A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Família, formadora dos valores Humanos e cristãos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Família, formadora dos valores Humanos e cristãos."— Transcrição da apresentação:

1 Família, formadora dos valores Humanos e cristãos

2 A situação atual obriga a uma análise da realidade das famílias no mundo moderno, sem estigmatizar nem julgar, já que existe uma crise do modelo tradicional de família, mais do que uma crise da família. (Ríos González, 2004)

3 Alguns pontos de partida Família é uma realidade complexa e em transformação. A família se apresenta como campo de tensão. Nela coexistem mecanismos de conflito e de solidariedade. Todos nós temos internalizado um modelo de família, uma idéia do que deve ser uma família. A dificuldade em analisarmos e avaliarmos a família está, comumente, vinculada à proximidade que temos com esta realidade.

4 Pensar a família é pensá-la no tempo, no decorrer de seu percurso de vida. Ela não está cristalizada em uma etapa ou momento da vida. Não se trata de idealizar a família. Ela pode ou não ser um lugar seguro para as crianças e adolescentes crescerem

5 A partir da segunda metade do século XX, a família progressivamente conheceu profundas transformações. As mudanças sociais penetram o âmago das relações familiares. Essas implicam em ganhos e custos sociais e afetivos para a família. A família contemporânea tende a ser relacional. A afetividade integra as regras formais entre sexos e gerações.(Singly, 1996)

6 1. Aumento da expectativa de vida 2. Aumento da participação da mulher no mercado de trabalho 3. Famílias menores 4. Famílias mais instáveis socialmente 5. Mobilidade das famílias é maior 6. Menos tempo de convivência Mudanças familiares

7 1. Crescimentos de separações/divórcios 2. Casamentos e recasamentos 3. Famílias monoparentais 4. Mulheres chefes de família 5. Famílias reconfiguradas (pluriparental) 6. Famílias homo afetivas 7. Famílias unipessoais 8. Famílias não parentais

8 VER A situação da família hoje pode ser colocada em aspectos positivos e negativos

9 VER PONTOS POSITIVOS: Consciência mais viva da liberdade pessoal; maior qualidade nas relações interpessoais do matrimônio; promoção da dignidade da mulher e da criança; procriação responsável; melhora na educação dos filhos; ajuda recíproca entre as famílias no aspecto material e espiritual; descoberta da missão eclesial própria da família; senso maior de responsabilidade da família na construção de uma sociedade mais justa.

10 A boa nova da família Proclamamos o valor da família = escola de fé, espaço de valores humanos e cívicos... A família é insubstituível para a serenidade pessoal e para a educação de seus filhos (DA 114). Agradecemos com Cristo que eleva a família à dignidade de Igreja Doméstica Bendizemos – criação do homem e mulher - ainda que hoje se queira confundir esta verdade (DA 116) No seio de uma família a pessoa descobre os motivos e o caminho para pertencer à família de Deus. Deus ama nossas famílias, apesar de tantas feridas e divisões

11 VER PONTOS NEGATIVOS: - Uma errada concepção teórica e prática da independência dos cônjuges entre si; as graves ambigüidades acerca da relação de autoridade entre pais e filhos; dificuldade na transmissão dos valores cristãos; número crescente de divórcios; a praga do aborto; a esterilização;

12 VER A família, que desempenha uma função concreta e fundamental na sociedade, e alvo de numerosas forças que a procuram desestruturar e destruir.

13 VER PONTOS NEGATIVOS: - a mentalidade contraceptiva, a falta dos meios fundamentais para a sobrevivência da família como: trabalho, habitação, medicamentos e falta de políticas públicas que possam mudar esta situação negativa na qual se encontra a família. Nos países ricos destaca-se como ponto negativo a baixa taxa de natalidade (n

14 VER As mudanças sociais e a sua repercussão na família. Existência de diferentes modelos de famílias; novas concepções e técnicas de procriação; redução de número de filhos; emancipação da mulher e seu trabalho fora do lar; conflito de gerações; aumento da violência dentro e fora de casa; fragilidade das políticas públicas sociais; relativismo religioso, ético e cultural; migração desordenada e perca do fator de integração social da família.

