A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Efeitos em dispositivos de pequenas dimensões.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Efeitos em dispositivos de pequenas dimensões."— Transcrição da apresentação:

1 Efeitos em dispositivos de pequenas dimensões.
IE733 – Prof. Jacobus Cap. 6 Efeitos em dispositivos de pequenas dimensões. (parte 1)

2 6.1 Introdução Canal Longo – Campo elétrico perpendicular à superfície (y). “Aproximação por canal gradual” Desprezados os efeitos de “borda” ao longo do canal. Análise Unidimensional Canal Curto - Campo elétrico na direção horizontal (x) e vertical (y); Canal Estreito - Campo elétrico na direção ortogonal (z) e vertical (y); Análise Bidimensional Canal Curto e Estreito - Campo elétrico na direção x, y e z; Análise Tridimensional

3 e se ↑ E → a velocidade dos portadores satura e “elétrons quentes” :
Introdução Ainda mais: Se ↓ dimensões, ↑↑ E, pois as tensões não são escalonadas na mesma proporção que as dimensões. e se ↑ E → a velocidade dos portadores satura e “elétrons quentes” : Degradação da confiabilidade do dispositivo. Analises 2D e 3D são elaboradas computacionalmente. SUPREM, MINIMOS, PISCES , etc. Aproximações empíricas e semi-empíricas também são utilizadas.

4 6.2 – Modulação do Comprimento do canal – CLM.
na saturação Classificado como 1o efeito de canal curto!! Sua caracterização é muito importante para o projeto de circuitos com dispositivos de canal curto ou longo, especialmente os analógicos. Modelo analítico muito complicado : devido às linhas de campo elétrico próximo ao dreno.

5 Na saturação (VDS = V’DS) o estrangulamento ocorre próximo ao dreno.
6.2 - CLM Modelo aproximado e resultados aceitáveis são obtidos da figura ao lado. Fig 6.2 Na saturação (VDS = V’DS) o estrangulamento ocorre próximo ao dreno. |Q’I| << região de depleção (fig6.2a). Se VDS ↑ |Q’I| ↓ e o estrangulamento desloca-se para a esquerda. Assumir a região de depleção na fig 6.2b é uma aproximação pois existe corrente nessa região - |Q’I| . Se VDS ↑ ↑, aumenta queda de potencial na região de depleção.  a região de depleção ↑ e o comprimento efetivo do canal ↓. - modulação do comprimento do canal -

6 |Q’I| << região de depleção.
6.2 - CLM A carga nessa região é dominada pelos íons aceitadores, NA. Usando a equação de Poisson, assumindo E aproximadamente horizontal próximo à superfície (Probl. 6.1): largura da região de depleção. onde E1 é o campo horizontal no ponto “pinchoff” Podemos ter definições alternativas para “pinchoff”: a) Quando o campo próximo ao dreno for alto suficiente para causar a saturação da velocidade dos portadores (para elétrons: 8x103 a 3x104 V/cm) - ver item 6.5. b) Quando o campo vertical na superfície for zero ou elétrons mergulham para abaixo da superfície (simulação 2D); Resumo: saturação começa quando E1 passa um valor crítico. Ajustar expe- rimentalmente. Por simplicidade adotar E1 fixo (entre 104 e 2x105Vcm-2

7 juntando as duas equações:
6.2 - CLM Qual o efeito na corrente de dreno? Na saturação, VDS = V’DS , IDS devido à parte não estrangulada. Quando VDS > V’DS juntando as duas equações: ou Se lp/L for <<1  é comumente usada nos modelos computacionais. Eq c onde: Na prática usa-se valores de ajustes ou empíricos para as constantes B1 e D.

8 O erro dessas equações na corrente de saturação é aceitável.
6.2 - CLM O erro dessas equações na corrente de saturação é aceitável. Porém, o erro da dIDS/dVDS pode ser grande. Em projetos de circuitos analógicos, esse modelo não é adequado. Deve-se incluir o efeito da tensão VGS na região do estrangulamento, considerar Q’I não zero e sua distribuição na região de inversão próximo ao dreno. Requer análise bidimensional ou pseudo-dimensional. O modelo mais aceito: Em é o campo máximo, E1 é o campo no início da região de estrangulamento e la é um comprimento característico.

