A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Teorias Pós-críticas do Currículo. O CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE A mudança de paradigmas; Crítica aos padrões considerados rígidos da Modernidade; O rompimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Teorias Pós-críticas do Currículo. O CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE A mudança de paradigmas; Crítica aos padrões considerados rígidos da Modernidade; O rompimento."— Transcrição da apresentação:

1 Teorias Pós-críticas do Currículo

2 O CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE A mudança de paradigmas; Crítica aos padrões considerados rígidos da Modernidade; O rompimento à lógica positivista; Tecnocrática e racionalista; Tentativa de dar voz aos subalternos excluídos de um sistema totalizante e padronizado.

3 UMA ANÁLISE COMPARATIVA

4 Multiculturalismo é um movimento legítimo de reivindicação dos grupos culturais dominados no interior daqueles países dominantes para terem suas formas culturais reconhecidas e representadas na cultura nacional. Compreensão antropológica: devesse tolerar e respeitar a diferença porque sob a aparente diferença há uma mesma humanidade. São as relações de poder que fazem com que a diferença adquira um sinal, que o diferente seja avaliado negativamente relativamente ao não-diferente. A Teoria Multiculturalista

5 Nos Estados Unidos, o multiculturalismo originou-se exatamente como uma questão educacional ou curricular. A perspectiva liberal ou humanista enfatiza um currículo multiculturalista baseado nas ideias de tolerância. Da perspectiva mais crítica, focaliza-se nas relações de poder, e a tolerância é colocada permanentemente em questão. No haverá justiça curricular se a base curricular no for modificada para refletir as formas pelas quais a diferença é produzida por relações sociais de assimetria.

6 O termo gênero refere-se aos aspectos socialmente construídos do processo de identificação sexual. O currículo produz relações de gênero. O feminismo vinha mostrando que as linhas do poder da sociedade estão estruturadas não apenas pelo capitalismo, mas também pelo patriarcado. Há uma profunda desigualdade dividindo homens e mulheres, e estende-se a educação e ao currículo. As Teorias de Gênero

7 Há desigualdade do gênero com questões de acesso, sobretudo nos países periféricos do capitalismo. O mundo social está feito de acordo com os interesses e as formas masculinas de pensamento e conhecimento. Não existe nada mais masculino que a própria ciência. A pedagogia feminista tentava construir um ambiente de aprendizagem que facilite o desenvolvimento de uma solidariedade feminina. As Teorias de Gênero

8 As teorias críticas focalizadas na dinâmica da raça e da etnia se concentram em questões de acesso à educação e ao currículo. A identidade étnica e racial está estreitamente ligada às relações de poder que opõem o homem branco europeu às populações dos países por ele colonizados. Raça está ligada à cor da pele. Embora biologicamente só exista uma raça, a raça humana; Etnia está relacionada à características mais culturais. O texto curricular está recheado de narrativas nacionais, étnicas e raciais, e conserva as marcas da herança colonial. As Teorias Étnicas Raciais

9 A questão torna-se então: como desconstruir o texto racial do currículo. Um currículo multiculturalista desse tipo deixaria de ser folclórico para se tornar profundamente político. Um currículo crítico deverá centrar-se na discussão das causas institucionais, históricas e discursivas do racismo. A questão do racismo não pode ser analisada sem o conceito de representação, depende de relações de poder. As Teorias Étnicas Raciais

10 A Teoria Queer surge, em países como Estados Unidos e Inglaterra, como uma espécie de unificação dos estudos gays e lésbicos. Queer – estranho. Através da estranheza quer-se perturbar a tranqüilidade da normalidade. O conceito de gênero foi criado para enfatizar o fato de que as identidades masculina e feminina são historicamente e socialmente produzidas. A Teoria Queer começa por problematizar a identidade sexual considerada normal, ou seja, a heterossexualidade. A Teoria Queer

11 A identidade é sempre una relação: o que eu sou só se define pelo que não sou. A homossexualidade torna-se como um desvio da sexualidade dominante, hegemônica, normal, isto é, a heterossexualidade. A Teoria Queer quer nos fazer pensar o impensável, o que é proibido pensar, questionar todas as formas bem- comportadas de conhecimento e de identidade. Estimula que a questão da sexualidade seja seriamente tratada no currículo como uma questão legítima de conhecimento e de identidade. A Teoria Queer


Carregar ppt "Teorias Pós-críticas do Currículo. O CONTEXTO DA PÓS-MODERNIDADE A mudança de paradigmas; Crítica aos padrões considerados rígidos da Modernidade; O rompimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google