A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

SALVAÇÃO E LIBERTAÇÃO o problema da história 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "SALVAÇÃO E LIBERTAÇÃO o problema da história 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais."— Transcrição da apresentação:

1 SALVAÇÃO E LIBERTAÇÃO o problema da história 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

2 Primeira tese O problema da história se constitui como nova tarefa para a eclesiologia, para a teologia... 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

3 As várias formulações teológicas até o advento da Modernidade não colocavam a relevância e a contundência da questão da história para a reflexão teológica. Parecia que as grandes questões teológicas encerravam-se em si mesmas: tinham seu fim nelas próprias. A recuperação da história, sob um novo enfoque, constituiu-se no século XX, em especial na teologia católica, uma reviravolta no fazer teológico, uma vez que esta noção era estranha para teologia escolástica predominante até então. O esforço filosófico contemporâneo, de Hegel a Marx e até Bergson, colocou-a [a história] no centro do pensamento moderno. Ora a noção de história é estranha ao tomismo (GIBELLINI, p. 262). 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

4 Questão Se a tese acima se sustenta, a saber, que até o advento da Modernidade a história não se constituía como um problema relevante (fundamental) para a teologia, o que foi que provocou a emergência do problema da história como tarefa para a teologia? 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

5 Razões da constituição da historicidade como tema, problema ou tarefa da teologia: Na teologia européia: - A questão pós-guerra. - O tempo como categoria filosófica fundamental. - A influência do marxismo. - Progresso humano: sujeito da história. Na teologia da libertação: - O clamor do povo oprimido: num mundo de exploração, opressão, marginalização somente faz sentido falar em salvação se esta alcança uma dimensão histórica. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

6 Depois de uma matematização do pensamento moderno por Descartes, em que a historicidade é algo que impede a clareza e a evidência e de uma centralização do pensamento humano na teoria do conhecimento justificado na relação de sujeito e objeto, sendo que nenhum serve para contemplar o conceito e a acontecência da História, Kant dá um sentido novo para a história. É com Kant que se inicia a História da Filosofia, e também a história de qualquer área do pensamento. A história passa a ser um elemento determinante do pensamento humano, sobretudo, na área das ciências humanas, em que a filosofia e a própria teologia tem destaque. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

7 O elemento central da história, o tempo, recebe uma compreensão nova. Não é algo em que alguma coisa acontece e vai marcando uma história como uma sucessão de fatos. O tempo é o elemento central donde a sensibilidade e o entendimento são possíveis. O conhecimento, a verdade, o pensamento se dão na temporalidade. Toda a tradição, contudo, que provém desde a época clássica, inclusive a teologia, coloca a verdade como a que atravessa a temporalidade, estando para além de toda temporalidade; o que na história muda ou transforma é concebido como desvios. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

8 Segunda tese A valorização histórica excessiva do aspecto quantitativo/extensivo da salvação representou um problema para seu aspecto qualitativo/intensivo. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

9 -Aspecto quantitativo/extensivo da salvação expresso na fórmula milenar: Fora da Igreja não há salvação, tendo como grande questão teológica: como uma pessoa que está fora do alcance da graça depositada na Igreja pode conseguir a salvação? -Com a predominância, na teologia católica, da concepção de Igreja como Sociedade perfeita, a noção fora da Igreja não há salvação sempre recebeu grande destaque. Pois tal concepção compreende que a Igreja reúne em si todos os meios necessários para alcançar a salvação. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

10 -Compreendida dentro de um conceito de Cristandade, possibilita associar a idéia de missão como conquista de todos os ainda não membros para dentro da Cristandade. São as noções que tiveram sua expressão mais acentuada no Concílio de Trento, justamente no contexto da polêmica com a emergência do luteranismo. -A emergência da problemática histórica estendeu a compreensão da noção de salvação para o aspecto qualitativo/intensivo, isto é, valorização da ação do ser humano na história, portanto, para além das barreiras visíveis da Igreja: Fora da salvação não há Igreja, ou, ainda, Fora dos pobres não há salvação. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

