A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

E S C O A M E N T O E S C O A M E N T O Conceito, Classificação e Formação Aluna de mestrado: Myrla de Souza Batista Universidade Federal de Campina Grande.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "E S C O A M E N T O E S C O A M E N T O Conceito, Classificação e Formação Aluna de mestrado: Myrla de Souza Batista Universidade Federal de Campina Grande."— Transcrição da apresentação:

1 E S C O A M E N T O E S C O A M E N T O Conceito, Classificação e Formação Aluna de mestrado: Myrla de Souza Batista Universidade Federal de Campina Grande – UFCG DEC/CCT/UFCG – Pós-Graduação Área de concentração: Recursos Hídricos ESTÁGIO DOCÊNCIA Disciplina: Hidrologia Aplicada

2 CICLO HIDROLÓGICO

3 Escoamento Define-se como o movimento das águas na superfície do solo, na interface entre a superfície e o interior do solo e no lençol subterrâneo; Os escoamentos são governados fundamentalmente pela ação da gravidade; O escoamento é caracterizado quantitativamente por variáveis como a velocidade, a vazão ou lâmina equivalente; A estimativa do escoamento é feita por equações de conservação de massa, energia e quantidade de movimento.

4 Escoamento Os fatores principais que influi sobre o fluxo da água em uma seção de um rio são: – Área e forma da bacia; – Conformação topográfica da bacia (declividade, depressões acumuladoras e represamentos naturais); – Condições de superfície do solo (cobertura vegetal, áreas impermeáveis, etc.) e constituição geológica do solo (tipo e textura, capacidade de infiltração, porosidade, condutividade hidráulica, etc., natureza e disposição das camadas do solo); – Obras de utilização e controle da água a montante (irrigação, drenagem artificial, canalização e retificação dos cursos de água). A A Seção de saída AA Rede de Drenagem

5 Tipos de Escoamento QsQs Q ss QbQb Seção do rio Seção AA Seção do Riacho Q = Q s + Q ss + Q b Q s = escoamento superficial, Q ss = escoamento sub-superficial Q b = escoamento de base (ou subterrâneo) Tipos de escoamento: A A Seção AA Rede de Drenagem

6 Escoamento Superficial O escoamento superficial é de grande importância pois vai definir: – O volume escoado – A vazão de enchente (cheia máxima) O primeiro é importante na determinação do armazenamento superficial e o segundo utilizado para dimensionar obras de drenagem. Esc. superficial Infiltração

7 Escoamento Superficial A geração do Escoamento pode ser pelo excesso de chuva ou pela chuva sobre um solo saturado. Volume Infiltrado i, f t f i Excesso que se converte em lâmina do escoamento ou chuva efetiva Pe Ia = Abstração iniciais (infiltra na taxa da chuva) Infiltração na Taxa Potencial Ia + Pe =

8 Escoamento Sub-superficial O escoamento sub-superficial é de grande importância para: – A umidade da zona radicular; – O processo de percolação de água para o lençol. O primeiro está interligado com o processo de evapotranspiração, enquanto o segundo vai influir na recarga do lençol subterrâneo. Geração do escoamento sub-superficial: componente da infiltração devido ao gradiente topográfico Esc. Sub-superficial Percolação

9 Escoamento de Base O escoamento de base é de grande importância para: – O armazenamento subterrâneo – Integração do aqüífero com o rio O primeiro define o potencial do aquífero para possível exploração e o segundo define se o rio é: – Efêmero – Intermitente – Perene Geração do escoamento de base: recarga do lençol pela percolação

10 Classificação do Escoamento O escoamento é efêmero quando o nível do lençol freático sempre fica abaixo da calha do rio; O escoamento só acontece após a precipitação e só há contribuição do escoamento superficial. Exemplos: os rios de regiões bastante secas, com solo sem capacidade de armazenamento (solos rochosos, leitos impermeáveis, etc.) P QsQs Q ss Lençol Efêmero

11 Classificação do Escoamento O escoamento é intermitente ocorre logo após as chuvas, porém nível do lençol freático pode variar (subindo ou descendo) podendo contribuir para o escoamento total na seção do rio. Exemplos: os rios do Nordeste em geral. Intermitente P QsQs Lençol Q ss QbQb 1) chuvoso 2) estiagem

12 Classificação do Escoamento O escoamento é dito perene quando o nível do lençol freático fica sempre acima do leito do rio, mesmo durante o período de estiagem (2). Exemplos: os grandes rios como Amazonas, Nilo, Danúbio, Reno, etc. Perene P QsQs Lençol Q ss QbQb 1) chuvoso 2) estiagem

13 Fatores que Influenciam o Escoamento O escoamento superficial sofre a influência de fatores: Climáticos: – Precipitação Fisiográficos: – Solo (capacidade de infiltração); – Cobertura (vegetação, urbanização); – relevo (declividade); – umidade antecedente;

14 Fatores que Influenciam o Escoamento Precipitação e Capacidade de Infiltração O escoamento superficial ocorre, na maioria dos casos, devido o excesso de chuva sobre a capacidade de infiltração do solo. Precipitação: Quanto maior a intensidade mais rápido a capacidade de infiltração do solo é atingida provocando um excesso de precipitação denominado de Precipitação Efetiva. Solos: Em solos com maior capacidade de infiltração o escoamento demora mais a iniciar.

15 Fatores que Influenciam o Escoamento Precipitação e Capacidade de Infiltração Volume Infiltrado i, f t f i Excesso que se converte em lâmina do escoamento ou chuva efetiva Pe Ia = Abstração iniciais (infiltra na taxa da chuva) Infiltração na Taxa Potencial Ia + Pe =

16 Obrigada pela Atenção! Até próxima aula!


Carregar ppt "E S C O A M E N T O E S C O A M E N T O Conceito, Classificação e Formação Aluna de mestrado: Myrla de Souza Batista Universidade Federal de Campina Grande."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google