15 VER Influência negativa da globalização. Degradação do ser humano; a imaturidade psicológica e o abandono de valores morais; a desestruturação da família, uniões livres, difusão do homossexualismo, profissionalização da prostituição; a difusão do rompimento de vínculo conjugal, produções independentes, aumento de mães e pais solteiros; a distribuição maciça de contraceptivos; fecundação artificial; o aborto, a rejeição, a redução e o abandono dos filhos, as falhas dos pais na sua responsabilidade de educadores, omissão paterna; os meios de comunicação social e a dupla jornada de trabalho da mulher.

16 VER O impacto do secularismo e do indiferentismo religioso sobre a família. Prega uma privação e uma negação de Deus; civilização consumista e do hedonismo; ambição de poder; impera a moda do Você decide e do eu acho; subjetivismo e relativismo religioso; dificuldade de aceitar a doutrina do Magistério da Igreja sobre a vida humana na área da moral social e sexual;

17 VER O impacto do secularismo e do indiferentismo religioso sobre a família. separação entre fé e vida; dificuldade de viver a espiritualidade dos casais; desconhecimento da doutrina da Igreja sobre a religião e a família; a situação de pobreza dos brasileiros e o consumismo exagerado de outros.

18 CASAMENTOS 49% dos brasileiros são casados 37% são solteiros 9% são separados 6% viúvos. 37% dos casados moram com filhos Famílias sem filhos somam 15,3 milhões de pessoas. Para a maioria dos brasileiros morar juntos durante um certo tempo significa constituir família.

19 ABORTO 87% condenaram esta prática como moralmente errada; 6% opinaram que não é uma questão moral; 3% consideraram a prática como moralmente aceitável. 4% não opinaram. De 1998 a 2007, a rejeição à prática do aborto cresceu dez pontos percentuais.

20 ADOLESCENTES E JOVENS Na sociedade de hoje estão mais expostos aos efeitos da pobreza, vitimas de toda sorte de alienação, que afetam sua identidade pessoal e social (20 milhões de famílias que não recebem mais que 3 salários mínimos por mês) São fortemente influenciados por falsas ilusões de felicidade e pelo paraíso enganoso das drogas, do prazer, do álcool e de todas as formas de violência. Estão afetados por uma educação de baixa qualidade (Doc. 87, n. 122).

21 ATITUDE DOS PAIS Dificuldade familiares não tem a ver só com o natural conflito de gerações, mas também com a atitude geral dos pais. Em lugar do patriarcado (regras rígidas) estabeleceu-se uma alegre bagunça. Pais bonzinho são tão danosos quanto pais indiferentes: o amor não se compra com presentes, nem fingindo não saber, desviando o olhar quando ele devia estar vigilante. (Lya Luft – Veja 11/06/2008 – Ponto de Vista)

22 POSIÇÃO DOS PAIS DIANTE DO DESVIO COMPORTAMENTO DOS FILHOS. Quanto ao uso da maconha, a maioria dos pais acha isso falta grave. 83% acham falta grave o uso da cocaína. Acham muito grave o fato do filho pertencer a uma gangue violenta.

23 NO TOCANTE AO TEMA VALORES. RELIGIÃO: - 40% dos homens consideram muito importante; - 50% das mulheres consideram muito importante. - FAMILIA - 81% consideram a família como muito importante (isso entre os que tem renda entre 10 e 20 salários mínimos)

24 DINHEIRO Somente 35% dos membros de família com renda entre 10 a 20 salários mínimos consideram o dinheiro muito importante; 32% dos membros de famílias que tem renda superior a 20 salários mínimos, consideram o dinheiro muito importante; 29% dos membros de família que possuem até 10 salários mínimos, consideram o dinheiro muito importante.

25 TIPOS DE FAMÍLIAS Casamentos regulares (casados no civil e religioso); Casamento à experiência (amasiados); Uniões livres de fato (sem nenhum vínculo institucional) Católicos unidos apenas em casamento civil; Separados e divorciados sem segunda união; Divorciados que contraem nova união – casais em segunda união. Fonte CNPF.

26 NOVO TIPO DE CASAMENTO Em 1998, 20% dos homens pensavam que a qualidade da mulher era cuidar bem da casa, em 2007 essa percentagem caiu para 7%. Em 1998, 12% dos homens disseram que cuidar dos filhos seria a qualidade principal da mulher, em 2007, caiu para 4%. Em 1998, 14% das mulheres achavam que o importante no marido era sustentar a família, agora em 2007, o índice caiu para 4%. Em 1998, 23% escolheram a fidelidade como essencial para a felicidade no casamento, agora são 38%. Em compensação a importância do amor caiu de 41% para 35% para a felicidade no casamento.