9 Para aplicações digitais o erro de dIDS/dVDS pode não ser importante.
6.2 - CLM usando e fazendo a expansão por série de Taylor em VDS=V’DS,Prob.6.2 Tensão de Early B à 2x10-3 V.cm1/2 dependente de VGS e VDS: caso (a) intercept em –VA+V’DS = f(VGS) Outra aprox. empírica - caso (b) Para vários valores de VGS mesmo intercept em VA Esse tipo de comportamento é ~ observado em dispositivos reais.

10 Para garantir a continuidade na corrente e suas derivadas:
6.2 - CLM Reduzir o limite entre não satu-ração e saturação de V’DS p/ VDS ^ Define-se VDS onde as duas expressões de corrente têm a mesma derivada ^ 6.3 - Diminuição de Barreira, Compartilhamento Bidimensional de Carga e Tensão de Limiar.

11 6.3.2 – Dispositivos de canal curto.
6.3.1 – Introdução. Utilizar as aproximações do cap. 4 (modelo de inversão forte) usando o conceito de tensão de limiar efetiva, VTeff. VTeff = f (L,W,VBS,VDS) 6.3.2 – Dispositivos de canal curto. (a) - canal longo, assumindo VDS=0 Fig 6.4 (b) - desconsiderando os efeitos de borda, fonte e dreno hipotéticos. O cálculo de Q’I e IDS (Cap.4) apresenta resultados satisfatórios no caso de L longo.

12 Diminuição de Barreira
(c) Canal curto: efeitos de borda se estendem por quase todo o canal (d) Desconsiderando esses efeitos e S/D hipotéticos Verifica-se experimentalmente que o valor de VGS necessário para produzir um certo valor de IDS é menor num dispositivo real (c) quando se compara com o dispositivo hipotético (d). Fig 6.4 Existem vários pontos de vista para explicação deste efeito, um destes conceitos: Diminuição de Barreira Fig 6.5

13 ↑ potencial de superfície ↓barreira* de potencial para os elétrons.
Canal Curto Quanto mais próximo fonte e dreno (Fig.6.4c), mais profunda será a região de depleção,  maior será o potencial de superfície!! Em diagrama de bandas: ↑ potencial de superfície ↓barreira* de potencial para os elétrons. Mais elétrons serão atraídos para o canal, conduzindo mais corrente se comparado com o canal longo (mesmo VGS). Para descrever esse efeito: tensão de limiar efetiva, VT. ^ VT ^ VT ^ ↓ se L ↓ pode estar 50 a 200 mV abaixo de VT VT ^ Se ↑VDS, ↑ região de depleção,  ↓ se VDS ↑. Usando apenas o conceito de diminuição de barreira não é suficiente para desenvolver um resultado analítico simples.

14 Descrição alternativa: “Compartilhamento bidimensional de carga”
O controle das cargas no canal é compartilhada* pelos quatro terminais, fonte, dreno, porta e substrato. Num dispositivo de canal curto deve-se considerar a influência das linhas de campo dos quatro terminais sobre as cargas no canal para uma descrição mais precisa. O efeito da fonte e do dreno nas cargas no canal aumenta com a diminuição de L, para um mesmo VBS e VGS. Aumentando o potencial do dreno, aumenta-se as cargas na região de inversão, assim seria como se aumentasse VGS. ou seja; VT ^ VT ^ se L ↓ se VDS ↑

15 A maioria dos modelos analíticos e empíricos é baseado no conceito de carga compartilhada.
Canal Curto Procedimento empírico: Assume-se o dispositivo de canal curto fictício com uma região de depleção uniforme (Fig.6.4d), mas com carga efetiva QB menor que QB: ^ Q’B < Q’B (real) ^ Q’B / Q’B = QB / QB ^

