A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

IV Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica O Paciente Diabético Transplantado Renal Roberto C. Manfro Serviço de Nefrologia - HCPA Faculdade.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "IV Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica O Paciente Diabético Transplantado Renal Roberto C. Manfro Serviço de Nefrologia - HCPA Faculdade."— Transcrição da apresentação:

1 IV Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica O Paciente Diabético Transplantado Renal Roberto C. Manfro Serviço de Nefrologia - HCPA Faculdade de Medicina - UFRGS

2 Doença Renal: Os Desafios do Paciente Diabético Não desenvolver doença renal Impedir/retardar a progressão da DR Iniciar/manter TRS sem complicações graves Ter/manter condições para o transplante –Transplante renal (± pâncreas) pré-emptivo –Transplante renal com doador vivo –Transplante renal (± pâncreas) com DF

3 Nefropatia Diab é tica como causa de DRC % of new dialysis patients

4

5 Registro Brasileiro de Transplantes Análise de Resultados de 10 Anos RIM (10.375/25.434)

6 Pacientes Diabéticos em Lista de Espera Para Transplante Renal Não há dados na HP do SNT Não há dados na HP das centrais estaduais de transplante (RS, SP, MG, SC, Paraná …) Dados HCPA (16 centros TRS associados) –1350 pacientes em diálise –356 (26,3%) pacientes estão em lista de espera –868 (64,3%) não diabéticos em diálise –301 (34,7%) não diabéticos em LE –482 (35,7%) diabéticos em diálise –55 (11,4%) diabéticos em LE (15,4% da LE)

7 Nos Estados Unidos: – pacientes em TRS – (22,1%) em lista de espera para TR – (30,2 %) são diabéticos Acessos em 25 de fevereiro de 2009

8 Brasil – Número de Pacientes em Diálise Lista de Espera e Transplante Renal Ano Prevalência Atual: Diabetes Hipertensão Dialysis Waiting list Transplants

9 p= p= Months on dialysis % Patient Survival diabetic non diabetic Sobrevida de pacientes diab é ticos em di á lise J Am Soc Nephrol. 2002; 13:1307 J Diabetes Compl. 2000; 14:

10 Controle glicêmico e sobrevida em di á lise Wu et al: NDT 12: 2105, 1997 P=0,005 Morioka et al: Diabetes Care 24: 909, 2001

11 Transplante Renal Doador Falecido Sobrevida Comparativa Wolfe RA. NEJM, USRDS

12 Transplante Renal Doador Falecido Sobrevida Comparativa Wolfe RA. NEJM, USRDS

13 Brunkhorst et al. Transplantation 76: 115, months patient survival (%). Tx HD Diálise e Transplante: Sobrevida de pacientes diabéticos

14 Sobrevidas DRC: Transplante e Diálise 87% 76% 68% 39% Diálise 12% Diálise em Diabéticos

15 Transplantes no Paciente Diabético Transplante renal Transplante pancreático Transplante de ilhotas Transplantes combinados (rim + pâncreas/ilhotas)

16 1. Transplante renal isolado

17 Transplante Renal Isolado Experiência acumulada desde a década de 1960 Disponibilidade de doador vivo ou falecido Bons resultados: - menor tempo cirúrgico - procedimento menos agressivo que TSRP - menor tempo de internação - menor número de re-internações - menor incidência rejeição aguda Experiência acumulada desde a década de 1960 Disponibilidade de doador vivo ou falecido Bons resultados: - menor tempo cirúrgico - procedimento menos agressivo que TSRP - menor tempo de internação - menor número de re-internações - menor incidência rejeição aguda

18 O controle metabólico pós-Tx RIM isolado é sempre diferente do que na fase pré-dialítica ou dialítica. Na DRC, a necessidade de insulina diminui: insulina circulante degradação renal da insulina pelas células tubulares Após o Tx-RIM isolado a necessidade de insulina passa a ser 2 a 3x maior que no período em diálise. (como resultado da boa função renal e do uso de IS) DM - Transplante Renal Isolado Controle metabólico DM - Transplante Renal Isolado Controle metabólico

19 1 ano (%) 5 anos (%) 1 ano (%) 5 anos (%) Tx Rim (doador vivo) Tx Rim em diabéticos (doador vivo) Tx Rim (doador falecido) Tx Rim em diabéticos (doador falecido) Dados OPTN 2006 P aciente Enxerto Sobrevida de Transplantes Renais Pacientes diabéticos e não diabéticos

20 Diabete Melito Pós-Transplante em Pacientes Transplantados Renais Sobrevida cumulativa de pacientes (A) e enxertos (painel B) nos grupos DMPT, controles e diabéticos pré-transplante. Copstein L. J Bras Nefrologia, 2008.

