A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 173 1 – Depois destas coisas olhei, e eis que estava uma porta aberta... e eis um.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 173 1 – Depois destas coisas olhei, e eis que estava uma porta aberta... e eis um."— Transcrição da apresentação:

1 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – Depois destas coisas olhei, e eis que estava uma porta aberta... e eis um trono... e Um assentado sobre o trono... e o arco celeste estava ao redor do trono. E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos vestidos de vestidos brancos... (Ap 4:1-4). E ao redor do trono havia vinte e quatro tronos; e vi assentados sobre os tronos vinte e quatro anciãos vestidos de vestidos brancos... (Ap 4:1-4).

2 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 173, 174, – João está contemplando a sala do trono de Deus, no lugar Santíssimo, ou seja, a Sala do Juízo Celestial, onde Jesus deve penetrar para receber o Livro Selado com Sete selos, e iniciar o juízo. Esta é a mesma porta aberta mencionada na carta à igreja de Filadélfia de Ap 3:8. Há uma visível semelhança entre a visão de João e a de Dn 7:9-14, pois ambas se relacionam com os mesmos assuntos. (Ellen G. White, Testemunhos para Ministros e Obreiros Evangélicos, 117). São vistos tronos, Alguém assentado, assenta-se um tribunal e livros são abertos.

3 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – A profecia dos anos (Dn 8:14) inicia com o Santuário Terrestre (457 a. C.) e termina com o Santuário Celestial (1844 d. C.). Este é o ano em que Jesus entrou no Santíssimo com a missão de purificar o Santuário; iniciar o Juízo Celestial. Esta, porém, não foi a primeira vez que Jesus entrou no Santíssimo. Quando Jesus completou a primeira fase da expiação, morrendo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1:29), ascendeu ao Céu para iniciar a segunda fase, o Ministério da Intercessão junto ao Altar de Incenso, no lugar Santo, como Sacerdote (Ap 8:3-4). Para tanto, precisava ser ungido como tal, assim como fora Arão. (Lv 8:1-12; Ex 30:25-29).

4 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 176, 177, – A unção de Jesus como Sacerdote, ocorreu junto ao trono do Pai, no lugar Santíssimo do Santuário Celestial, exatamente no dia de Pentecostes, cinqüenta dias após a sua ressurreição. Ellen White descreve a festa de entronização de Jesus: Todo o Céu estava esperando para saudar o Salvador à Sua chegada às cortes celestiais. Ao ascender, abriu o caminho, e a multidão de cativos libertos à Sua ressurreição O seguiu... Ao aproximar-se da cidade de Deus, cantam...: ´Levantai, ó portas, as vossas cabeças; Levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória` (Sl 24:7-10). Então se abrem de par em par as portas da cidade de Deus... Ali está o trono... e o arco-íris da promessa. (O Desejado de Todas as Nações, 796, 797).

5 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 178, – Ali estão os querubins e serafins. Os comandantes das hostes celestiais, os filhos de Deus, os representantes dos mundos não caídos, acham-se congregados. O conselho celestial, perante o qual Lúcifer acusara a Deus e a Seu Filho..., todos ali estão para dar as boas-vindas ao Redentor. Estão ansiosos por celebrar-Lhe o triunfo e glorificar seu Rei, mas Ele os detém com um gesto. Ainda não. Não pode receber a coroa de glória e as vestes reais. Entra à presença do Pai. Mostra a fronte ferida..., os dilacerados pés; ergue as mãos que apresentam os vestígios dos cravos. Aponta para os sinais de Seu triunfo; apresenta a Deus o molho movido, aqueles ressuscitados com Ele como representantes da grande multidão que há de sair do sepulcro por ocasião de Sua Segunda vinda. (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, 797).

6 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 179, – As festas do Santuário Terrestre eram proféticas e sombras das coisas celestiais. Jesus morreu no dia da Páscoa, 14 de Nisã, e ressuscitou no dia das Primícias, 16 de Nisã, como as primícias dos que dormem ( I Co 15:20). Ao ascender ao Céu, Jesus foi ungido no dia da Festa do Pentecostes. O derramamento da chuva temporã do Espírito Santo no dia de Pentecostes (At 2), foi uma confirmação de que Jesus tinha sido ungido e entronizado no Santuário Celestial. Vale a pena um estudo sobre as festividades dos israelitas.

