A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

EVOLUÇÃO DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "EVOLUÇÃO DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA"— Transcrição da apresentação:

1 EVOLUÇÃO DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA
Perspectivas da Matriz Elétrica EVOLUÇÃO DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Economia da Energia e Meio Ambiente Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia GOVERNO FEDERAL Rio de Janeiro, agosto de 2011

2 Evolução da Matriz Elétrica Brasileira
AGENDA Contexto socioeconômico Estratégia da expansão da geração Considerações finais: algumas questões para a expansão da longo prazo

3 CONTEXTO SOCIOECONÔMICO

4 Mas estamos falando de um mesmo país, que mudou muito...
Indicadores Mortalidade infantil (por mil) 100 25 Esperança de vida ao nascer (ambos os sexos) 57 anos 72 anos Taxa de fecundidade total (filhos por mulher) 5,5 1,9 Crescimento demográfico 2,8% ao ano 0,8% ao ano População entre 15 e 64 anos 54% 68% Idade mediana da população 19 anos 31 anos Índice de dependência demográfica 82 48 Grau de urbanização 50% 87% Taxa de alfabetização (ambos os sexos) 58% 92% Atividade feminina 19% 44% Anos de estudo da mulher (média) 2,1 8,5 Fontes: Alves, José Eustáquio (apresentação em power-point, maio de 2008); ONU (http://esa.un.org/unpp) e IBGE (http://www.ibge.gov.br) 4

5 Crescimento demográfico
D = 14 milhões de pessoas 191 205 2010 2020 0,68%aa equivalente a 1,4 vezes a população atual da Bélgica equivalente à população atual da Bahia D = 15 milhões de domicílios

6 Bônus demográfico Brasil Experiência Asiática 1º bônus demográfico
Região Taxa de crescimento (% a.a.) Contribuição estimada do bônus demográfico (%a.a) PIB per capita PEA Máx Mín Ásia 3,33 2,76 1,64 0,73 Leste Asiático 6,11 2,39 1,87 1,37 Sudeste Asiático 3,8 2,90 1,81 0,91 Sul Asiático 1,71 2,51 1,34 0,41 1º bônus demográfico proporção de dependentes demográficos Fonte: Mason, 2005. Fonte: Elaboração Própria Notas: (1) Bônus demográfico: é o período em que a estrutura etária da população atua no sentido de facilitar o crescimento econômico. Isso ocorre quando há um grande contingente da população em idade produtiva e um menor percentual de crianças e idosos no total da população. (2) Leste Asiático: China, Hong Kong, Macau, Coréia do Norte, Coréia do Sul; (3) Sudeste Asiático: Brunei, Camboja, Timor Leste, Indonésia, Laos, Malásia, Mianmar, Filipinas, Cingapura, Tailândia, Vietnã; (4) Sul asiático: Bangladesh, Butão, Índia, Ilhas Maldivas, Nepal, Paquistão, Sri Lanka. 6

7 Número de consumidores residenciais
Novas ligações por ano (milhões) Taxas de crescimento (médias anuais) média histórica ( ) 1,5 milhões de novos consumidores residenciais por ano Universalização do serviço Menor crescimento da população Demanda acompanha crescimento demográfico de uma geração atrás Redução do número de habitantes por domicílio

8 Brasil. Consumo por consumidor residencial (kWh/mês)
191 179 2,2% a.a. 2,4% a.a. 1,3% a.a. 154 0,6% a.a. 8

9 Crescimento econômico
Investment grade Estabilidade econômica e política Pré-sal Projetos de infraestrutura Bônus demográfico Dinâmica de crescimento superior à média mundial

10 Indústria. Intensidade energética
Indústria. Elasticidade 10

11 Acréscimo médio anual no período: 3.200 MWmédios no período
Sistema Interligado Nacional (SIN) Carga de Energia Acréscimo médio anual no período: MWmédios no período MWmédio Período Variação % ao ano 4,6 3,4 3,8 Nota: considera a interligação do sistema Acre-Rondônia ao subsistema SE/CO, na última semana de outubro de 2009, e a interligação do sistema Tucuruí-Macapá-Manaus ao subsistema Norte, em janeiro de 2013. 11

12 Consumo de eletricidade e renda
Consumo de eletricidade per capita versus PIB per capita Canadá EUA kWh/hab/ano Japão França Espanha Alemanha Rússia Reino Unido Grécia Portugal Itália Brasil 2035 Chile Brasil 2020 China Argentina Índia Brasil 2010 US$ [2000] PPP/hab/ano (*) (*) PIB per capita referenciado a US$ [2000] PPP. Os dados são relativos ao ano de 2007 para todos os países com exceção do Brasil. Fonte: IEA, 2009: Key World Energy Statistics 2009. Nota: o consumo de eletricidade inclui autoprodução. 12

13 Intensidade elétrica da economia
Intensidade elétrica versus PIB per capita Rússia Canadá EUA kWh/US$ [2000] PPP China Chile Japão Portugal Espanha França Brasil 2010 Alemanha Grécia Brasil 2020 Brasil 2035 Itália Reino Unido Argentina Índia US$ [2000] PPP/hab/ano (*) (*) PIB per capita referenciado a US$ [2000] PPP. Os dados são relativos ao ano de 2007 para todos os países com exceção do Brasil. Fonte: IEA, 2009: Key World Energy Statistics 2009. Nota: o consumo de eletricidade inclui autoprodução. 13

14 ESTRATÉGIA DA EXPANSÃO DA GERAÇÃO

15 Redução de emissões de gases de efeito estufa
Objetivos da política energética Segurança energética Fontes próprias de energia Modicidade tarifária Competitividade das fontes Redução de emissões de gases de efeito estufa Fontes não emissoras

16 O Brasil possui o 3º maior potencial hidroelétrico do mundo
China, 13% Rússia, 12% Demais países, 44% Brasil, 10% Canadá, 7% Congo, 5% EUA, 4% Índia, 5% Fonte: Tolmasquim, M. (coord). Geração de Energia Elétrica no Brasil. Ed. Interciência, 2005.

