A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

VANGUARDAS ARTÍSTICAS EUROPÉIAS - ISMOS - Vanguardas: em termos artísticos, designa aqueles que prevêem e anunciam o futuro, os novos tempos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "VANGUARDAS ARTÍSTICAS EUROPÉIAS - ISMOS - Vanguardas: em termos artísticos, designa aqueles que prevêem e anunciam o futuro, os novos tempos."— Transcrição da apresentação:

1 VANGUARDAS ARTÍSTICAS EUROPÉIAS - ISMOS - Vanguardas: em termos artísticos, designa aqueles que prevêem e anunciam o futuro, os novos tempos.

2 ExpressionismoExpressionismo O grito (1893), de Edvard Munch; óleo sobre cartão.

3 A boba (1917), tela de Anita Malfatti em que sobressaem os elementos dramático, emocional e, enquanto temática, marginal. ExpressionismoExpressionismo

4 ExpressionismoExpressionismo Maternidade, Almada- Negreiros. A tendência expressionista calcada no exagero atinge em cheio os modernistas portugueses.

5 ExpressionismoExpressionismo Crianças abandonadas, Lasar Segall. O aspecto quase caricatural da realidade é o que a pintura expressionista traduz.

6 Expressionismo na literatura: Linguagem fragmentada, elíptica, constituída por frases nominais (basicamente aglomeração de substantivos e adjetivos), às vezes até sem sujeito; Despreocupação com a organização do texto em estrofes, com o emprego de rimas ou de musicalidade; Combate à fome, a inércia e aos valores do mundo burguês. Expressionismo na literatura: Linguagem fragmentada, elíptica, constituída por frases nominais (basicamente aglomeração de substantivos e adjetivos), às vezes até sem sujeito; Despreocupação com a organização do texto em estrofes, com o emprego de rimas ou de musicalidade; Combate à fome, a inércia e aos valores do mundo burguês. ExpressionismoExpressionismo

7 Futurismo Parada amorosa, Nesta tela, o cubista Picabia faz nítida homenagem à máquina, realçando a tendência futurista de valorizar os mecanismos que movem o mundo, em suas próprias palavras.

8 Futurismo Automóvel correndo, de Giacomo Bahia.

9 Futurismo Futurismo na literatura: A destruição da sintaxe e a disposição das palavras em liberdade; O emprego de verbos no infinitivo, com vistas à substantivação da linguagem; A abolição dos adjetivos e dos advérbios; O emprego do substantivo duplo (burguês-burguês, burguês-níquel, mulher-golfo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo; A abolição da pontuação, que seria substituída por sinais da matemática (+), (-), (=), ( ) e pelos sinais musicais; A destruição do eu, isto é, toda a psicologia; Onomatopéias e imagens que incorporam o som das engrenagens da máquina; Percepção por analogia. Futurismo na literatura: A destruição da sintaxe e a disposição das palavras em liberdade; O emprego de verbos no infinitivo, com vistas à substantivação da linguagem; A abolição dos adjetivos e dos advérbios; O emprego do substantivo duplo (burguês-burguês, burguês-níquel, mulher-golfo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo; A abolição da pontuação, que seria substituída por sinais da matemática (+), (-), (=), ( ) e pelos sinais musicais; A destruição do eu, isto é, toda a psicologia; Onomatopéias e imagens que incorporam o som das engrenagens da máquina; Percepção por analogia.

10 Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas elétricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim (...) (Álvaro de Campos – heterônimo de Fernando Pessoa) Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas elétricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim (...) (Álvaro de Campos – heterônimo de Fernando Pessoa) Futurismo

11 Cubismo Les Demoiselles dAvignon (1907), de Pablo Picasso.

12 Cubismo Carnaval em Madureira, Tarsila do Amaral. De Albert Gleizes, Tarsila recebeu a chave do Cubismo, que cultivou com amor e sob uma ótica construtivista.

13 Cubismo Mulher com flor (1932), de Pablo Picasso, que assim se manifestou em certa ocasião: Toda a gente quer compreender a arte. Por que não tentam compreender as canções de um pássaro? [...] Pessoas que querem explicar telas normalmente ladram para a árvore errada.

