A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Workshop Energia Nuclear COMO ALTERNATIVA VIÁVEL PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA Projeção do Crescimento da Energia Termonuclear na Matriz Energética.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Workshop Energia Nuclear COMO ALTERNATIVA VIÁVEL PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA Projeção do Crescimento da Energia Termonuclear na Matriz Energética."— Transcrição da apresentação:

1 Workshop Energia Nuclear COMO ALTERNATIVA VIÁVEL PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA Projeção do Crescimento da Energia Termonuclear na Matriz Energética Brasileira Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 27 de Novembro de 2008

2 É muito difícil fazer previsões. Especialmente com relação ao futuro.
Provérbio chinês

3 Projeção do Crescimento da Energia Termonuclear na Matriz Energética Brasileira
AGENDA I Situação Atual (BEN 2008) II Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) III Energia Nuclear no PNE 2030

4 Situação Atual (BEN 2008)

5 Matriz Energética Brasileira Atual (2007)
► No Brasil, a oferta de energia a partir do urânio está entre 3 e 4 milhões de tep Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

6 Matriz Energética Brasileira Atual (2007)
► Em 2007, a participação da energia nuclear na Matriz Energética Brasileira foi de 1,4% Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

7 Matriz Elétrica Brasileira Atual (2007)
► No Brasil, a oferta de energia elétrica de origem nuclear está entre 12 e 14 TWh Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

8 Matriz Elétrica Brasileira Atual (2007)
► Em 2007, a participação da energia nuclear na Matriz ELÉTRICA Brasileira foi de 2,6% Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

9 Geração Termelétrica (2007)
Participação no total da geração de energia elétrica 2006 2007 15,2% 14,3% Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

10 Participação por fonte na geração termoelétrica
Geração Termelétrica (2007) Participação por fonte na geração termoelétrica Carvão Biomassa * 28,7% Gás Natural 23,0% Derivados de Petróleo 19,3% Nuclear 17,7% Carvão e Derivados 11,3% Biomassa Nuclear Gás Petróleo * Inclui bagaço de cana-de-açúcar, lixívia, lenha, e outras recuperações Elaboração: EPE Fonte: BEN 2008

11 Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030)

12 O Que é Período de realização Realização Relatório final
Conjunto de estudos que compreende análises e pesquisas prospectivas, realizadas com o objetivo formular uma estratégia para a expansão da oferta de energia no país, segundo uma perspectiva de longo prazo para o uso integrado e sustentável dos recursos disponíveis e tendo como horizonte o ano 2030 Período de realização Realização Os estudos do PNE 2030 foram realizados entre dezembro de 2005 e fevereiro de 2007 Estão em curso os trabalhos iniciais da revisão a ser concluída em 2009, com extensão do horizonte para 2035 Relatório final Disponível em <http://www.epe.gov.br>

13 Crescimento econômico
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Premissas Crescimento econômico Elaboração: EPE

14 Crescimento demográfico
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Premissas Crescimento demográfico Elaboração: EPE

15 Projeção do consumo de energia CRESCIMENTO DO CONSUMO
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Projeção do consumo de energia milhões de tEP 482,8 CRESCIMENTO DO CONSUMO ,3% ao ano ,7% ao ano 195,9 Elaboração: EPE Fonte: BEN, 2008 62,1

16 Projeção do consumo de energia
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Projeção do consumo de energia Obs: Dados referentes ao ano de Elaboração: EPE Fonte dos dados internacionais: AIE, 2005 Espanha Coréia Rep. Tcheca Líbia Grécia Portugal Hungria Chile México Costa Rica Uruguai Argentina Brasil 2030 Brasil 2004 Renda per capita (US$ [2000]/hab) China Índia Congo Consumo de energia per capita (tEP/hab)

17 Indicadores do Consumo de Energia
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Indicadores do Consumo de Energia Elasticidade-renda do consumo Obs.: exclusive consumo não energético Elaboração: EPE

18 Indicadores do Consumo de Energia
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Indicadores do Consumo de Energia Intensidade energética do PIB tEP/US$ 1000 [2005] Obs.: exclusive consumo não energético Elaboração: EPE

19 Consumo de energia elétrica
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Consumo de energia elétrica Projeção do consumo total (uso final) TWh 1.032,7 375,2 39,7 Fonte: PNE 2030 (EPE, 2007) Elaboração EPE Obs.: inclui autoprodução, exclui perdas