7 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – A expiação do pecado no Santuário Terrestre era efetuada em três diferentes fases: 1.O pátio. Era o local onde o cordeiro era morto, no altar de sacrifício. No Apocalipse, o pátio do Santuário Celestial é mencionado somente uma vez (11:1-2); é o planeta Terra onde o Cordeiro de Deus foi morto, e o altar de sacrifício é o monte do Calvário. 2.O lugar Santo. Era o local onde se realizava o ministério da intercessão junto ao altar de incenso. Do Santuário Celestial o Apocalipse menciona: os castiçais (1:12-13); o Sumo-Sacerdote Jesus (1:13); as sete lâmpadas (4:5); o altar (8:3 e 5; 11:1; 14:18; 16:7); o incenso (8:5). 3.O Lugar Santíssimo. Era o local onde se efetuava a purificação do santuário, junto à Arca do Concerto. Era um dia de juízo para os israelitas. No Apocalipse há muitas referências ao Santíssimo: Ap 11:19 fala da Arca do Concerto; 4:1-11 apresenta a Sala do Juízo onde está o trono de Deus; 7:15 confirma que o trono de Deus está no Santuário; 5:1 menciona que Quem está assentado no trono tem em suas mãos um livro selado com sete selos, etc., etc.

8 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – O Santuário Terrestre foi dado para ser uma ilustração, ou alegoria do Celestial: O primeiro tabernáculo... é uma alegoria para o tempo presente... Mas vindo Cristo, o Sumo Sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito Tabernáculo..., entrou uma vez no Santuário, havendo efetuado uma eterna redenção. (Hb 9:11-12). A expiação do pecado em suas três fases envolvendo o Santuário Celestial: 1.O pátio. Ao morrer no pátio do Santuário, a Terra, realizou a primeira fase da expiação. 2.O lugar Santo. Durante o período histórico das sete igrejas, de 31 até 1844, Jesus realizou a segunda fase da expiação, através do Seu Ministério da Intercessão no Lugar Santo. 3.O Lugar Santíssimo. A terceira fase seria a Purificação do Santuário Celestial ou Juízo pré-Advento, que teve início em 1844, ao final da profecia dos anos de Dn 8:14. A Bíblia indica que o Santuário Celestial necessita de purificação? (Hb 9:11-12 e 23-26).

9 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 181, – Em visão João entra no Santuário de Deus e da grande sala do trono do Eterno. Ele testemunha a apresentação das grandes cenas do Juízo... Paulo diz que Deus tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, pelo Varão que para isto destinou (At 17:31). E outra vez: Porque todos temos de comparecer ante o tribunal de Cristo (II Co 5:10); e ainda: Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo. (Rm 14:10). Portanto, o juízo é mesmo uma realidade. Quando Jesus retornar uma parte desse juízo já terá acontecido; trará o galardão para os justos (Ap 22:12), vivos, e mortos ressuscitados, os demais só saberão da sua sentença após o milênio.

10 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 183, – Os três primeiros capítulos do Apocalipse se ajustam bem no contexto do ministério sacerdotal do Filho do homem no Lugar Santo e servem de preparo para o juízo escatológico e cósmico dos capítulos quatro e cinco. (Revelações do Apocalipse cita o autor à pág. 183). O arco celeste ao redor do trono relembra a história do dilúvio..., simbolizando a promessa de Deus de que jamais haveria outro dilúvio... O arco celeste em redor do trono serve como sinal da misericórdia de Deus para com o pecador arrependido (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, 105).

11 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 185, 186, – No Santuário Terrestre os sacerdotes estavam divididos em vinte e quatro ordens, e vinte e quatro turnos ( I Cr 24:1-18), e eram uma sombra das coisas celestiais (Hb 8:5). Dentre os que ressuscitaram quando Cristo ressuscitou, vinte e quatro anciãos foram escolhidos para participar do juízo pré-advento. Foram vistos assentados sobre tronos e nas mãos, salvas cheias de incenso que eram as orações dos santos (Mt 27:52; Ef 4:8; Ap 4:4; 5:8-10). São assistentes do Grande Juiz de vivos e mortos, e participantes no julgamento do mundo por seus pecados (Revelações do Apocalipse menciona as fontes à pág. 186) Durante o milênio também os redimidos do Senhor se assentarão em tronos para julgar os ímpios, juntamente com os demais daqueles que ressuscitaram com Jesus. (Ap 20:4-6; Dn 7:22, 14).

12 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 187, – Ap 4:5-8 fala de: relâmpagos, e trovões, e vozes..., quatro animais..., o primeiro semelhante a leão, o segundo, semelhante ao bezerro, o terceiro tinha rosto de homem, e o quarto era semelhante a uma águia. E os quatro animais tinham cada um, seis asas, estavam cheios de olhos; e não descansavam nem de dia nem de noite, dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor Deus... que era, que é, e que há de vir.

13 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 188, – Relâmpagos, trovões e vozes. Os terrores do Sinai (Ex 19:16) deveriam representar ao povo de Deus as cenas do juízo... A voz do Arcanjo e a trombeta de Deus convocarão, da terra toda, tanto os vivos como os mortos, à presença de seu Juiz. (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, 364). Paulo também conecta as manifestações do Sinai com o juízo celestial em Hb 12: Estas manifestações da glória de Deus sempre aparecem no Apocalipse no final de todas as séries proféticas, e sempre estão relacionadas ao juízo final (Ap 8:5; 11:19; 16:18), exceto na série das Sete Igrejas. Então, a visão subseqüente do trono em Ap 4 e 5 tem que ser considerada como a conclusão da mensagem das Sete Igrejas. De fato, Jesus introduziu a visão do trono dizendo ao apóstolo: ´Sobe aqui e Eu te mostrarei as coisas que depois destas devem acontecer` (Ap 4:1), isto é, depois do ministério de Jesus entre os castiçais no Lugar Santo (Revelações do Apocalipse, cita o autor à pág. 189).

