A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Linguagem PASCAL1 UFRPE – Deptº de Estatística e Informática Disciplina: Introdução à Computação Prof.: Paulemir G. Campos Linguagem PASCAL Subprogramas.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Linguagem PASCAL1 UFRPE – Deptº de Estatística e Informática Disciplina: Introdução à Computação Prof.: Paulemir G. Campos Linguagem PASCAL Subprogramas."— Transcrição da apresentação:

1 Linguagem PASCAL1 UFRPE – Deptº de Estatística e Informática Disciplina: Introdução à Computação Prof.: Paulemir G. Campos Linguagem PASCAL Subprogramas Material elaborado pela Profª Alzennyr Cléa da UFRPE/DFM.

2 Linguagem PASCAL2Subprogramação n A subprogramação é uma ferramenta que contribui com a tarefa de programar: –Favorecendo a estruturação do programa; –Facilitando a correção do programa; –Facilitando a modificação do programa; –Melhorando a legibilidade do programa; –Divisão do problema a ser resolvido em partes (modularização).

3 Linguagem PASCAL3 Subprogramação n Com a modularização de um programa, as partes que o compõem podem ser desenvolvidas por diferentes equipes; n Para isto deve-se estabelecer antes padrões de programação; n Deve-se definir também que dependência haverá entre os vários subprogramas.

4 Linguagem PASCAL4 Subprogramação n A dependência entre os sub-programas deve ser a mínima possível; n Um subprograma é um grupo de instruções arranjadas de forma lógica, que executem uma ação bem definida; n A subprogramação tende a diminuir a complexidade da resolução de um problema já que, por um instante, a atenção é voltada apenas para uma parte do problema.

5 Linguagem PASCAL5 Subprogramação n As linguagens de programação oferecem algum tipo de suporte à subprogramação. Exemplos: –Algol: bloco; –FORTRAN: subrotina; –Modula: co-rotinas; –ADA: tarefas; –C: funções; –Pascal: procedimentos e funções.

6 Linguagem PASCAL6 Subprogramação n Procedimentos –Procedimento é uma forma de criar um sub- programa; –Quando um determinado conjunto de instruções tiver que ser repetido dentro da solução de um problema, é conveniente colocá-lo dentro de um procedimento; –Para se criar um procedimento é necessário: Um identificador (o nome do procedimento); Uma lista de parâmetros (que possibilitam a comunicação entre o programa principal e o procedimento); As ações a serem executadas (que formam o corpo do procedimento).

7 Linguagem PASCAL7 n Funções –Função também é uma forma de criar um sub- programa; –Procedimento e Função podem ambos retornar valores através de seus parâmetros; –Entretanto, a função deve obrigatoriamente retornar um valor processado através do seu nome identificador; –Uma função deve ser ativada em um contexto de expressão. Subprogramação

8 Linguagem PASCAL8 n Existem problemas mais adequados ao uso de funções, enquanto outros adequam-se melhor ao uso de procedimentos; n Tudo que um procedimento pode fazer, uma função também pode; n Dicas para escolha do tipo de subprograma: –Quando usar funções, evite ao máximo a passagem de parâmetros por referência; –Se o valor que é processado na unidade será reutilizado em uma expressão, existem grandes possibilidades de que uma função seja mais adequada; –Se o objetivo da unidade é apenas fazer uma mudança de estado (valor) em um ou mais objetos, adote um procedimento. Subprogramação

9 Linguagem PASCAL9 Subprogramação n Um subprograma pode ser ativado em qualquer parte do programa (em algumas linguagens somente depois de definido); n Sua ativação se dá através do uso de seu identificador como uma instrução;

10 Linguagem PASCAL10 Subprogramação n Exemplo de aplicação: Fazer um algoritmo para calcular a combinação (análise combinatória) de N elementos tomados P a P. Sabe-se que isto é possível através da seguinte expressão: Cp=Cp= n n! p! (n-p)! com n p

11 Linguagem PASCAL11Subprogramação n A solução deste problema pelos métodos vistos até agora (sem o uso da subprogramação) teria N e P como argumentos de entrada e C como argumento de saída; n Seriam necessários os seguintes passos: –Calcular o fatorial de N (armazenar numa variável, ex: FatN); –Calcular o fatorial de P (armazenar numa segunda variável, ex: FatP); –Calcular o fatorial de N-P (armazenar numa terceira variável, ex:FatNP); –E finalmente calcular a expressão: FatN/(FatP*FatNP).

12 Linguagem PASCAL12 Subprogramação n Note que nesta solução teríamos que descrever várias vezes uma mesma seqüência de ações que são utilizadas para o cálculo do fatorial de um número; n Esta seqüência tem um comportamento padrão.

