A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ABORDAGEM DOS QUADROS DE DEPRESSÃO NA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fabiane Rossi dos Santos Serviço de Psicologia Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ABORDAGEM DOS QUADROS DE DEPRESSÃO NA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fabiane Rossi dos Santos Serviço de Psicologia Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas."— Transcrição da apresentação:

1 ABORDAGEM DOS QUADROS DE DEPRESSÃO NA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fabiane Rossi dos Santos Serviço de Psicologia Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Nefrologia

2 DEPRESSÃO POBRE ESTADO NUTRICIONAL EFEITOS SUBJACENTES NO PROCESSO DE ADOECIMENTO DEFICIÊNCIA IMUNOLÓGICA DIMINUIÇÃO DA ADESÃO PIORES RESULTADOS PACIENTE RENAL CRÔNICO DEPRESSÃO E SEUS EFEITOS NO TRATAMENTO Clin J Am Soc Nephrol 2007; 2: 1332–1342.

3 DEPRESSÃO Transtorno psiquiátrico mais freqüente em pacientes com DRC, porém subdiagnosticado diminuição da adesão ao tratamento e aumento do risco de mortalidade. Diagnóstico precoce : favorece a aderência terapêutica e o prognóstico.

4 PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO EM PACIENTES EM DIÁLISE Vieira, 2008

5 5%20 a 30% Após TransplanteDiálise 6,5% a 18%40 a 45% Após 90 dias de diáliseInício da diálise Semin Dial 2004; 17(3): PREVALÊNCIA DE DEPRESSÃO J Bras Nefrol 2000; 22(1):

6 Não tem sido encontradas diferenças significativas na prevalência de depressão entre HD e CAPD. Transplante bem sucedido está associado à redução de transtornos psiquiátricos. J Bras Nefrol 2000; 22(1):

7 DEPRESSÃO NO PÓS-TRANSPLANTE American Journal of Kidney Diseases 2008; 51 (5): Transplantation Proceedings 2007; 39: Transplantation Proceedings 2006; 38: Transplantation Proceedings 2004; 36:

8 DEPRESSÃO NO PÓS-TRANSPLANTE Complicações clínicas ou cirúrgicas; Não adesão ao tratamento; Alterações corporais; Uso de imunossupressores. Barros, PMR. Depressão e qualidade de vida em pacientes no pré e pós transplante renal

9 Níveis de depressão Pré-Tx (%) Pós-Tx (%) p Sem depressão88,979, Leve4,86,8 Moderada6,311,9 Grave0,01,7 Total100 Recife-Brasil Barros, PMR. Depressão e qualidade de vida em pacientes no pré e pós transplante renal

10 Depressão preditora de comprometimento cognitivo em pacientes em hemodiálise. Preditores de depressão: etilismo, dependência para atividades básicas da vida diária, doença cerebrovascular, sexo feminino e idade mais jovem. Vieira, Cláudia Pacheco Caciquinho. Comprometimento cognitivo e sintomas depressivos em idosos em hemodiálise em Belo Horizonte

11 DEPRESSÃO SUICÍDIO MORTALIDADE J Bras Psiquiatr. 2008;57(1):44-51.

12 DEPRESSÃO PODE ESTAR ASSOCIADA COM MORBIMORTALIDADE Kidney International 2002; 62: 199–207 EUA e Europa

13 Kidney International 2000; 57: 2093–2098. DEPRESSÃO PODE ESTAR ASSOCIADA COM MORTALIDADE EUA

14 Brasil Rev Bras Psiquiatr. 2008;30(2): DEPRESSÃO PODE ESTAR ASSOCIADA COM MORTALIDADE

15 DEPRESSÃO PODE ESTAR ASSOCIADA À DISFUNÇÃO SEXUAL Nephrol Dial Transplant 2007; 22: 857–861

16 DEPRESSÃO PODE ESTAR ASSOCIADA À REDUÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA Clin J Am Soc Nephrol 2008; 3: 1752–1758.

