A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

2 USD – USINA SUSTENTÁVEL DEDINI Desenvolvendo Tecnologias para Maximizar a Sustentabilidade UFRJ / CIEMAT - SABWORE Paulo Augusto Soares

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "2 USD – USINA SUSTENTÁVEL DEDINI Desenvolvendo Tecnologias para Maximizar a Sustentabilidade UFRJ / CIEMAT - SABWORE Paulo Augusto Soares"— Transcrição da apresentação:

1

2 2 USD – USINA SUSTENTÁVEL DEDINI Desenvolvendo Tecnologias para Maximizar a Sustentabilidade UFRJ / CIEMAT - SABWORE Paulo Augusto Soares Spanish And Brazilian Workshop On Renewable Energy - SABWORE 30 de Setembro de 2013

3 3 Desenvolvimento básico em parceria(escala laboratório); Scale up de laboratório para escala piloto; Scale up piloto para plantas demonstração/industriais; Transferência e absorção de tecnologias externas; Plantas de demonstração (semi-industriais); Engenharia de processo e básica; Engenharia de controle de processos; Engenharia de detalhamento; Estudos de Viabilidade; Partidas de Plantas; Assistência técnica.

4 4 Projetos Completos (Green Field); Projetos Chave na Mão (Turn Key); Engenharia, Fabricação, Suprimentos e Construção (EPC); Fabricação de Equipamentos; Assistência Pós – Venda; Peças de Reposição; Desenvolvimento.

5 5 Projeto, fabricação e montagem de acordo com as necessidades do cliente Padrões ISO e GMP – Boas Práticas de Engenharia para todos os clientes

6 6 O ADVENTO DA FROTA FLEX, EM 2003, CRIOU UMA SITUAÇÃO DE MERCADO ÚNICA A NÍVEL MUNDIAL E DE DIFÍCIL REVERSÃO Ano Flex2%5%8%16%24%31%37%41%47%>50% Etanol(E100)16%14%9%10%7%5%4%3% <3% GasolinaC72%71%73%64%59%54%49%45%41%<41% Diesel 10% 9%10% 9% % VEÍCULOS NA FROTA CIRCULANTE NO BRASIL (Sindipeças-06/13)

7 7 O CONSUMO DO ETANOL HIDRATADO ESTÁ DIRETAMENTE RELACIONADO À PARIDADE DOS PREÇOS DOS COMBUSTÍVEIS PARA O CONSUMIDOR FINAL

8 8 A SITUAÇÃO ATUAL DECORRE DE PROBLEMAS MICROECONÔMICOS E INSTITUCIONAIS E, NÃO TECNOLÓGICOS O ETANOL É POSITIVO PARA A ECONOMIA NACIONAL

9 9 Em 2012 / 13 Governo Federal inicia política para recuperação dos canaviais a uma taxa esperada de 7 a 10% ao ano. Investimento Crescente Investimento, somente, em compromissos já assumidos 2007 ano do último novo projeto contratado Esperança Setor, ainda, em fase de fusões e de consolidação de novos grupos econômicos

10 10 O SETOR REQUER POLÍTICAS DE LONGO PRAZO, POIS, O INVESTIMENTO É DE LONGO PRAZO Estudo de Implantação Início Agrícola / projeto industrial Expansão área de cana Implantação Indústria: 1ª fase Implantação Indústria: 2ª fase Implantação Indústria: 3ª fase Início Operação: Capacidade Plena Operação Agroindustrial estável CRONOGRAMA TÍPICO DE IMPLANTAÇÃO ESCALONADA E INTEGRADA DA AGROINDÚSTRIA: ATIVIDADES AGRÍCOLA E INDUSTRIAL A cana necessita de 18 meses de crescimento após o preparo do solo e uma usina de 3 milhões de toneladas de cana requer aproximadamente hectares de terra preparada / arruada ( ~21 x 22 km) 1º3º2º4º5º6º7º8º