14 Cubismo na literatura: Humor; Antiintelectualismo; Valorização dos cinco sentidos; Superposição de planos – frases breves e rápidas – cinematográficas; Ilogismo – mais analógico que lógico. Cubismo na literatura: Humor; Antiintelectualismo; Valorização dos cinco sentidos; Superposição de planos – frases breves e rápidas – cinematográficas; Ilogismo – mais analógico que lógico. Cubismo

15 Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Que Poeminha cinético s a i u d e l á a s s i m. (Millôr Fernandes)

16 O Capoeira - Qué apanhá sordado? - O quê? - Qué apanha? Pernas e cabeças na calçada (Oswald de Andrade) Cubismo

17 Dadaísmo Colagem-espelho, obra de Kurt Schwitters, de 1920.

18 Dadaísmo Marcel Duchamp

19 Dadaísmo na Literatura: Agressividade, improvisação, desordem; Rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio; Livre associação de palavras – o acaso substitui a inspiração, a brincadeira substitui a seriedade; Invenção de palavras com base na exploração da sonoridade. Dadaísmo na Literatura: Agressividade, improvisação, desordem; Rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio; Livre associação de palavras – o acaso substitui a inspiração, a brincadeira substitui a seriedade; Invenção de palavras com base na exploração da sonoridade. Dadaísmo

20 Receita para fazer um poema dadaísta Pegue um jornal. Pegue a tesoura. Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema. Recorte o artigo. Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco. Agite suavemente. Tire em seguida cada pedaço um após o outro. Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco. O poema se parecerá com você. E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público. (Tristan Tzara)

21 Dadaísmo A Batalha Berr... bum, bumbum, bum... Ssi... bum, papapa bum, bumm Zazzau... Dum, bum, bumbumbum Prä, prä, prä... râ, äh-äh, aa... Haho!... (Ludwig Kassak)

22 Surrealismo Neste Rosto de Mae West podendo ser utilizado como apartamento surrealista, Salvador Dalí apropria-se da técnica de colagem dos dadaístas, apresentando objetos deslocados de suas funções: os cabelos de atriz transformados em continas; os olhos, em quadros; o nariz, em aparador; os lábios, em poltrona.

23 Surrealismo Sonho provocado pelo vôo de uma abelha em torno de uma romã, um segundo antes do despertar, data de Salvador Dalí.

24 Surrealismo A persistência da memória, de Salvador Dalí.

25 Surrealismo na literatura: Imagens oníricas - extraídas do sonho, do imaginário; Metáforas surreais – realidade e sonho se conjugam; Surrealismo

26 Estudo nº 6 Tua cabeça é uma dália gigante que se desfolha nos meus braços. Nas tuas unhas se escondem algas vermelhas, E da árvore de tuas pestanas Nascem luzes atraídas pelas abelhas. (...) (Murilo Mendes)

27 Surrealismo Poema da amiga Gosto de estar a teu lado, Sem brilho. Tua presença é uma carne de peixe, De resistência mansa e um branco Escoando azuis profundos. Eu tenho liberdade em ti. Anoiteço feito um bairro, Sem brilho algum. Estamos no interior duma asa Que fechou. (Mário de Andrade)

28 ModernismoModernismo

29 SEMANA DE ARTE MODERNA Aconteceu nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, ano do Centenário da Independência e da Criação do Partido Comunista Brasileiro Marco cultural de um novo movimento literário: o Modernismo Ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo A semana de 22 causou um choque no público, pois os poemas eram sem rimas, as músicas ruídos, estrondos. Durante essa Semana ocorreram os festivais. Aconteceu nos dias 13, 15 e 17 de fevereiro de 1922, ano do Centenário da Independência e da Criação do Partido Comunista Brasileiro Marco cultural de um novo movimento literário: o Modernismo Ocorreu no Teatro Municipal de São Paulo A semana de 22 causou um choque no público, pois os poemas eram sem rimas, as músicas ruídos, estrondos. Durante essa Semana ocorreram os festivais.

