A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento Antonio Miguel V. Monteiro REDE GALILEU – Petrobras, RJ – 8 de Fevereiro.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento Antonio Miguel V. Monteiro REDE GALILEU – Petrobras, RJ – 8 de Fevereiro."— Transcrição da apresentação:

1 Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento Antonio Miguel V. Monteiro REDE GALILEU – Petrobras, RJ – 8 de Fevereiro de 2007 Sistema Terra: A Agenda do INPE

2 Quem Somos 03/08/61 Dec. No /08/61 Dec. No Cria o Grupo de Organização da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (GOCNAE). Cria o Grupo de Organização da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (GOCNAE). 22/04/71 Dec. No /04/71 Dec. No Extingue o GOCNAE e cria o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Extingue o GOCNAE e cria o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Portaria Principal, Sede do INPE em São José dos Campos, SP

3 Sede do INPE, Vista Área, 2004, em São José dos Campos, SP 45 anos em 2006

4 Quem Somos Aprox Funcionários permanentes Aprox Funcionários permanentes ~300 Doutores, ~400 MsC e Engenheiros, ~200 Técnicos, ~400 Administrativos ~300 Doutores, ~400 MsC e Engenheiros, ~200 Técnicos, ~400 Administrativos Aprox Pesquisadores, Bolsistas, Contratados (Financiamentos Diversos) Aprox Pesquisadores, Bolsistas, Contratados (Financiamentos Diversos) [ ~600 Estudantes Doutorado/Mestrado em 6 Programas] [ ~600 Estudantes Doutorado/Mestrado em 6 Programas]

5 Onde Estamos: Nossas Instalações Nacionais INPE – Cachoeira Paulista – SP Produção Imagens/CPTEC/LAS-Combustão

6 Onde Estamos: Onde Estamos: Nossas Instalações Nacionais INPE - Centro Regional Sul Estação de São Martinho da Serra – RS (foto) Sede em Santa Maria – RS (Campus UFSM) INPE – Atibaia – SP Radio-Observatório de Itapetinga INPE – São Luís – MA Observatório Espacial de São Luís INPE – Eusébio – CE Rádio-Observatório Espacial do Nordeste - ROEN INPE – São Paulo – SP – Universidade Presbiteriana Mackenzie Centro de Radioastronomia e Aplicações Espaciais - CRAAE Centro de Rádio-Astronomia e Astrofísica Mackenzie – CRAAM INPE – Natal – RN – Centro Regional Natal Campus da Universidade Federal do RN INPE – Cuiabá – MT Unidade Regional de Cuiabá - ETC

7 O Problema ou a Oportunidade ? O recém divulgado relatório do IPCC sobre a base científica das mudanças climáticas conclui, com acima de 90% de confiança, que o aquecimento global dos últimos 50 anos é causado pelas atividades humanas O Brasil é vulnerável às mudanças climáticas atuais e mais ainda às que se projetam para o futuro

8 Fonte: IPCC 2007 WGI AR4 Cenários de Emissões: A2 = Business as usual (850 ppm em 2100) A1B = emissões crescem até 2050 depois decrescem (720 ppm em 2100) B1 = emissões crescem pouco até 2030 e decrescem para estabilização em 550 ppm Previsões de aquecimento global até 2100 para diferentes cenários de emissões

9 Aumento das chuvas na Bacia do Prata no verão Diminuição das chuvas no Brasil no inverno Fonte: IPCC 2007 WGI AR4 Mudanças na Precipitação para (% relativa a ) para Cenário A1B

10 T min subiu quase 1 C! Projeto Mudanças Climáticas (colaboração INPE, USP, FBDS) Relatório 2 (Obregón e Marengo, 2007) Temperaturas médias subiram de 0,7 C nos últimos 50 anos no Brasil!

11 Causa do Aumento das Chuvas: Variabilidade Natural ou Aquecimento Global? Aumento das chuvas no Sul do Brasil ( ) Projeto Mudanças Climáticas (colaboração INPE, USP, FBDS) Relatório 2 (Obregón e Marengo, 2007)

12 Anomalias de chuva anual [( )- ( )] em mm/dia A2 Anomalias da temperatura anual [( )- ( )] em o C B2 Seco Quente Projeto do INPE de Mudanças Climáticas (colaboração INPE, USP, FBDS)

13 Mudanças Climáticas e a Cultura do Café Arábica em Minas Gerais Verde: áreas mais propícias

14 Futuro dos Biomas Amazônicos? fontes: Oyama and Nobre, 2003 e Salazar, Oyama and Nobre, 2007 Savanização da Amazônia: um estado de equilíbrio na relação bioma-clima? floresta savana caatinga campos deserto

15 Impactos potenciais das mudanças climáticas no Brasil Ecossistemas Naturais Zonas Costeiras Agricultura e Silvicultura Recursos Hídricos Saúde Humana Desastres Naturais Energias Renováveis

