A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A PRENDER, CUIDAR E SOLUCIONAR A INCLUSÃO NA SALA DE AULA Tatiana Novello.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A PRENDER, CUIDAR E SOLUCIONAR A INCLUSÃO NA SALA DE AULA Tatiana Novello."— Transcrição da apresentação:

1 A PRENDER, CUIDAR E SOLUCIONAR A INCLUSÃO NA SALA DE AULA Tatiana Novello

2 P ENSAMENTO PARA O DIA Cada pessoa que passa em nossa vida, passa sozinha, é porque cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra! Cada pessoa que passa em nossa vida passa sozinha e não nos deixa só porque deixa um pouco de si e leva um pouquinho de nós. Essa é a mais bela responsabilidade da vida e a prova de que as pessoas não se encontram por acaso. Charles Chaplin

3 A S PALAVRAS QUE COMPÕEM O TÍTULO DO EVENTO, COMO DA FALA DO MOMENTO, SÃO A ESSÊNCIA SAUDÁVEL DE NOSSA CONDIÇÃO HUMANA. Saúde Aprender Cuidar Solucionar Incluir Sala de aula

4 aprender cuidar O QUE DEVO FAZER PRIMEIRO COM O DIFERENTE? solucionar incluir

5 DIFERENTE Sem qualquer ou alguma semelhança, não possuidor de características que denotam igualdade, que não é igual.

6 COMO FAÇO PARA PERCEBER QUE TAMBÉM SOU DIFERENTE?

7 PRECISO VER COISAS TOTALMENTE ESTRANHAS, OU...

8 SIMPLESMENTE PRECISO : OLHAR UM POUCO MAIS.

9 Para tudo, principalmente no que tange a diversidade humana, precisamos estar dispostos a aprender, a desconstruir e ter a certeza de que nunca sabemos realmente como as coisas são.

10

11 APRENDER Aprendizado vem do Latim APPREHENDERE, agarrar, tomar posse de, PREHENDERE, pegar, agarrar. O sentido metafórico é agarrar com o conhecimento, com a mente.

12 Como apreendemos e aprendemos sensorialmente, precisamos conscientizar as escolas e a educação que temos infinitas maneiras de aprendizagens. Isso quer dizer que em nossas memórias a longo prazo os cheiros, gostos, imagens, sons e texturas são significativamente o caminho para consolidação desses novos saberes.

13 Para ocorrer o aprendizado, precisamos disposição para este aprender com um objetivo, uma necessidade ou interesse. Por isso que as aprendizagens precisam ser significativas, pois obrigatoriamente passam pelo processo de estimulação por parte do aprendiz. Sem a pessoa querer ou ter a necessidade da coisa realizada, não vai ocorrer a aprendizagem, independente da patologia.

14 A mente humana grava e executa tudo que lhe é enviado, aspectos positivos ou negativos. Essa ação sempre acontecerá, e se dá principalmente através do exemplo que são aprendizagens significativas.

15 Aprender é mais que memorização é vivência, e quando se aplica somente a memorização é estimulada uma competição entre os humanos, como se um tivesse que superar o outro por prova que eleva os melhores em uma determinada nota, e em determinados saberes, valorizando o egoísmo pela superação de si e dos outros com finalidades de poder e dinheiro.

16 organizou uma nova economia do tempo de aprendizagem. Fez funcionar o espaço escolar como uma máquina de ensinar, mas também de vigiar, de hierarquizar, de recompensar...segundo o nível de avanço dos alunos, segundo o valor de cada um... (Foucault, Vigiar e Punir. )

17 E assim a educação parece estar em uma fase estranha de pensar, pois atua para uma memorização de conteúdos e vive com pessoas que precisam de aplicabilidades práticas e significativas de coisas para aprender. Enfim o que queremos ensinar?

18 Aprendizagens para a luta e guerra.

19 Aprendizagens para indústria e obediência.

20 Aprendizagens para a vida, para a conscientização de sobrevivência.

21 C OMO ESTÁ O ENSINO HOJE E QUAL É O SEU OBJETIVO ?

22 Sabemos que precisamos de saúde e aprender, para conseguir cuidar.

23 CUIDAR É do Latim COGITARE, pensar, cogitar. Ter cuidados com uma situação ou pessoa envolve pensamento e planejamento. Cuidar no dicionário web,significa: Imaginar – Meditar – Julgar - Tratar -Ter - Aplicar – Refletir Interessar – Trabalhar.

