiental poderia usar um inventário de ciclo de vida para orientar suas ações futuras e obter uma avaliação de performance em relação, por exemplo, a indicadores internacionais.

16 Compra de Materiais O comprador poderia utilizar os resultados de análises de ciclo de vida para decidir quais matérias-primas comprar que causem menos impacto ambiental no produto final.

17 Manufatura Um fabricante poderia fornecer, aos consumidores, perfis ambientais dos produtos finais baseados em dados de suas próprias atividades, seus materiais e uso de energia, visando a influenciar o uso de seus produtos pelos consumidores.

18 Transporte Um gerente de transportes poderia fornecer perfis ambientais de opções de transporte para seus clientes. O gerente poderia também auxiliar na recuperação de produtos usados ou embalagens para reuso ou reciclagem.

19 Divisão das etapas A ACV, portanto propõe uma análise bastante complexa, com muitas variáveis. Definição dos objetivos, limites do estudo (escopo) e escolha da unidade funcional. Realização do inventário de entradas e saídas de energia e materiais relevantes para o sistema em estudo

20 Divisão das etapas Avaliação do impacto ambiental associado às entradas e saídas de energia e materiais ou avaliação comparativa de produtos ou processos: avalia os impactos devidos às emissões identificadas e ao consumo de recursos naturais e interpreta os resultados da avaliação de impacto com a finalidade de implantar melhorias no produto ou no processo.

21 Objetivo e Escopo objetivos do estudo; razões para a realização do estudo; limitações; aplicação pretendida; público-alvo;

22 Objetivo e Escopo A definição de objetivo deve incluir, de forma clara, os propósitos pretendidos e conter todos os aspectos considerados relevantes para direcionar as ações que deverão ser realizadas.

23 Objetivo e Escopo O escopo refere-se à aplicabilidade geográfica, técnica e histórica do estudo: de onde os dados virão ? como atualizar o estudo ? como a informação será manipulada e onde os resultados serão aplicados ?

24 Estágios de ciclo de vida: fluxo de materiais e de energia na sequencia principal do processamento ou manufatura distribuição/transporte; produção/uso de combustíveis, eletricidade e calor; aquisição primária de energia e o processamento do combustível para forma utilizável; uso dos produtos;

25 Estágios de ciclo de vida: disposição dos resíduos do processo e produto; recuperação dos produtos usados (incluindo reuso, reciclagem e recuperação de energia); manufatura de materiais auxiliares; manufatura e manutenção de bens de capital; operações de manutenção tipo iluminação e aquecimento; outras considerações relacionadas à avaliação de impacto;

26 Fluxograma Para que se dê início a uma Avaliação de Ciclo de Vida, um fluxograma do processo é construído, especificando todos os fluxos de material e energia que entram e saem do sistema. A construção do fluxograma é interativa e poderá ter de ser repetida diversas vezes.

27 Fluxograma O fluxograma do processo é uma representação gráfica de todos os processos relevantes envolvidos no ciclo de vida do sistema estudado. Seu principal objetivo é criar uma visão global que auxilie na identificação dos processos e intervenções ambientais mais relevantes.

28

29 Análise do Inventário Um sistema relacionado ao produto é uma coleção de operações que representam uma ou mais funções definidas. Esse sistema deve ser descrito com suficinets detalhes e clareza de forma a permitir que outro consultor possa reproduzir suas análises de inventário.

30 Análise do Inventário As fases da ACV, incluindo a análise do inventário, a avaliação de impacto e interpretação, são iterativas. Durante a realização dos estudos podem ser necessários vários ciclos de iterações.

31 Análise do Inventário Na análise de inventário todos os dados necessários são coletados e analisados. Na fase de avaliação de impacto esses dados são estruturados, examinados, condensados e simplificados de forma a permitir sua análise por parte dos tomadores de decisão.

32 Atividades de organização preparação para a coleta de dados; coleta de dados; refinamento dos limites do sistema; determinação dos procedimentos de cálculo; procedimentos de alocação.

33 Avaliação de Impacto A avaliação de impacto ambiental utiliza indicadores numéricos para categorias selecionadas com o objetivo de condensar e simplificar dados do inventário.

34 Avaliação de Impacto Quando a ACV é utilizada para comparar produtos, esta etapa é a que recomenda qual produto seria ambientalmente preferível, além de identificar oportunidades de melhoria de desempenho ambiental no ciclo de vida dos mesmos.

35 ISO CD [Kioto, Japão, 1997] Seleção e definição das categorias - onde são identificados os grandes focos de preocupação ambiental, as categorias e os indicadores que o estudo utilizará; Classificação - onde os dados do inventário são classificados e agrupados nas diversas categorias selecionadas;

36 ISO CD [Kioto, Japão, 1997] Caracterização - onde os dados atribuídos a uma determinada categoria são modelados de forma a que os resultados possam ser expressos na forma de um indicador numérico para quela categoria. Atribuição de pesos - alguns técnicos poderão desejar atribuir pesos aos resultados da avaliação de impacto;

37 Categoria dos dados: Energia, matérias-primas, materiais auxiliares, outras entradas físicas. Produtos. Emissões para o ar, emissões para a água, emissões para a terra, outras emissões.

