A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Painel 3: A situação da produção de etanol no Rio Grande do Sul Usinas e Projetos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Painel 3: A situação da produção de etanol no Rio Grande do Sul Usinas e Projetos."— Transcrição da apresentação:

1

2 Painel 3: A situação da produção de etanol no Rio Grande do Sul Usinas e Projetos

3

4 O porquê do etanol de arroz?

5 Oferta e demanda MERCOSUL (Mil toneladas)

6

7

8 Efeitos da Safra 2010/2011

9

10 Safra 2011/2012

11 41% (10 anos) 2.22 ton/ha

12 Elevação da produção foi incentivada pelos Governos (RS)

13

14 Correio do Povo - 17/04

15 Pelo C. Produção: R$ 1,817 bilhão (35%) Pelo Preço mínimo: R$ 1,204 bilhão (12%) Prejuízo da Safra 2010/2011: VBP: R$ 5,256 bilhões

16 16 Renda Atividade Orizícola Em 22 anos, 15 deram resultado negativo (70%) 2010 * 4.024,68 30,9827,18 - 3, * 4.057,6029,2020,90 - 7,90

17 17 Consequências... Prejuízo e endividamento do Setor Produtivo Desemprego no campo Redução da atividade econômica na cidades Desemprego nas cidades Agravamento do êxodo rural Queda da arrecadação das Prefeituras Empobrecimento dos municípios Aumento índices de violência e favelização

18 Fonte: Preços de arroz em casca no RS por IRGA (2001/2002 a 2005/2006) e Cepea (2006/2007 a 2012/2013). Produção e estoque inicial do Brasil por Conab.

19 Projetos Grandes Obras-RS Tacuarembó - Dom Pedrito Jaguari - São Gabriel Canal AUD - Costa Doce Outras...

20 Atuação das entidades Setor Produtivo Arroz RS

21 Audiências realizadas :

22 Audiências realizadas

23 Eventos realizados

24 Campanha da Federarroz Usos Alternativos do Arroz em 2010

25 Sugestões da Federarroz 1.Arroz para ração animal (T2 e T3) 2.Incentivo para exportação 3.Doações humanitárias 4.Produção de etanol dos excedentes de arroz 5.Mecanismos de comercialização 6.Campanha Nacional de consumo

26

27 AGF, PEP AGF, PEP PEPRO, PROP PEPRO, PROP OPÇÕES, EGF OPÇÕES, EGF DOAÇÕES E DOAÇÕES E PRORROGAÇÕES PRORROGAÇÕES

28 Apoio à Comercialização em 2011 (*) refere-se ao preço médio de exercício

29 Repactuação Sistema Financeiro: Repactuação Sistema Financeiro:

30 1.Incentivo para exportação (1,1 m/t) 2.Doações humanitárias (500 m/t) 3.Mecanismos de Comercialização 4.Arroz para ração animal (500 m/t -T2/3) 5.Campanha Nacional p/ aumento de consumo 6.Produção de etanol de arroz x x...

31 ,4 m/ton ,0 m/ton

32

33 Proposta produção de etanol dos excedentes de arroz

34 Construção de 6 biorrefinarias no RS p/ absorver 1,5 Construção de 6 biorrefinarias no RS p/ absorver 1,5 milhão/ton. dos excedentes (casca) Proposta Comprometimento Fornecimento de matéria prima S. Produtivo Fornecimento de matéria prima S. Produtivo Contrapartida Garantia de preço mínimo Garantia de preço mínimo Necessidades Apoio político, incentivos fiscais e financiamento Apoio político, incentivos fiscais e financiamento

35 35

36 36 Problema Novo? Países que enfrentaram o mesmo problema e encontraram solução: França - Etanol de Beterraba e Trigo Japão - Etanol de Arroz Vietnam - Etanol de Arroz Canadá - Trigo e Aveia Austrália - Seca/Sorgo EUA - Milho

37 37 Problemas do Arroz Alta Produtividade da Lavoura Arrozeira + Aumento das Áreas Cultivadas + Importação dos Países do Mercosul + Demanda Estabilizada do Consumo Interno + Falta de Usos Alternativos = Baixa Remuneração pelo Arroz