24 o cuidado de si tornou-se um verdadeiro fenômeno cultural como princípio de toda conduta racional, em toda forma de vida ativa que queria obedecer ao princípio da racionalidade moral. (Foucault) Para fazermos o movimento de cuidar dos outros, primeiramente precisamos aprender a cuidar de nós mesmos. E esse cuidar de nós mesmos não implica em termos gastos no sentido de compra, de modificações externas, mas sim de orientações e condutas internas que vão ser externizadas posteriormente.

25

26 A primeira condição para cuidar do outro é saber se cuidar, respeitar o tempo limite do corpo físico, dar o tempo necessário de si mesmo: A família, a casa, o trabalho serão somente um complemento do cuidado que você tem sobre si mesmo. Uma mãe feliz, vai cuidar dos filhos com felicidade, uma mãe com tristeza vai cuidar dos filhos com tristeza, uma profissional... vai cuidar das pessoas de acordo como ele é. Nestes casos não se trata de fingir estarmos bem ou de cumprirmos com nossa obrigação, são energias e sentimentos que envolvem esse contexto..

27

28 PERCEPÇÃO O mundo vai conseguir mudar quando eu conseguir mudar minha percepção do mundo, O mundo tem sempre um amanhecer a diferença é como o vejo. As pessoas também tem suas diferenças o diferencial é como eu as vejo de acordo com as minhas construções em mim mesmo.

29 Precisamos cuidar de nós mesmos, e muita vezes nos colocamos no lugar de vítima ficando com muita angústia e tristeza, mas devemos nos respeitar, assim conseguiremos respeitar o outro.Precisamos modificar os conceitos de o que é ajudar e o que é profissional. Alguns casos as pessoas precisam dos profissionais que se pré dispuseram para executar determinadas funções. Muitos desses profissionais recebem salários para fazerem o seu trabalho. Nestes casos o profissional precisa cuidar primeiro de seu comprometimento com sua escolha e depois pensar nos outros.

30 N O ÂMBITO ESCOLAR Constituição Federal de Educação Especial Lei nº 9394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDBN Lei nº 9394/96 – LDBN - Educação Especial – Lei nº 8069/90 - Estatuto da Criança e do Adolescente - Educação Especial Lei nº /94 - Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências Lei nº /02 - Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências Lei nº 7.853/89 - CORDE - Apoio às pessoas portadoras de deficiência Lei Nº 8.859/94 - Modifica dispositivos da Lei nº 6.494, de 7 de dezembro de 1977, estendendo aos alunos de ensino especial o direito à participação em atividades de estágio -

31 DECRETOS Decreto Nº 186/08- Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque, em 30 de março de 200 Decreto Nº 6.094/07- Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação Decreto Nº 6.215/07- institui o Comitê Gestor de Políticas de Inclusão das Pessoas com Deficiência – CGPD Decreto Nº 6.214/07- Regulamenta o benefício de prestação continuada da assistência social devido à pessoa com deficiência Decreto Nº 6.571/08- Dispõe sobre o atendimento educacional especializado Decreto nº 5.626/05 - Regulamenta a Lei que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS Decreto nº 2.208/97 - Regulamenta Lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional Decreto nº 3.298/99- Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências Decreto nº 914/93 - Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência Decreto nº 2.264/97- Regulamenta a Lei nº 9.424/96 Decreto nº 3.076/99- Cria o CONADE Decreto nº 3.691/00- Regulamenta a Lei nº 8.899/96 Decreto nº 3.952/01 - Conselho Nacional de Combate à Discriminação Decreto nº 5.296/04- Regulamenta as Leis n° e com ênfase na Promoção de Acessibilidade Decreto nº 3.956/01 – (Convenção da Guatemala) Promulga a Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Pessoas Portadoras de Deficiência

32 PORTARIAS Portaria nº 976/06 - Critérios de acessibilidade os eventos do MEC Portaria nº 1.793/94 - Dispõe sobre a necessidade de complementar os currículos de formação de docentes e outros profissionais que interagem com portadores de necessidades especiais e dá outras providências Portaria nº 3.284/03 - Dispõe sobre requisitos de acessibilidade de pessoas portadoras de deficiências, para instruir os processos de autorização e de reconhecimento de cursos, e de credenciamento de instituições Portaria nº 319/99 - Institui no Ministério da Educação, vinculada à Secretaria de Educação Especial/SEESP a Comissão Brasileira do Braille, de caráter permanente Portaria nº 554/00 - Aprova o Regulamento Interno da Comissão Brasileira do Braille Portaria nº 8/01 - Estágios