27 PARÓQUIA IMACULADA CONCEIÇÃO – DOIS VIZINHOS PERÍMETRO RURAL 1682 Famílias visitadas. Casadas regular – 69,67%. Amasiadas, segunda união, separados, viúvos – 16,39% Não identificadas – 13,94%. PERIMETRO URBANO 2129 famílias visitadas. Casadas regular – 56,78%. Amasiadas, segunda união, separados, viúvos – 32,74% Não identificadas – 10,48%.

28 PARÓQUIA IMACULADA CONCEIÇÃO – DOIS VIZINHOS – 2006/2007. Total de famílias visitadas – 100% Famílias casadas regulares – 60,70%. Amasiados (experiência) /segunda união/separados, viúvos – 32,83%. Não identificadas – 6,47%

29 Diminuição na Configuração Familiar: Mudanças no Perfil da Família Brasileira Diminui o número de casamentos: Estudos demonstram que na década de 90 a tendência foi a diminuição na configuração ( menor número de pessoas que compõem a família) e aumento da diversidade dos grupos familiares; O número de casamentos em 2002 ( IBGE, 2003) é 4% inferior ao de Há 12 anos eram 7,5 uniões legais por mil habitantes. Esse número caiu para 5,7 por mil.

30 Aumento do número de relações sem registro: Casamentos tardios: Idosos se casam mais: O número de uniões consensuais, sem papel passado quase dobraram na última década; Homens e mulheres estão casando três anos mais tarde do que há uma década. Média de idade feminina: 26,7 anos – Média masculina: 30,3 anos; No grupo com mais de 65 anos, os homens casam-se cerca de 5 vezes mais do que as mulheres;

31 Menos casamentos e mais uniões rompidas: Recasamentos : De 1991 a 2002 as separações aumentaram 30,7%. Houve um incremento de 59,6% dos divórcios; O percentual de divorciados em novas tentativas de casamento passou de 5,3% do total em 1991 para 10,8% em 2002.

32 Uniões precoces: Casais sem filhos: Nas uniões de 2002, 12% dos cônjuges tinham menos de 20 anos; Pessoas morando sozinhas: Aumentou em 64% o número de pessoas que moram sozinhas; 39% dos casais não tem filhos; Famílias monoparentais: Mulheres que criam seus filhos sozinhas: aumentou 53% na última década;

33 JULGAR O matrimônio e a família: a obra predileta de Deus. - Deus criou o homem e a mulher à sua imagem e semelhança, chamando-os à existência por amor e para o amor. Só o ser humano foi chamado por Deus a compartilhar, pelo conhecimento e o amor, a vida de Deus. O amor é a fundamental e originária vocação do ser humano. A unidade na Trindade é unidade de comunhão.

34 JULGAR O Conceito de Matrimonio. O código de Direito Canônico define matrimônio como: a aliança matrimonial pela qual o homem e a mulher constituem entre si uma comunhão para a vida toda e é ordenada por sua índole natural ao bem dos cônjuges e á geração e educação da prole, e foi elevada, entre os batizados à dignidade de sacramento. (cânon 1.055

35 JULGAR As Finalidades Naturais do Matrimônio. O matrimônio está baseado na lei natural por que a diferença dos sexos, a atração física, afetiva e psicológica entre homem e mulher existe desde a criação do ser humano, por isso de direito divino positivo. A Teologia e o Código de Direito canônico só regulamentaram o matrimônio natural pré- existente. Assim a união entre homem e mulher é uma integração completa na esfera afetiva, intelectual, espiritual e vital.

36 JULGAR As Finalidades do Matrimônio na Bíblia. Deus criou o homem à sua imagem e criou- os homem e mulher; e os abençoou dizendo- lhes: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e submetei-a. (Gn 1,27-28); e ainda Não é bom que o homem esteja só; dar-lhe-ei uma auxiliar que lhe seja semelhante[...] Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe para unir-se à sua mulher; e serão os dois uma só carne (Gn 2,24). Este último texto mostra o amor como integração de personalidades

37 JULGAR A Educação dos Filhos. Sem a educação dos filhos a geração é um ato imperfeito. Os pais tem uma gravíssima obrigação de educar a prole, por isso os pais são os primeiros e principais educadores, e a família, a primeira escola das virtudes (Familiaris Consortio n.36).Procriação e educação são dimensões complementares. O direito-dever educativo dos pais qualifica-se como essencial, ligado como está à transmissão da vida humana; e ainda, como original e primário, como insubstituível e inalienável, e portanto, não delegável.

