A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 3 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 3 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho."— Transcrição da apresentação:

1 Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 3 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho

2 COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Aplicar os conhecimentos e as recomendações técnicas para prover Equipamento de Proteção Coletiva EPCs e EPIs aos trabalhos na construção civil.

3 NR ALVENARIA, REVESTIMENTOS E ACABAMENTOS

4 Proteção a baixo das áreas de colocação de vidro. Marcação dos vidros de maneira visível. NR ALVENARIA, REVESTIMENTOS E ACABAMENTOS Proteção dos quadros fixos de tomadas energizadas.

5 Proibir atividades sobre fornos ou qualquer equipamento que emane gases; Proibir trabalhos em dias de chuvas, ventos fortes ou superfícies escorregadias; NR TELHADOS E COBERTURAS Sinalizar, isolar a área e utilizar cabos de segurança para fixação do EPI;

6 NR TELHADOS E COBERTURAS Inspecionar e elaborar permissões para o trabalho; Evitar concentração de carga num único ponto.

7 NR INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Instalar DR – Dispositivo Diferencial Residual e, disjuntores ou chaves magnéticas; Ligar máquinas ou equipamentos elétricos móveis por intermédio de conjunto de plugue e tomada.

8 Proteger contra impactos mecânicos, umidade e agentes corrosivos e fechamento acidental do circuito; Retirar instalações inoperante e identificar os circuitos; Chave individual para cada circuito de derivação; Aterrar partes metálicas; Realizar serviços em instalações desenergizado; NR INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

9 NR SERVIÇOS EM FLUTUANTES Plataformas de trabalho com guarda-corpo, ancoradas em terra firme, piso antiderrapante, e coletes salva-vidas(cor laranja) para todos os trabalhadores; Sinalização de segurança e o equipamento de salvamento iluminados com lâmpadas à prova d'água.

10 Seguir orientação do Ministério da Marinha quanto ao tráfego marítimo; Não ter a bordo trapos embebidos em óleo ou qualquer outra substância volátil; Instalar extintores de incêndio em número e capacidade adequados; Uso obrigatório de botas com elástico lateral. NR SERVIÇOS EM FLUTUANTES

11 NR-18. ESCADAS RAMPAS E PASSARELAS A transposição de pisos com diferença de nível superior a 0,40m deve ser feita por meio de escadas ou rampas; Usar madeira de boa qualidade, sem apresentar nós e rachaduras, estar seca e sem pintura que pode encobrir as imperfeições;

12 Escadas provisórias de uso coletivo: Largura mínima de 0,80m, patamar intermediário a cada 2,90m. Ser dotadas de corrimão e rodapé. CUIDADOS COM AS ESCADAS PROVISÓRIAS

13 Ter, no máximo, 7m de extensão; Espaçamento uniforme entre os degraus; Ultrapassar o piso superior; Fixada nos pisos inferior e superior ou com antiderrapante; Apoiada em piso resistente. CUIDADOS COM AS ESCADAS DE MÃO

14 Escada de abrir deve ser rígida, estável e provida de dispositivos que a mantenham com abertura constante Comprimento máximo de 6m, quando fechada. CUIDADOS COM AS ESCADAS

15 Escada extensível deve ser dotada de dispositivo limitador de curso; Permitir uma sobreposição de no mínimo 1m. CUIDADOS COM AS ESCADAS

16 Se tiver 6m ou mais de altura, deve ser provida de gaiola protetora a partir de 2m; Para cada lance de 9m, deve existir um patamar intermediário de descanso, protegido por guarda-corpo e rodapé. CUIDADOS COM AS ESCADAS MARINHEIRO

17 CUIDADOS COM AS RAMPAS Passarela Rampa

18 Fixadas no piso inferior e superior, não ultrapassar 30° de inclinação em relação ao piso; Ter peças transversais, espaçadas em 0,40m, no máximo, para apoio dos pés; Quando for para trânsito de caminhões devem ter largura mínima de 4m e ser fixadas em suas extremidades; Não devem existir ressaltos entre o piso da passarela e o piso do terreno. CUIDADOS COM AS RAMPAS