20 Indicadores do Consumo de Energia Elétrica
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Indicadores do Consumo de Energia Elétrica Elasticidade-renda Fonte: PNE 2030 (EPE, 2007) Elaboração EPE Obs.: inclui autoprodução, exclui perdas

21 Indicadores do Consumo de Energia Elétrica
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Indicadores do Consumo de Energia Elétrica Consumo e PIB per capita Elaboração EPE, com base em dados do FMI e da IEA. Fonte: PNE 2030 (EPE, 2007)

22 Indicadores do Consumo de Energia Elétrica
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Indicadores do Consumo de Energia Elétrica Intensidade elétrica e PIB per capita Elaboração EPE, com base em dados do FMI e da IEA. Fonte: PNE 2030 (EPE, 2007)

23 Evolução da Matriz Energética Brasileira
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Evolução da Matriz Energética Brasileira 1970 2010 2030 2000 Obs.: Os gráficos indicam a evolução da oferta interna de energia. Os energéticos destacados explicam pelo menos ¾ da Matriz. Fontes: Balanço Energético Nacional e estudos da EPE Elaboração: EPE

24 Participação das energias renováveis
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Participação das energias renováveis Elaboração: EPE

25 Emissões de gases de efeito estufa
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Emissões de gases de efeito estufa 106 tCO2; 106 tep tCO2/tep Emissões milhões de toneladas de CO2 Oferta de energia milhões de tep Emissões específicas tCO2/tep Elaboração: EPE

26 Emissões de gases de efeito estufa
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Emissões de gases de efeito estufa Fontes mais emissoras Óleo diesel 31,5% 28,6% 28,0% Carvão mineral(*) 12,9% 15,1% 15,2% Gasolina 12,1% 9,8% 10,5% Gás natural 11,4% 15,7% 17,3% (*) inclui coque de carvão mineral Elaboração: EPE

27 Emissões de gases de efeito estufa
Projeção da Matriz Energética Brasileira (PNE 2030) Emissões de gases de efeito estufa Setores mais emissores Transporte 41,9% 36,8% 37,0% Indústria 35,1% 35,1% 35,2% Energia elétrica 5,8% 10,3% 10,5% Setor energético 6,7% 8,2% 7,4% Elaboração: EPE

28 Energia Nuclear no PNE 2030

29 Energia Nuclear no PNE 2030 Principais Condicionantes para a Expansão da Energia Nuclear no PNE 2030 Crescimento da demanda de energia elétrica Oferta hidrelétrica: Aumento do portfólio de projetos, no médio prazo Ritmo da expansão e esgotamento do potencial, no longo prazo Oferta de energias renováveis Expansão da transmissão Competitividade

30 Situação atual do potencial hidrelétrico brasileiro
Energia Nuclear no PNE 2030 Situação atual do potencial hidrelétrico brasileiro 251,5 GW (*) (*) exclusive unidades de ponta BRASIL 30 38 32 20 40 60 80 100

31 Situação atual do potencial hidrelétrico brasileiro
Energia Nuclear no PNE 2030 Situação atual do potencial hidrelétrico brasileiro Descrição Potência GW % POTENCIAL HIDRELÉTRICO TOTAL 261,5 100,0 Usinas ou unidades de ponta 10,0 3,8 Potencial já aproveitado 66,1 25,3 Potencial de PCH (aproveitado e a aproveitar) 17,5 6,7 POTENCIAL A APROVEITAR 167,9 64,2 Potencial aproveitado Potencial a aproveitar PCH Usinas de ponta

32 Hipóteses para expansão da oferta hidrelétrica
Energia Nuclear no PNE 2030 Hipóteses para expansão da oferta hidrelétrica Classe Descrição Data mais cedo Potência GW % POTENCIAL A APROVEITAR 167,9 100,0 Aproveitamentos considerados no Plano Decenal 2005 30,9 18,4 1 Aproveitamentos em bacias sem interferência com TI ou UC1 2015 19,8 11,2 2 Aproveitamentos em bacias não estudadas ou próximos a TI ou UC 2020 23,5 14,0 3 Aproveitamentos com grande economicidade mas com interferência em TI ou UC2 2025 18,0 10,7 4 Aproveitamentos com grande complexidade ambiental ou baixo nível de investigação 2030 75,7 45,0 cerca de 30% do potencial hidrelétrico total TI: Terras indígenas; UC: Unidades de Conservação 1/ Para as bacias em que os estudos de inventário ainda não foram atualizados, considerou-se as seguintes frações do potencial estimado como sem interferências com TI ou UC: bacia do Aripuanã, 70% (em razão da existência de TI em 25% da bacia); bacia do Sucunduri, 85% (devido à existência de UC de uso sustentável na porção mais alta da bacia). 2/ Esta classificação admite que os condicionantes atuais possam ser equacionados visando à viabilização do aproveitamento do potencial.

