A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

República da Espada (1889 – 1894) Governo Provisório (Deodoro da Fonseca) República Federativa; nomeou novos governadores; naturalizou os estrangeiros;

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "República da Espada (1889 – 1894) Governo Provisório (Deodoro da Fonseca) República Federativa; nomeou novos governadores; naturalizou os estrangeiros;"— Transcrição da apresentação:

1

2 República da Espada (1889 – 1894) Governo Provisório (Deodoro da Fonseca) República Federativa; nomeou novos governadores; naturalizou os estrangeiros; reformou o código penal; separou Estado e Igreja; expulsou a Família Imperial Convocou uma Assembléia Constituinte Rui Barbosa e o encilhamento: medidas de incentivo à abertura de empresas com ações na bolsa de valores e emissão de moeda gerou grande especulação financeira, fraudes e fracassou completamente: empresas quebraram, a Bolsa do Rio de Janeiro entrou em colapso e a inflação disparou.

3 Charge da época satirizando a política econômica de Rui Barbosa

4 Constituição de 1891 inspirada na Carta Magna estadunidense, consagrou o modelo republicano federalista e presidencialista tripartição dos poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) e eleições a cada quatro anos Estabeleceu a liberdade e o direito à propriedade, tanto aos brasileiros, como aos estrangeiros residentes no Brasil extinção da pena de morte liberdade aos Estados de contrair empréstimos, de determinar as taxas de impostos sobre sua exportação e organizar a própria força militar sufrágio universal masculino para maiores de 21 anos e alfabetizados voto descoberto, permitiu todo tipo de coação nas eleições, como o aparecimento do voto de cabresto e da chamada eleição do bico de pena.

5 Governo de Deodoro Ministério do Planejamento composto com um monarquista, o Barão de Lucena Tal medida desagradou tanto à oficialidade do Exército, quanto aos liberais, representantes dos cafeicultores paulistas e das oligarquias estaduais. Ambos viram na figura do Barão a possibilidade de retorno do sistema monárquico Deodoro decretou estado de sítio. O Congresso foi fechado e vários opositores foram presos Primeira Revolta da Armada: navios de guerra ancorados na Baía de Guanabara foram mobilizados pelo almirante Custódio de Melo que exigiu a renúncia de Deodoro sob a ameaça de bombardear o Rio de Janeiro.

6 Governo de Floriano Peixoto ( 1891 – 1894) aliança entre governo e elite cafeicultora Revolução Federalista – 1893 Motivada pela deposição do governo de Júlio de Castilhos no Rio Grande do Sul Castilhistas/Pica-paus (Partido Republicano – legalistas) X Maragatos (Partido Federalista – federalistas) as tropas legalistas, sob o comando de Castilhos, contou não só com o apoio de forças federais, como também com o dinheiro de cafeicultores e da Força Pública de São Paulo. Os combates eram seguidos da degola dos prisioneiros. Apesar da superioridade das tropas legalistas, as forças federalistas avançaram até o Paraná. O fim do conflito só ocorreu em 1895, no governo de Prudente de Morais que negociou a paz e anistiou os participantes de ambos os lados.

7 Segunda Revolta da Armada Críticas à permanência de Floriano no governo Oficiais da Marinha se mobilizaram no Rio de Janeiro com o objetivo de convocar novas eleições e garantir a legalidade constitucional líder do movimento, almirante Custódio de Melo renúncia não foi acatada por Floriano, a cidade do Rio de Janeiro foi duramente bombardeada Sem lograr êxito no bloqueio naval à cidade do Rio de Janeiro, os sublevados da armada partiram para o Sul e aliaram-se aos revoltosos federalistas chegando a estabelecer um governo independente na ilha do Desterro (atual Florianópolis) a Revolta da Armada foi derrotada ainda em 1894, seguida de execuções sumárias