11 11 A PREVISÃO DO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA (EPE) É A NECESSIDADE DE MAIS DE 70 NOVAS USINAS ATÉ 2022 Fonte: MAPA / EPE AnoGruposGrupos EmpresariaisCapacidade Moagem NacionalInternacionalQuantidade % do total Brasileiro Milhões Toneladas % do total Brasileiro BALANÇO DAS USINAS NO SETOR Em 2010: 440 usinas ativas / 244 Grupos / 143 independentes Em 2012: 396 usinas ativas / 233 Grupos / 128 independentes SETOR AINDA EM FASE DE CONSOLIDAÇÃO DOS GRANDES GRUPOS

12 12 Anual Energy Outlook 2012 – U.S. Energy Information Administration – DOE/EIA IMPONDERÁVEIS: Políticas Protecionistas; Políticas de Segurança; Políticas Microeconômicas; Variações Climáticas; Avanço Tecnológico; Novas Matérias Primas. PREDIZER O FUTURO NO MUNDO ATUAL É UM EXERCÍCIO NECESSÁRIO, MAS, DE DIFÍCIL SUCESSO

13 13 PDE 2021: milhões de litros em 2021

14 14

15 15 Qual a explicação para este diferencial? Energia para consumo Próprio

16 16 Aumento percentual esperado da demanda nos próximos 10 anos: Bioetanol: 200% ( de 23 para 69 bilhões de litros) Bioaçúcar: 32% ( de 31 para 41 milhões de toneladas) Bioeletricidade: 220%(de para MW) - Função da expansão / modernização do parque industrial e das políticas públicas futuras. MERCADO PROMISSOR COM PERSPECTIVA DE EXPANSÃO. OFERTA REPRIMIDA, PELA INEXISTÊNCIA DE INVESTIMENTO EM NOVOS PROJETOS, NOS ÚLTIMOS 6 ANOS. PREVISIBILIDADE INSTITUCIONAL DE LONGO PRAZO É NECESSÁRIA

17 17 Usina típica após 2003 projetada para venda de açúcar, etanol e eletricidade CALDO CALDOCALDO BIOELETRICIDADE CANA RECEPÇÃO/ PREPARO EXTRAÇÃO FLUXO PRODUÇÃO FLUXO VAPOR ALTA PRESSÃO VAPOR BAIXA PRESSÃO (P/ USO TÉRMICO) GERAÇÃO DE ELETRICIDADE (TURBOGERADOR) GERAÇÃO DE VAPOR (Alta Pressão) BIOETANOL VINHAÇA AÇÚCAR MELAÇO PROCESSO AÇÚCAR PROCESSO BIOETANOL CARIMBO 20 até 50,7 MW EXCEDENTE CARIMBO 17 (*) REFERÊNCIA: TCD 2 MM TCS Diagrama Típico do Processo após 2003 até 2008 Geração de energia para venda BAGAÇOBAGAÇO

18 18 FORMAS DE OTIMIZAÇÃO Máxima produção de bioetanol; Máxima produção de bioeletricidade; Produção balanceada bioaçúcar e bioetanol (50% / 50%); Produção flexível bioaçúcar e bioetanol (70%/30% e vice versa); Integrada com biodiesel de 1ª ou 2ª geração; Minimização do consumo de água externa; Redução do volume de vinhaça; Produção de fertilizante organomineral aditivado ou não; Redução de emissões de gases com efeito estufa – GEE; Flexibilidade de matéria prima (ex. sorgo, milho). PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES DO MERCADO

19 19 FATORES EXTERNOS ATUANTES Mercado Consumidor de Bioetanol (Preço e Quantidade) Mercado Consumidor de Açúcar (Preço e Quantidade); Mercado de Bioeletricidade (Preço e Capacidade de absorção); Mercado de Sub-produtos (Preço e Quantidade); Infraestrutura de logística (estradas / portos/dutos/etc.); Estabilidade Institucional (Política Fiscal/Jurídica de longo prazo); Custo / Condições do dinheiro para investimento; Atratividade de outras opções de investimentos; Pressão do mercado consumidor (aquecimento global); Menor sensibilidade às oscilações climáticas e safra extendida. PARA ATENDER ÀS ESPECIFICAÇÕES DO CLIENTE