30 Eventos que influenciaram a Semana de 22 Oswald de Andrade retorna da Europa, impregnado do Futurismo de Marinetti, e afirmando queestamos atrasados cinqüenta anos em cultura, chafurdados ainda em pleno Parnasianismo. Primeira exposição de pintura de Anita Malfati, que retorna da Europa trazendo influências pós- impressionistas. Organização da revista Orpheu, com manifestos e poemas do Modernismo português, por Luís de Montalvor e Ronald de Carvalho. Banquete no palácio do Trianon, em homenagem ao lançamento de As Máscaras, de Menotti del Picchia. Oswald de Andrade faz um discurso, afirmando a chegada da revolução modernista no Brasil. Oswald de Andrade retorna da Europa, impregnado do Futurismo de Marinetti, e afirmando queestamos atrasados cinqüenta anos em cultura, chafurdados ainda em pleno Parnasianismo. Primeira exposição de pintura de Anita Malfati, que retorna da Europa trazendo influências pós- impressionistas. Organização da revista Orpheu, com manifestos e poemas do Modernismo português, por Luís de Montalvor e Ronald de Carvalho. Banquete no palácio do Trianon, em homenagem ao lançamento de As Máscaras, de Menotti del Picchia. Oswald de Andrade faz um discurso, afirmando a chegada da revolução modernista no Brasil.

31 O dia 13 de fevereiro A semana foi aberta por Graça Aranha com a sua conferencia A emoção estética na arte moderna, que começa assim: Para muitos de vós a curiosa e sugestiva exposição que gloriosamente inauguramos hoje é uma aglomeração dehorrores. Aquele Gênio suplicado, aquele homem amarelo, aquele carnaval alucinante, aquela paisagem invertida se não são jogos de fantasia de artistas zombeteiros, são seguramente desvairadas interpretações da natureza e da vida. Não está terminado o vosso espanto. Outros horrores vos esperam. Daqui a pouco, juntando-se a esta coleção de disparates, uma poesia liberta, uma música extravagante, mas transcendente, virão revoltar aqueles que reagem movidos pelas forças do Passado. Para estes retardatários a arte ainda é o Belo. Na mesma noite, além da conferência A pintura e a escultura no Brasil, apresentada por Ronald de Carvalho, foi declamado o poema-sátira Os sapos. A semana foi aberta por Graça Aranha com a sua conferencia A emoção estética na arte moderna, que começa assim: Para muitos de vós a curiosa e sugestiva exposição que gloriosamente inauguramos hoje é uma aglomeração dehorrores. Aquele Gênio suplicado, aquele homem amarelo, aquele carnaval alucinante, aquela paisagem invertida se não são jogos de fantasia de artistas zombeteiros, são seguramente desvairadas interpretações da natureza e da vida. Não está terminado o vosso espanto. Outros horrores vos esperam. Daqui a pouco, juntando-se a esta coleção de disparates, uma poesia liberta, uma música extravagante, mas transcendente, virão revoltar aqueles que reagem movidos pelas forças do Passado. Para estes retardatários a arte ainda é o Belo. Na mesma noite, além da conferência A pintura e a escultura no Brasil, apresentada por Ronald de Carvalho, foi declamado o poema-sátira Os sapos.

32 O dia 15 de fevereiro O dia 15, apesar das vaias, é considerado o auge da Semana, quando Menotti del Picchia discorreu sobre a arte moderna, propondo mudanças e, sobretudo, o abandono de motivos europeus, incentivando o nacionalismo e a exploração de nosso folclore: (...) Nada de postiço, meloso, artificial, arrevezado, precioso: queremos escrever com sangue – que é humanidade; com eletricidade – que é movimento, expressão dinâmica do século; violência – que é energia bandeirante. Assim nascerá uma arte genuinamente brasileira, filha do céu e da terra, do Homem e do mistério. (...) O dia 15, apesar das vaias, é considerado o auge da Semana, quando Menotti del Picchia discorreu sobre a arte moderna, propondo mudanças e, sobretudo, o abandono de motivos europeus, incentivando o nacionalismo e a exploração de nosso folclore: (...) Nada de postiço, meloso, artificial, arrevezado, precioso: queremos escrever com sangue – que é humanidade; com eletricidade – que é movimento, expressão dinâmica do século; violência – que é energia bandeirante. Assim nascerá uma arte genuinamente brasileira, filha do céu e da terra, do Homem e do mistério. (...)

33 O dia 17 de fevereiro A ultima noite foi dedicada à música, apresentando Villa lobos e Guiomar Novaes. Além das conferências e apresentações, havia no saguão do teatro exposições de obras dos artistas plásticos do momento. A despeito de muitas críticas e divisão de opiniões, iniciava-se, desse modo, o Modernismo no Brasil. A ultima noite foi dedicada à música, apresentando Villa lobos e Guiomar Novaes. Além das conferências e apresentações, havia no saguão do teatro exposições de obras dos artistas plásticos do momento. A despeito de muitas críticas e divisão de opiniões, iniciava-se, desse modo, o Modernismo no Brasil.