16 |QB| < |QB| , DVTL é negativo. ^
Canal Curto O efeito de carga compartilhada resulta numa diminuição do efeito de corpo pelo fator: QB / QB ^ O controle das cargas no canal pelo substrato é menor, pois a maior parte do canal é controlado pela porta, fonte e dreno. Como |QB| < |QB| , DVTL é negativo. ^ Eq Deve-se encontrar o valor de VT (longo), descontar o valor correspondente DVTL para obter o valor de VT. ^

17 dj é a profundidade de junção, considerada cilíndrica.
Para a determinação de QB / QB: ^ Canal Curto dj é a profundidade de junção, considerada cilíndrica. Considerando inversão forte e bi0 Eq a fig 6.7 QB ^ é a carga na região trapezoidal, Fig 6.7a. QB é a carga correspondente a um retângulo de mesma profundidade e comprimento que o trapézio. Por geometria: (assumir sempre dB<L/2) Por série de Taylor: A expansão será mais precisa quanto menor for dB/dj, Fig. 6.7b Quando isso não ocorre, acrescenta-se um valor empírico para ajuste:

18 ↑VSB, a dependência de VT diminui.
Canal Curto O termo em parênteses pode ser considerado com uma redução efetiva no fator de corpo. ↓L, maior a redução. ↑VSB, a dependência de VT diminui. fig 6.8 Ou, usando eq , obtém-se: Se ↓L , tende a aumentar os efeitos de canal curto, Se ↓tox, tende a diminuir os efeitos de canal curto. Se compensam!

19 Os resultados anteriores são para VDS ↓.
Canal Curto - Efeito da tensão VDS. Os resultados anteriores são para VDS ↓. Porém, se VDS ↑ (VSB fixo) a região de depleção próximo ao dreno tam-bém aumenta. O trapézio será distorcido. Com aproximações, obtém-se: usando eq a VDB = VSB+VDS , usando expansão por série de Taylor: Onde b2 = Valores empíricos também podem ser usados.

20 Diminuição da barreira induzida pelo dreno – DIBL
Canal Curto Embora, utilizado o conceito de compartilhamento de carga, o fato de VT diminuir com VDS, sugere o mesmo comportamento obtido pelo efeito de diminuição da barreira,  Diminuição da barreira induzida pelo dreno – DIBL Drain induced barrier lowering O dispositivo pode não entrar em saturação, ↑VDS VT↓ (IDS ↑). Se o dispositivo está cortado por VGS↓, pode voltar a conduzir só aumentando VDS (VT ↓). Sérios problemas para aplicações digitais!!

21 O potencial mínimo para L=0.2mm é maior que L=0.3mm e L=0.5mm.
Análise 2D e pseudo-2D: VDS = 0 V: O potencial mínimo para L=0.2mm é maior que L=0.3mm e L=0.5mm. Diminuição da barreira e VT↓ VDS = 1.5V: Efeito de L e VDS no potencial de superfície. O potencial mínimo: a) para L=0.2mm é aumentado, b) para L=0.5mm não é afetado e c) para L=0.3mm um pequeno aumento. L=0.2mm – canal curto, apresenta efeito DIBL. L=0.3mm – está na borda entre canal curto e longo. L=0.5mm – canal longo.

22 Das soluções quase-2D de Poisson, propôs-se a seguinte equação:
onde:  = comprimento característico Comparando eq. Quase-2D com eq. compartilhamento de carga: Dependência exponencial é mais forte que a linear e mais próximo dos resultados experimentais Mostra dependência com dopagem do substrato ( se NA ), de acordo com experimental. Inclui efeito de VSB, incluso no parâmetro dB. Nenhum dos dois modelos inclui o efeito de xj. Experimentalmente o efeito aumenta com xj maior. Sugere-se incluí-lo de forma empírica de alguma forma. Qual modelo usar? Compartilhamento de cargas para simulação SPICE (mais compacto) Quase-2D para projeto ou engenharia de processo (mais completo).