17 Os países desenvolvidos já aproveitaram seu potencial hidrelétrico
% do potencial tecnicamente aproveitável Observações: 1. Baseado em dados do World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de 1999. 2. Para o Brasil, dados do Atlas de Energia Elétrica do Brasil, da ANEEL, e da EPE, referentes a 2008 (usinas em operação e com concessão outorgada). Para a China, dados do Worldwatch Institute. 3. Os países selecionados detém 2/3 do potencial hidráulico desenvolvido do mundo. 4. O potencial tecnicamente aproveitável corresponde a cerca de 35% do potencial teórico média mundial.

18 Eficiência energética
Além das energias hidroelétrica, constituem elementos da estratégia brasileira ... Eficiência energética Reciclagem e aproveitamento de resíduos Outras energias renováveis eólica solar biomassa Energia nuclear !?

19 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E O EFEITO RENDA
consumo final Efeito renda Eficiência energética consumo final em t t Crescimento vegetativo (crescimento demográfico; acumulação de capital, etc.) consumo final em to to tempo

20 34 TWh EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. ENERGIA ELÉTRICA
Economia equivalente a uma usina hidroelétrica de MW (Usinas de Santo Antonio e Jirau, no rio Madeira) 34 TWh O ganho de eficiência elétrica no período será de 34 TWh, equivalente a cerca de 4,4% da demanda final de eletricidade em A energia evitada nestes 10 anos equivalerá à produzida por uma hidrelétrica de MW. (*) Valores acumulados em 2020 a partir do ano base (2010). 20

21 EXPANSÃO PLANEJADA DA CAPACIDADE INSTALADA 2011-2020
Acréscimo de 60,2 mil MW no período 10,0 GW 17% 10,0 30% 18,0 GW 7,2 10,8 53% 23,6 8,6 32,2 GW Fonte: PDE 2020 Capacidade instalada em dez 2010: 109,6 mil MW

22 Expansão contratada 40,8 GW Renováveis, 75,5%
Renováveis exclusive hidro, 17,6% Hidrelétricas, 57,8%

23 EVOLUÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA
SISTEMA ELÉTRICO INTERLIGADO NACIONAL (SIN) HIDRO 83GW 75% NUCLEAR 2 GW % UTE 16 15 PCH, EOL, BIO 9GW 8% Dezembro / 2010 HIDRO 115GW 67% NUCLEAR 3 GW 2 % UTE 25 15 PCH, EOL, BIO 27GW 16% Dezembro / 2020 Renováveis, 2010: 83% Renováveis, 2020: 83% A participação das fontes renováveis na capacidade total instalada, que será reduzida de 83% para 80%, no período , com a entrada em operação comercial das termelétricas contratadas nos leilões, deverá voltar a 83% ao final de Apesar da perda de participação relativa da fonte hidráulica, as fontes alternativas renováveis duplicarão sua participação neste período. FONTE: EPE (PDE 2020)

24 CONSIDERAÇÕES FINAIS: Algumas questões para a expansão de longo prazo

25 E SE NÃO FOR POSSÍVEL VIABILIZAR A GERAÇÃO RENOVÁVEL PLANEJADA?
E PARA ALÉM DE 2020? E SE NÃO FOR POSSÍVEL VIABILIZAR A GERAÇÃO RENOVÁVEL PLANEJADA? Pressões da demanda demanda crescente geração de base Pressões ambientais sobre a expansão da oferta de energia conservação da biodiversidade terras indígenas emissões de GHG

26 Com relação às mudanças climáticas, desde a COP 15, a estratégia brasileira é manter, em 2020, na área de energia, o mesmo nível de intensidade de emissões de 2005 em MtCO2 eficiência energética fontes alternativas expansão hidroelétrica kgCO2/103 R$ [2007] biocombustíveis

27 Emissões maiores Expansão COM hidroelétricas
Expansão SEM hidroelétricas

28 REDUÇÃO DA CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO DO SIN

29 Aumento do custo da energia...
Preço da energia nos leilões de expansão da oferta Aumento do custo da energia... Fonte: EPE Obs: Valores referentes à janeiro de 2011

30 Outras questões a considerar
Disponibilidade de gás Instabilidade do preço dos combustíveis fósseis (petróleo & gás) CCS e queima limpa do carvão Opinião pública frente à energia nuclear Atendimento à demanda na ponta Efeitos da expansão da geração distribuída e da capacidade de gerenciamento da demanda

31 Muito obrigado! EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE
Av. Rio Branco, 1 – 11o andar Rio de Janeiro RJ Tel.: + 55 (21) Fax: + 55 (21)

32


Carregar ppt "EVOLUÇÃO DA MATRIZ ELÉTRICA BRASILEIRA"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google