38 JULGAR A Família: Igreja Missionária e Igreja Doméstica Os pais e cônjuges são chamados por Deus a evangelizar a partir da própria família cristã pois receberam uma missão de salvação do próprio Jesus Cristo. Esta missão está baseada no Batismo que nos torna profetas, sacerdotes e pastores. A missão é de ensinar, santificar e governar. Os pais não só comunicam o Evangelho aos filhos, mas podem receber deles o mesmo Evangelho profundamente vivido.

39 JULGAR A Família: Igreja Missionária e Igreja Doméstica São evangelizadores e contagiantes: a paz, a segurança e alegria que emanam de uma fé coerente, vivida no seio de uma família verdadeiramente cristã. A família verdadeiramente cristã também é a melhor sementeira de vocações para o apostolado da Igreja. O caminho das vocações precisa ser preparado pela própria família.

40 JULGAR A Inserção da Família na Grande Família da Igreja A comunidade local deve trabalhar para que todas as famílias a ela pertencentes estejam inseridas na Igreja, de modo especial as famílias mais jovens que se encontram mais expostas a perigos em função dos eventuais problemas criados pela adaptação à vida em comum dos primeiros anos de casamento ou do nascimento dos filhos.Os casais mais jovens saibam acolher cordialmente e inteligentemente valorizar a ajuda discreta, delicada e generosa de outros casais que já há tempo fazem a mesma experiência do matrimônio e da família (João Paulo II F.C n.69).

41 JULGAR O Chamado Universal à Santidade. A vocação universal à santidade também é dirigida aos cônjuges e aos pais cristãos através de dois aspectos fundamentais: o sacramento do matrimônio que santifica e a vivência do espírito cristão na vida cotidiana.

42 JULGAR O Chamado Universal à Santidade. O Sacramento do matrimônio, que retoma e especifica a graça santificante do batismo, é a fonte própria e o meio original de santificação para os cônjuges (Familiaris Consortio n. 56). O sim pronunciado no momento do consentimento é o portal que introduz o casal a uma vida permanente de santificação mútua

43 AGIR Diretrizes da Ação Pastoral Diante dos Desafios Apresentados Sobre a Família Proclamar a Palavra de Deus, dar testemunho cristão, dialogar; ter espírito de serviço; Ajudar os jovens a discernir os caminhos de Deus;. Não deixar que a família seja dominada por pseudo-valores (falsos valores); as famílias católicas precisam renovar sua adesão a de Jesus Cristo e ao Evangelho; fortalecer o amor conjugal, a união familiar e o vínculo da Igreja Doméstica com a comunidade eclesial; formar os jovens para a vida matrimonial;

44 AGIR Diretrizes da Ação Pastoral Diante dos Desafios Apresentados Sobre a Família Acompanhar os casais jovens; dar orientação social sobre a família; educar para a paternidade e maternidade responsáveis; promover as crianças e adolescentes; valorizar a vida; apresentar um lícito planejamento familiar; ajudar as famílias em crise e dificuldades; ter cuidado com os idosos; incentivar a evangelização da família pela própria família. Ajudar os casais a tomarem consciência dos efeitos colaterais dos anticoncepcionais e desmascarar os que são abortivos,

45 AGIR Diretrizes da Ação Pastoral Diante dos Desafios Apresentados Sobre a Família Conscientizar os pais de que os filhos são uma benção de Deus e destacar a alegria da paternidade e da maternidade; Desenvolver programas de difusão dos métodos naturais para o planejamento da fertilidade conjugal e para a paternidade e maternidade responsáveis; Testemunhar, explicar e ensinar de forma clara a doutrina da Igreja sobre o direito à vida humana desde o momento da concepção.