19 Meios de transportes normalizados e com autorização prévia; Condutor habilitado NR TRANSPORTE DE TRABALHADORES EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

20 Se não tiver vias em condição de tráfego poderá ser utilizado um veículo precário desde que: Fechamento do perímetro da carroceria, cobertura, escada para acesso; Assentos, barras de apoio para as mãos e cinto de segurança; Materiais em compartimentos separados dos trabalhadores; Sistemas de ventilação e comunicação entre a cobertura e a cabine do veículo; NR TRANSPORTE DE TRABALHADORES EM VEÍCULOS AUTOMOTORES

21 NR LOCAIS CONFINADOS Tubulão Caixa dágua

22 Treinar e orientar os trabalhadores quanto aos riscos, formas de preveni-los e para o resgate; Utilizar EPIs adequados, inclusive, quando se utilizar produtos químicos Inspecionar, elaborar ordem de serviço, retirar os contaminantes e monitorar ; Sinalizar durante os trabalhos, fazer ventilação, insufladora ou exaustora, sendo proibido o uso de oxigênio; Uso de cordas ou cabos de segurança e armaduras para amarração que possibilitem meios seguros de resgate; NR LOCAIS CONFINADOS

23 CABOS DE AÇO

24 Não podem ter emendas nem pernas quebradas e serem substituídos quando apresentarem sinais que comprometam a sua integridade; Carga de ruptura equivalente a, no mínimo, 5(cinco) vezes a carga máxima de trabalho; Os cabos de fibra sintética usados na sustentação de cadeira suspensa ou como cabo-guia para fixação do trava-quedas do cinto de segurança tipo pára-quedista, deverá ter alerta visual amarelo; NR CABOS DE AÇO E CABOS DE FIBRA SINTÉTICA

25 Identificar locais de apoio que compõem o canteiro de obras e manter comunicação através de avisos, cartazes ou similares; Advertir contra perigo: partes móveis de máquinas, transporte de materiais, risco de queda; Identificar acessos, saídas, circulação de veículos, equipamentos na obra e locais com substâncias perigosas. Uso de colete ou tiras refletivas nos serviços em vias públicas ou em movimentação e transporte vertical de materiais. NR SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

26 MÁQUINAS MÁQUINAS - dispositivo que depende de uma fonte de energia fazendo a transformação de algo. Ex: Betoneira, serra circular. EQUIPAMENTOS EQUIPAMENTOS - auxiliam nas tarefas e nos transporte de materiais e pessoas. Ex: Carro de mão. FERRAMENTAS FERRAMENTAS - utensílio, dispositivo, ou mecanismo físico ou intelectual utilizado, geralmente de forma manual. Ex: Colher de pedreiro, chave de fenda. NR MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS DIVERSAS

27 Operadas por trabalhador qualificado e identificado por crachá. Proteção de partes móveis dos motores, transmissões e partes perigosas. Inspeção e manutenção de acordo com as normas técnicas registradas em documento específico, constando as datas e falhas observadas, as medidas corretivas adotadas e a indicação de pessoa, técnico ou empresa habilitada que as realizou. NR MÁQUINAS, EQUIPAMENTOS E FERRAMENTAS DIVERSAS

28 NR TAPUMES E GALERIAS Construído no alinhamento da calçada de forma resistente, com altura mínima de 2m para impedir o acesso de pessoas estranhas.