8 Floriano e a Segunda Revolta da Armada

9 REPÚBLICA OLIGÁRQUICA (1894 – 1930) domínio político exercido por grandes proprietários de terras a partir do governo de Prudente de Morais ( ) política do café-com-leite: domínio político das oligarquias mineira e a paulista no Governo Federal Campos Salles (1898 – 1902) política dos governadores: criação da Comissão Verificadora de Diplomas Eleitos, órgão destinado a reconhecer ou rejeitar os candidatos eleitos. Estabelecimento de um pacto entre governos local e estadual, estadual e federal, no sentido de validar candidaturas de apoio mútuo e garantir a governabilidade. Funding loan: acordo financeiro, com bancos estrangeiros que previa a suspensão temporária do pagamento de dívidas antigas e disponibilização de novos empréstimos

10 Rodrigues Alves (1902 – 1906) Convênio de Taubaté: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais comprometeram-se a contrair empréstimos junto a bancos internacionais, para comprar estoques de café e manter o equilíbrio entre oferta e consumo; os cafeicultores deveriam limitar as novas plantações para evitar superprodução. Afonso Pena (1906 – 1909) Cumpriu o Convênio de Taubaté Criou parques industriais; ampliou ferrovias e portos Nilo Peçanha (1909 – 1910) Fundou SPI (Serviço de Proteção dos Índios) Criou Ministério da Agricultura, Comércio e Indústria Ensino Técnico

11 marechal Hermes da Fonseca (1910 – 1914) política das salvações: derrubou velhas oligarquias no Nordeste ao instituir novos governos estaduais, afinados com o poder Executivo. No Ceará, foi retirada do poder a tradicional família Accioly. O novo governo estadual passou a perseguir padre Cícero, o que provocou uma luta armada entre tropas federais e forças revoltosas, a chamada Sedição de Juazeiro. A vitória dos sertanejos, defensores do padre, marcou a volta dos Accioly ao poder, demonstrando os limites da política das salvações. Venceslau Brás (1914 – 1918) avanço da indústria nacional: a proibição governamental de que fazendeiros ampliassem os cafezais liberou capital e mão-de-obra para a indústria. Da mesma forma, a desvalorização da moeda nacional dificultou a aquisição de produtos importados e estimulou a produção interna. Greve Geral de 1917 (São Paulo): ideologia anarquista na organização dos operários urbanos

12 Coronelismo grande soma de poderes concentrados nas mãos de um coronel, normalmente grande proprietário rural, em um ou mais municípios, enquanto que uma massa de camponeses adotava uma postura de subserviência base da política dos governadores expressões voto de cabresto e curral eleitoral dizem respeito ao poder que o coronel tinha de induzir, de manipular e de forçar o eleitorado a votar nos candidatos indicados por ele

13

14 Ciclo da borracha (látex – seringueira) Segunda Revolução Industrial e o surgimento da indústria automobilística surto de prosperidade no Amazonas e no Pará Questão do Acre (Brasil x Bolívia): trabalhadores brasileiros, liderados pelo gaúcho Plácido de Castro, penetraram no Acre, que resultou em escaramuças com o exército boliviano Tratado de Petrópolis (1903): Brasil anexou o Acre, mediante o pagamento de uma indenização de dois milhões de libras à Bolívia fartura durou pouco tempo, pois Sementes da planta foram contrabandeadas para as colônias inglesas e holandesas na Ásia

15 Tenentismo movimento que mobilizou, durante toda a década de 1920, os oficiais subalternos do Exército e que personificava, acima de tudo, o descontentamento com os vícios, com a corrupção e com os privilégios das elites no contexto da República Velha Revolta dos 18 do Forte de Copacabana (1922): motivada pela prisão de Hermes da Fonseca e pelo fechamento do Clube Militar. Revolta Paulista de 1924 (Revolução Esquecida): tomou a cidade de São Paulo por 23 dias, espalhando-se pelo interior do Estado. Desbarata a revolta na capital paulista e vencidos em Três Lagoas (MS), partem para o Sul, integrando-se às tropas de Luís Carlos Prestes

16 Coluna Prestes (1924 – 27) percorreu quase 25 mil quilômetros de Sul a Norte do País não perdeu nenhuma batalha não conseguiu derrubar o governo Artur Bernardes ( ) e regenerar o País falta de unidade interna e ausência de um programa ideológico claro

