A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Biodiversidade e Mudanças Climáticas Dr. Carlos A. Joly Depto. Biologia Vegetal/IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade/NEPAM Coordenador Programa BIOTA/FAPESP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Biodiversidade e Mudanças Climáticas Dr. Carlos A. Joly Depto. Biologia Vegetal/IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade/NEPAM Coordenador Programa BIOTA/FAPESP."— Transcrição da apresentação:

1 Biodiversidade e Mudanças Climáticas Dr. Carlos A. Joly Depto. Biologia Vegetal/IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade/NEPAM Coordenador Programa BIOTA/FAPESP

2

3 No Estado de São Paulo a área coberta por florestas nativas caiu de 85% em 1500 para 13% in Cerca de 60% dos remanescentes de floresta nativa estão na Serra do Mar e Vale do Ribeira. Destes 50% está em Parques Estaduais.

4 No Estado de São Paulo a área coberta por Cerrado era de 14% em Em 1950 São Paulo detinha mais de 85% da área original de Cerrado. Em 2004 a área de Cerrado era inferior a 2% em cerca de fragmentos. Somente cerca de 10% da área remanescente de Cerrado está em Unidades de Conservação.

5 Devastação da Mata Atlântica no Sul da Bahia.

6

7 Modelagem de Espécies prob = F(x1,..., xN) Temperatura Precipitação O modelo de distribuição de uma espécie pode ser visto como uma função da probabilidade dela ocorrer em determinadas condições ambientais.

8 Construindo um modelo Pontos de ocorrência (latitude e longitude) de uma determinada espécie. Pi = (Lati, Longi)

9 Construindo um modelo Para cada ponto de ocorrência podemos obter dados específicos tanto de clima, como de solo, de relevo e de hidrografia. Utilizando estes dados e ferramentas de modelagem como GARP, MaxEnt, Bioclim, DIVA, etc podemos construir um MODELO do nicho desta espécie. Temperatura Precipitatção Temperatura Precipitação

10 Temperature Precipitation Mapa de distribuição de espécie O mapa de distribuição de uma espécie é o resultado da aplicação do modelo de nicho sobre o mapa de uma região geográfica para qual os parâmetros ambientais são conhecidos. É portanto um mapa georeferenciado com um grid de probabilidades de ocorrência da espécie its cells.

11 Distribuição de Terminalia argentea usando GARP

12

13

14

15 Na etapa seguinte projetamos as mudanças de temperatura e precipitação previstas pelos cenários otimistas (aumento de até 2 o C na temperatura média) e pessimistas (aumento de até 4 o C na temperatura média) do IPCC e geramos um novo modelo potencial de ocorrência da espécie.

16

17 Data on distributions and ecological dimensions Distributional data representing 15,657 records (i.e., unique species x latitude- longitude combinations) for 162 tree species occurring in Cerrado (sensu lato) were assembled from the Projeto de Cooperação Técnica Conservação e Manejoda Biodiversidade do Bioma Cerrado – EMBRAPA Cerrados – UnB – Ibama/DFID e RBGE/Reino Unido. Ecological niche modeling and dispersal assumptions. All modeling in this study was carried out on a desktop implementation of Genetic Algorithm for Ruleset Prediction (GARP) now available publicly for download (http://beta.lifemapper.org/desktopgarp/http://beta.lifemapper.org/desktopgarp/ Scenarios of climate change We assessed both a conservative and a less conservative view of how climates could change over the next 50 yr using the Hadley HHGSDX50 and HHGGAX50 scenarios (http://i p c c - d d c. c r u. u e a. a c. u k / c r u _ d a t a / e x a m i n e /HadCM2_info.html). The future projected climate data are provided at a spatial resolution of 2.5 x 3.75° (Carson 1999). To improve spatial resolution, however, following recommended methodologies (http://www.ipcc.ch/), we calculated expected changes in each climate variable for each scenario and each of the relatively coarse pixels via subtraction of future from present model results. These difference maps were then applied to the more detailed (0.5 x 0.5° cells) IPCC current climate data layers, which are developed and provided by the same organism, and which are intended to be parallel and consistent with the climate-model projections.