33 Hipóteses para expansão da oferta hidrelétrica
Energia Nuclear no PNE 2030 Hipóteses para expansão da oferta hidrelétrica ≈ 70%

34 Expansão de renováveis (exclusive hidro grande porte)
PCH desenvolvimento de cerca de metade do potencial hoje conhecido, o que significa acrescentar MW no período Centrais eólicas instalação de uma capacidade instalada equivalente à toda a primeira fase do PROINFA, o que significa acrescentar MW no período

35 Expansão de renováveis (exclusive hidro grande porte)
Biomassa da Cana aproveitamento do potencial indicado pelos estudos específicos sobre a cana-de-açúcar, o que significa disponibilizar, até 2030, MW exclusivamente para a rede (em adição ao uso próprio) Outras biomassas (RSU) para efeito de cálculo, considerou-se o aproveitamento energético de metade do volume de RSU produzido pelas 300 maiores cidades brasileiras (cerca de 40% do volume nacional), o que significa uma potência de MW

36 Possibilidades de interligações
Energia Nuclear no PNE 2030 Possibilidades de interligações Venezuela Xingu Boa Vista Macap á Manaus Rio Branco P. Velho Madeira Argentina / Paraguai Sul Centro - Oeste Sudeste Nordeste Norte Uruguai Guiana centros de carga isolados que serão interligados ao SIN p ó los gera ç ão subsistemas do SIN Legenda : interliga ões existentes novas interligações possíveis Tapajós

37 Expansão das interligações (PNE 2030)
Energia Nuclear no PNE 2030 Expansão das interligações (PNE 2030) Elaboração: EPE Fonte: PNE 2030

38 Principais concorrentes da energia nuclear
Energia Nuclear no PNE 2030 Principais concorrentes da energia nuclear Incerteza GÁS CARVÃO NUCLEAR Crítica NATURAL Meio maior aceitação aceitação negociada, aceitação negociada, ambiente requer investimentos e descomissionamento tecnologia Investimento elevado relativo restrições privado interesse interesse constitucionais Mercado do restrições de restrições normais restrições combustível infra-estrutura de mercado significativas (gás ainda não é commodity) Dependência potencial nacional potencial nacional de há vasto potencial externa limitado → importação baixo conteúdo energético do minério → importação

39 Reservas nacionais de carvão mineral
Energia Nuclear no PNE 2030 Reservas nacionais de carvão mineral Reservas nacionais de carvão mineral (em bilhões de toneladas)

40 Reservas e produção de gás natural
Energia Nuclear no PNE 2030 Reservas e produção de gás natural Produção doméstica de gás natural Utilização das reservas 1.450 em bilhões de m3 Obs.: valores em milhões de m3 por dia Elaboração EPE 306 1.270 5.200

41 Importações de gás natural Dependência de importações
Energia Nuclear no PNE 2030 Importações de gás natural Dependência de importações milhões de m3 por dia % do consumo Elaboração EPE

42 Reservas nacionais de urânio
Energia Nuclear no PNE 2030 Reservas nacionais de urânio Estudos de prospecção e pesquisas geológicas realizados em apenas 25% do território nacional Mesmo assim, ocorrências conhecidas colocam o Brasil como detentor da 6ª reserva mundial de urânio Medidas e Indicadas Inferidas TOTAL Depósito-Jazida < 40 US$/kg U < 80US$/kg U Sub-Total Caldas (MG) 500 4.000 4.500 Lagoa Real/Caetité (BA) 24.200 69.800 94.000 6.770 Itataia/Santa Quitéria (CE) 42.000 41.000 83.000 59.500 Outras 61.600 66.200 Fonte: INB (2006)

43 Recursos adicionais estimados (ainda não conhecidos)
Energia Nuclear no PNE 2030 Recursos adicionais estimados (ainda não conhecidos) t t t t t Recursos Adicionais Estimados: t U308 Fonte: INB (2006)