38 38 Vista da Planta Proposta para Biorefinaria Cristal

39 39 Conceito do Projeto Matéria- Prima (Cereais) Matéria-Prima (Cereais) Arroz Matéria-Prima

40 40 Matéria- Prima (Cereais) Matéria-Prima (Cereais) Sorgo Aproveitamento das áreas em descanso; Rotação das lavouras; Áreas com potencial não aproveitadas para o arroz. Conceito do Projeto Conceito do Projeto Matéria-Prima

41 41 Matéria- Prima (Cereais) Matéria-Prima (Cereais) Triticale Lavouras de inverno; Áreas de descanso e rotação de culturas. Conceito do Projeto Conceito do Projeto Matéria-Prima

42 42 Matéria- Prima (Cereais) Matéria-Prima (Cereais) Milho AveiaCevada Conceito do Projeto Conceito do Projeto Matéria-Prima

43 43 Matéria- Prima (Cereais) Matéria-Prima (Cereais) NovDezJanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOut ArrozSorgoTriticale Diversificação e Rotação de Culturas Conceito do Projeto Conceito do Projeto Matéria-Prima

44 HIDRATADO ANIDRO INDÚSTRIA ALCOOL QUÍMICA POTÁVEL E ALIMENTÍCIA 44 Matéria- Prima (Cereais) Produtos - Etanol Produtos ETANOL Conceito do Projeto Produtos

45 45 Matéria- Prima (Cereais) Co-produtos Conceito do Projeto Conceito do Projeto Co-produtos - Etanol Produtos WDGS DDGS WDGS DDGS RAÇÃO ANIMAL SUÍNOS AVES GADO DE CORTE GADO LEITEIRO ALIMENTAÇÃO HUMANA - WDGS / DDGS Co-produtos

46 46 Matéria- Prima (Cereais) Co-produtos Conceito do Projeto Conceito do Projeto Co-produtos - Etanol Produtos - WDGS / DDGS Co-produtos CO 2 - CO 2 CARBONATADOS; REFRIGERANTES, BEBIDAS; INDÚSTRIA METALÚRGICA; TÚNEIS DE REFRIGERAÇÃO; BIO- COMBUSTÍVEL ALGAS

47 47 Matéria- Prima (Cereais) Co-produtos Conceito do Projeto Conceito do Projeto Co-produtos - Etanol Produtos - WDGS / DDGS Co-produtos Óleo Fúsel - CO 2 - Óleo Fúsel INDÚSTRIA DE RAÇÃO; INDÚSTRIA METALÚRGICA; INDUSTRIA OLEO-QUÍMICA; ALIMENTAÇÃO HUMANA.

48 48 Matéria- Prima (Cereais) Produtos Conceito do Projeto Conceito do Projeto Produtos - Etanol Produtos - WDGS / DDGS Co-produtos Outros - CO 2 - Óleo Fúsel - Outros GLICOSE; ÁCIDO LACTICO; CINZAS; SÍLICA

49 49 Diagrama de Processo FEL III

50 50 Quantificação do Projeto VINEMA Abastecimento de Matérias Primas (Arroz) Volumes de Consumo Por Unidade06 Unidades Períodos Arroz c/ casca (ton) Casca de Arroz (ton) Arroz c/ casca (ton) Casca de Arroz (ton) Dia (24h) Mês (27,5 dias) Ano (330 dias)

51 51 Quantificação do Projeto VINEMA Produtos e Co-Produtos Produtos Gerados (por unidade) Etanol (litros)DDGS (ton)C0 2 (ton)Óleo Fúsel (ton) Dia (24h) Mês (27,5 dias) Ano (330 dias) Produtos Gerados (06 unidades) Etanol (litros)DDGS (ton)C0 2 (ton)Óleo Fúsel (ton) Dia (24h) Mês (27,5 dias) Ano (330 dias)

52 52 Geração de Renda e Emprego Geração de Empregos (Indústria) Categoria DiretosIndiretos Efeito Renda Total Vinema Diretos Terceirizados 25 Total Geração de Empregos (Agrícola) Categoria DiretosIndiretos Efeito Renda Total Agricultores Diretos Terceirizados 0 Total Total Geral Calculado pelo modelo MGE do BNDES (Ajustado)