11 Schillebeeckx vai dizer que fora do mundo não há salvação: o mundo e a história, enquanto criação de Deus, é o lugar no qual Deus leva a cabo sua obra salvífica em e através das mediações humanas. À medida que a universalidade da salvação vai ganhando terreno, o nexo entre salvação e historicidade é intensificado, com conseqüências teológicas profundas. O documento Lumen Gentium do Concílio Vaticano II vai expressar: os homens já aceitam em parte a comunhão com Deus, mesmo quando não chegam a confessar explicitamente a Cristo como seu Senhor, na medida em que, movidos pela graça (...) renunciam ao próprio egoísmo e procuram criar uma autêntica fraternidade entre os homens (LG 16). 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

12 Terceira tese Há uma diversidade de pressupostos, pontos de partida, desenvolvimentos e enfoques da teologia da história, destacando-se, entretanto, duas vertentes: escatologismo e encarnacionismo. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

13 Cullmann: Deus se revela em uma história da salvação. Situa os fatos salvíficos num contexto temporal, da criação à parusia, sendo Cristo o centro. Tem como pressuposto uma concepção de linha ondulada do tempo e da história (ondulada porque podem ocorrer logos desvios). A salvação transcorre na história, numa tensão entre o já e o ainda não. Na TdL esta tensão terá um grande alcance: o Reino de Deus conhece desde já realizações, mas elas não são a chegada do Reino, nem toda a salvação. São antecipações (já), com todas as ambivalências, de uma plenitude que se só se dará para além (ainda não) da história. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

14 A partir daí outros desenvolvimentos na teologia católica, em duas perspectivas: escatologismo (Bouyer e Daniélou) e encarnacionismo (Thils e Malevez). Em forma de esquema Encarnacionismo(Thils e Malevez) Já A eternidade é um fruto da flor do presente. Escatologismo (Bouyer e Daniélou) Ainda não A eternidade não é um fruto da flor do presente

15 Daniélou: há uma escatologia iniciada. Critica Cullmann por reduzir o já, isto é, por dar pouca ênfase ao tempo da Igreja e à sua ação sacramental. Reino de Deus é entendido por Daniélou no âmbito cultual. Cullmann, por sua vez, acusa a teologia católica de reduzir a tensão para o ainda não em favor do já, que fica sendo um corolário do modo católico de viver a experiência da Igreja (GIBELLINI, p. 263). A verdadeira história é a história sagrada. Há uma descontinuidade entre as duas histórias. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

16 Bouyer: transcendência e dualismo. Converter o mundo redunda numa conversão ao mundo. Relação de oposição entre a história sagrada e a profana. O Novo Testamento oferece, em sua visão da história que-está-por- vir, uma intransponível dualidade (GIBELLINI, p. 263). Não vê continuidade entre Reino e esforço humano. Não somos nós, mediante nossos esforços, mesmo quando sustentados pela graça, que iremos mudar o mundo a partir de seu interior para fazer dele o Reino, pois entende, ao inverso, a nova criação é a morte da antiga (GIBELLINI, p. 264). A eternidade de modo algum seria um fruto do qual o tempo presente seria a flor. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

17 Malevez: A eternidade é um fruto da flor do presente. Sem o dom do verão radioso que desce do céu, não existe nenhuma maturação no outono, mas isso não significa que a o fruto maduro não estivesse contido e sendo elaborado na florescência da primavera (GIBELLINI, p. 268). O Reino de Deus vem do alto (graça - verão radioso) e cresce a partir de baixo (esforço humano - primavera). 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

18 Thils: Qual é o sentido da história para o cristianismo? Relação entre Evangelho e mundo (cultural): reflete teologicamente as realidades terrenas enquanto cultura, civilização, técnica, arte, trabalho. O Espírito atua na realidade cultural e social. Distingue três tipos de cristãos: liberal, adapta-se ao mundo; de encarnação, transforma o mundo; de transcendência, nega o mundo. Transcendência e encarnação: transcendência do Reino e seu crescimento na história. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

19 CullmannA salvação transcorre na história, numa tensão entre o já e o ainda não. DaniélouA verdadeira história é a história sagrada. Há uma descontinuidade entre Reino de Deus e progresso humano. BouyerRelação de oposição entre a história sagrada e a profana. A eternidade de modo algum seria um fruto do qual o tempo presente seria a flor. MalevezA eternidade é um fruto da flor do presente. ThilsO Espírito atua na realidade cultural e social. Transcendência do Reino e seu crescimento na história. PannenbergDeus se auto-revela por intermédio dos fatos históricos. TdLHá apenas uma realidade na qual intervém Deus e o ser humano. O Reino de Deus já presente na história, ainda não alcança nela seu pelo cumprimento. LuteroIrredutível conexão entre graça e imperativo ético. Ellacuría e Gutiérrez Os fatos salvíficos, reveladores e comunicadores de Deus, realizam-se na história. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