44 Reservas nacionais de urânio
Energia Nuclear no PNE 2030 Reservas nacionais de urânio Reservas nacionais de urânio (em toneladas de U3O8)

45 Custos da geração termelétrica
Energia Nuclear no PNE 2030 Custos da geração termelétrica US$/MWh carvão importado gás natural nuclear carvão nacional Observações: Taxa de desconto: 8% ao ano Custo na barra da usina Não considera financiamento Não considera impostos Preços de 2006 Fonte: PNE 2030

46 Competitividade das fontes de geração
Energia Nuclear no PNE 2030 Competitividade das fontes de geração

47 Expansão da oferta na rede (PNE 2030) Capacidade instalada em
Energia Nuclear no PNE 2030 Expansão da oferta na rede (PNE 2030) Fonte Capacidade instalada em Acréscimo 2020 2030 Hidrelétricas 88.200 57.300 Grande porte1 Térmicas 26.897 39.897 22.945 15.500 Gás natural 14.035 21.035 12.300 8.000 Nuclear 4.347 7.347 5.345 4.000 Carvão2 3.015 6.015 4.600 3.500 Outras3 5.500 700 - Alternativas 8.783 20.322 20.048 15.350 PCH 3.330 7.769 7.473 6.000 Centrais eólicas 2.282 4.682 4.733 3.300 Biomassa da cana 2.971 6.571 6.515 4.750 Resíduos urbanos 200 1.300 1.327 Importação 8.400 TOTAL 88.150 1/inclui usinas binacionais; 2/ refere-se somente ao carvão nacional: não houve expansão com carvão importado; 3/ a expansão após 2015 é, numericamente, pouco significativa, por referir-se aos sistemas isolados remanescentes (0,2% do consumo nacional). Elaboração: EPE

48 Expansão da oferta na rede (2015-2030): regionalização
Energia Nuclear no PNE 2030 Expansão da oferta na rede ( ): regionalização

49 Matriz de Energia Elétrica (na rede)
Energia Nuclear no PNE 2030 Matriz de Energia Elétrica (na rede) Potência Instalada 2005 MW Hidro Termo Nuclear 2.002 Outras renováveis 854 TOTAL Obs.: inclui metade de Itaipu exclui autoprodução e importação 2005 Acréscimo de potência MW Hidro Gás Nuclear 5.345 Carvão 4.600 Outras termo 700 PCH 7.473 Eólica 4.733 Biomassa cana 6.515 RSU e outras 1.327 TOTAL (*) inclui importação e PCH Exclusive autoprodução 4% da expansão na rede 2010 2030 Elaboração: EPE Fonte: PNE 2030 Importante: repartição refere-se à geração e não à potência instalada

50 Matriz Elétrica Brasileira em 2030 Ranking por fonte (TWh)
Energia Nuclear no PNE 2030 Matriz Elétrica Brasileira em 2030 Ranking por fonte (TWh) (inclui autoprodução) Hidráulica de grande porte (*) 820,7 68,6% Resíduos industriais 97,8 8,2% Gás 92,1 7,7% Renováveis na rede (**) 91,5 7,6% Nuclear 51,6 4,3% Carvão 31,4 2,6% Outras não renováveis 12,5 1,0% TOTAL 1.197,6(***) 100% Elaboração: EPE Fonte: PNE 2030 (*) inclui importação (**) PCH, centrais eólicas, biomassa (cana) e RSU (***) inclui perdas

51 Matriz Elétrica Brasileira em 2030
Energia Nuclear no PNE 2030 Matriz Elétrica Brasileira em 2030 Em 2030: a geração nuclear no Brasil deverá ser 4 vezes maior do que em 2007 a participação da energia nuclear na matriz elétrica brasileira deverá ser pelo menos 70% maior do que a de 2007 Elaboração: EPE Fonte: PNE 2030

52 Muito obrigado! EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA - EPE
Av. Rio Branco, 1 – 11o andar Rio de Janeiro RJ Tel.: + 55 (21) Fax: + 55 (21)

53


Carregar ppt "Workshop Energia Nuclear COMO ALTERNATIVA VIÁVEL PARA EXPANSÃO DA OFERTA DE ENERGIA Projeção do Crescimento da Energia Termonuclear na Matriz Energética."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google