A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mudanças Climática e Biodiversidade na Região Neotropical Dr. Carlos A. Joly Depto. Botânica – IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade – NEPAM.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mudanças Climática e Biodiversidade na Região Neotropical Dr. Carlos A. Joly Depto. Botânica – IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade – NEPAM."— Transcrição da apresentação:

1 Mudanças Climática e Biodiversidade na Região Neotropical Dr. Carlos A. Joly Depto. Botânica – IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade – NEPAM

2 Figure 3. Comparison of observed continental- and global-scale changes in surface temperature with results simulated by climate models using natural and anthropogenic forcings. Decadal averages of observations are shown for the period 1906–2005 (black line) plotted against the centre of the decade and relative to the corresponding average for 1901–1950. Lines are dashed where spatial coverage is less than 50%. Blue shaded bands show the 5–95% range for 19 simulations from 5 climate models using only the natural forcings due to solar activity and volcanoes. Red shaded bands show the 5–95% range for 58 simulations from 14 climate models using both natural and anthropogenic forcings. IPCC WGI SPM, 2007

3

4 Data on distributions and ecological dimensions Distributional data representing 15,657 records (i.e., unique species x latitude- longitude combinations) for 162 tree species occurring in Cerrado (sensu lato) were assembled from the Projeto de Cooperação Técnica Conservação e Manejoda Biodiversidade do Bioma Cerrado – EMBRAPA Cerrados – UnB – Ibama/DFID e RBGE/Reino Unido. Ecological niche modeling and dispersal assumptions. All modeling in this study was carried out on a desktop implementation of Genetic Algorithm for Ruleset Prediction (GARP) now available publicly for download (http://beta.lifemapper.org/desktopgarp/http://beta.lifemapper.org/desktopgarp/ Scenarios of climate change We assessed both a conservative and a less conservative view of how climates could change over the next 50 yr using the Hadley HHGSDX50 and HHGGAX50 scenarios (http://i p c c - d d c. c r u. u e a. a c. u k / c r u _ d a t a / e x a m i n e /HadCM2_info.html). The future projected climate data are provided at a spatial resolution of 2.5 x 3.75° (Carson 1999). To improve spatial resolution, however, following recommended methodologies (http://www.ipcc.ch/), we calculated expected changes in each climate variable for each scenario and each of the relatively coarse pixels via subtraction of future from present model results. These difference maps were then applied to the more detailed (0.5 x 0.5° cells) IPCC current climate data layers, which are developed and provided by the same organism, and which are intended to be parallel and consistent with the climate-model projections.

5 Construindo um modelo Pontos de ocorrência, determinado pelas coordenadas geográficas, latitude e longitude) de uma determinada espécie. Para cada ponto temos as condições climáticas, pedológicas e de drenagem. Portanto podemos construir o Nicho Potencial de Ocorrência das espécies. Pi = (Lati, Longi)

6 Imagens /Uso da Terra Clima Relevo Solos Drenagem Informações do Meio Físico

7 Temperatura Precipitação Construnimdo um modelo Com base no Nicho Potencial de Ocorrência determinado, são utilizados algoritmos (GARP, GAM, Bioclim, Artificial Neural Networks, etc) para projetar a possibilidade de ocorrência da espécies em áreas não estudadas e/ou as possíveis alterações na distribuição da espécie em decorrência de alterações nos parâmetros ambientais. Temperatura Precipitação

8 Distribuição de Terminalia argentea usando GARP No caso desta espécie, por exemplo, o mapa acima mostra o nicho atual da espécie. As áreas mais escuras são o nicho preferencial, onde há 100% de probabilidade de ocorrência da espécie. Nas áreas mais claras a espécie pode, eventualmente, ocorrer, mas a probabilidade é baixa.

9

10 Na etapa seguinte projetamos as mudanças de temperatura e precipitação previstas pelos cenários otimistas (aumento de até 2 o C na temperatura média) e pessimistas (aumento de até 4 o C na temperatura média) do IPCC e geramos um novo modelo potencial de ocorrência da espécie.