53 Geração de Empregos (Indústria) CategoriaDiretosIndiretosEfeito RendaTotal Vinema Diretos Terceirizados150-- Total Geração de Empregos (Agrícola) CategoriaDiretosIndiretosEfeito RendaTotal Agricultores Diretos Terceirizados---- Total Total Geral Calculado pelo modelo MGE do BNDES (Ajustado) Abrangência Pequenas Propriedades Rurais CultivoTamanhoFamílias Sorgo3ha Contexto de Sustentabilidade Social Geração de Emprego para as 6 unidades

54 54 Prováveis Locais das Unidades Industriais Produção (anual) RegiãoUnidade Etanol (m3) WDGS CO 2 (ton) Óleo Fúsel (ton) DDGS (ton) 1Fronteira-OesteItaqui CampanhaDom Pedrito Depressão CentralCachoeira do Sul Plan Cost InternaCristal Plan Cost Externa St. Antônio da Patrulha SulCapão do Leão TOTAL

55 55 Primeira Fase LOCALIZAÇÃO DA UNIDADE DE CRISTAL/RS Estrada de Acesso Rede Elétrica Rede Hídrica Direção Ventos LEGENDA BR ha Cristal POA

56 56 Tecnologia PROCESSO E DETALHAMENTO Esta sendo finalizado a escolha dos parceiros de tecnologia de processo, engenharia de detalhamento, engenharia enzimática e biológica Estamos em tratamento para viabilizar a fabricação de equipamentos para biorrefinarias no Rio Grande do Sul (ao menos, 80% dos equipamentos serão fabricados no Estado). Tecnologia Fârmacos Enzimas Levedura

57 57 Parcerias Pesquisa e Desenvolvimento Municípios CristalCapão do LeãoCachoeira do Sul Itaqui St Antônio da Patrulha Dom Pedrito Universidades

58 58 Investimento Investimento Total por unidade industrial: R$ ,00 Investimento Total para as 6 Unidades Previstas: R$ Investimento Total por unidade industrial: R$ ,00 Investimento Total para as 6 Unidades Previstas: R$

59 59 Vantagens do Projeto PARA O ARROZEIRO / PRODUTOR Manter viabilidade econômica da cultura do arroz Aproveitamento do excedente de produção Possibilidade de participação no empreendimento com rendimento adicional através do lucro da atividade industrial Oportunidades de aumento das áreas de produção e diversificação de culturas

60 60 Vantagens do Projeto PARA O GOVERNO FEDERAL Redução dos subsídios do governo federal (1 bi/2011) para socorrer a cadeia produtiva do arroz Aumento da produção de Etanol, com matérias primas alternativas renováveis - cereais Redução das importações de Etanol no Brasil Aumento de Geração de Renda e Emprego na Agricultura Familiar

61 61 Demanda por Álcool no RS Hoje, o Rio Grande do Sul consome 1,3 bilhões de litros de álcool/ano; e sendo que somente a Braskem consome atualmente mais de 450 milhões de litros de álcool. A previsão de consumo para 2012 é de 2,4 bilhões de litros de álcool/ano. A atual capacidade instalada de produção de álcool do RS é de apenas 9 milhões de litros/ano. Hoje, o Rio Grande do Sul consome 1,3 bilhões de litros de álcool/ano; e sendo que somente a Braskem consome atualmente mais de 450 milhões de litros de álcool. A previsão de consumo para 2012 é de 2,4 bilhões de litros de álcool/ano. A atual capacidade instalada de produção de álcool do RS é de apenas 9 milhões de litros/ano.

62 62 Vantagens do Projeto PARA O RIO GRANDE DO SUL Distribuição e desenvolvimento regional nas áreas de implantação com descentralização industrial Diminuição da importação de Etanol e exportação de ICMS ICMS ETANOL

63 A engenharia financeira e viabilidade econômica do projeto estão finalizadas. O projeto foi apresentado a SPDI e AGDI. O Protocolo de Intenções entre Vinema e Governo do Estado para a implantação das Biorrefinarias está sendo finalizado. Situação atual do projeto:

64 OBRIGADO! RENATO CAIAFFO DA ROCHA Presidente da Federarroz


Carregar ppt "Painel 3: A situação da produção de etanol no Rio Grande do Sul Usinas e Projetos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google