29 Comunicar o acidente fatal à autoridade policial competente e ao órgão regional do MTE; Isolar o local diretamente relacionado ao acidente, mantendo suas características até sua liberação pela autoridade policial competente e pelo órgão regional do MTE. Encaminhar os dados estatísticos à FUNDACENTRO: Anexo I - Ficha de Acidente do Trabalho; Anexo II - Resumo Estatístico Anual. NR ACIDENTE FATAL E NR DADOS ESTATÍSTICOS NR ACIDENTE FATAL E NR DADOS ESTATÍSTICOS

30 Organizar a CIPA por canteiro - mais de 70 funcionários; Organizar CIPA Centralizada – menos de 70 funcionários nos canteiros de obra da mesma cidade; Constituir comissão provisória, através de eleição, 1 membro efetivo e 1 suplente, para cada grupo de 50 funcionário, nas obras que não exceda 180 dias de duração. NR CIPA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

31 Compostos por representantes titulares do governo, dos empregadores e dos empregados Atribuições: Deliberar a respeito das propostas apresentadas pelos CPR, ouvidos os demais CPR; Encaminhar ao MTE as propostas aprovadas e justificar aos CPR as não aprovadas; Elaborar propostas, encaminhando cópia aos CPR; Aprovar as RTP – Recomendação Técnica de Procedimento. NR CPN COMITÊ PERMANENTE NACIONAL NR CPN COMITÊ PERMANENTE NACIONAL

32 Atribuições: Estudar e propor medidas para o controle e a melhoria das condições e dos ambientes de trabalho; Implementar a coleta de dados sobre acidentes de trabalho e doenças ocupacionais propondo campanhas de prevenção de acidentes; NR CPR COMITÊ PERMANENTE REGIONAL NR CPR COMITÊ PERMANENTE REGIONAL

33 1ª Parte: Apresente um levantamento sobre os perigos/riscos dos serviços abaixo e as suas respectivas medidas de controle baseando-se, também, no item da NR-18.17: - Colocação de forro de gesso; - Revestimento de piso em cerâmica; - Pintura com rolo e tinta látex/PVA; - Impermeabilização. ATIVIDADEATIVIDADE

34 Responda a tarefa seguindo o modelo da tabela abaixo e utilize as informações da NR-09 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais para auxiliar na identificação dos agentes de risco: ATIVIDADE Perigo/ Riscos AgenteCausaEPIMedidas de controle coletiva ATIVIDADEATIVIDADE

35 2º Parte: Faça uma lista com 5(cinco) materiais que são utilizados na construção de uma edificação e escreva as recomendações quanto ao armazenamento e estocagem desses materiais. ATIVIDADEATIVIDADE

36 ATIVIDADEATIVIDADE A pesquisa sobre os materiais pode ser realizada num armazém e para descrever as medidas de controle deve ser levando em consideração o item da NR e as recomendações do fabricante que consta as embalagens. Procure apresentar qual foi o material através de fotos ou figuras.

37 3ª Parte: Faça uma pesquisa sobre as RTP – Recomendação Técnica de Procedimento, escreva o título das que você encontrou e descreva sobre o conteúdo que uma das RTPs. Essa descrição deve conter, no mínimo, 30 linhas. ATIVIDADEATIVIDADE

38 DICAS PARA SUA ATIVIDADE SER SFO!!! Nossa atividade deve ter os seguintes tópicos: Capa: Capa: + Nome do Aluno + Nome do Polo + Nome do Tutor + Módulo + Disciplina + Nome do Professor + Nº da Atividade. Sumário: Sumário: Tópicos da atividade e sua localização na atividade (nº da página). Introdução: Introdução: Suas considerações sobre a atividade. Desenvolvimento: Desenvolvimento: Apresentação de todos os tópicos da atividade, atendendo ao solicitado pelo Professor, sempre mostrando sua própria produção. Lembrando que cada tópico corresponde a um subtítulo, que deve estar destacado no texto. Conclusão: Conclusão: Suas considerações finais. Devem ser exclusivamente suas! Bibliografia/Fonte de Pesquisa: Bibliografia/Fonte de Pesquisa: Links e livros consultados (Revistas técnicas também são uma ótima opção de pesquisa!) Utilize o Guia Minha Atividade é SFO! Disponível no AVA

39 Dúvidas Acesse o Fórum de Dúvidas e Discussões.


Carregar ppt "Módulo de Portuária e Construção Civil – AULA 3 Prof.ª Marivaldo Oliveira FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google