46 AGIR Diretrizes da Ação Pastoral Diante dos Desafios Apresentados Sobre a Família Denunciar a prática generalizada dos abortos em nossa região; Valorizar o tema da castidade, as uniões monogâmicas, fiéis e exclusivas nas campanhas de publicidade que combatem as doenças sexualmente transmissíveis;

47 AGIR Princípios Educativos A educação dos filhos é uma tarefa solidária entre pai e mãe; O lar é um centro de formação, uma escola dos mais altos valores: o santuário da vida. Os filhos têm o direito de ver nos pais uma coerência entre as palavras e as atitudes de cada um;

48 AGIR Princípios Educativos Os filhos também têm uma obrigação cristã de retribuir todo o trabalho que os pais fizeram em seu benefício; Honra pai e mãe. Os pais devem viver entre eles o que querem transmitir aos filhos; todos os valores não vem de fora, mas vem de dentro da família;

49 Um Lar para ser feliz depende da vivência dos valores cristãos neste mesmo lar como por exemplo: honestidade, solidariedade, respeito, sinceridade, lealdade, fortaleza, laboriosidade, constância, fidelidade, prudência, justiça, temperança, castidade, desprendimento, sobriedade, humildade, etc.

50 Os pais são os melhores mestres de seus filhos, e seu testemunho vivo é o melhor sistema pedagógico. Deve haver também uma parceria entre a escola e os pais; organizar associações de pais para ajudar na integração das famílias; oferecer cursos, oficinas, seminários sobre educação dos filhos e a família

51 AGIR Algumas Práticas de Espiritualidade no Lar As orações na família podem ser as orações antes das refeições, o terço em família, a busca dos sacramentos, a busca da conversão, do arrependimento e do perdão quando necessário. A Eucaristia que é a raiz da família, representa a aliança de Cristo com a Igreja.

52 AGIR Algumas Práticas de Espiritualidade no Lar O Domingo é o dia do Senhor, é o dia supremo da fé, um dia da escuta da Palavra e participação na Eucaristia, indispensável, o dia da esperança dos cristãos... dia de repouso e dos elogios ao Senhor. Valorizar a Semana Nacional da Família, o dia dos pais, das mães, das crianças, o dia nacional da vida e do nascituro, novenas, romarias, festas dos padroeiros, etc.

53 AGIR Outros Aspectos Relevantes da Espiritualidade no Lar Escuta da Palavra e catequese em família Propõe-se também a leitura da Sagrada Escritura, catequese familiar, círculos bíblicos, o fortalecimento do ensino religioso nas escolas, educar os filhos ao diálogo, a abertura ao irmão, a aceitação do diferente, o respeito mútuo e a difícil arte de saber ouvir. Conhecer os princípios fundamentais do ecumenismo, superar todas as formas de discriminação das famílias, por motivos de raça, nacionalidade, religião, condição social e física

54 AGIR Outros Aspectos Relevantes da Espiritualidade no Lar O Diálogo, a Dor e o Exercício do Perdão A santificação da vida matrimonial exige renovar sempre o amor conjugal; o diálogo entre os esposos é um dialogar com Cristo; aumentar o amor mútuo é o mesmo que dilatar o amor de Deus. O amor conjugal precisa ser profundo e progressivo, como o amor a Deus. Às vezes o espírito de sacrifício, o amor à cruz é indispensável para crescer na santidade conjugal.

55 AGIR Outros Aspectos Relevantes da Espiritualidade no Lar. Espírito de Serviço e Solidariedade A família deve desenvolver verdadeiros laços de fraternidade, acolhida, respeito e serviço para com cada ser humano, considerando sempre a dignidade de filho e filha de Deus, a hospitalidade, o amor pelos mais pobres, fracos, doentes, sofredores de tantas injustiças sociais, ou seja, a família é a verdadeira fonte e berço da civilização do amor.

56 AGIR Outros Aspectos Relevantes da Espiritualidade no Lar Atenção Especial às Famílias Migrantes. Promover, articular e dinamizar a organização coletiva dos migrantes, à luz de uma evangelização inculturada, numa atitude de acolhida tanto humana quanto cristã; Visitar as famílias ou seus membros que migraram, integrá-los na vida eclesial e social respeitando os seus valores culturais e religiosos; Promover a cultura de cada grupo, por meio de festas, danças, músicas e canções peculiares.

57 AGIR Atitudes que Santificam os cônjuges. As atitudes e obras que santificam os esposos no dia-a-dia são: o amor humano, a procriação e educação dos filhos, a evangelização da família, a fidelidade e cada um dos deveres que estas implicam, vividas em Cristo. Para um casal que recebeu o sacramento do matrimônio, fugir da família e dos deveres inerentes a ela seria como fugir de Deus.