13 Linguagem PASCAL13 n Suponha que tivéssemos à disposição um procedimento genérico, chamado FAT, para calcular o fatorial de um número qualquer: Como poderíamos fazer isto? Subprogramação

14 Linguagem PASCAL14 Procedimento FAT (x: inteiro, ResFat: inteiro); Declare I:inteiro; Inicio ResFat 1; Para I 1 até x Faça ResFat ResFat * I; Fim-Para; Fim; Corpo Identificador Lista de Parâmetros Subprogramação

15 Linguagem PASCAL15 Subprogramação Subprogramação em PASCAL n Uma subrotina é um subprograma com variáveis e comandos próprios e que, para ser executada, precisa ser chamada pelo programa principal. n Na linguagem PASCAL existem dois tipos de subrotinas: –Procedimento (procedure) –Função (function) n Diferença entre elas: –A função retorna um valor –O procedimento não retorna valor

16 Linguagem PASCAL16 Procedimento em PASCAL n Sintaxe procedure nome (lista-de-parâmetros); declaração de variáveis locais; begin comandos; end; n Exemplo: procedure Troca (var A,B: real); var aux: real; begin aux:=A; A:=B; B:=aux; end;

17 Linguagem PASCAL17 Função em PASCAL n Sintaxe function nome (lista-de-parâmetros): tipo; declaração de variáveis locais; begin comandos; nome:= ; end; n Exemplo: function Hipotenusa (A,B: real): real; begin Hipotenusa:= sqrt( sqr(A) + sqr(B) ); end;

18 Linguagem PASCAL18 Nomenclatura dos parâmetros n Existem dois tipos de parâmetros: –reais: presentes na unidade ativadora –formais: presentes na subrotina procedure Troca (var A,B: real); … Troca ( x,y ); …

19 Linguagem PASCAL19 Passagem de parâmetros n Passagem –por valor: Apenas o valor é transferido. Então, as alterações feitas nos parâmetros formais (da subrotina) não alteram os reais (unidade ativadora). –por referência: O endereço do parâmetro real é transferido. Então, as alterações nos parâmetros formais da subrotina na verdade estão sendo feitas sobre os parâmetros reais. n Declaração: procedure inicializa ( var A,B: real; C: real; var D: integer ); por referência por valor

20 Linguagem PASCAL20 n A passagem de parâmetros é o meio de comunicação entre as unidades de um programa, pode acontecer com um dos seguintes propósitos: –apenas fornecer um valor para que a subrotina realize um processamento; –apenas retornar um valor processado pela subrotina; –fornecer um valor para processamento pela subrotina, e também ser responsável pelo retorno de um valor processado. Passagem de parâmetros

21 Linguagem PASCAL21 n Quando e porque passagem por valor: –apenas fornecer um valor à subrotina para que ela realize um determinado processamento; –utilizados somente para valores de entrada; –protegem automaticamente o parâmetro real; –deve ser explorado sempre que possível. Passagem de parâmetros por valor

22 Linguagem PASCAL22 n Quando e porque passagem por referência: –quando a unidade ativada (subrotina) necessitar retornar um valor a ser utilizado pela unidade ativadora; –seu uso deve ser cuidadoso. Unidade Ativada Unidade Ativadora Unidade Ativada Unidade Ativadora Passagem por referência Unidade Ativadora Unidade Ativada Passagem por valor Passagem de parâmetros por referência

23 Linguagem PASCAL23 Declaração de variáveis n Variáveis Locais X Variáveis Globais –Uma variável é dita local quando sua declaração estiver dentro de um subprograma, ou quando for declarado como parâmetro formal do subprograma; –Uma variável local só é visível dentro do bloco onde foi declarada; –Variáveis globais são aquelas declaradas em blocos mais externos, podendo ser referenciadas nas unidades mais internas.

24 Linguagem PASCAL24 n O conceito de variável global e local é muito relativo Subprograma A Subprograma B Subprograma D Subprograma E Subprograma C Declaração de variáveis

25 Linguagem PASCAL25 Exemplos práticos n Nos próximos slides existem exemplos que mostram o uso prático de procedimentos e funções, bem como a passagem de parâmetros por valor e por referência.

26 Linguagem PASCAL26 program Parametros; procedure inicializa ( var A,B: real; C: real; var D: integer ); begin writeln ('Passo 1:', A:4:1, B:4:1, C:4:1, D:2); A:=1; B:=1; C:=1; D:=1; writeln ('Passo 2:', A:4:1, B:4:1, C:4:1, D:2); end; varX,Y,Z: real; W: integer; begin X:=0; Y:=0; Z:=0; W:=0; inicializa (X, Y, Z, W); writeln ('Passo 3:', X:4:1, Y:4:1, Z:4:1, W:2); end;

27 Linguagem PASCAL27 program OrdemCrescente; { SUBROTINA TROCA } procedure Troca (var A,B: integer); var aux: integer; begin aux:=A; A:=B; B:=aux; end; { FIM TROCA } var L,M,N: integer; begin { PROGRAMA PRINCIPAL } readln (L, M, N); if (L>M) then Troca(L,M); if (M>N) then Troca(M,N); if (L>M) then Troca(L,M); writeln(L, M, N); { FIM PRINCIPAL } end.

28 Linguagem PASCAL28 program Diagonal; {Diagonal de um paralelepípedo } { Funcao Hipotenusa } function Hipotenusa (A,B: real): real; begin Hipotenusa:= sqrt ( sqr(A) + sqr(B) ); end; { Fim Funcao Hipotenusa } var A, B, C, D: real; begin { Programa Principal } readln (A, B, C); { dimensoes } D := Hipotenusa ( Hipotenusa (A, B), C ); writeln (D); { Fim Programa Principal } end. B C D A


Carregar ppt "Linguagem PASCAL1 UFRPE – Deptº de Estatística e Informática Disciplina: Introdução à Computação Prof.: Paulemir G. Campos Linguagem PASCAL Subprogramas."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google