21 Transplante Renal Isolado O Tx renal pré-emptivo em especial com DV ou TSRP tem sido particularmente recomendado para pacientes diabéticos com DRC. Becker et al. Arch Intern Med. 2006

22 2. Transplante pancreático isolado

23 Transplante pancreático em pacientes não urêmicos Venstrom JM. JAMA, 2003.

24 3. Transplante de ilhotas pancreáticas

25 Shapiro AM. NEJM, Shapiro AM. NEJM, Transplante de ilhotas pancreáticas

26 4. Transplantes combinados Renal + Pancreático

27 1a5a1a5a1a5a Transplante Rim Doador vivo OPTN Transplante Rim Doador falecido OPTN Transplante R + P Simultâneo OPTN IPTR RBT Paciente % Rim % % Pâncreas Diabéticos - Sobrevida de Transplantes Renais Tipos de Doador e Transplantes Duplos Dados: OPTN IPTR 2006 – ABTO 2008.

28 ExpectativaSobrevida de vida do paciente 8 o ano (anos) (n=13.549) Knoll & Nichol 2003 Reddy et al 2003 RIM18,3 72% Doador Vivo RIM11,4 55% Doador Falecido Rim+Pâncreas 15,7 72% DIÁLISE7,8 -

29 A. Doador vivo disponível: Transplante Rim isolado com doador vivo Transplante pancreático em etapa subsequente ? Transplantes simultâneos: renal com DV e pancreático com DF ? B. Sem doador vivo disponível: 1. < 45 anos sem co-morbidades impeditivas TSRP 2. > 45 anos ou co-morbidades Tx doador falecido A. Doador vivo disponível: Transplante Rim isolado com doador vivo Transplante pancreático em etapa subsequente ? Transplantes simultâneos: renal com DV e pancreático com DF ? B. Sem doador vivo disponível: 1. < 45 anos sem co-morbidades impeditivas TSRP 2. > 45 anos ou co-morbidades Tx doador falecido Recomendações Estratégia de transplantes no diabético Recomendações Estratégia de transplantes no diabético

30 Diabete Mélito Transplante Renal - Complicações Metabólicas –Dislipidemias –Obesidade –Hiperparatireoidismo Cárdio-Vasculares –Hipertensão –Doença coronariana –Doença cerebrovascular Trato Gastro-Intestinal –Doença péptica, –Pancreatite, hepatite, cirrose, –Complicações colônicas. Músculo-Esqueléticas –Necrose asséptica óssea –Miopatia proximal/fraturas Infecções Bacterianas Fúngicas Virais Neoplasias Pele Linfomas Outras Nefropatia crônica do enxerto Junto com óbito é a principal causa de perda de enxertos renais

31 A FARMÁCIA DO (DIABÉTICO) TRANSPLANTADO

32 CUIDADOS OTIMIZADOS DO DIABÉTICO TRANSPLANTADO Modificado de MGB - Pereira B. Kidney Int 2000 INTERVENÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DA FUNÇÃO RENAL IECA e/ou BLOQUEADOR do RA1 CONTROLE DA PRESSÃO ARTERIAL CONTROLE DA GLICEMIA RESTRIÇÃO PROTEICA MANEJO BÁSICO E DAS CO-MORBIDADES DIAGNÓSTICO E Rx DAS COMPLICAÇÕES NÃO IMUNES DIAGNÓSTICO E Rx DAS COMORBIDADES ADEQUAÇÃO E MONITORIZAÇÃO DA IMUNOSSUPRESSÃO ANEMIA METABOLISMO DO CÁLCIO E PO 4 ACIDOSE K, Na e H 2 O MÁ-NUTRIÇÃO DOENÇA CARDÍACA DOENÇA VASCULAR NEUROPATIA DIABÉTICA RETINOPATIA DIABÉTICA PROFILAXIAS INFECCIOSAS VIGILÂNCIA NEOPLASIAS EVITAR/DIMINUIR NEFROTOXICIDADE BALANÇO PACIENTE-ÓRGÃO

33 Hora de Prevenir Hora da Diálise Hora do Transplante TFG mL/min Relógio Biológico da Nefropatia Diabética A Visão do Nefrologista (incompleta) Modificado de Noronha IL.

34 Mau controle: DM, HAS, DCV, anemia. Diálise. Insuficiente Diabete Mélito e D RC Terminal Diálise e Transplante Ótimo controle Transplante. DV, pré- emptivo, TSRP

35 Obrigado


Carregar ppt "IV Encontro Nacional de Prevenção da Doença Renal Crônica O Paciente Diabético Transplantado Renal Roberto C. Manfro Serviço de Nefrologia - HCPA Faculdade."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google