18 Qualea grandiflora Mart (Vochysiaceae) Acosmium subelegans (Mohl.)Yakovlev (Leguminosae) Área de ocorrência atual Área de possível ocorrência em 2055 – cenário otimista < 2 o C Área de possível ocorrência em 2055 – cenário pessimista > 3 o C

19 Qualea parviflora Mart (Vochysiaceae) Rapanea guianensis Aubl. (Myrsinaceae) Área de possível ocorrência em 2055 – cenário otimista Área de ocorrência atual Área de possível ocorrência em 2055 – cenário pessimista

20 Figure 2. Padrão de riqueza de espécies, considerando 162 espécies arbóreas de Cerrado, considerando o clima atual, o cenário otimista HHGSDX50 e o cenário pessimista HHGGAX50 Área de maior diversidade de espécies arbóreas no cenário otimista Área atualmente com a maior diversidade de espécies arbóreas Área de maior diversidade de espécies arbóreas no cenário pessimista

21 Área potencial de ocorrência de Cerrados no Estado de São Paulo Fragmentos atualmente existentes de Cerrados no Estado de São Paulo

22 7,6 % 11.4% Ribeiro et al Remanescentes 125 milhões de brasileiros

23

24

25 CENÁRIOS CLIMÁTICOS PARA O BRASIL

26 Geographic distribution of Calyptranthes grandifolia O. Berg. (Myrtaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming % - 30% Dados: Alexandre F. Colombo

27 Geographic distribution of Chrysophyllum flexuosum Mart. (Sapotaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming % 2 3 Dados: Alexandre F. Colombo - 30%

28 Geographic distribution of Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. (Euphorbiaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming. Dados: Alexandre F. Colombo % - 45%

29 Geographic distribution of Euterpe edulis Mart. (Arecaceae) – Palm hart. 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming. Areas of medium probability of occurrence Areas of low probability of occurrence Areas were the species does not occur Areas of registered occurrence or high probability of occurrence 1 2 3

30 Present geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato. Dados: Alexandre F. Colombo

31 2 Geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato in 2050 with the optimistic scenario. - 30%

32 - 65% Geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato in 2050 with the pessimistic scenario. Dados: Alexandre F. Colombo

33 Precipitação Temperatura

34

35 Hymenaea courbaril - Jatobá Experimentos em câmaras de topo aberto ppm CO ppm CO 2

36 720ppm 360ppm Aidar et al Efeito do aumento de CO 2 no estabelecimento de plântulas de jatobá. Biota Neotropica

37 Figure 9 – Responses of the light saturated net photosynthesis (Amax) for eophylls from Hymenaea courbaril seedlings with cotyledons to atmospheric CO 2 concentrations. Values for 360 and 720 pmm CO 2 concentrations were measured in our open top chambers; values for CO 2 concentration of 120 and 1200 ppm were obtained through the A x Ci curves simulated by IRGA (Li-Cor 6400). Aidar et al Efeito do aumento de CO 2 no estabelecimento de plântulas de jatobá. Biota Neotropica

38 O índice estomático se refere ao número de estômatos de uma folha dividido pelo número de células epidérmicas nesta mesma folha Hymenaea courbaril Hymenaea courbaril cultivada a 360 ppm CO 2 tem cerca de 70 mil estômatos por folha Hymenaea courbaril Hymenaea courbaril cultivada a 720 ppm CO 2 tem cerca de 50 mil estômatos por folha

39 Ja tobá Hymenaea courbaril Ja caré - Piptadenia gonoachanta Ja carandá - Dalbergia nigra Gua puruvú – Schyzolobium parahyba

40

41 Science, Vol 282, Issue 5388, , 16 October 1998 Changes in the Carbon Balance of Tropical Forests: Evidence from Long- Term Plots Oliver L. Phillips, * Yadvinder Malhi, * Niro Higuchi, William F. Laurance, Percy V. Núñez, Rodolfo M. Vásquez, Susan G. Laurance, Leandro V. Ferreira, Margaret Stern, Sandra Brown, John Grace Our results suggest that mature Neotropical forest biomass may account for ~40% of the so-called "missing" terrestrial C sink (36). Hence, intact forests may be helping to buffer the rate of increase in atmospheric CO 2, thereby reducing the impacts of global climate change. However, the C sink in mature forests appears vulnerable to several factors. There is likely to be an upper limit to the biomass a forest stand can hold. Moreover, deforestation, logging (37), increased fragmentation and edge-effect mortality (23, 24), regional drying and warming (38), and possible intensification of El Niño phenomena (39) may limit and even reverse the sink provided by mature forest