11 Qualea grandiflora Mart (Vochysiaceae) Acosmium subelegans (Mohl.)Yakovlev (Leguminosae) Área de ocorrência atual Área de possível ocorrência em 2055 – cenário otimista < 2 o C Área de possível ocorrência em 2055 – cenário pessimista > 3 o C

12 Qualea parviflora Mart (Vochysiaceae) Rapanea guianensis Aubl. (Myrsinaceae) Área de possível ocorrência em 2055 – cenário otimista Área de ocorrência atual Área de possível ocorrência em 2055 – cenário pessimista

13 Figure 2. Patterns of predicted species richness among the 162 species of cerrado trees analyzed in the core distributional area of cerrado incentral and eastern Brazil. Top, present ( ); middle, HHGSDX50 (conservative) climate change scenario; and bottom, HHGGAX50 (less conservative) climate change scenario. Área de maior diversidade de espécies arbóreas no cenário otimista Área atualmente com a maior diversidade de espécies arbóreas Área de maior diversidade de espécies arbóreas no cenário pessimista

14 Área potencial de ocorrência de Cerrados no Estado de São Paulo Fragmentos atualmente existentes de Cerrados no Estado de São Paulo

15 Segundo CONAMA/92 e Decreto 750/93 área original: mil km 2

16

17 CENÁRIOS CLIMÁTICOS PARA O BRASIL

18 Geographic distribution of Calyptranthes grandifolia O. Berg. (Myrtaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming % - 30% Dados: Alexandre F. Colombo

19 Geographic distribution of Chrysophyllum flexuosum Mart. (Sapotaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming % 2 3 Dados: Alexandre F. Colombo - 30%

20 Geographic distribution of Alchornea triplinervia (Spreng.) Müll. Arg. (Euphorbiaceae) 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming. Dados: Alexandre F. Colombo % - 45%

21 Geographic distribution of Euterpe edulis Mart. (Arecaceae) – Palm hart. 1 – present registered occurrence; 2 projection of occurrence area in 2050 with the optimistic scenario; 3 projection of occurrence area in 2050 with the pessimistic scenario of global warming. Areas of medium probability of occurrence Areas of low probability of occurrence Areas were the species does not occur Areas of registered occurrence or high probability of occurrence 1 2 3

22 Present geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato. Dados: Alexandre F. Colombo

23 2 Geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato in 2050 with the optimistic scenario. - 30%

24 - 65% Geographic distribution of Mata Atlântica sensu lato in 2050 with the pessimistic scenario. Dados: Alexandre F. Colombo

25 Precipitação Temperatura

26 Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA Mudança Climática e Agricultura

27 Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

28 Mudança Climática e Agricultura Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

29 Mudança Climática e Agricultura Fonte: Hilton Silveira Pinto, Eduardo Delgado Assad & Jurandir Zullo Junior CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA CEPAGRI / UNICAMP CNPTIA / EMBRAPA

30 Deficiências dos Modelos

31 Imagens /Uso da Terra Clima Relevo Solos Drenagem Informações do Meio Físico

32 Informações Biológicas INVENTÁRIOS AUTOECOLOGIA FUNCIONAMENTO DE ECOSSISTEMAS ECOFISIOLOGIA DINÂMICAS E CICLAGENS

33 Informações Antrópicas Resgate do Histórico do Uso e Ocupação da Terra Aspectos Sócio-econômicos Aspectos políticos e institucionais Aspectos Demográficos, Urbanização e Tendências Dinâmica sócio- ambiental

34 EMISSÃO DE GASES DE EEITO ESTUFA HOJE 1 - ESTADOS UNIDOS - 36,1 % - 7% 2 - CHINA - 18,1 % 3 - FEDERAÇÃO RUSSA - 17,4% - 5% 4 - JAPÃO - 8,5 % - 6% 5 - BRASIL – 5,8 % 6 - INDIA - 4,9 % 7 - ALEMANHA - 4,4% - 4% 8 - GRÃ-BRETANHA - 4,3% - 6% 9 - CANADÁ - 3,3 % - 5% 10 - ITÁLIA - 3,1% - 6% 11 - POLONIA - 3,0% - 6% 12 - FRANÇA - 2,7% - 6% 13 - AUSTRÁLIA - 2,1% América do Sul - 3,9 %(Sem Brasil)

35 GEEs Emissions Mudança no Uso da Terra e Florestas 75% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais 2% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Indústria 7%

36 No Brasil a questão das mudanças climáticas está fortemente associada com a questão do uso sustentável da biodiversidade, pois 75% das nossas emissões de gases do efeito estufa (GEE) vem do desmatamento e da queima de nossa biodiversidade. Em minha opinião, a posição do governo brasileiro - apegando-se ao fato de historicamente termos contribuído só com 1% dos GEEs produzidos desde a revolução industrial, para justificar que o país não precisa ter metas de redução na sua taxa de emissão destes gases – é moralmente insustentável, pois usa o passado para comprometer o futuro. Com base nesta lógica o governo propõe uma redução do desmatamento, custeada com recursos internacionais, mas sem metas prefixadas e sem um sistema de fiscalização efetivo.