34 PARTICIPANTES Música: Heitor Villa-Lobos, Guiomar Novaes e Ernâni Braga Literatura: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de Carvalho, Menotti del Picchia, Guilherme de Almeida, Plínio Salgado, Sérgio Milliet, Afonso Schimidt, Graça Aranha Pintura: Anita Malfati, Di Cavalcanti Escultura: Victor Brecheret Arquitetura: Antonio Moya Música: Heitor Villa-Lobos, Guiomar Novaes e Ernâni Braga Literatura: Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Ronald de Carvalho, Menotti del Picchia, Guilherme de Almeida, Plínio Salgado, Sérgio Milliet, Afonso Schimidt, Graça Aranha Pintura: Anita Malfati, Di Cavalcanti Escultura: Victor Brecheret Arquitetura: Antonio Moya

35 Alguns dos organizadores e participantes da Semana de Arte Moderna

36 Cartaz de Di Cavalcanti

37 Di Cavalcanti Moças

38 PRIMEIRA GERAÇÃO MODERNISTA Inicia-se em 1922, com a Semana de Arte Moderna, e se prolonga até 1930 Rompimento com todas as estruturas do passado: Parnasianismo, Simbolismo e Arte acadêmica A geração de 22 caracteriza-se como guerreira e combativa em conseqüência da necessidade de definições. Daí um caráter anárquico e um forte sentido destruidor, definido por Mário de Andrade: "(...) se alastrou pelo Brasil o espírito destruidor do movimento modernista. Isto é, o seu sentido verdadeiramente específico. Porque, embora lançando inúmeros processos e idéias novas, o movimento modernista foi essencialmente destruidor. (...) Linguagem também rompe com o tradicional: a métrica, a rima, a linearidade do discurso não são mais usados Inicia-se em 1922, com a Semana de Arte Moderna, e se prolonga até 1930 Rompimento com todas as estruturas do passado: Parnasianismo, Simbolismo e Arte acadêmica A geração de 22 caracteriza-se como guerreira e combativa em conseqüência da necessidade de definições. Daí um caráter anárquico e um forte sentido destruidor, definido por Mário de Andrade: "(...) se alastrou pelo Brasil o espírito destruidor do movimento modernista. Isto é, o seu sentido verdadeiramente específico. Porque, embora lançando inúmeros processos e idéias novas, o movimento modernista foi essencialmente destruidor. (...) Linguagem também rompe com o tradicional: a métrica, a rima, a linearidade do discurso não são mais usados

39 Ao mesmo tempo que se procura o moderno, o original e o polêmico, o nacionalismo gerado neste período se manifesta em múltiplos aspectos: uma volta às origens, a procura de uma "língua brasileira" (a língua falada pelo povo nas ruas), as paródias - numa tentativa de repensar a história e a literatura brasileiras - e a valorização do índio verdadeiramente brasileiro. Esse nacionalismo, ora é crítico, ora é ufanista: crítico: denuncia a realidade, identificado politicamente com as esquerdas ufanista: utópico e exagerado, identificado com as correntes de extrema direita Período rico em manifestos e revistas de curta duração: Vertentes críticas: Manifesto da Poesia Pau-Brasil e Manifesto Antropófago, comandado por Oswald de Andrade Vertentes ufanistas: Manifesto Verde-amarelismo ou Grupo da Anta, comandado por Plínio Salgado

40 Manifesto da Poesia Pau-Brasil Escrito por Oswald de Andrade Inicialmente publicado no jornal Correio da Manhã – 1924 No ano seguinte, inaugurou o livro de poesia Pau-Brasil – uma forma reduzia e alterada do manifesto – ilustrada por Tarsila do Amaral Propõe uma literatura vinculada à realidade brasileira, a partir de uma redescoberta do Brasil Vendedor de frutas, de Tarsila do Amaral. Tela da fase Pau-Brasil da pintora, que alia a construção cubista à fauna, à vegetação e às cores tropicais Trechos: A língua sem arcaísmos, sem erudição. Natural e neológica. A contribuição milionária de todos os erros. Como falamos. Como somos. (...) Só não se inventou uma máquina de fazer versos - já havia o poeta parnasiano. (...)

