A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS O que você deve saber sobre Muitas são as tendências que marcam a literatura contemporânea brasileira. Futuramente, caberá aos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS O que você deve saber sobre Muitas são as tendências que marcam a literatura contemporânea brasileira. Futuramente, caberá aos."— Transcrição da apresentação:

1 TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS O que você deve saber sobre Muitas são as tendências que marcam a literatura contemporânea brasileira. Futuramente, caberá aos críticos e especialistas que estudarem a multiplicidade estética de nossas letras identificar traços de semelhança e de diferença entre as muitas produções dos escritores atuais. Neste tópico, analisaremos um texto de Beatriz Bracher como exemplo dessas várias tendências literárias.

2 Algumas considerações TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS Revisão ou descarte de conceitos do século XX, como classe social, ideologia, esquerda e direita Abandono da linearidade narrativa e uma escrita fragmentada para retratar a realidade do século XXI. Destaque aos gêneros conto e crônica Incorporação do tema da violência (principalmente a urbana) Realismo fantástico Intimismo pessimista ligado ao tema dos desencontros

3 Tendências literárias Concretismo: no Brasil, surge, em 1956, com a publicação da revista Noigrandes. Radicalizou a proposta de valorização da forma na poesia, incorporando a ela os signos da sociedade moderna. Foi representado e idealizado por Haroldo de Campos, Augusto de Campos e Décio Pignatari. Neoconcretismo: em consonância com as propostas dos artistas plásticos Hélio Oiticica e Lygia Clark, surge o Neoconcretismo, movimento fundado por Ferreira Gullar que propunha a necessária participação do leitor na construção do sentido do texto. Poema-processo: colocando em segundo plano o signo verbal, em detrimento dos signos gráficos, surge em 1967, idealizado por Wlademir Dias-Pino. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

4 Tendências literárias Poesia política: no contexto do golpe militar de 1964, surge uma poesia engajada e política, representada por Ferreira Gullar, Tiago de Melo e Geir Campos. Prosa introspectiva: Caio Fernando Abreu, Lygia Fagundes Telles, Marina Colasanti, Nélida Piñon e Raduan Nassar, guardadas suas diferenças estéticas, mergulham no universo das personagens, revelando suas angústias, medos, frustrações, em narrativas marcadas pelo fluxo de consciência e intimismo. Crônica: ganha força na literatura contemporânea com Lourenço Diaféria, Rubem Braga, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Carlos Heitor Cony e Martha Medeiros. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

5 Tendências literárias Regionalismo: retomada da vertente regionalista com a incorporação de novos recursos narrativos. Destacam-se João Ubaldo Ribeiro, Bernardo Élis, José Cândido de Carvalho e Milton Hatoum. Romance urbano: destacam-se Luiz Alfredo Garcia-Roza, Patrícia Melo, Chico Buarque, Dalton Trevisan, Rubem Fonseca e Cristóvão Tezza. Poesia marginal: na década de 1970, surge a poesia marginal, tendência marcada pela publicação alternativa das obras e pela temática do humor e da irreverência em relação às grandes questões da época. Destacam-se Chacal, Charles, Ledusha, Ronaldo Bastos, Cacaso, Francisco Alvim, Glauco Matoso e Roberto Piva. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

6 Tendências literárias Prosaísmo: literatura marcada pela expressão lírica particular, seja pela reinvenção das palavras, pela valorização do prosaico ou pela exigência do exercício diferenciado do olhar do leitor. Destacam-se Manuel de Barros e Adélia Prado. Outros poetas: destacam-se, na poesia independente e na produção contemporânea, Paulo Leminski e seus haicais, Ana Cristina César, Alice Ruiz, Antônio Cícero, José Paulo Paes, Eucanaã Ferraz, Frederico Barbosa e Arnaldo Antunes. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

7 Narrado em primeira pessoa, o conto se inicia com uma justificativa para o fato de a narradora- -personagem resistir à ideia de ter um carro blindado. Nascida em 1961, em São Paulo, publicou os romances Azul e dura (2002), Não falei (2004) e Antonio (2007), além do livro de contos Meu amor, do qual foi extraída a narrativa Ficção, transcrita a seguir. Ficção Resisti ao carro blindado. Fumo, tenho claustrofobia, é ideologicamente nefasto, uma provocação perigosa. Enfim, a coisa piorou e passou a ser arrogante e irresponsável deixar-me morrer abrindo mão das defesas de que disponho. Tenho filhos, exerço uma liderança produtiva na sociedade, pesquiso as origens de nossa desarmonia social. Tenho pânico. E o pânico de ser atacada, machucada, Beatriz Bracher TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