16

17 Terra como um Sistema

18 Limites para os Modelos source: John Barrow (after David Ruelle) Complexity of the phenomenon Uncertainty on basic equations Solar System Dynamics Meteorology Chemical Reactions Hydrological Models Particle Physics Quantum Gravity Living Systems Global Change Social and Economic Systems

19 Rede Brasileira de Mudanças Climáticas (MCT) Programa CLIMA – FAPESP Centro de Ciência do Sistema Terrestre (INPE) Cenário Brasil: Simulação Sistema terrestre

20 Rede Brasileira de Mudanças Climáticas Cenários futuros de mudanças climáticas Cenários futuros de mudanças climáticas Impactos em Agricultura, Energias Renováveis, Desastres Naturais, Gerenciamento de Ecossistemas, Recursos Hídricos, Zonas Costeiras, Saúde Impactos em Agricultura, Energias Renováveis, Desastres Naturais, Gerenciamento de Ecossistemas, Recursos Hídricos, Zonas Costeiras, Saúde

21 Rede Brasileira de Mudanças Climáticas Estudos sobre Adaptação às Mudanças Climáticas Estudos sobre Adaptação às Mudanças Climáticas Tecnologias para Mitigação de Emissões de Gases de Efeito Estufa Tecnologias para Mitigação de Emissões de Gases de Efeito Estufa

22 INPE: Visão de Futuro Como o ambiente da Terra está mudando, e quais as consequências para a nossa civilização? fonte: IGBP Centro de excelência interdisciplinar em Ciência do Sistema Terrestre

23 Agenda INPE Agenda Científica Agenda Científica Resposta brasileira às mudanças globais Resposta brasileira às mudanças globais Agenda Tecnológica Agenda Tecnológica Programa espacial gerando inovação na indústria Programa espacial gerando inovação na indústria Agenda Social Agenda Social Benefícios sociais do programa espacial Benefícios sociais do programa espacial Saúde, cidades, gestão pública, defesa civil, energia Saúde, cidades, gestão pública, defesa civil, energia

24 Desafio: Aproveitar a Oportunidade Uma Janela de oportunidade se apresenta para o estabelecimento de uma agenda técnico-científica avançada, mobilizadora e integradora.

25 Para isso faz-se necessário planejar e organizar as vocações institucionais, ampliando a agenda científica para além das mudanças climáticas, com um caráter único e inovador, um foco temático na interface entre Ciência do Sistema Terrestre e uma agenda de Desenvolvimento para o País.

26 Essa temática caracteriza a idéia-força do INPE:Uma agenda focada em Ciência do Sistema Terrestre Desenvolvimento Ciência do Sistema Terrestre Desenvolvimento.

27 O Grande Desafio sem resposta, de como obter desenvolvimento econômico e social com base na equidade enquanto, ao mesmo tempo, se reduz a pressão sobre as variáveis ambientais do sistema, produz a grande oportunidade para a formulação de uma agenda para as aplicações e inovações derivadas de um programa em Ciência do Sistema Terrestre.

28 PE do INPE: Dezembro de 2006 Painel Internacional: Earth System Science Estudos Encomendados: Earth System Science in Brazil: Point of View Guy P. Brasseur Earth and Sun System LaboratoriesNational Center for Atmospheric ResearchBoulder ColoradoUSA Human Dimensions of Earth System Science Subsídios para o Painel Internacional sobre a Ciência do Sistema Terrestre Daniel Joseph Hogan NEPO, Universidade Estadual de Campinas A Study on Earth System Science J. Shukla, J. L. Kinter III, P. R. Houser President, Institute of Global Environment and Society (IGES) Director, Center for Ocean-Land-Atmosphere Studies (COLA) Director, Center for Research on Environment and Water (CREW)

29 Painel de Especialistas: Recomendações Uma contribuição única para um programa em Ciência do Sistema Terrestre, no caso do Brasil, seria o seu estabelecimento em torno de uma temática: Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento, que não se encontra na agenda global e estabelece uma necessidade do país Uma contribuição única para um programa em Ciência do Sistema Terrestre, no caso do Brasil, seria o seu estabelecimento em torno de uma temática: Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento, que não se encontra na agenda global e estabelece uma necessidade do país

30 Painel de Especialistas: Recomendações CST no Brasil: produção regular de cenários ambientais em décadas, em estreita colaboração com centros mundiais que fazem projeções na escala de séculos

31 Competências no INPE em Ciência do Sistema Terrestre Centro para Supercomputação em Modelagem: Operacional Modelagem atmosférica, oceânica, da cobertura vegetal e de usos da terra e produtos de previsão de tempo e clima

32 Competências no INPE em Ciência do Sistema Terrestre Modelagem e interações Sol-Terra Aplicações de dados de sensoriamento orbital Controle de operações de satélites e estações de coleta de dados

33 Competências no INPE em Ciência do Sistema Terrestre Um programa em Ciência do Sistema Terrestre, no INPE, que deve observar e estabelecer e/ou consolidar as colaborações necessárias com outros programas similares e/ou em áreas complementares já existentes no país e no mundo.