20 Quarta tese A revelação se refere à totalidade da história. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

21 Pannenberg parte do pressuposto de que Deus se auto-revela (idéia hegeliana da auto-manifestação do absoluto) por intermédio dos fatos históricos. E se Deus se revela na história, esta revelação deve referir-se à totalidade da história, com sentido de universalidade. A revelação histórica está aberta a quem tem olhos para ver, e tem caráter universal (ELLACURÍA, p. 351). Pannenberg pretende enfrentar os problemas levantados pelo iluminismo, a saber, o questionamento da autoridade da revelação bíblica. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

22 Deus não se auto-revela diretamente por sua palavra endereçada ao ser humano, e sim indiretamente, por meio de suas intervenções na história. Não é a história como tal que é a revelação de Deus (Hegel - história como revelação), mas sim a revelação acontece em fatos históricos, em fatos realizados por Deus na história (revelação como história). Isso só pode ser obtido por meio da história, que está aí diante dos olhos de todos. Portanto, revelação como história, e não revelação como palavra autoritária de Deus; teologia da história como alternativa pós-iluminista à teologia da palavra (GIBELLINI, p. 275). 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

23 Quinta tese Há apenas uma realidade na qual intervêm Deus e o ser humano. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

24 Há apenas uma realidade na qual intervém Deus e o ser humano. A história da salvação é a própria entranha da história humana (GUTIÉRREZ, p. 205). Pode-se separar Deus da história, porém não se pode separar de Deus a história (ELLACURÍA, p. 326). A história se apresenta com o lugar pleno da transcendência: a salvação não chega a sua plenitude caso não se alcance a dimensão histórica da mesma. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

25 Uma sadia e fecunda teologia da libertação, vai dizer Gutiérrez, se situa no contexto de uma teologia do Reino de Deus [...] Já presente na história, ainda não alcança nela seu pelo cumprimento (p. 238). A história da salvação não chega a sua plenitude caso não alcança sua dimensão histórica. A transcendência se apresenta como histórica e a história se apresenta como transcendente. Alguns exemplos: 1 – Jesus Cristo: mistério transcendente de sua humanidade. 2 – Igreja: histórica (palpável) e mistério (sacramento). 3 – Livros sagrados: ação do homem e presença de Deus. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

26 Transcendência e história nem se reduzem (monismo) nem se contrapõem (dualismo) uma à outra, mas constituem uma unidade estrutural. Obs.: O fato de separar, didaticamente, por uma questão de procedimento epistemológico, para apontar as distinções e especificidades de dimensões constitutivas da história (sagrada, profana, cultural, política, social, econômica), não significa que se esteja operando com realidades diversas, isto é, com histórias distintas. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

27 Sexta tese Os fatos salvíficos bíblicos são históricos e os fatos históricos são salvíficos. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

28 A fé bíblica é, antes de tudo, uma fé em um Deus que se revela em acontecimentos históricos. Em um Deus que salva na história (GUTIÉRREZ, p. 206). Tanto Gutiérrez quanto Ellacuría fundamentam suas compreensões teológicas sobre salvação/libertação a partir do caráter salvífico dos fatos históricos. Entendem que os grandes fatos salvíficos, reveladores e comunicadores de Deus, realizam-se na história. Exemplos bíblicos: 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais

29 1 – A saída do povo de Deus do Egito: a) como fato histórico; b) como fato salvífico de fundamental importância para o plano de Javé em relação ao seu povo. 2 – Moisés: a) homem que utiliza meios e artimanhas para realizar o fato histórico-salvífico; b) apesar da ação de Moisés, o povo de Deus acredita ser Javé que está liderando a saída. V on Rad, ao fazer as descobertas dos credos históricos, já acenava para a relevância dessa perspectiva. E apontava para alguns eixos que perpassam os textos bíblicos, tais como, Aliança, Conflito, Êxodo, Utopia, e que sinalizam essa articulação entre a salvação e a história. 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais


Carregar ppt "SALVAÇÃO E LIBERTAÇÃO o problema da história 1ª Sessão: questões bíblicas, teológicas e filosóficas atuais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google