8 humilhada e morta minava meu raciocínio. Cedi ao carro blindado. A energia que gasto andando em um é equivalente à que gastava andando em um não. Exige a mesma dose de alienação. Se desprotegida, qualquer pedestre é um assassino, quebraram-se os códigos morais capazes de deter sua ação predadora, o nosso fracasso. O medo dirige e transforma em hostilidade todo o humano, torno-me uma idiota. Se protegida, blindada, perco o contato. Sem medo não há vida, afastado o mal, o bem se vai, não faço parte, torno-me uma idiota. A rua é um espaço vazio que percorro no vácuo. O vazio não existe, é desejo vão. Tudo deixa A narradora denomina fracasso a incapacidade de deter uma ação predadora de um pedestre (um assassino em potencial). O que torna a narradora uma idiota é viver à mercê de um medo que dirige e transforma em hostilidade as pessoas. Mesmo protegida pela blindagem do veículo, a narradora permanece na condição de idiota. Nesse mesmo parágrafo, a narradora-personagem, que inicialmente se recusava a ter um carro blindado, faz uma nova lista (maior do que a primeira) para justificar o fato de, enfim, ter cedido ao desejo de adquiri-lo. Beatriz Bracher Consciente da desarmonia social de nossa sociedade, a narradora-personagem parece sentir-se culpada e alienada com o fato de ter um veículo (com ou sem blindagem). TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

9 sua marca. As artérias permanecem cheias e pulsantes, e o oco não existe. Se o sangue para de correr, seca e entope, os vermes alimentam-se, sempre haverá matéria viva a ocupar os corredores estreitos da cidade. Estava parada em um engarrafamento, no final de um dia poluído. O homem surgiu e bateu na janela com uma arma preta. O movimento de sua boca berrava e a voz chegava baixa. Passa o dinheiro, passa o dinheiro ou vai morrer. Agora, abre a janela, agora, agora, ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava louco para mim, olhava louco para mim. Ou vai morrer, ou vai morrer. Olhava sua boca, seus olhos, a arma preta, a aflição e a A autora utiliza um procedimento narrativo bastante moderno quando insere no texto um discurso direto (ou indireto livre), atribuído ao assaltante, sem prévia ou posterior marca verbal que o anuncie. Por meio dessa digressão, a narradora prenuncia, de maneira sutil, a entrada da personagem que transformará a cena: a matéria viva que ocupa os corredores estreitos da cidade. Ao afirmar que o movimento da boca berra em volume baixo, a autora cria uma metonímia que sugere à cena descrita a ideia de violência muda que caracteriza as grandes cidades. Beatriz Bracher TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

10 raiva e me convencia que era cinema. Não tentei explicar-lhe, ele entenderia. O vidro blindado transformava sua ação, eu podia olhar, observar os detalhes de sua roupa, a língua escura e o tamanho pequeno das mãos agarrando a arma preta. A arma preta apontada contra meus olhos, o canal oco da arma preta tremendo, argumento claro, abre, sua vaca, eu vou atirar. Minha curiosidade apática minava sua decisão, o argumento oscilava. O rapaz entendeu sua impossibilidade, titubeou, apoiou as mãos no vidro, uma fechada na arma, aproximou o rosto e cuspiu minha morte mais uma vez. Eram de um animal os olhos, a palma da O vidro blindado do carro da narradora transforma toda a cena em cinema e ela se torna uma espectadora com o poder de observar tudo em detalhes, de forma segura e contemplativa. Beatriz Bracher TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

11 A imagem de animal se desloca para a narradora. mão suada e a saliva. Furioso, enjaulado, um fila brasileiro latindo e pulando atrás das grades enquanto caminhamos na calçada. Ele segurou a arma com as duas mãos e mirou em meu rosto. Eu mirava calma e hipnotizada, intrigada com o fim. Um frio monstruoso me sobe do estômago e para meu coração. Hoje é dia de rodízio, eu não estou no blindado. Meus olhos pulam de horror, as mãos crispadas na boca aberta e hirta, sem qualquer possibilidade de voz, pedi piedade. O uso dos verbos subir e parar no presente do indicativo e a transformação física instauram uma mudança radical nos rumos da narrativa. A narradora se lembra de que está circulando em outro carro porque o número da placa de seu veículo blindado a impede de transitar no dia do rodízio, lei comum nas grandes cidades. No ápice da cena descrita, o assaltante transforma-se metaforicamente num cão fila que late e pula atrás de grades e a narradora, numa transeunte que caminha com tranquilidade e segurança pela calçada. Beatriz Bracher TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

12 Ele entendeu e riu. Num só golpe, quebrou o vidro com a mão da arma, esmurrou meu rosto e sumiu deixando o revólver de brinquedo no meu colo manchado com nosso sangue. BRACHER, Beatriz. Meu amor. São Paulo: Editora 34, p Beatriz Bracher Nova mudança se instaura: o vidro do carro é quebrado pelo assaltante que deixa a cena. Tanto a arma quanto o vidro blindado do carro apresentam-se como elementos falsos. A narradora-personagem e o assaltante, tão distantes inicialmente, parecem fazer parte de uma mesma encenação e o sangue passa a ser o elemento real que os assemelha. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS

