A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Redação. Foco na Unicamp Escreve bem quem lê muito e escreve melhor quem lê e escreve muito. Assim como o esporte, a leitura e a escrita devem ser exercitados.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Redação. Foco na Unicamp Escreve bem quem lê muito e escreve melhor quem lê e escreve muito. Assim como o esporte, a leitura e a escrita devem ser exercitados."— Transcrição da apresentação:

1 Redação

2 Foco na Unicamp Escreve bem quem lê muito e escreve melhor quem lê e escreve muito. Assim como o esporte, a leitura e a escrita devem ser exercitados. Quanto antes você começar, mais rápido atingirá o seu objetivo!

3 Relembrando a correção P ropósito – 0 ou 1 ponto I nterlocução – 0 ou 1 ponto G ênero – 0 ou 1 ponto H olística – de 0 a 5 pontos

4 Atenção à leitura Coloque-se na posição de um articulista que, ao fazer uma pesquisa sobre as recentes catástrofes ocorridas em função das chuvas que afetaram o Brasil a partir do final de 2009, encontra a crônica de Drummond, publicada em 1966, e decide dialogar com ela em um artigo jornalístico opinativo para uma série especial sobre cidades, publicada em revista de grande circulação. Nesse artigo você, necessariamente, deverá: a) relacionar três (3) problemas enfrentados recentemente pelas cidades brasileiras em função das chuvas com aqueles trabalhados na crônica; b) mostrar em que medida concorda com a visão do cronista sobre a questão.

5 O que é um artigo jornalístico opinativo – ou artigo de opinião? O artigo de opinião é um gênero jornalístico que se caracteriza por expressar opiniões de seus autores, ao contrário das notícias, que devem ser isentas do julgamento daqueles que as escrevem. Como o nome diz, é um gênero produzido na área jornalística para ser publicado em jornais e revistas impressos ou virtuais. Quando são publicados em jornais, os artigos costumam ocupar espaços pré-determinados, em seções ou colunas destinadas à veiculação de opiniões. Diferentemente das notícias e reportagens, os artigos de opinião não são ilustrados por imagens. Essa forma de apresentação reforça o caráter de seriedade do gênero, que já é dada por seus autores serem especialistas nos assuntos que discutem.

6 Seus autores (os articulistas) representam grupos sociais reconhecidos por sua atuação, como empresários, partidos políticos, áreas profissionais, sindicatos, associações de defesa do ambiente etc. O articulista, diante de fatos que afetam o segmento social a que pertence e que provocam divergências com os demais grupos sociais, escolhe uma posição a favor ou contra possíveis encaminhamentos que esse fato possa ter para, fundamentado nela, escrever seu texto.

7 Como assim? Vamos tomar como exemplo um fato que gera polêmicas atualmente: a existência do trabalho infantil. Para uma parte da sociedade, o trabalho infantil é um crime; para outra, um passo natural no crescimento do indivíduo; para outra, ainda, considerá-lo um crime ou não depende do tipo de trabalho infantil que é realizado: se forem tarefas que exploram a criança e a impedem de estudar e brincar, é crime; se forem tarefas que exigem tempo curto e preparam a criança para futuras responsabilidades sociais e, além disso, contribuem para que a cultura de um grupo social seja aprendida, não é crime, é um princípio educativo. São as diversas questões que surgem diante dos fatos que possibilitam ao articulista escolher um ponto de vista, uma posição e a defendê-la com argumentos que possam convencer o leitor de que seu ângulo de visão é o correto.

8 Argumentos Argumentos O movimento de persuadir o leitor é feito por meio da construção e colocação articulada de argumentos no artigo, a partir, em geral, da descrição do fato e da polêmica constituída sobre ele e que o articulista quer discutir. Ele usará diferentes tipos de argumentos, por exemplo: de autoridade, citando falas de pessoas conhecidas por dominarem a questão; de causa e consequência; de provas, referindo-se a estatísticas e outros dados de estudos sobre o problema; de princípio, quando se tratar de causa que envolva ética e moral.

9 Por fim... A tomada de posição (que não pode acontecer em outros gêneros jornalísticos como a notícia ou a reportagem) é indicada no artigo, entre outras coisas, por marcas linguísticas que anunciam a posição do articulista: penso que, do nosso ponto de vista; introduzem os argumentos: porque, pois; trazem para o texto diferentes vozes: alguns dizem que, as pesquisas apontam, os economistas argumentam que, introduzem a conclusão: portanto, logo.