37 Contribuição Histórica do Brasil Elaborado pela equipe da COPPE ( Prof. Pinguelli) com base na proposta brasileira para Quioto em 1997 (MCT/MRE)

38 fonte: Greenpeace 100 a 200 toneladas de Carbono por hectare

39 O Brasil tem a oportunidade histórica, e a obrigação moral, de iniciar as negociações do Período Pós-2012 (Pós- Kyoto), propondo uma diminuição voluntária de suas emissões de GEEs, com metas prefixadas de redução de desmatamento e com mecanismos de certificação e fiscalização internacional. Uma redução, perene e consistente, de 35% das taxas atuais de desmatamento, uma meta que interessa para a economia do país, pois significaria a implantação de um novo modelo de desenvolvimento, mais sustentável e ambientalmente correto, estaríamos reduzindo em 20% nossa taxa de emissão de gases de efeito estufa. Portanto, reduzirmos voluntariamente nossa taxa de emissão de GEEs não é um empecilho para o progresso do país, e sim a base para um desenvolvimento econômico sustentável.

40 Ao pararmos de incinerar nossa rica, e em grande parte ainda desconhecida, biodiversidade, dando uma oportunidade para que as gerações futuras se beneficiem do uso sustentável deste nosso patrimônio natural, estaremos, voluntariamente, atingindo uma meta significativa de redução de emissão de gases de efeito estufa. Evidentemente, este esforço tem custos que, a meu ver, devem ser financiados pelos países desenvolvidos. Mas é indispensável que o Brasil estabeleça metas claras de redução e se submeta a fiscalização e certificação, por organismos independentes, do efetivo cumprimento das metas de redução de desmatamento (emissões de GEEs) estabelecidas.

41 REMOÇÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA – Financiável pelo Protocolo de Kyoto Em parceria com os Consórcio/Comitês projetos de recomposição da vegetação nativa das ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE – Mata Ciliar

42 REMOÇÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA – Financiável pelo Protocolo de Kyoto Programa de revitalização e recuperação dos remanescentes de vegetação nativa através da Reposição da RESERVA LEGAL. DECRETO ESTADUAL N° , DE 16 DE JUNHO DE 2006

43 PROGRAMA BIOTA/FAPESP - Mapa das Áreas Prioritárias para Conservação e Recuperação da Biodiversidade do Estado de São Paulo.

44 EVITAR A EMISSÃO GASES DE EFEITO ESTUFA – Financiável pelo Protocolo de Kyoto Programa de controle de emissões veiculares Programa de controle de emissões industriais Programa de aproveitamento de gases gerados por aterros sanitários PROGRAMAS DE MUDANÇA DE PADRÃO DE CONSUMO/COMPORTAMENTO Programa de incentivo de uso de madeira certificada – construção civil, móveis, lenha Programas efetivos de reciclagem Estímulo ao uso de fontes alternativas de energia – painéis solares, energia eólica, etc

45 fonte: Greenpeace 100 a 200 toneladas de Carbono por hectare

46 3 a 5 toneladas de CO 2 equivalente por ha Safra de 2006 Área plantada: ha Colheita Mecanizada: ha GEEs = toneladas de CO 2 equivalente = Aproximadamente 800 ha de floresta

47 Três realidades

48 GEEs Emissions Mudança no Uso da Terra e Florestas 75% Emissões Fugitivas 1% Processos Industriais 2% Queima de Combustíveis Outros Setores 6% Queima de Combustíveis Transporte 9% Queima de Combustíveis Indústria 7%

49 Queima de Combustível Fóssil Industria + Veículos 75% Emissões Fugitivas 3% Rebanho Bovino 5% Metano – Aterros 9% Queimadas 8% Emissões de GEEs – Estado de São Paulo Hipotético ATUALIZAÇÃO DO INVENTÁRIO NACIONAL DE EMISSÕES DE GEEs, INVENTÁRIO NACIONAL ESTADUAL DE EMISSÕES DE GEEs.

50 MUITO OBRIGADO !


Carregar ppt "Mudanças Climática e Biodiversidade na Região Neotropical Dr. Carlos A. Joly Depto. Botânica – IB & Doutorado em Ambiente e Sociedade – NEPAM."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google