33

34 1. Toda pessoa tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

35

36 "Somos diferentes, mas não queremos ser transformados em desiguais. As nossas vidas só precisam ser acrescidas de recursos especiais". (Peça de teatro: Vozes da Consciência,BH) Tudo deveria se tornar o mais simples possível, mas não simplificado (Albert Einstein)

37 O que é simples: Oferecer um banheiro adequado o todos. Oferecer aulas adequadas a todos. Oferecer atendimento médico a todos. E poderíamos ter milhões de frases...

38 N OSSA LINHA DE PENSAMENTO saúde aprender cuidar solucionar

39 SOLUCIONAR Vem do Latim SOLUTIO, afrouxamento, ato de soltar algo, de SOLVERE, afrouxar, soltar, dissolver. No dicionário: Desfecho, conclusão.Decisão.Dissolução.

40 P ARA EU BUSCAR UM SOLUÇÃO PRECISO... Saber que tenho um problema.

41

42

43 S AÚDE A PRENDER CUIDAR SOLUCIONAR Devo aprender a cuidar de como vou solucionar um problema, buscar no simples e com responsabilidade a resposta, vai proporcionar a mim maior bem estar e saúde.

44

45 Você tem um problema quando alguma coisa vai mal. Você encontra a causa quando descobrir em primeiro lugar o que criava o problema. E você deve fazer alguma coisa a respeito, tomando alguma providência para resolvê-lo. Estes são os elementos com os quais você trabalha. O que você faz quando trata de um problema não e tão difícil de entender.

46

47 Saúde Aprender Cuidar Solucionar Incluir

48 I NCLUSÃO FAZER PARTE, ESTAR DENTRO, PARTICIPAR, TER SUAS CARACTERÍSITICAS FÍSICAS E INTELECTUAIS RESPEITADAS. SER AMOROSO, AFETUOSO, DAR SORRISOS, BUSCAR A HARMONIA DAS DIFERENÇAS.

49 O conceito inclusão é resultado de um espiral histórico de progressos, dismitificações, acessibilidade,facilitadores, consciência educacional mais ampla e outros, somente povos e escolas evoluídos tem condições de fazerem inclusão.

50 Portanto incluir é deixar fazer parte, somente assim conseguiremos conhecer a realidade e dar continuidade as futuras discussões.

51 SAÚDE APRENDER CUIDAR SOLUCIONAR INCLUIR SALA DE AULA

52 O que é sala de aula? Um espaço ou local, onde damos aula, precisa ter parede, classes escolares, quadro, giz, janelas, porta, apagador, lixeira, cortinas, armário, vassoura. S ALA DE AULA

53 Só que sala de aula é uma denominação para um ambiente que contempla uma ideologia, se pensarmos em o que a educação visa na atualidade, não podemos mais ter esse tipo de sala de aula.

54 Precisamos remodelar o ambiente escolar, assim como estão sendo remodeladas nossas ideias de vida com inclusão:

55 Sala de aula deve ser um canteiro de dúvidas para o plantio de construção sociointelectual. Dessa forma, a escola necessita romper seus próprios limites físicos e se fazer vida com a vida, espaço que precisam ser ouvido e respeitado. É, ainda, um laboratório de formação e informação, passando a ser uma via que nos possibilita perceber outros caminhos.

56 Isso é sala de aula.

57 L EGISLAÇÃO DE 1948 PELA ONU Declaração Universal dos Direitos do Homem Artigo 1º: Todas as pessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com espírito de fraternidade.

58 Podemos concluir que : A saúde (pensamentos) é fundamental para nós conseguirmos aprender; aprender é fundamental para conseguirmos cuidar; cuidar é indispensável para conseguirmos solucionar; solucionar é fato incluso no ato de incluir; e incluir faz parte da sala de aula, pois se não tivesse inclusão todos nós os diferentes não conseguiríamos estar dentro deste contexto.

59

60 OBRIGADO A TODOS E FIQUEM COM DEUS.


Carregar ppt "A PRENDER, CUIDAR E SOLUCIONAR A INCLUSÃO NA SALA DE AULA Tatiana Novello."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google