38 Alguns problemas ambientais Exaustão de recursos não renováveis; Aquecimento global; Redução da camada de ozônio; Toxicidade humana;

39 Alguns problemas ambientais Ecotoxicidade – [contaminação da água e do solo]; Acidificação – [deposição acida no solo e na água]; Oxidantes fotoquímicos – [causa nevoeiros]; Nutrificação – [aumenta a produção de biomassa, o que causa um desequilíbrio];

40 Inventário A elaboração do inventário leva ao conhecimento detalhado do processo de produção. O inventário determina as emissões que ocorrem durante o ciclo e a quantidade de energia e matérias primas utilizadas.

41 Inventário O inventário, por si só, permite a tomada de decisões sobre os investimentos necessários em determinadas partes do processo e a análise técnica para a escolha de soluções para os problemas determinados (reciclagem, reutilização, mudança de processo ou parte dele).

42 Checklist – extração de recursos, escolha de material) os materiais escolhidos são os menos tóxicos ou os mais ambientalmente preferíveis para a função a ser exercida?

43 Checklist – extração de recursos, escolha de material) o projeto do produto minimiza o uso de materiais? o projeto de produto utiliza o máximo de materiais reciclados?

44 Checklist – embalagem/transporte, uso de energia) a embalagem evita o uso de materiais que quando extraídos ou processados fazem uso intensivo de energia?

45 Checklist – embalagem/transporte, uso de energia) os procedimentos para embalagem evitam atividades que consomem grande quantidade de energia?

46 Checklist – embalagem/transporte, uso de energia) o planejamento da distribuição de produtos é feito de maneira a minimizar o uso de energia?

47 Considerações de checklist Nestas considerações, deve-se preferir utilizar materiais reciclados em lugar dos materiais virgens, pois: 1) evitam a destruição do ambiente causada na extração dos materiais virgens, 2) geralmente, consomem menos energia na reciclagem do que a requerida para extração de materiais virgens, e 3) evitam a construção de aterros ou outros sistemas de descarte. Adicionalmente, a reciclagem produz menos resíduos sólidos, líquidos e gasosos do que a extração de material virgem.

48 Considerações de checklist Idealmente, deve limitar o uso de materiais tóxicos, minimizar o consumo de energia, evitar ou minimizar a geração de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos e, assegurar que qualquer resíduo eventualmente produzido poderá ser reaproveitado na economia.

49 Considerações de checklist Deve-se realizar esforços para direcionar processos secundários que gerem sub- produtos que possam ser revendidos ou reutilizados ou que utilizem co-produtos de outros processos. Em particular, deve- se evitar a geração de resíduos cuja toxidez se sobreponha à sua reciclagem ou descarte.

50 Checklist para avaliação dos processos o uso de materiais tóxicos é evitado ou minimizado? o uso de materiais radioativos é evitado ou minimizado? o processo projetado evita o uso de grandes quantidades de água?

51 Checklist para avaliação dos processos o uso solventes e óleos em processos complementares pode ser minimizado ou substituído? há oportunidade de venda para os resíduos líquidos dos processos complementares? é possível utilizar líquidos reciclados nos processos complementares?

52 Interpretação O objetivo da fase de interpretação é analisar os resultados, tirar conclusões, explicar as limitações e fornecer recomendações para um estudo de inventário do ciclo de vida ou uma análise completa do ciclo de vida. Deve-se, nesse estágio, consultar os objetivos e o escopo definidos incialmente para o estudo

53 As 3 fases de Interpretação Identificação das questões ambientais mais significativas baseadas nos resultados da análise do inventário e/ou ACV. Avalição - que pode incluir elemntos tais como checagem da integridade, sensibilidade e consistência. Conclusões, recomendações e relatórios sobre as questões ambientais significativas.

54 Interpretação A interpretação dos resultados deve também evidenciar as limitações que podem tornar os objetivos iniciais inalcançáveis ou impraticáveis.

55 Considerações finais Considerar o ciclo de vida quer dizer adotar uma visão sistêmica de produto, para análisar o conjunto de inputs e outputs de todas as suas fases, com a finalidade de avaliar as consequências ambientais, econômicas e sociais.

56 Conclusão A Avaliação do Ciclo de Vida e as normas da família ISO podem e devem ser usadas como ferramentas de apoio ao planejamento do sistema de gestão. É neste contexto que a ACV, uma ferramenta focalizada nos produtos ou serviços, é utilizada de maneira complementar aos sistemas de gestão ambiental.


Carregar ppt "Análise do ciclo de vida de produtos Ferramenta gerencial da norma ISO 14000."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google