41 Verde-Amarelismo Surge em 1926, como uma resposta ao nacionalismo do Pau-Brasil Crítica ao "nacionalismo afrancesado" de Oswald de Andrade e apresentava como proposta um nacionalismo primitivista, ufanista e identificado com o fascismo Parte-se para a idolatria do tupi e elege-se a anta como símbolo nacional Oswald de Andrade contra-ataca com o artigo Antologia, fazendo uma série de brincadeiras, utilizando palavras iniciadas ou terminadas com anta Um ano depois, Oswald escreve o Manifesto Antropófago, ainda como resposta aos seguidores da Escola da Anta

42 Revista de Antropofagia Abaporu, de Tarsila do Amaral. Obra que inspirou o movimento antropofágico e cujo título significa, em tupi, aquele que come Duas fases: Iniciada com o polêmico Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade. A revista foi exemplo prático da mistura ideológica em que o movimento modernista se transformou: artigos de Oswald, Mário de Andrade, Drummond; e textos de Plínio Salgado e poesias de Guilherme de Almeida, típicos representantes da Escola da Anta A segunda fase apresenta-se mais definida ideologicamente – houve uma ruptura entre Oswald de Andrade e Mário de Andrade. Afinal, vivia-se uma época de definições. Trecho: "Só a antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente. Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as religiões. De todos os tratados de paz. Tupy or not tupy, that is the question.

43 SEGUNDA GERAÇÃO MODERNISTA Iniciada em 1930, com a publicação de Alguma Poesia, de Carlos Drummond de Andrade, e encerada em 1945 As conquistas de 22 - o verso livre, a liberdade temática; a prosa, o coloquial e o irônico no contexto poético e o antiacademicismo - caracterizam também as obras dos poetas de 30, como Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes Período extremamente rico tanto na produção poética quanto na prosa Iniciada em 1930, com a publicação de Alguma Poesia, de Carlos Drummond de Andrade, e encerada em 1945 As conquistas de 22 - o verso livre, a liberdade temática; a prosa, o coloquial e o irônico no contexto poético e o antiacademicismo - caracterizam também as obras dos poetas de 30, como Carlos Drummond de Andrade e Murilo Mendes Período extremamente rico tanto na produção poética quanto na prosa

44 Poesia Representa um amadurecimento e um aprofundamento das conquistas da geração de 1922 É possível perceber a influência de Mário e Oswald de Andrade sobre os jovens – os que iniciaram sua produção poética após a realização da Semana. Carlos Drummond de Andrade dedicou seu livro de estréia, Alguma poesia (1930), a Mário de Andrade Os novos poetas seguindo o verso livre e a poesia sintética. Por exemplo, o poema "Cota zero", de Drummond: "Stop. A vida parou ou foi o automóvel? O artista passa a se questionar como indivíduo e como artista em sua "tentativa de explorar e de interpretar o estar no mundo Revalorizam e conciliam elementos da tradição com os novos tempos. Os gêneros literários (lírico, épico, dramático), as formas poéticas fixas – como o soneto – e também os estilos tradicionais voltam a aparecer: Neo-Simbolismo de Cecília Meireles e Neo-Romantismo de Vinicius de Moraes

45 Prosa Registrou a estréia de alguns dos nomes mais significativos do romance brasileiro Autores como Graciliano Ramos e Jorge Amado, produzem um literatura de caráter mais construtivo, mais madura em sua prosa inovadora Romance caracterizado pela denúncia social, relações eu/mundo atingindo um grau mais elevado O regionalismo ganha extrema importância, levando ao extremo as relações do personagem com o meio natural e social: "A culpa foi minha, ou antes, a culpa foi desta vida agreste que me deu uma alma agreste Paulo Honório, personagem-narrador do romance São Bernardo de Graciliano Ramos. Neo-Realismo, dando uma nova dimensão ao estilo realista e ao romance regionalista brasileiro. Essa tendência alcançou maior repercussão e importância na época, pois denunciou alguns problemas sociais como a seca, a miséria, a fome e o coronelismo