13 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS (PUC-Campinas-SP, adaptado) A questão 2 refere-se ao texto a seguir. Perto do alpendre, o cheiro das açucenas-brancas se misturava com o do filho caçula. Então ela sentava no chão, rezava sozinha e chorava, desejando a volta de Omar. Antes de abandonar a casa, Zana via o vulto do pai e do esposo nos pesadelos das últimas noites, depois sentia a presença de ambos no quarto em que haviam dormido. Durante o dia eu a ouvia repetir as palavras do pesadelo, Eles andam por aqui, meu pai e Halim vieram me visitar... eles estão nesta casa, e ai de quem duvidasse disso com uma palavra, um gesto, um olhar. HATOUM, Milton. Dois irmãos. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR

14 2 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS RESPOSTA: C No fragmento do eslaide anterior: a) o autor descreve pormenorizadamente o que acontecia a Zana antes da noite em que ela deixou a casa em que morava, descrição exemplificada na primeira frase. b) o narrador em terceira pessoa, ao contar a história de Zana, revela-se onisciente, conhecedor da intimidade mais profunda da personagem, como se nota, por exemplo, em rezava sozinha e chorava. c) o narrador-personagem relata o que testemunhou sobre Zana, deixa o leitor ouvir a voz dessa personagem e comenta, inclusive, o comportamento da mulher de Halim, como se nota na última frase. d) o narrador em primeira pessoa ocupa-se prioritariamente com a caracterização do espaço – como se nota pela ocorrência de palavras como alpendre, chão, casa, quarto –, entendendo-o como determinante do estado psicológico da personagem. e) o narrador vale-se do discurso indireto para contar o que Zana repetia durante o dia, lembrando-se do pesadelo em que, sozinha, chorava pela partida de Omar. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR

15 5 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS RESPOSTA: E (ITA-SP) Leia o poema abaixo, Na contramão, de Chacal. ela ali tão sem eu aqui sem chão nós assim ninguém cada um na mão Acerca desse poema, considere as seguintes afirmações: I. Ele possui uma das marcas mais típicas da poesia contemporânea, que é a brevidade. II. É notória a informalidade da linguagem, que afasta o poema da tradição culta e erudita. III. Há um sentimentalismo contemporâneo que filtra os excessos da expressão sentimental. IV. Existe a persistência do tema do desencontro amoroso (tradicional na literatura). Está(ão) correta(s): a) apenas a I. b) apenas I e II. c) apenas I, II e III. d) apenas III e IV. e) todas. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR

16 7 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS RESPOSTA: B (Fuvest-SP) A borboleta Cada vez que o poeta cria uma borboleta, o leitor exclama: Olha uma borboleta! O crítico ajusta os nasóculos e, ante aquele pedaço esvoaçante de vida, murmura: – Ah!, sim, um lepidóptero… QUINTANA, Mário. Caderno H. Nasóculos: óculos sem hastes, ajustáveis ao nariz. Depreende-se desse fragmento que, para Mário Quintana: a) a crítica de poesia é meticulosa e exata quando acolhe e valoriza uma imagem poética. b) uma imagem poética logo se converte, na visão de um crítico, em um referente prosaico. c) o leitor e o poeta relacionam-se de maneira antagônica com o fenômeno poético. d) o poeta e o crítico sabem reconhecer a poesia de uma expressão como pedaço esvoaçante de vida. e) palavras como borboleta ou lepidóptero mostram que há convergência entre as linguagens da ciência e da poesia. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR

17 10 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS (Ufal) Meu poema é um tumulto: a fala que nele fala outras vozes arrasta em alarido. (estamos todos nós cheios de vozes que o mais das vezes mal cabem em nossa voz (...) GULLAR, Ferreira. Melhores poemas de Ferreira Gullar. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR

18 10 EXERC Í CIOS ESSENCIAIS RESPOSTA: B Considerando o trecho do poema e as funções da linguagem, é INCORRETO afirmar que: a) a função poética estabelece um jogo de palavras e sonoridades, o qual aponta para o desdobramento daquilo que está sendo dito e amplia a discussão sobre a multiplicidade. b) a função referencial imprime a esse trecho referências intimistas, com influências lírico-românticas, explícitas no jogo de palavras que multiplica as vozes do poema. c) a função metalinguística indica uma reflexão lírica sobre uma causa social e o eu lírico apresenta-se como o local da inscrição da multiplicidade e pluralidade. d) a função emotiva está desdobrada no jogo que o poeta estabelece entre as primeiras pessoas do singular e do plural, confirmando a proposta que a poesia, agora, é a voz de todos. TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS NO VESTIBULAR


Carregar ppt "TENDÊNCIAS CONTEMPORÂNEAS O que você deve saber sobre Muitas são as tendências que marcam a literatura contemporânea brasileira. Futuramente, caberá aos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google