58 AGIR Atitudes que Santificam os cônjuges. Maria e José se santificaram fazendo, por amor a Deus, o trabalho trivial e cansativo, mas nobre, de uma mãe dona de casa, e de um pai dedicado, dia após dia, comprovado no sofrimento e na esperança da fé que vence o mundo. Todas as ações do casal, pensamentos e palavras, precisam entrelaçar-se numa unidade de vida simples e coerente. Não pode se ter uma vida dupla, mas única no corpo e na alma.

59 AGIR Atitudes que Santificam os Cônjuges O amor conjugal, a convivência familiar, a educação dos filhos, o trabalho doméstico e profissional constituem as obras principais de santificação. Cada membro da família possui uma vida espiritual interior, mas é preciso que haja a vida de piedade própria da família como tal, que represente verdadeiramente a alma daquele lar, donde se irradiam as bênçãos divinas. Por isso é preciso aprender a rezar em família mas para isso é necessário o testemunho de vida dos pais.

60 AGIR Atitudes que Santificam os Cônjuges Esta oração pode ser de ação de graças, louvor, adoração, contemplação, escuta e afetos da alma. Que cada família tenha o seu cantinho de oração com símbolos religiosos: a Bíblia, o Catecismo da Igreja Católica; o crucifixo, o Rosário, uma Imagem de Nossa Senhora ou outro santo de devoção para que aí os filhos aprendam a se respeitar, a rezar e a estar com Deus.

61 Independente da sua estrutura e configuração, a família é o palco em que se vive as emoções mais intensas e marcantes da experiência humana. É o lugar onde é possível a convivência do amor e do ódio, da alegria e da tristeza, do desespero e da desesperança. A busca do equilíbrio entre tais emoções, somada às diversas transformações na configuração deste grupo social, têm caracterizado uma tarefa ainda mais complexa a ser realizada pelas novas famílias. (Wagner, 2001)

62 Urgência no cuidado à família hoje O Apóstolo Paulo ao verificar a falta de compreensão com a qual as pessoas recebiam suas palavras num mundo afastado de Deus, assim se expressou: Não me envergonho do Evangelho: ele é força de Deus para a salvação de todo aquele que crê (Rm 1,16).

63 Ao considerar o momento atual da missão de anunciar a todos o Evangelho sobre o Matrimônio e a Família é preciso repetir com a mesma firmeza esta convicção do Apóstolo Paulo. Para isso, requer-se a mesma valentia que é própria da vocação apostólica para anunciar uma verdade sobre o homem que muitos não querem escutar.

64 Para enfrentar os desafios é fundamental a valorização do sacramento do Matrimônio, da família e da vida. Igualmente, é urgente a multiplicação das associações familiares, a difusão intensiva e capital de uma mentalidade mais favorável à família, capaz de compreender as razões da sua valorização. Visto que a família é o valor mais querido dos nossos povos, torna-se um dos eixos transversais de toda ação evangelizadora da igreja.(DAp, 435). Isto requer uma pastoral familiar intensa e vigorosa, para proclamar o evangelho da família, promover a cultura da vida e trabalhar para que os direitos das famílias sejam reconhecidos e respeitados(DAp, 435)

65 Diante de todos os desafios que a família e a pastoral familiar enfrentam atualmente, anima-nos as palavras do Apóstolo Mateus: eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos (Mt 28,29). Papa Bento XVI, no dia da sua eleição: Na alegria do Senhor ressuscitado, confiados na Sua ajuda permanente, sigamos adiante. O Senhor nos ajudará.

66 Questionamentos 1. Quais são os maiores desafios enfrentados pela Instituição Família e quais são as causas das crises familiares, em nossas paróquias? 2. Quais são os valores presentes na vivência familiar, em nossas Paróquias, Pastorais e Movimentos? 3. Que experiências estão sendo assumidas no trabalho com as famílias e como comprometer de uma maneira integral e orgânica pastorais e movimentos para o fortalecimento da pastoral com as famílias? Quais são os maiores obstáculos para uma pastoral de Conjunto em favor da família?

67 4. Como avaliamos a preparação remota e próxima para o sacramento do matrimônio e da vida familiar em nossas Paróquias? 5. Como estamos tratando os casais em situação irregular? O que mais poderá ser feito? 6. Avaliar a dinâmica dos encontros bíblicos: adesão, experiências, frutos, desafios. 7. Que passos poderão ser dados no trabalho com as famílias no próximo ano? 8. Como nossa Pastoral ou Movimento poderá participar ativamente diante de um trabalho conjunto?