46 TERCEIRA GERAÇÃO MODERNISTA Iniciada em 1945 e se prolonga até 1960 O período de 1960 até os dias de hoje é considerado Tendências Contemporâneas Retrocesso em relação às conquistas de 22: propõe uma volta ao passado, revalorizando a rima, a métrica, o vocabulário erudito Geração de 45: Passadista, acadêmica. Por outro lado, introduziu uma nova cultura internacional nas letras brasileiras. Autores como Fernando Pessoa e Frederico Garcia Lorca influenciaram-na significativamente Iniciada em 1945 e se prolonga até 1960 O período de 1960 até os dias de hoje é considerado Tendências Contemporâneas Retrocesso em relação às conquistas de 22: propõe uma volta ao passado, revalorizando a rima, a métrica, o vocabulário erudito Geração de 45: Passadista, acadêmica. Por outro lado, introduziu uma nova cultura internacional nas letras brasileiras. Autores como Fernando Pessoa e Frederico Garcia Lorca influenciaram-na significativamente

47 Em contraposição as produções literárias passadista, três grandes escritores se sobressaem: Prosa: Guimarães Rosa e Clarice Lispector Poesia: João Cabral de Melo Neto Tais escritores têm em comum o senso do compromisso entre a arte e a realidade, o comprometimento do escritor e de sua obra na vida social. Assim retomam: nacionalismo da geração de 22 o universalismo da geração de 30

48 VANGUARDAS ARTÍSTICAS EUROPÉIAS - ISMOS - Vanguardas: em termos artísticos, designa aqueles que prevêem e anunciam o futuro, os novos tempos.

49 ExpressionismoExpressionismo O grito (1893), de Edvard Munch; óleo sobre cartão.

50 A boba (1917), tela de Anita Malfatti em que sobressaem os elementos dramático, emocional e, enquanto temática, marginal. ExpressionismoExpressionismo

51 ExpressionismoExpressionismo Maternidade, Almada- Negreiros. A tendência expressionista calcada no exagero atinge em cheio os modernistas portugueses.

52 ExpressionismoExpressionismo Crianças abandonadas, Lasar Segall. O aspecto quase caricatural da realidade é o que a pintura expressionista traduz.

53 Expressionismo na literatura: Linguagem fragmentada, elíptica, constituída por frases nominais (basicamente aglomeração de substantivos e adjetivos), às vezes até sem sujeito; Despreocupação com a organização do texto em estrofes, com o emprego de rimas ou de musicalidade; Combate à fome, a inércia e aos valores do mundo burguês. Expressionismo na literatura: Linguagem fragmentada, elíptica, constituída por frases nominais (basicamente aglomeração de substantivos e adjetivos), às vezes até sem sujeito; Despreocupação com a organização do texto em estrofes, com o emprego de rimas ou de musicalidade; Combate à fome, a inércia e aos valores do mundo burguês. ExpressionismoExpressionismo

54 Futurismo Parada amorosa, Nesta tela, o cubista Picabia faz nítida homenagem à máquina, realçando a tendência futurista de valorizar os mecanismos que movem o mundo, em suas próprias palavras.

55 Futurismo Automóvel correndo, de Giacomo Bahia.

56 Futurismo Futurismo na literatura: A destruição da sintaxe e a disposição das palavras em liberdade; O emprego de verbos no infinitivo, com vistas à substantivação da linguagem; A abolição dos adjetivos e dos advérbios; O emprego do substantivo duplo (burguês- burguês, burguês-níquel, mulher-golfo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo; A abolição da pontuação, que seria substituída por sinais da matemática (+), (-), (=), ( ) e pelos sinais musicais; A destruição do eu, isto é, toda a psicologia; Onomatopéias e imagens que incorporam o som das engrenagens da máquina; Percepção por analogia. Futurismo na literatura: A destruição da sintaxe e a disposição das palavras em liberdade; O emprego de verbos no infinitivo, com vistas à substantivação da linguagem; A abolição dos adjetivos e dos advérbios; O emprego do substantivo duplo (burguês- burguês, burguês-níquel, mulher-golfo) em lugar do substantivo acompanhado de adjetivo; A abolição da pontuação, que seria substituída por sinais da matemática (+), (-), (=), ( ) e pelos sinais musicais; A destruição do eu, isto é, toda a psicologia; Onomatopéias e imagens que incorporam o som das engrenagens da máquina; Percepção por analogia.