23 Efeito reverso de canal curto (RSCE).
Sabe-se que ↓ L ↓VT, No entanto, freqüentemente é observado que primeiro VT↑ quando L ↓. Acredita-se que esse efeito deve-se à não uniformidade de Q’0 e NA ao longo do canal. A razão física da não uniformidade está fora do escopo do livro. O efeito deve ser minimi- zado na tecnologia

24 6.3.3 – Dispositivos de canal estreito.
Fig 6.13a – Largura ao longo do canal. Fig. 6.13 Fig.6.13b – LOCOS (local oxidation of silicon) – formação do “bico de passáro” Fig 6.13c - STI (shallow-trench isolation) usado na tecnologia CMOS 0.35mm e abaixo.

25 A região de depleção não fica limitada pela área do óxido de porta.
Canal Estreito Isolação LOCOS. A região de depleção não fica limitada pela área do óxido de porta. Campos laterais originados de cada lado na porta terminam nos átomos ionizados. Se W é grande, então uma pequena parcela da carga total é afetada pelos campos laterais. Se W for pequeno, a parcela da carga afetada não é desprezível. Fig.6.14 Neste caso, para depletar as cargas e formar uma camada de inversão, VGS deve ser maior que previsto no Cap.4. VM, VT e VH efetivos serão 

26 Utilizando as mesmas aproximações de canal curto, porém:
Canal Estreito QB1 > QB ^ Utilizando as mesmas aproximações de canal curto, porém: Adotando VDS ~ 0V : ^ Para determinar QB1/QB: a região de depleção tem secção transversal de ¼ de círculo - Fig.6.14a. 4 = 1 nominalmente, pode-se ajustar empiricamente

27 Se W↓, VT↑ - aumento de 50 a 200mV é típico para Wmin.
Canal Estreito Se W↓, VT↑ - aumento de 50 a 200mV é típico para Wmin. Porém se W↓↓, o conceito de tensão de limiar efetiva não é suficiente, deve-se incluir o conceito de largura efetiva de canal. Dado VGS ≥ VT e assumindo Q’I << Q’B: Razão de capacitâncias de porta para canal: real/ideal. CGB inclui as capacitâncias dos campos laterais, CF: ^ Extrair Cox e CF de medidas CxV.

28 Efeito inverso de canal estreito.
Isolação STI. Efeito inverso de canal estreito. Os campos laterais ajudam a manter a região de depleção mais profunda, aumentando o potencial de superfície, reduzindo VM, VT e VH efetivos. Para depletar essas cargas e formar uma camada de inversão, VGS será menor. dispositivo ideal real com campos laterais - STI Alternativa: tomar capacitância ideal e carga efetiva: onde:

29 tFox é a espessura do óxido de campo.
Pode-se mostrar que: Canal Estreito onde: tFox é a espessura do óxido de campo. Se W↓, QB1/QB ↓, VT ↓, assim como era para canal curto. ^ F é obtido através dos parâmetros físicos, porém é comum utilizá-lo como um parâmetro de ajuste. Nota: é possível reduzir a depen-dência com W, pelo arredondamen-to da quina do Si do STI.

30 6.3.4 – Resumo & Comentários. A tensão efetiva de limiar decresce quando: 1- A dopagem de substrato decresce (se NA  VT  ); 2- A espessura do óxido decresce (porém, se tox  VT  ); 3- Quando o comprimento do canal decresce (sem considerar o efeito reverso); 4- A profundidade de junção aumenta; 5- A largura do canal aumenta (LOCOS) ou diminui (STI). Esta metodologia permite manter os modelos de corrente de transistores grandes, corrigindo apenas o valor do VT efetivo. Apesar dos modelos serem baseados em considerações inadequadas, eles representam bem os dispositivos reais, devido ao grande número de parâmetros empíricos neles embutidos.


Carregar ppt "Efeitos em dispositivos de pequenas dimensões."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google