68 Precisamos acreditar como dizia o Papa João Paulo II, que a salvação do mundo passa pela família. É a família que salvará a família. Como Bons Samaritanos precisamos de curar as muitas chagas que o mundo moderno causou no seio da família, tais como: infidelidades, separações, aborto, perda da fé e procuremos levar a todas as famílias a convicção de serem berços da fé e da vida.

69 Recordar aos pais que a catequese familiar é de certo modo insubstituível e que eles são os primeiros e permanentes catequistas de seus filhos. Que a família deve ser discípula e missionária de Jesus, começando por ser Igreja Doméstica, onde se cultivam os Grupos Bíblicos e a leitura orante da Bíblia. E sobretudo que a Vocação universal à Santidade é dirigida a todos, pois o mundo precisa de famílias santas.

70 Por último, em estilo de oração, cantemos o refrão do canto que espera que todas as famílias sejam um clone da Sagrada Família de Nazaré: Tudo seria bem melhor Se o Natal não fosse um dia E se as mães fossem Maria E se os pais fossem José E se a gente se parecesse com Jesus de Nazaré. Amém.

71 DINAMIZAR E IMPLANTAR A PASTORAL FAMILIAR Tamanha é sua importância que deve ser considerada um dos eixos transversais de toda a ação evangelizadora (DA, 435; DGAE, 128; PDE, 4.1) Família é uma prioridade decisiva para o futuro da sociedade e da Igreja Católica. Presidente do Pontifício Conselho para a Família, Cardeal Ennio Antonelli

72 II - OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Formar equipes de casais, nas suas mais diversas composições e movimentos, de acordo com a situação de cada DIOCESE, para a leitura, estudo e oração a partir da Palavra de Deus, das orientações do Diretório da Pastoral Familiar, Plano Diocesano e Diretrizes.

73 II - OBJETIVOS ESPECÍFICOS 2. Resgatar a identidade, a vocação, a missão da família católica e a sua pertença à comunidade eclesial. 3. Na Dioceses onde existe a Pastoral Familiar, dar um novo animo, reanimando e confirmando sua atuação.

74 II - OBJETIVOS ESPECIFICOS 4. Levar a Palavra de Deus a diferentes ambientes familiares, eclesiais e sociais 5. Criar o cantinho de Jesus com Jose e Nossa Senhora em todas as famílias (Sagrada Família).

75 II - OBJETIVOS ESPECIFICOS 6. Incentivar depois de consolidados a criação de novas equipes de família e casais para as pastorais, trazendo os movimentos e serviços a fazerem parte deste organismo.

76 IV - FUNDAMENTAÇÃO - Um olhar atento haverá de ser dirigido à família, patrimônio da humanidade, lugar e escola de comunhão, pequena Igreja doméstica e primeiro local para a iniciação cristã das crianças. Tamanha é sua importância que deve ser considerada um dos eixos transversais de toda a ação evangelizadora (Diretrizes, 128). - A família é reconhecida como o maior valor pelo nosso povo. Por isso deve ser ajudada por uma Pastoral Familiar vigorosa (Diretrizes, 129).

77 IV - FUNDAMENTAÇÃO Não podemos deixar de aproveitar esta hora de graça. Necessitamos de um novo Pentecostes! Necessitamos sair ao encontro das pessoas, famílias, das comunidades e dos povos para comunicar e compartilhar o dom do encontro com Cristo, que tem preenchido nossas vidas de sentido, de verdade e de amor, de alegria e de esperança! (DA, 548).

78 IV - FUNDAMENTAÇÃO "Acreditar na família é construir o futuro" apostava João Paulo II "Investir na família é construir o futuro!" Ou ainda: "Família: o maior e o melhor investimento do milênio!". "A família cristã é uma boa nova para o Terceiro Milênio!" Com o convite "Família, torna- te aquilo que és!" João Paulo II pediu às famílias do mundo inteiro que encontrem de novo em si mesmas a própria verdade e a realizem no mundo.

79 Pastoral familiar Grupos de Reflexão SOS Família Preparação para o Casamento Setor casos Espediais Movimentos familiares

80 Nossa Missão Formar pequenos grupos de até (6) seis casais ou famílias nas suas mais diversas composições para a leitura, estudo e oração a partir da Palavra de Deus.


Carregar ppt "Família, formadora dos valores Humanos e cristãos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google