A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Aperfeiçoamento das técnicas para detecção de gases em concentrações extremamente baixas – Década de 70 Substâncias artificiais – não participam do.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Aperfeiçoamento das técnicas para detecção de gases em concentrações extremamente baixas – Década de 70 Substâncias artificiais – não participam do."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 Aperfeiçoamento das técnicas para detecção de gases em concentrações extremamente baixas – Década de 70 Substâncias artificiais – não participam do ciclo de produção e perda de gases atmosféricos. São injetadas nas camadas inferiores da atmosfera. 1977 – Legisladores nos EUA preocupavam-se com a deterioração da qualidade do ar.

4 Ozônio (O3) Gás muito reativo, principalmente na troposfera.
A atmosfera sofreu um processo de adaptações sucessivas a diferentes períodos geológicos. Há 600 milhões de anos surgiram os primeiros organismos fotossintetizantes modificando drasticamente a atmosfera, que passou de um estado redutor (sem oxigênio) para o estado atual (com oxigênio livre).

5 Somente a partir da existência do oxigênio diatômico e seu subproduto O3 é que a existência de organismos vivos na superfície da terra tornou-se possível. Até então o desenvolvimento celular só ocorria nas profundezas dos oceanos, onde a radiação ultravioleta não chegava. Na atmosfera muitas reações químicas são iniciadas pela ação da luz solar (reações fotoquímicas)

6 A produção inicial do oxigênio atômico (O) resulta da fotodissociação do O2 que é praticamente estável e abundante. A produção de O é seguida pela produção de O3, conforme a reação: onde M é uma molécula inerte mas necessária para manter o equilíbrio energético antes e depois das colisões.

7 Ciclo do Ozônio

8 A dissociação do ozônio ocorre com fótons de comprimentos de onda menores do que 3100 Å (10-10 m ou 10-3 nm) liberando oxigênio no estado excitado (O 1D). O1D reage com H2O(v) liberando OH (radical oxidrila) em sucessivas reações até formar compostos estáveis como CO2, N2, H2 e O2. Em geral, os constituintes pares na atmosfera (O2, N2, CO2, etc...) são estáveis, ao passo que os ímpares são reativos.

9

10 A cerca de 28 km de altitude há apenas 5 moléculas de O3 para cada milhão de moléculas de O2.
Os componentes ímpares, que participam da maioria das reações na atmosfera são denominados compostos minoritários e os componentes estáveis, próximo a superfície são os compostos majoritários da atmosfera.

11

12 A camada natural de ozônio
Ozo – do grego, cheiro, aroma Ozônio tem cheiro forte, penetrante e desagradável. Na sequência do processo de produção de O3 ocorrem vários processos de destruição da molécula de ozônio, normalmente com compostos nitrogenados

13 A concentração de ozônio no estado estacionário resulta do equilíbrio entre as reações de produção e perda

14 A camada de ozônio é uma fatia da atmosfera onde a concentração deste gás é mais elevada que nas outras regiões. Localiza-se aproximadamente a 30 km de altitude.

15 Em (a) a absorção solar é majoritária na superfície da Terra, a temperatura diminui com a altitude. Em (b) o ozônio ao absorver a luz solar passa a ser um irradiador de energia no infravermelho. O resultado é o aumento de T acima da troposfera formando a estratosfera, com importância significativa na circulação da atmosfera.

16 Consequências da Destruição da Camada de Ozônio
Aumento da radiação ultravioleta e dos casos de câncer de pele. Influência na produção de alimentos devido à redução da produtividade agrícola. Nos oceanos a incidência de radiações UV pode extinguir algas planctônicas, influenciando a cadeia alimentar, resultando na extinção de várias espécies.

17 Sem a presença de ozônio não existiria a estratosfera, o que poderia provocar sérias mudanças na distribuição térmica e circulação da atmosfera. Na troposfera, o ozônio participa de reações de produção de OH. Sem este radical livre a concentração de metano (CH4) e CO2 poderia aumentar a níveis insuportáveis pelos seres vivos.