57 Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas elétricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim (...) (Álvaro de Campos – heterônimo de Fernando Pessoa) Ode triunfal À dolorosa luz das grandes lâmpadas elétricas da fábrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. Ó rodas, ó engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fúria! Em fúria fora e dentro de mim (...) (Álvaro de Campos – heterônimo de Fernando Pessoa) Futurismo

58 Cubismo Les Demoiselles dAvignon (1907), de Pablo Picasso.

59 Cubismo Carnaval em Madureira, Tarsila do Amaral. De Albert Gleizes, Tarsila recebeu a chave do Cubismo, que cultivou com amor e sob uma ótica construtivista.

60 Cubismo Mulher com flor (1932), de Pablo Picasso, que assim se manifestou em certa ocasião: Toda a gente quer compreender a arte. Por que não tentam compreender as canções de um pássaro? [...] Pessoas que querem explicar telas normalmente ladram para a árvore errada.

61 Cubismo na literatura: Humor; Antiintelectualismo; Valorização dos cinco sentidos; Superposição de planos – frases breves e rápidas – cinematográficas; Ilogismo – mais analógico que lógico. Cubismo na literatura: Humor; Antiintelectualismo; Valorização dos cinco sentidos; Superposição de planos – frases breves e rápidas – cinematográficas; Ilogismo – mais analógico que lógico. Cubismo

62 Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Que Poeminha cinético s a i u d e l á a s s i m. (Millôr Fernandes)

63 O Capoeira - Qué apanhá sordado? - O quê? - Qué apanha? Pernas e cabeças na calçada (Oswald de Andrade) Cubismo

64 Dadaísmo Colagem-espelho, obra de Kurt Schwitters, de 1920.

65 Dadaísmo Marcel Duchamp

66 Dadaísmo na Literatura: Agressividade, improvisação, desordem; Rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio; Livre associação de palavras – o acaso substitui a inspiração, a brincadeira substitui a seriedade; Invenção de palavras com base na exploração da sonoridade. Dadaísmo na Literatura: Agressividade, improvisação, desordem; Rejeição a qualquer tipo de racionalização e equilíbrio; Livre associação de palavras – o acaso substitui a inspiração, a brincadeira substitui a seriedade; Invenção de palavras com base na exploração da sonoridade. Dadaísmo

67 Receita para fazer um poema dadaísta Pegue um jornal. Pegue a tesoura. Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema. Recorte o artigo. Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco. Agite suavemente. Tire em seguida cada pedaço um após o outro. Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco. O poema se parecerá com você. E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público. (Tristan Tzara)

68 Dadaísmo A Batalha Berr... bum, bumbum, bum... Ssi... bum, papapa bum, bumm Zazzau... Dum, bum, bumbumbum Prä, prä, prä... râ, äh-äh, aa... Haho!... (Ludwig Kassak)

69 Surrealismo Neste Rosto de Mae West podendo ser utilizado como apartamento surrealista, Salvador Dalí apropria-se da técnica de colagem dos dadaístas, apresentando objetos deslocados de suas funções: os cabelos de atriz transformados em continas; os olhos, em quadros; o nariz, em aparador; os lábios, em poltrona.

70 Surrealismo Sonho provocado pelo vôo de uma abelha em torno de uma romã, um segundo antes do despertar, data de Salvador Dalí.

71 Surrealismo A persistência da memória, de Salvador Dalí.

72 Surrealismo na literatura: Imagens oníricas - extraídas do sonho, do imaginário; Metáforas surreais – realidade e sonho se conjugam; Surrealismo

73 Estudo nº 6 Tua cabeça é uma dália gigante que se desfolha nos meus braços. Nas tuas unhas se escondem algas vermelhas, E da árvore de tuas pestanas Nascem luzes atraídas pelas abelhas. (...) (Murilo Mendes)

74 Surrealismo Poema da amiga Gosto de estar a teu lado, Sem brilho. Tua presença é uma carne de peixe, De resistência mansa e um branco Escoando azuis profundos. Eu tenho liberdade em ti. Anoiteço feito um bairro, Sem brilho algum. Estamos no interior duma asa Que fechou. (Mário de Andrade)


Carregar ppt "VANGUARDAS ARTÍSTICAS EUROPÉIAS - ISMOS - Vanguardas: em termos artísticos, designa aqueles que prevêem e anunciam o futuro, os novos tempos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google