10 Exemplo Trabalho infantil no Brasil Cerca de 4 milhões de crianças, entre 5 e 16 anos, trabalham no Brasil, o que o coloca entre os países com os maiores índices de trabalho infantil. Uma nação responsável deve garantir que a criança tenha oportunidade de estudar, brincar, ou seja, desfrutar desde a infância os seus direitos como ser humano. Dados do IBGE revelam que o trabalho infantil se manifesta de muitas maneiras, como crianças trabalhando em lixões; como catadores de papel; em serviços de carvoarias e olarias; crianças sendo exploradas sexualmente, etc. Devemos ressaltar também que, pensando em benefício próprio, muitos pais são coniventes com essa exploração, e, pior ainda, muitos acreditam que é melhor para a criança que comece a trabalhar mais cedo, pois assim "livra-se de ser bandido". IBGE

11 No Brasil, além do trabalho das ONG's, e outras organizações da sociedade civil organizada, o combate à exploração infantil deve acontecer com políticas governamentais eficazes. Onde está a fiscalização sobre esses exploradores de menores? Qual tem sido a sua punição? Precisamos avançar nesta questão porque os discursos, as palestras e as conferências em que a teoria parece perfeita, carecem, de forma imprescindível, da efetiva prática. Leia esse parágrafo abaixo relatando a posição dos exploradores desses menores (parágrafo extraído do site: [...] Como motivos para a exploração dos "menores", o Unicef destaca a preferência dos empregadores pelas crianças, porque são obedientes e "saem baratas", são submetidas a condições de trabalho que os adultos considerariam inaceitáveis, sem opor resistência; têm "dedos ágeis", e prestam mais atenção aos detalhes.[...] É fundamental que toda a sociedade brasileira se mobilize em prol dessas crianças, quer seja através de protestos e denúncias, quer seja através da solidariedade. Essa luta é nossa! Pode e deve ser vencida! Michelle Marques de Mello

12 Voltemos à proposta! Os dias escuros Carlos Drummond de Andrade Amanheceu um dia sem luz – mais um – e há um grande silêncio na rua. Chego à janela e não vejo as figuras habituais dos primeiros trabalhadores. A cidade, ensopada de chuva, parece que desistiu de viver. Só a chuva mantém constante seu movimento entre monótono e nervoso. É hora de escrever, e não sinto a menor vontade de fazê-lo. Não que falte assunto. O assunto aí está, molhando, ensopando os morros, as casas, as pistas, as pessoas, a alma de todos nós. Barracos que se desmancham como armações de baralho e, por baixo de seus restos, mortos, mortos, mortos. Sobreviventes mariscando na lama, à pesquisa de mortos e de pobres objetos amassados. Depósito de gente no chão das escolas, e toda essa gente precisando de colchão, roupa de corpo, comida, medicamento. O calhau solto que fez parar a adutora. Ruas que deixam de ser ruas, porque não dão mais passagem. Carros submersos, aviões e ônibus interestaduais paralisados, corrida a mercearias e supermercados como em dia de revolução. O desabamento que acaba de acontecer e os desabamentos programados para daqui a poucos instantes.

13 Este, o Rio que tenho diante dos olhos, e, se não saio à rua, nem por isso a imagem é menos ostensiva, pois a televisão traz para dentro de casa a variada pungência de seus horrores. Sim, é admirável o esforço de todo mundo para enfrentar a calamidade e socorrer as vítimas, esforço que chega a ser perturbador pelo excesso de devotamento desprovido de técnica. Mas se não fosse essa mobilização espontânea do povo, determinada pelo sentimento humano, à revelia do governo incitando-o à ação, que seria desta cidade, tão rica de galas e bens supérfluos, e tão miserável em sua infraestrutura de submoradia, de subalimentação e de condições primitivas de trabalho? Mobilização que de certo modo supre o eterno despreparo, a clássica desarrumação das agências oficiais, fazendo surgir de improviso, entre a dor, o espanto e a surpresa, uma corrente de afeto solidário, participante, que procura abarcar todos os flagelados.

14 Chuva e remorso juntam-se nestas horas de pesadelo, a chuva matando e destruindo por um lado, e, por outro, denunciando velhos erros sociais e omissões urbanísticas; e remorso, por que escondê-lo? Pois deve existir um sentimento geral de culpa diante de cidade tão desprotegida de armadura assistencial, tão vazia de meios de defesa da existência humana, que temos o dever de implantar e entretanto não implantamos, enquanto a chuva cai e o bueiro entope e o rio enche e o barraco desaba e a morte se instala, abatendo-se de preferência sobre a mão de obra que dorme nos morros sob a ameaça contínua da natureza; a mão de obra de hoje, esses trabalhadores entregues a si mesmos, e suas crianças que nem tiveram tempo de crescer para cumprimento de um destino anônimo. No dia escuro, de más notícias esvoaçando, com a esperança de milhões de seres posta num raio de sol que teima em não romper, não há alegria para a crônica, nem lhe resta outro sentido senão o triste registro da fragilidade imensa da rica, poderosa e martirizada cidade do Rio de Janeiro. Correio da Manhã, 14/01/1966.