42 Science, Vol 284, Issue 5417, , 14 May 1999 Net Primary Production of a Forest Ecosystem with Experimental CO 2 Enrichment Evan H. DeLucia, Jason G. Hamilton, Shawna L. Naidu, Richard B. Thomas, Jeffrey A. Andrews, Adrien Finzi, Michael Lavine, Roser Matamala, Jacqueline E. Mohan, George R. Hendrey, William H. Schlesinger Seedlings or saplings exposed to two times the current atmospheric concentration of CO 2 in growth chambers, greenhouses, or open-top chambers have ~54% greater photosynthesis and ~31% greater biomass (4). These enhancements are considerably reduced when plants receive suboptimal amounts of other important resources such as nitrogen (5). Most studies of tree rings (6) show no increase in growth rate in response to the increase in atmospheric CO 2 that has occurred from the pre-industrial concentration of ~280 ppm to the current 360 ppm. Resource limitations in natural ecosystems and other ecological interactions including competition (7) may constrain the potential for forests to respond to increasing concentrations of CO

43 Here we show that, over the past two decades, forests in a central Amazonian landscape have experienced highly nonrandom changes in dynamics and composition. Our analyses are based on a network of 18 permanent plots unaffected by any detectable disturbance. Within these plots,rates of tree mortality, recruitment and growth have increased over time. Of 115 relatively abundant tree genera, 27 changed significantly in population density or basal areaa value nearly 14 times greater than that expected by chance. An independent, eight-year study in nearby forests corroborates these shifts in composition. Contrary to recent predictions, we observed no increase in pioneer trees. However, genera of faster-growing trees, including many canopy and emergent species, are increasing in dominance or density, whereas genera of slower-growing trees, including many subcanopy species, are declining. Rising atmospheric CO 2 concentrations may explain these changes, although the effects of this and other large- scale environmental alterations remain uncertain. These compositional changes could have important impacts on the carbon storage, dynamics and biota of Amazonian forests. Laurance et al 2004 Pervasive alteration of tree communities in undisturbed Amazonian forests. Natute 428:

44 Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA Mudança Climática e Agricultura

45 Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

46 Mudança Climática e Agricultura Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

47 Mudança Climática e Agricultura Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

48 Deficiências dos Modelos

49 Uso da Terra Clima Topografia Solos Hidrologia Informações do Meio Físico Desenvolver Cenários Regionais

50 Informações Biológicas INVENTÁRIOS AUTOECOLOGIA FUNCIONAMENTO DE ECOSSISTEMAS ECOFISIOLOGIA DINÂMICA & CICLAGEM ECOLOGIA DE POPULAÇÕES SERVIÇOS AMBIENTAIS

51 Social Science Data History of land use changes & managements Socioeconomic Data Political & Institutional Aspects Demography Urbanization Tendencies Human Dimensions Environmental Changes LOOKING TO THE FUTURE

52 Synergy of Drivers

53 Risco de extinção local/regional de espécies de abelhas nativas (Meliponini)

54

55 Informações Sócio- ambientais Informações Biológicas Informações do Meio Físico

56 fonte: Greenpeace 100 a 200 toneladas de Carbono por hectare

57 GEEs Emissions Mudança no Uso da Terra e Florestas 75% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais 2% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Indústria 7%

58 No Brasil a questão das mudanças climáticas está fortemente associada com a questão do uso sustentável da biodiversidade, pois 75% das nossas emissões de gases do efeito estufa (GEE) vem do desmatamento e da queima de nossa biodiversidade. Em minha opinião, a posição do governo brasileiro - apegando-se ao fato de historicamente termos contribuído só com 1% dos GEEs produzidos desde a revolução industrial, para justificar que o país não precisa ter metas de redução na sua taxa de emissão destes gases – é moralmente insustentável, pois usa o passado para comprometer o futuro. Com base nesta lógica o governo propõe uma redução do desmatamento, custeada com recursos internacionais, mas sem metas prefixadas e sem um sistema de fiscalização efetivo.

59 Contribuição Histórica do Brasil Elaborado pela equipe da COPPE ( Prof. Pinguelli) com base na proposta brasileira para Quioto em 1997 (MCT/MRE)

60 GEEs Emissions Mudança no Uso da Terra e Florestas 75% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais 2% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Indústria 7%

61 REMOÇÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA – Financiável pelo Protocolo de Kyoto Em parceria com os Consórcio/Comitês projetos de recomposição da vegetação nativa das ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – Mata Ciliar


Carregar ppt "Biodiversidade e Mudanças Climáticas Dr. Carlos A. Joly Depto. Biologia Vegetal/IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade/NEPAM Coordenador Programa BIOTA/FAPESP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google