A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mulheres nos empreendimentos de economia solidária: avanços, desafios e a tentativa de escolarização na busca por qualificação para o trabalho Carolina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mulheres nos empreendimentos de economia solidária: avanços, desafios e a tentativa de escolarização na busca por qualificação para o trabalho Carolina."— Transcrição da apresentação:

1 Mulheres nos empreendimentos de economia solidária: avanços, desafios e a tentativa de escolarização na busca por qualificação para o trabalho Carolina Orquiza Cherfem Doutoranda em Ciências Sociais na Educação DECISE/UNICAMP GEPEDISC

2 Práticas e estudos que orientam a fala Mulheres marceneiras em Assentamento Rural - Itapeva/SP Coopernatuz – Cooperativa de Reciclagem. Osasco/SP Coop. Bom Sucesso – Reciclagem – Campinas/SP Coletivo de Mulheres do Assentamento Rural Elisabeth Teixeira – Limeira/SP

3 ECONOMIA SOLIDÁRIA Em síntese, corresponde à organização de trabalhadores/as em busca de geração de renda. Contudo, apresenta a solidariedade e não a competitividade no processo produtivo e, dessa forma, tem a autogestão e a democracia como eixos orientadores do trabalho. Reflete sobre novas possibilidades para o consumo, créditos e reprodução ampliada da vida (CORAGGIO, 2000; SINGER, 2000, 2003). Aproximadamente 1 milhão e 600 mil pessoas são associadas em diferentes Empreendimentos Solidários

4 ECONOMIA SOLIDÁRIA - História Luta e resistência de trabalhadores/as ao longo da história – séc. XIX – Proletariado moderno. Pós-segunda Guerra – sociedade que se acostumou no assalariamento – conseqüências da era fordista. Anos 1990: reestruturação produtiva, tecnologias – novos paradigmas de organização da produção (diminuição do trabalho estável, flexibilidade, terceirização...). Neste cenário a Econ. Sol. ganha forças e surge no Fórum Social Mundial de Luta e resistência de trabalhadores/as ao longo da história – séc. XIX – Proletariado moderno. Pós-segunda Guerra – sociedade que se acostumou no assalariamento – conseqüências da era fordista. Anos 1990: reestruturação produtiva, tecnologias – novos paradigmas de organização da produção (diminuição do trabalho estável, flexibilidade, terceirização...). Neste cenário a Econ. Sol. ganha forças e surge no Fórum Social Mundial de 2000.

5 ECONOMIA SOLIDÁRIA Emancipatória novas relações sociais Emancipatória novas relações sociais Compreendê-la como um Movimento Social ainda jovem e tímido Reprodutora de desigualdades e de trabalho precário Idealizada: novo modo de produção Realidade: entre a utopia e o pragmatismo

6 Significado desta economia para alguns grupos: mulheres de baixa renda com pouca ou nenhuma escolaridade Qual é o lugar dessas mulheres? - Ocupam os trabalhos que seguem as tendências da flexibilidade: à distância, domiciliar, meio período, terceirizados, etc. - Cenário que potencializa a divisão sexual do trabalho - Relações sociais de sexo

7 -Mulheres predominam nos empreendimentos com menos de 10 sócios e homens com mais de 20 sócios; -Mulheres na fabricação de produtos têxteis, costura, produção de alimentos e bebidas; -Mulheres aceitam situações que os homens não aceitam (iniciar sem receber, retirada de R$50,00, etc.); -Identificação com o trabalho X bico em situações de desemprego; -Divisão sexual do trabalho no interior das cooperativas.

8 -Algumas mulheres desenvolvendo atividades compreendidas como masculinas: produção de móveis; -Geração de renda sem estar submetida a patrão ou trabalho doméstico – controle da renda; -Igualdade salarial entre os sexos; -Trabalho autogestionário: divisão de tarefas e visão crítica em torno no trabalho produtivo X reprodutivo; -Ocupação de espaços de lideranças: mulheres presidentas das cooperativas; -Possibilidade de diálogo em torno das desigualdades que orientam novas ações.

9 Novos processos educativos: a) economia solidária enquanto ato pedagógico – construção de outras racionalidades; b) necessidade de maior qualificação e aumento da escolaridade para a autogestão.

10 como as pessoas vão ser diretoras se não sabem ler e escrever? se não sabem montar uma planilha? como vão entender as informações que eu digo?. Educação na práxis Formação política e crítica Formação Técnica por meio de conhecimentos escolarizados Realidade: a classe trabalhadora não usufruiu do direito à educação básica pública e gratuita. Educação cujo objetivo é ajustá-la às necessidades do mercado.

11 1)Escolarização e qualificação nas próprias cooperativas – educação popular. 2) Inserir as discussões de econ. sol. nas salas de EJA – Como metodologia e não como tema. 1)Escolarização e qualificação nas próprias cooperativas – educação popular. 2) Inserir as discussões de econ. sol. nas salas de EJA – Como metodologia e não como tema. Iniciativas atuais que vinculam à EJA e Economia Solidária

12 Distância entre o local de trabalho e as escolas, ou às suas casas; Necessidade de aula todos os dias: estudante/adulto/trabalhador; Aproximação entre as necessidades do trabalho com o conteúdo escolar; A escola precisa aproveitar o conhecimento que as pessoas adquirem nos empreendimentos; Incorporação da perspectiva feminista na escolarização e empreendimentos; Para outra educação outra escola?

13 -Os empreendimentos estão construindo novas relações sociais que devem ser olhadas e analisadas com cuidado. Indicam questões importantes para pensar a educação (EJA) e as relações sociais de sexo. -A orientação para a autogestão se apresenta como potencial para novas conquistas das mulheres. -A Economia Solidária indica uma metodologia de trabalho pautada em novas racionalidades com todas as dificuldades de resistir estando neste sistema e se relacionando com o circuito produtivo dominante. -Os empreendimentos estão construindo novas relações sociais que devem ser olhadas e analisadas com cuidado. Indicam questões importantes para pensar a educação (EJA) e as relações sociais de sexo. -A orientação para a autogestão se apresenta como potencial para novas conquistas das mulheres. -A Economia Solidária indica uma metodologia de trabalho pautada em novas racionalidades com todas as dificuldades de resistir estando neste sistema e se relacionando com o circuito produtivo dominante. Algumas considerações para finalizar

14 -Não pode ser considerada um setor econômico, mas é composto por experiências inspiradoras para tal. -Não existem escolas de empreendimentos solidários e com igualdade de gênero para formar pessoas numa outra lógica. -Necessidade de pensar políticas públicas intersetoriais para a EJA e Economia Solidária com olhar para as questões de gênero. -Não pode ser considerada um setor econômico, mas é composto por experiências inspiradoras para tal. -Não existem escolas de empreendimentos solidários e com igualdade de gênero para formar pessoas numa outra lógica. -Necessidade de pensar políticas públicas intersetoriais para a EJA e Economia Solidária com olhar para as questões de gênero.

15 Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem [...] Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres... Rosa Luxemburgo Quem não se movimenta, não sente as correntes que o prendem [...] Por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres... Rosa Luxemburgo OBRIGADA!


Carregar ppt "Mulheres nos empreendimentos de economia solidária: avanços, desafios e a tentativa de escolarização na busca por qualificação para o trabalho Carolina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google