15 Relendo a proposta Coloque-se na posição de um articulista que, ao fazer uma pesquisa sobre as recentes catástrofes ocorridas em função das chuvas que afetaram o Brasil a partir do final de 2009, encontra a crônica de Drummond, publicada em 1966, e decide dialogar com ela em um artigo jornalístico opinativo para uma série especial sobre cidades, publicada em revista de grande circulação. Nesse artigo você, necessariamente, deverá: a) relacionar três (3) problemas enfrentados recentemente pelas cidades brasileiras em função das chuvas com aqueles trabalhados na crônica; b) mostrar em que medida concorda com a visão do cronista sobre a questão.

16 Exemplo acima da média desta redação No fim de 2009, diversas cidades brasileiras enfrentaram problemas devido às fortes e frequentes chuvas. Para muitas famílias, foi um período de dias escuros, tal como o nome da crônica de Drummond. Na mesma, o cronista relata a perda de muitas famílias devido a desabamentos de casas e tantos mortos soterrados. Lendo tal texto, não é difícil recordar dos acontecimentos recentes de Angra dos Reis, a imagem de barracos e pousadas vindo à baixo repetiu-se inúmeras vezes nos telejornais. Drummond escreve de uma cidade ensopada de chuva e rios enchendo que poderia muito bem ter acontecido no ano passado, quando, por exemplo, cidades históricas do interior paulista foram destruídas pela enchente, e não há mais de 40 anos.

17 Há ainda o despreparo do governo para ajudar tantos desabrigados. Um fato atual ou ainda estamos falando da crônica? Não há como separar. Mesmo anos atrás, o escritor nos apontou problemas de nossa sociedade que acabaram acarretando desgraças. Ele nos falou dos problemas de estruturas e submoradias, falta de condições sanitárias e todas as outras críticas que ouvimos especialistas relatarem há poucos meses como causa dos recentes desastres. Nada foi feito naquela época e os problemas persistiram até os dias de hoje, o eterno despreparo. E enquanto nenhuma medida é tomada afim de não se repetir as mesmas desgraças, ficamos como Drummond, tomados pelo remorso e sentimento de culpa por não ter sido feito nada para impedir algo que já era previsto.

18 Exemplo abaixo da média desta redação Todos dizem que o Brasil é um bom país para se morar, pois não temos que enfrentar grandes catástrofes naturais como a ação de vulcões e terremotos. Porém a falta de planejamento na construção civil e a ocupação ilegal (principalmente nas encostas dos morros) fazem com que a chuva se torne algo preocupante. Basta a água começar a cair que logo nos preocupamos com possíveis desastres como enchentes, moradias que desabam por falta de estrutura e a terra que desliza dos barrancos de encostas de morros, colocando a vida de pessoas em perigo, em razão da ocupação ilegal. Isso tudo sem contar o trânsito que se torna um verdadeiro caos. A crônica define bem o drama das pessoas e colocou muito bem o fato do Governo estar despreparado para tais acontecimentos. Além disso, pode-se notar também a falta de consideração das autoridades, que parecem fechar os olhos para esses problemas. A crônica destacou também as pessoas que tentam ajudar (mesmo sem preparo) e como o povo brasileiro se mostra corajoso e solidário nessas horas. Porém as vezes as mídias exaltam demais a bravura do povo (o que é justo) e acabam esquecendo da imcompetência do Governo.

19 Exemplo de redação anulada São Paulo, 21 de novembro de 2010 Cara edição da revista sobre série especial sobre cidades, Venho por meio desta alertar que há quarenta e quatro anos atrás foi deixado por Carlos Drummond de Andrade a podridão pública de enganar seus semelhantes e abandona-los. A população carente sofrendo primitivas condições de trabalho, subalimentação, a falta de saneamento básico (doenças) e falta de infraestrutura, são fatores que ainda são presentes nos dias de hoje, nas grandes cidades (imagina nas pequenas), somadas aos terríveis dias de chuva. Porém, hoje se adiciona promessas feitas por governantes, com muita persuasão, dos assoreamentos dos rios, políticos ambientalistas, construções de casas populares, que retomam ao mesmo discurso de quarenta e quatro anos atrás. Portanto, devido a sua grande circulação, aproveito para esse divulgação e conscientização da população para exigirem seus direitos.


Carregar ppt "Redação. Foco na Unicamp Escreve bem quem lê muito e escreve melhor quem lê e escreve muito. Assim como o esporte, a leitura e a escrita devem ser exercitados."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google