34 Foco Técnico-Científico: Interfaces para Modelos Regionais e Locais Interface Sol-Terra Interface oceano-atmosfera Interface terra-atmosfera Interface terra-oceano Interface tempo-clima Interface clima-sociedade Interface química-clima Interfaces entre sistemas biofísicos e sociais

35 x insuficiente competência nacional X X X X X X X X X X X X X X X X X X XX X X X Interfaces Modelos Regionais/Modelos Locais

36 Capacidade Instalada no INPE para Simulação do Sistema Terra

37 NEC SX-6 Onde Estamos: Infra-Estrutura de Supercomputação PByte 2007: Cluster Massivamente Paralelo de processadores e 5.7 TFlops 40 TFlops + armazenamento e energia

38 Nos próximos 5-10 anos, o desenvolvimento de uma nova geração de modelos e de métodos análise de dados vai necessitar de um pequeno número de centros de modelagem com facilidades computacionais com a capacidade de cálculo na ordem de petaflop (capability machines) e vários outros centros com facilidades computacionais com a capacidade de cálculo na ordem de teraflop (capacity machines). Onde Precisamos Estar: TFlops Center

39 O Brasil deve buscar estabelecer facilidades computacionais da ordem de teraflop, e deve estabelecer uma forte conecção com as facilidades globais na escala de petaflop O Brasil deve buscar estabelecer facilidades computacionais da ordem de teraflop, e deve estabelecer uma forte conecção com as facilidades globais na escala de petaflop. Onde Precisamos Estar: TFlops Center

40 Ciência do Sistema Terrestre no Brasil deve centrar sua operação em produzir, em bases regulares, cenários ambientais de 1 a 10 anos, com modelos em escala local e regional, e trabalhar em cooperação estreita com os centros que produzem projeções de 100 anos na escala global Ciência do Sistema Terrestre no Brasil deve centrar sua operação em produzir, em bases regulares, cenários ambientais de 1 a 10 anos, com modelos em escala local e regional, e trabalhar em cooperação estreita com os centros que produzem projeções de 100 anos na escala global O Que Produzir

41 Uma Infra-Estrutura de 20 TFlop Pico Exclusiva para os Modelos Integrados Regionais e Locais ( Poderíamos começar com 10 TFlop Pico !! ) ( Poderíamos começar com 10 TFlop Pico !! ) TFlop Center para esta Agenda

42 Programa CLIMA - FAPESP: Estágio Atual Programa FAPESP de Pesquisas em Mudanças Climáticas Globais: agenda científica e recursos anuais já definidos (R$ 12 milhões/ano por 10 anos) Programa FAPESP de Pesquisas em Mudanças Climáticas Globais: agenda científica e recursos anuais já definidos (R$ 12 milhões/ano por 10 anos) Baseado em programas anteriores de sucesso: Genoma, Biota Baseado em programas anteriores de sucesso: Genoma, Biota

43 Organização do programa FAPESP Chamadas periódicas de projetos de pesquisa Comitê Científico Coordenação Executiva (INPE) International Advisory Board Revisões bi-anuais

44 Compartilhar International Advisory Board entre os programas FAPESP-MCT Compartilhar International Advisory Board entre os programas FAPESP-MCT Compartilhar Coordenação Executiva da Rede Nacional MCT com o programa FAPESP (INPE) Compartilhar Coordenação Executiva da Rede Nacional MCT com o programa FAPESP (INPE) FAPESP considera co-financiar (20%) o supercomputador do INPE FAPESP considera co-financiar (20%) o supercomputador do INPE Programa CLIMA - FAPESP: Estágio Atual

45 Centro consolidado na área de previsão de tempo e clima com extensivo uso de modelos numéricos computacionais apoiados em máquinas de alto desempenho Centro consolidado na área de previsão de tempo e clima com extensivo uso de modelos numéricos computacionais apoiados em máquinas de alto desempenho Centro consolidado na área de aplicações de dados de sensoriamento orbital e com o controle da operação de satélites e estações de coleta, recepção e distribuição de dados orbitais variados Centro consolidado na área de aplicações de dados de sensoriamento orbital e com o controle da operação de satélites e estações de coleta, recepção e distribuição de dados orbitais variados O que o INPE tem a Oferecer

46 História de competência técnico-científica, que inclui grupos de excelência com trabalhos em várias das áreas associadas a Ciência do Sistema Terrestre Experiência consolidada em cooperações técnico-científicas internacionais com diversos graus de participação em grandes projetos interdisciplinares e inter-institucionais e interfaces com os centros globais de modelagem e simulação

47 O INPE tem relações estabelecidas e consolidadas com os grandes centros de modelagem climática e ambiental no mundo INPE tem uma Agenda O INPE tem uma Agenda Palavra Mágica ( Díficil !) : Cooperação !!

48 Obrigado! Cortesia do Slide: Guy Brasseur, NCAR, EUA


Carregar ppt "Ciência do Sistema Terrestre e Desenvolvimento Antonio Miguel V. Monteiro REDE GALILEU – Petrobras, RJ – 8 de Fevereiro."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google