17 DEPRESSÃO CARACTERÍSTICAS CLÍNICAS E DEMOGRÁFICAS : história passada sexo feminino não casado vida solitária desemprego mais jovens menor tempo de diálise. J Bras Nefrol 2000; 22(1):

18 DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) UREMIA Humor deprimidoIrritabilidade, disfunção cognitiva, encefalopatia, efeitos de medicações, inadequações da diálise Diminuição do interesse pelas atividades Perda de libido, disfunção cognitiva Mudanças de pesoAnorexia, edema, Volume aumentado Alterações no sonoApnéia do sono, insônia Agitação psicomotoraEncefalopatia Fadiga Sentimentos de menos-valia- Pensamentos de morte/suicídio- Nature Clinical Practice Nephrology 2006; 2 (12): RASTREIO E DIAGNÓSTICO

19 DEPRESSÃO Técnicas para a realização do diagnóstico correto e precoce: TESTES + ENTREVISTAS CLÍNICAS

20 Dados: início e evolução da doença; atitude frente à doença e tratamento; relações familiares; síntese da história de vida; vida social/profissional; Acompanhamento psiquiátrico/neurológico/psicoterapia Orientação tempo/espaço. Medicações. ENTREVISTA CLÍNICA

21 Clin J Am Soc Nephrol 2007; 2: 1332–1342. TESTES DE RASTREIO

22

23 (a) baseado na de Zung (b) avaliação de intenção de suicida (c) modificação de Wakefield (d) adaptação de Hamilton Prazer (Fawcett et al, 1983) Carrol (d) (Carrol et al, 1981) Lista de sintomas de Hopkins-90 (Derogatis e Cleary, 1977) Escala de Leeds (c) (Snaith et al, 1976) Desesperança (b) (Bech et al, 1974) Escalas de von Zerssen (von Zerssen et al, 1974) Inventário Wakefield (a) (Snaith et al, 1971) Escalas analógicas visuais (Aitken, 1969) Questionário de Levine-Pilowsky (Pilowsky et al, 1969) Lista de adjetivos para depressão (Lubin, 1965) Zung (1965) Inventário de Beck (Beck et al, 1961) Escalas de Auto-Avaliação de Depressão (Adaptada de Thompsom, 1989, e Rabkin e Klein, 1987) Revista de Psiquiatria Clínica 1998; 25 (5): TESTES DE RASTREIO BRASIL

24 NÍVELESCORES MÍNIMO0-11 LEVE12-19 MODERADO20-35 GRAVE36-63 Inventário Beck de Depressão (BDI) 21 Questões (0 a 63 pontos) Ponto de corte: 11 Cunha, JA. Manual da Versão em Português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

25 Inventário Beck de Ideação Suicida (BSI) Escore >1 itens 2 e 9 BDI Não há ponto de corte. A presença de qualquer escore diferente de zero revela a existência de ideação suicida e demonstra necessidade de avaliação clínica detalhada. Cunha, JA. Manual da Versão em Português das Escalas Beck. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

26 HADS (Hospital Anxiety and Depression Scale) 14 itens: 7 voltados para a avaliação da ansiedade (HADS-A) e 7 para a depressão (HADS-D). Cada um dos seus itens pode ser pontuado de 0 a 3, compondo uma pontuação máxima de 21 pontos para cada escala. HAD-ansiedade: sem ansiedade de 0 a 8, com ansiedade 9; HAD-depressão: sem depressão de 0 a 8, com depressão 9. Revista Brasileira de Anestesiologia, 2007

27 HADS (Hospital Anxiety and Depression Scale) Diferença: HADS previne a interferência dos distúrbios somáticos: na pontuação da escala foram excluídos todos os sintomas de ansiedade ou de depressão relacionados com doenças físicas. Não figuram itens como perda de peso, anorexia, insônia, fadiga, pessimismo sobre o futuro,dor de cabeça e tontura, etc., que poderiam também ser sintomas de doenças físicas. Revista Brasileira de Anestesiologia, 2007

28 Testes de rastreio e devem ser aliados a outros instrumentos. RASTREIO DEPRESSÃO + ENCAMINHAMENTO PSIQUIATRIA/PSICOTERAPIA DIAGNÓSTICO

29 O cuidado interdisciplinar pode ampliar as possibilidades de tratamento de pacientes deprimidos, através de estratégias que reduzam a morbi-mortalidade e melhore a qualidade de vida desta população. Nephrol Dial Transplant 2000; 15: Editorial Comments

30 OBRIGADA!


Carregar ppt "ABORDAGEM DOS QUADROS DE DEPRESSÃO NA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fabiane Rossi dos Santos Serviço de Psicologia Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google