14 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – Sete lâmpadas de fogo..., são os Sete Espíritos de Deus. As lâmpadas estavam no primeiro compartimento, isto é, no Lugar Santo (Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, 383). Só há um Espírito Santo. Ele é simbolizado pelos sete Espíritos de Deus porque o azeite no candelabro do Santuário se dirigia a sete ramificações. Então é um único Espírito alimentando sete lâmpadas.

15 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, – Quatro criaturas viventes. Foi-me mostrado que... terminando Jesus seu ministério no Lugar Santo..., achou-se rodeado pelos anjos, e em um carro chamejante passou para dentro do segundo véu. (Ellen G. White, Primeiros Escritos, 251). Os carros de Deus são anjos, e eles são em número muito grande (Sl 68:17; Hb 1:4; 12:22; Mt 26:53). Seu lugar é ao redor do trono de Deus (Ap 5:11; 7:11). A proximidade desses anjos com seis asas com o trono deve indicar que são personagens de grande importância (Revelações do Apocalipse cita o autor à pág. 194).

16 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 191, – Leão, Bezerro, Homem, Águia. Segundo a tradição judaica, as tribos de Israel acampadas ao redor do Tabernáculo, estavam acampadas sob as insígnias de quatro tribos: Ao oriente estava o estandarte de Judá, cuja insígnia era um Leão, o rei da floresta. Jesus viria como o Rei de Israel, o Leão da tribo de Judá. Ao ocidente estava o estandarte de Efraim, representado pela figura de um Bezerro. Era um símbolo da triste experiência de Israel no Sinai, quando adoraram o bezerro de ouro. É um símbolo da falta de fé (Sl 106:19-20). Em Oséias 4:17 Deus diz: Efraim está entregue aos ídolos; deixa-o. No Apocalipse 7 os descendentes de Efraim não são contados entre os

17 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 193, – Homem, Águia. Ao sul estava o estandarte de Rubem, representado pela figura de um homem. O Homem na bandeira de Rubem, representa a confiança posta no ser humano em lugar de Deus. Rubem é descrito na Bíblia como água inconstante (Gn 49:4), e perdeu os privilégios da primogenitura porque se deitou com Bila, a concubina de seu pai. Apesar disso, Rubem é mencionado como tendo parte nos Ao norte estava o estandarte de Dã, representado pela figura de uma águia. A águia é símbolo de auto exaltação: Se te elevares como águia, e puseres o teu ninho entre as estrelas, dali te derribarei, diz o Senhor (Ob 4). A profecia de Jacó predisse o que aconteceria com Dã: Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os calcanhares do cavalo, e faz cair o seu cavaleiro por detrás (Gn 49:17). Os descendentes de Dã não são contados entre os

18 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 194, Quatro criaturas viventes. A proximidade desses anjos com seis asas com o trono deve indicar que são personagens de grande importância... Possuem um caráter quádruplo em que combinam a sabedoria e a onisciência de todos os ramos da criação, a razão, a inteligência, a devoção e o ardor espiritual do homem; a majestade, a coragem e a audácia do leão; a submissão, paciência e força do boi; e a visão, a vista penetrante, a rapidez de ação e o notável poder da águia (Revelações do Apocalipse cita o autor à pág. 194). Essas criaturas viventes a redor do trono são representadas no Santuário Terrestre pelos anjos querubins sobre o propiciatório. Estes representavam também todos os anjos do céu que com interesse e reverência olham a lei de Deus. (Ellen G. White, Espirit of Profecy, vol. I, 272).

19 A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 195, – Santo, Santo, Santo. Os serafins, diante do trono, são tão cheios de reverente respeito ao contemplar a glória de Deus que eles não olham nem por um instante para si mesmos com auto complacência, ou admiração de si mesmos ou um ao outro... Eles estão completamente realizados em glorificar a Deus; e na Sua presença, sob o Seu sorriso de aprovação, eles não desejam outra coisa. Em ostentar Sua imagem, em realizar Seu serviço e em adorá-Lo, a mais alta ambição deles é plenamente alcançada (Ellen G. White, Review and Herald, 22/12/1896). O dever de adorar a Deus se baseia no fato de que Ele é o Criador, e que a Ele todos os outros seres devem a existência (Ap 4:11) [Ellen G. White, O Grande Conflito, 436/437].


Carregar ppt "A Sala do Juízo Celestial Revelações do Apocalipse, volume I, cap. 4, 173 1 – Depois destas coisas olhei, e eis que estava uma porta aberta... e eis um."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google