A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Pedro de Assis Pereira Neto Gás e Energia – Desenvolvimento Energético Coordenador de Projetos Especiais Brasília, 24 de maio de 2007 Atuação da Petrobras.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Pedro de Assis Pereira Neto Gás e Energia – Desenvolvimento Energético Coordenador de Projetos Especiais Brasília, 24 de maio de 2007 Atuação da Petrobras."— Transcrição da apresentação:

1 Pedro de Assis Pereira Neto Gás e Energia – Desenvolvimento Energético Coordenador de Projetos Especiais Brasília, 24 de maio de 2007 Atuação da Petrobras em Biocombustíveis

2 Efeito Estufa no Pólo Norte Fonte: OPET (Holanda) Efeito Estufa

3 Consumo mundial de energia em 2005 Radiação solar anual absorvida pela Terra Reservas mundiais de carvão Reservas mundiais de gás natural Reservas mundiais de petróleo Reservas mundiais de urânio Recursos e Consumo de Energia no Mundo Elaborado com dados das seguintes fontes: BP Statistical Review 2005 Energia Solar - Wolfgang Palz Agência Internacional de Energia Atômica (*) estimativa Reservas

4 Fonte: World Energy Council Cenário de Energia para o Crescimento Ecologicamente Orientado Oferta de Energia

5 Fonte: MME, 2005 RENOVÁVEL NÃO RENOVÁVEL Brasil Mundo % Matriz Energética Brasileira X Mundial Matriz Energética

6 FONTES RENOVÁVEIS: 44,7 % Fonte: MME, BEN 2005 Matriz Energética Brasileira (2006)

7 Biocombustíveis

8 O Brasil ainda é um importador de óleo diesel O Brasil é um país de destaque no cenário mundial de biocombustíveis (álcool) A extensão territorial e as condições de clima e solo são propícias para a produção de biomassa O cultivo de oleaginosas e de cana-de-açúcar é propício em grande parte do território brasileiro A demanda mundial por biocombustíveis é crescente A produção de álcool está consolidada e a de biodiesel é considerada estratégica para o país O Brasil e os Biocombustíveis Biocombustíveis

9 Produção de Combustíveis e Dependência Externa Fonte: ANP, MAPA e MDIC (elaboração MME) Dependência Auto-suficiência Álcool e Gasolina Hoje: Mercados com Mesma Ordem de Grandeza Diesel e Biodiesel amanhã? Importação de Diesel

10 Território nacional : 851 milhões de ha Em milhões de hectares FLORESTA AMAZÔNICA PASTAGENS ÁREAS DE PROTEÇÂO CULTURAS ANUAIS CULTURAS PERMANENTES CIDADES, LAGOS, AUTOPISTAS E PÂNTANOS FLORESTAS CULTIVADAS ÁREAS CULTIVÁVEIS E LIVRES DA FRONTEIRA AGRÍCOLA 90 TOTAL851 OUTROS USOS Disponibilidade de Terras Fonte: MAPA, 2005

11 Álcool

12 1 T DE CANA NO CAMPO 1,718 x 10 6 KCAL 1 BARRIL DE PETRÓLEO 1,386 x 10 6 KCAL AÇÚCARES 153 Kg BAGAÇO 276 Kg (50% UMIDADE) PALHA 165 Kg (15% UMIDADE) 608 x 10 3 KCAL 598 x 10 3 KCAL 512 x 10 3 KCAL 1 T CANA 1,2 BARRIS PETRÓLEO ~ = Cerca de 38% do conteúdo energético da cana não tem aproveitamento adequado 1 T de cana no campo Fonte: DEDINI, 2004 Álcool = Cerca de 85 litros de etanol 228 usinas de álcool no Brasil possuem unidades de cogeração, com uma capacidade instalada de 2,7 GW (Aneel)

13 Álcool

14 Exportação de Etanol Perspectiva de forte expansão, especialmente para o mercado internacional Fonte: AliceWeb, 2006 Exportações de Etanol 2006: 80 milhões de litros para Venezuela 2007: meta de 850 milhões de litros para Venezuela, Japão, EUA, Nigéria, Europa 2011: meta 3,5 bilhões de litros Investimentos a partir de 2007: US$ 1,6 bilhão em produção, transporte, armazenamento e distribuição de etanol

15 Curva de Aprendizagem da Produção do Etanol no Brasil ethanol cumulative consumption (in million cubic meters) (US$/m3) Consumo Acumulado de Etanol (milhões m³) FONTE: COPERSUCAR Custo de produção US$ 30 / bbl US$ 105 / bbl Álcool

16 OPERAÇÃO 6000 Postos 72 Estabelecimentos (Bases – Terminais - Centros Coletores) Caminhões/ano Logística de Distribuição do Álcool Bases e Terminais

17 Produção descentralizada de álcool COOPERBIO(RS) – PETROBRAS Dados adicionais 70ha de florestas energéticas (pinhão manso, tungue, eucalipto) – p/ combustível Integração das florestas com oleaginosas. Cliente final será a Petrobras Distribuidora. Assessoria tecnológica e de gestão à Cooperbio: UFSM e URI Validação tecnológica e econômica 3 tecnologias alternativas de processo -Processo em batelada (94ºGL) -Processo contínuo (92ºGL) -Processo contínuo (96ºGL) Produção descentralizada de álcool integrada com a produção de alimentos 330 famílias de pequenos agricultores, associadas à Cooperbio. Geração de trabalho e renda em pequenas propriedades rurais Matérias-primas: cana e amiláceos (mandioca, batata doce) Produção de alimentos: leite e leguminosas (feijão, amendoim) Até 2 hectares de cana-de-açúcar e/ou amiláceos por família. Geração de emprego e renda para 12 mil famílias nos próximos 5 anos. 9 micro destilarias: 500 L/dia de etanol semi- acabado cada. 1 unidade retificadora central: 5000L/dia de etanol acabado (especificação ANP). Micro- Região de Palmeira das Missões Central: Frederico Westphalen Resíduos da cana: utilizados na alimentação do gado e como adubo. Vinhaça será usada como adubo orgânico.


Carregar ppt "Pedro de Assis Pereira Neto Gás e Energia – Desenvolvimento Energético Coordenador de Projetos Especiais Brasília, 24 de maio de 2007 Atuação da Petrobras."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google