17 Revoltas Guerra de Canudos (1896 – 97) Arraial de Canudos, sertão da Bahia Liderança do pregador Antônio Conselheiro promessa de uma vida mais justa e da salvação eterna República era obra do demônio, pois separou Igreja e Estado Construiu-se à época idéia de que os habitantes de Canudos eram auxiliados por forças estrangeiras que tinham intenção de restaurar a Monarquia no Brasil Arraial foi tomado pelo Exército e todas as casas foram queimadas; morreram mais de 25 mil pessoas Conflito registrado por Euclides da Cunha na obra Os Sertões

18 Guerra do Contestado (1912 –16) caráter messiânico, com liderança do monge José Maria pregava a chegada do exército de São Sebastião, vindo das nuvens para a derradeira batalha contra as forças do mal personificadas pela República Ocorreu entre Santa Catarina e Paraná Motivada pela expulsão de camponeses da terra que ocupavam, em virtude da construção de uma estrada de ferro camponeses foram massacrados, mais de 20 mil pessoas morreram primeira vez no Brasil foi utilizada a aviação para fins militares

19 Cangaço (Banditismo Social) grupos de cangaceiros sobreviviam através das mais variadas atividades ilegais e adquiriam fama e notoriedade por meio da violência e brutalidade dos seus atos, além da ousadia e coragem, desafiando as autoridades constituídas Muitos prestavam serviços aos coronéis ou com eles estabeleciam acordos O grupo mais famoso foi o de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião

20 Revolta da Vacina (1904) Rio de Janeiro, no início do século XX, o prefeito Pereira Passos iniciou uma série de obras com o intuito de sanear a cidade Foram abertas avenidas, cortiços foram derrubados (é dessa época a ocupação efetiva dos morros cariocas), e uma verdadeira batalha contra epidemias foi travada (varíola) movimento espontâneo da população da capital contra a lei da vacina obrigatória confrontos e depredação a bondes e lojas: mais de 100 pessoas foram deportadas para o Acre

21 Revolta da Chibata (1910) Líder: marinheiro João Cândido (o almirante negro) Ameaçaram bombardear a cidade do Rio de Janeiro Exigiam o fim dos castigos físicos, melhores soldos e alimentação, além da anistia a todos os participantes da revolta governo acatou as exigências, entretanto, alguns dias após o motim afastou vários marinheiros envolvidos na liderança do movimento João Cândido foi expulso da Marinha e internado como louco. A anistia, post mortem, a João Cândido e demais integrantes do movimento foi concedida em 2008

22 Semana de Arte Moderna de 1922 Início de um movimento intelectual e artístico que envolveu a literatura, a poesia, a pintura e a música Objetivo de apresentar uma arte que rompesse com os padrões acadêmicos da época Sob influência das vanguardas européias, sobretudo o Cubismo e o Futurismo Movimento antropofágico: que exaltou o progresso e a necessidade de devorar e digerir a cultura estrangeira para, posteriormente, incorporá-la à cultura nacional Movimento Verde-Amarelo ou Anta, de cunho patriótico e ufanista foi influenciado pelo Fascismo italiano

23

24 Crise da República Velha Washington Luís ( ) crise provocada pela quebra da Bolsa de Nova Iorque em 1929 defasagem entre a produção e a exportação do café era tão grande que o Governo Federal não mais conseguia dar continuidade à prática de proteção ao setor rompeu com a política do café-com-leite e indicou para suceder-lhe um candidato paulista, Júlio Prestes Aliança Liberal oposição, Getúlio Vargas e João Pessoa: promessa de democratizar do País, estimular a indústria e regulamentar as leis do trabalho o assassinato de João Pessoa, em nada relacionado a Júlio Prestes, gerou intensa mobilização social e serviu de pretexto para a eclosão de um levante armado

25 Revolução de 1930 Preocupados com a possibilidade de crescimento das agitações populares, e com a rearticulação dos tenentistas, os setores mais conservadores das oligarquias dissidentes resolveram assumir o comando da conspiração O levante armado começou no Rio Grande do Sul com o apoio dos oposicionistas do Nordeste. O presidente Washington Luís foi deposto antes da posse de Prestes Começava, assim, a Era Vargas.


Carregar ppt "República da Espada (1889 – 1894) Governo Provisório (Deodoro da Fonseca) República Federativa; nomeou novos governadores; naturalizou os estrangeiros;"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google