A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Caracterização Molecular de Cultivares de Videira. Instituto Agronômico de Campinas Haiko Enok Sawazaki.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Caracterização Molecular de Cultivares de Videira. Instituto Agronômico de Campinas Haiko Enok Sawazaki."— Transcrição da apresentação:

1 Caracterização Molecular de Cultivares de Videira. Instituto Agronômico de Campinas Haiko Enok Sawazaki

2 OS OBJECTIVOS E INTERESSES DOS PRODUTORES DE VINHOS E VINHAS DIFEREM Produtor vinhas: grande produtividade e uvas com muita doçura Produtor vinhos: bons vinhos. PARA A VITIVINICULTURA FUNCIONAR: Método de determinar a "qualidade enológica" das uvas que permita estabelecer um sistema em que essa qualidade seja paga, de modo a que comece a haver uma sintonia entre os viticultores e os enólogos.

3 FATORES DETERMINANTES DA QUALIDADE DAS UVA PARA A VINIFICAÇÃO: Material biológico Características fixas da vinha Características variáveis da vinha Tipo de cultivo da vinha

4 A CULTIVAR DE UMA VIDEIRA OU DE UM PORTA- ENXERTO É FUNDAMENTAL COMO DETERMINANTE DA QUALIDADE. a) Cultivares diferentes têm custos diferenciais. b) O tipo de viticultura desejada requer cultivares específicas. c) Uvas e vinhos produzidos por cultivares diferentes têm características qualiquantitativas e preços diversos. d) O viticultor é legalmente responsável por assegurar que as cultivares declaradas são as que estão plantadas. Fazendo-se essa determinação de cultivar torna-se possível aplicar um critério de qualidade em que as boas cultivares sejam melhor pagas, o que levará a um incentivo de qualidade para os viticultores.

5 O problema é que embora haja cultivares que sejam perfeitamente distinguíveis a olho nu, há muitas cultivares com características de matéria prima enológica muito diferentes, mas com aparências muito similares. A acrescentar a isso, a influência ambiental dá um grande grau de variabilidade ao fenótipo (o resultado visível da interação entre a herança genética e o ambiente), levando a uma dificuldade de identificação de certas cultivares.

6 Além da caracterização genética e avaliação serem importantes para conhecimento da qualidade e potencialidade do germoplasma de uma videira, para se patentear a criação de um vinho tipicamente paulista é necessário o fingerprinting do genoma da videira utilizada para a fabricação. Ou seja, para o estabelecimento de uma coleção genética com as principais variedades de uvas destinadas à produção de vinhos comuns, finos e derivados, a caracterização genética é importante para se criar o perfil genético- molecular característico da cultivar de videira.

7 Principalmente para cultivares que não foram ainda caracterizadas geneticamente como a uva Máximo IAC 138 desenvolvida em 1946 pelo Dr. Santos Costa no instituto agronômico através da hibridização entre uma Shiraz e Seibel (híbrido de V. vinifera desenvolvido na França para tolerância a doenças), assim como outros cultivares nacionais como Rainha, Madalena.

8 Ampelografia, método de utilização generalizada na identificação de cultivares de uva pela análise e comparação de características morfológicas de folhas, tipo de brotos, cachos e tipo de baga. Apresenta desvantagens inerentes ao fato de utilizar as características fenotípicas da videira, características influenciadas pelo ambiente.

9 CÉLULA: UNIDADE FUNDAMENTAL DOS ORGANISMOS QUE DÁ ORIGEM A OUTRA CÉLULA COMPONENTES –PAREDE CELULAR, CITOPLASMA, ORGANELAS, NÚCLEO COM MATERIAL GENÉTICO (MASSA COMPACTA DE ÁCIDOS NUCLÉICOS LIGADOS A PROTEÍNAS ESPECÍFICAS CHAMADAS CROMATINA QUE NO ESTÁGIO DE DIVISÃO CELULAR PODE SER VISTA NA FORMA DE PARTÍCULAS LARGAS: OS CROMOSSOMOS, OS QUAIS SÃO DUPLICADOS LEVANDO A INFORMAÇÃO GENÉTICA.

10 COMPOSIÇÃO DOS ÁCIDOS NUCLÉICOS:

11 WATSON & CRICK (1953): TEORIA DA DUPLA HÉLICE DO DNA AS 2 FITAS DA CADEIA POLINUCLEOTÍDEO SÃO CONECTADAS POR LIGAÇÕES DE HIDROGÊNIO ENTRE AS BASES NITROGENADAS: PORTANTO A ADENINA SE LIGA APENAS A TIMINA (OU URACILA) E A GUANINA APENAS A CITOSINA. SÃO CHAMADAS BASES COMPLEMENTARES EM REAÇÕES DE PAREAMENTO DE BASES.

12 -PCR- TÉCNICA QUE AMPLIFICA SEQUÊNCIAS DE DNA IN VITRO- MILLIS E OUTROS (1987) – PRINCÍPIO KORONA E OUTROS (1971). UTILIZA A TAQ DNA POLIMERASE- ESTÁVEL A ALTA TEMPERATURA

13 Marcadores Moleculares

14 Visando caracterizar os cultivares de videira, tentou-se estabelecer um fingerprinting específico para cada cultivar, através da metodologia molecular Expressed sequence tag polymorphism (ESTP), aliada à restrição de sítios específicos. Marcadores ESTP (Expressed sequence tag polymorphism) podem ser facilmente testados por PCR (polymerase chain reaction) e são conhecidos ser mais conservados que os microsatélites.

15 Figura2. Perfil de PCR com 9 EST-primers para as cultivares A= Máximo, B=Madalena, C=Rainha.

16

17

18 136/107e108/Ra e Mx: PspHI, BstEII, BseRI, StuI 136/107e108/Md: PspHI, BstEII, BseRI,SduI, PspXI 28/121/Mx; BbvI, TseI, BsvI, Eco5I, GsuI, PspXI 28/121/Ra: /Mx; BsvI, Eco5I. GsuI, PspXI

19


Carregar ppt "Caracterização Molecular de Cultivares de Videira. Instituto Agronômico de Campinas Haiko Enok Sawazaki."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google