18 Existem várias substâncias com ações deplessoras da camada de ozônio, destacando-se os clorofluorcarbonos (CFC’s) utilizados pela sociedade moderna em refrigeradores e aparelhos de ar condicionado (nestes a substância utilizada é o diclorofluormetano). Triclorofluormetano foi bastante utilizado como propelente em aerossóis e espumante na produção de plásticos

19 Nos anos 70 medições de gases atmosféricos alertaram sobre elevadas concentrações de carbonos clorofluorados Em 1974 aconteceu a primeira publicação científica sobre o problema dos CFC’s A radiação ultravioleta decompõe os CFC’s e libera o cloro (Cl), que ataca a camada de ozônio

20 Cálculos iniciais indicavam redução de 7% a 13%

21 Na troposfera, as radiações UV são insuficientes para gerar O3 a partir de O2.
Nessa região ozônio é produzido por reações entre óxidos de nitrogênio e o radical oxidrila (OH).

22 Poluição da Troposfera
Emissão de gases de combustão (CO, CO2, NO, N2O Concentrações de O3 acima de 80 ppbv são consideradas perigosas para os seres vivos.

23

24

25 Consequência da radiação UV B para os seres humanos
Câncer de pele Tipo malígno não-melanoma: frequente na população branca Tumores nas regiões corporais expostas à radição solar (cabeça, face, pescoço, pernas) Maior incidência em latitudes baixas (próximas ao Equador) – entre 30º e 50º Taxa de aumento de incidência 3% a.a

26 Efeito estufa Radiação eletromagnética na faixa espectral do infravermelho são absorvidas e re-emitidas por alguns gases na atmosfera.

27 A radiação solar A é absorvida pela superfície sólida do planeta Terra e a energia radiante é devolvida para a atmosfera com comprimentos de onda na faixa do rádio e infravermelho. Parte dessa energia é absorvida por gases de efeito estufa (N2O, CO2, CO, CH4, e O3) aumentando a temperatura da superfície.

28 Ação da radiação UV B sobre os microrganismos
Extinção de microrganismos importantes para as plantas (fixação de N2) Danos ao zooplancton marinho Mutações

29 Consequências da radiação UV B para as florestas
Aumento na atividade fotossintética? Efeito de fertilização do carbono Mudanças nos regimes de chuvas Possível crescimento das áreas inundáveis (maior limitador das florestas equatoriais) O aumento da floresta equatorial pode ser prejudicial para a floresta boreal

30 Pesquisas de Ozônio no Brasil
Início em 1974 com o uso do espectrofotômetro Dobson que mede a coluna vertical de ozônio através da medida da radiação UV em diferentes faixas espectrais. 1978 – Início das investigações em Natal utilizando sondas EEC em balões e sonda ópticas em foguetes Medidas na Região Amazônica Suspeita-se que a grande variação sazonal de O3 troposférico em Natal é devida à emissões de gases precursores (CO, N2O, NO, NO2) Medidas de ozônio estão sendo feitas em diferentes pontos estratégicos (www.inpe.br) para se estudar a influência de diferentes ecossistemas na composição da atmosfera. Medições conjuntas de O3 e CO na troposfera

31 Referências Bibliográficas
Kirchoff, V.W. J.H (1998). Geoquímica da baixa e média atmosferas: impactos ambientais da deterioração da camada de ozônio. Geochimica Brasiliensis, 2 (1), pg Baird, C. Química Ambiental 2ª. Edição. Trad. Maria Angeles Lobo Recio e Luiz Carlos Marques Carrera. Porto Alegre: Bookmann, (pg )


Carregar ppt "Aperfeiçoamento das técnicas para detecção de gases em concentrações extremamente baixas – Década de 70 Substâncias artificiais – não participam do."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google