20 20 CALDO CALDOCALDO BAGAÇOBAGAÇO BIOELETRICIDADE CANA RECEPÇÃO/ PREPARO EXTRAÇÃO FLUXO PRODUÇÃO FLUXO VAPOR ALTA PRESSÃO VAPOR BAIXA PRESSÃO (P/ USO TÉRMICO) GERAÇÃO DE ELETRICIDADE (TURBOGERADOR) GERAÇÃO DE VAPOR (Alta Pressão) BIOETANOL VINHAÇA AÇÚCAR MELAÇO PROCESSO AÇÚCAR PROCESSO BIOETANOL CARIMBO EXCEDENTE CARIMBO 20 (*) REFERÊNCIA: TCD 2 MM TCS Diagrama Típico do Processo em Futuro Próximo BIODIGESTOR VINHAÇA BIOGÁS 100% palha: até 112,1 MW 50% palha: até 83,9 MW 100% palha: até 112,1 MW 50% palha: até 83,9 MW PALHA TECNOLOGIA EM DESENVOLVIMENTO Otimização Energética Maximizada Minimização das emissões Gases Estufa - GEE Minimização das emissões Gases Estufa - GEE Venda PALHA Otimizada para Bioeletricidade

21 21 EQUAÇÃO GERAL DA CUSTOMIZAÇÃO PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES DOS MERCADOS INTERNO (cliente) E EXTERNOS (sociedade) OBJETIVO Sustentabi- lidade EQUILÍBRIO SUSTENTÁVEL Inovação Tecnológica Viabilidade Econômica Soluções de Engenharia Economia Verde e

22 22 A REVOLUÇÃO DOS 6Bios

23 23 IndicadoresUnidadeInício Proálcool Atual Tradicional USD – 2008 COMERCIAL USD – 2010 COMERCIAL Capacidade Moagem – 6x78TCD (1) Eficiência extração –6x78-6 ternos% (1)98 (2) Tempo de fermentaçãohoras 16 a 246 a 8 8 a 12 Teor etanol no fermentadoºGL 6 a 77 a 99 a 1112 a 16 Eficiência da Fermentação% 75 a 8187 a (3) Eficiência na Destilação% ,7 Conversão total etanollet/tc Consumo total de Vapor usina*Kg/tc (4) Consumo vapor etanol combus.Kg/litr. 3,42,01,61,6 (5) Consumo vapor desidrat. etanolKg/litr. 4.52,72,01,8 (6) Caldeira – Pressão operaçãobar (7) Caldeira – Temperatura vapor saturadosuperaquecido Caldeira – eficiência PCI% (7) Sobra de bagaço% Até 8Até 30Até 45Até 78 Vinhaça produzida **Lv/let 15118Nulo (8) Biogás da vinhaçaNm3/l nulo 0,1 Fertilizante - BIOFONkg/tc nulo 50 a 60 (8) Energia elétrica para vendakWh/tc nulo Produção de biodiesel integra. NãoApós 2006Sim (9) Captação água mananciaisla/tc Exporta290(10) Uso energético do palhiçonulo Iniciando (11)

24 24

25 25

26 26 Planta de Biodiesel Flex: rotas metílica e etílica Matéria Prima: Sebo e óleos vegetais 1ª Planta Integrada no mundo. Partida em novembro de 2006 Vila do Bugres / MT Planta de Biodiesel integrada a Usina

27 27

28 28 TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS

29 29 BIOFOM elimina os odores da fertirrigação com vinhaça

30 30 Como a USD contribuirá para a mitigação ou redução das emissões de gases com efeito estufa?

31 31

32 32

33 33 TecnologiaDescriçãoMitigação %Status TradicionalÚnica –Macedo/Seabra Comercial USDUSD integrada biodiesel 112Comercial USD PlusUSD % palhiço 132Iniciando USD Plus 2USD % palhiço 188Fut. próximo USD Plus 3USD +captura CO2 fermentação 220Potencial USD Plus 4USD+CO2 fermentação + ciclo combinado 241Potencial Percentuais de Mitigação de Gases com Efeito Estufa em relação Gasolina

34 34 Lastreada no Passado Vivendo o Presente Construindo o Futuro


Carregar ppt "2 USD – USINA SUSTENTÁVEL DEDINI Desenvolvendo Tecnologias para Maximizar a Sustentabilidade UFRJ / CIEMAT - SABWORE Paulo Augusto Soares"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google